Votação da PEC da Maioridade Penal reúne manifestantes em frente ao Congresso


Terça-feira, 30 de junho de 2015, às 16h07


Agência Câmara | por Antonio Vital
Edição - Natalia Doederlein

Antes da votação da proposta que reduz a maioridade penal, o gramado em frente ao Congresso Nacional foi ocupado por cerca de 500 pessoas, a maioria contrária ao projeto que reduz de 18 para 16 anos a idade penal para crimes hediondos, homicídio e roubo qualificado.

Diversas entidades, como centrais sindicais e movimentos estudantis, protestam pacificamente contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 171/93. Outro grupo, menor, apoia a medida e, para chamar a atenção, fixou cruzes no gramado para simbolizar as vítimas de crimes praticados por adolescentes. Os dois movimentos protestam sem entrar em confronto.

 

Manifestantes contra a redução da maioridade reunidos no gramado em frente ao Congresso.  Foto: Laycer Tomaz / Câmara dos Deputados

Manifestantes contra a redução da maioridade reunidos no gramado em frente ao Congresso. Foto: Laycer Tomaz / Câmara dos Deputados

 

O esquema de segurança do Congresso foi reforçado e os manifestantes são impedidos de chegar perto do espelho d’água.

Os manifestantes contrários à redução da maioridade penal demonstram sua insatisfação com o uso de faixas com expressões como “Menos cadeias, mais escolas”, “Redução não é a solução” e “Estudantes contra a redução”.

Samuel de Oliveira, 18 anos, da União Brasileira de Estudantes Secundaristas (Ubes), veio de São Paulo (SP) com um grupo contrário à proposta. “Queremos mostrar para os deputados que é preciso criar mais perspectivas para a juventude, com emprego e cultura, em vez de diminuir a maioridade penal”, disse. Ele faz parte de um grupo que montou acampamento, com cerca de cem barracas, a cerca de 200 metros do espelho d’água do Congresso. Segundo ele, outros mil estudantes são aguardados até o início da noite.

Mas não apenas estudantes protestam contra a proposta de reduzir a maioridade penal. Iran Magalhães, conselheiro tutelar do bairro de Águas Claras, no Distrito Federal, também critica a emenda constitucional. “Reduzir a maioridade não vai reduzir o problema da violência. O que nós, conselheiros tutelares em Brasília, defendemos é investimento em educação integral de qualidade”, disse.

A 50 metros do acampamento e dos carros de som dos manifestantes, um outro grupo, silencioso, faz vigília em meio a cruzes fincadas no gramado. Juraci de Osti, funcionária pública de 51 anos, enfrenta o sol forte para defender a redução da maioridade penal. Ela usa uma camisa com a foto de um jovem e os dizeres “Movimento Thiago Vivo”.

 

Cruzes espalhadas na Esplanada dos Ministérios: protesto a favor da redução da maioridade penal. Foto: Gabriela Korossy / Câmara dos Deputados

Cruzes espalhadas na Esplanada dos Ministérios: protesto a favor da redução da maioridade penal. Foto: Gabriela Korossy / Câmara dos Deputados

 

“Meu filho foi assassinado na minha frente por bandidos que muita gente chama de meninos”, explica, acompanhada por outras pessoas com histórias semelhantes.

Iraci conta que o filho Thiago de Osti Cardoso Lopes, 28 anos, foi assassinado em outubro do ano passado em frente à casa da família, no bairro da Mooca, em São Paulo (SP). “Nós chegamos de uma degustação e ele foi rendido dentro do carro enquanto eu fechava a garagem. Ele não reagiu e os bandidos atiraram nele na minha frente”, disse.

Iraci defende a redução da maioridade penal como forma de diminuir a impunidade e reduzir a violência praticada por adolescentes.

Outro defensor da proposta é o motorista Vanderlei Bufarah, 54 anos, morador de Paracatu (MG), que propõe medida ainda mais radical. “Eu sou a favor da redução da maioridade penal para 13 anos”, disse, empunhando um cartaz com uma lista de reivindicações que inclui até o impeachment da presidente Dilma Roussef.

A proposta que reduz a maioridade penal pode ser votada no Plenário da Câmara nesta tarde.

O deputado federal Major Olímpio e a presidente da UNE, Carina Vitral, durante o tumulto na CE da Câmara, que discutia a PEC 171/93, que trata da maioridade penal. Foto: Lula Marques

O deputado federal Major Olímpio e a presidente da UNE, Carina Vitral, durante o tumulto na CE da Câmara, que discutia a PEC 171/93, que trata da maioridade penal. Foto: Lula Marques

Leia mais sobre
POLÍTICA

 

Terra: adolescente não tem o cérebro de um adulto. Isso explica porque 50% dos adolescentes que fumam maconha ficam viciados para o resto da vida. Foto: Lucio Bernardo Jr. / Câmara dos Deputados

Terra: adolescente não tem o cérebro de um adulto. Isso explica porque 50% dos adolescentes que fumam maconha ficam viciados para o resto da vida. Foto: Lucio Bernardo Jr. / Câmara dos Deputados

Leia mais sobre
ALÔ BRASIL

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo
Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo
Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo
Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes
Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo
Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo
Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo
Telescópio Gigante Magalhães, vídeo
  • Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo

  • Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo

  • Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo

  • Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes

  • Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo

  • Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo

  • Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo

  • Telescópio Gigante Magalhães, vídeo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*