“Mordeu? Vai pro quarto escuro com o lobo mau”
jul01

“Mordeu? Vai pro quarto escuro com o lobo mau”

Terça-feira, 1º de julho de 2014 às 20h05 Ao explicitar a sua tática, o ex-jogador Ronaldo Fenômeno traz à tona o despreparo de alguns pais na hora de educar os filhos. A punição aplicada pela FIFA ao jogador do Uruguai, Luis Suárez, por morder um zagueiro italiano pode ou não fazer sentido dependendo da interpretação. Mas o desdobramento do caso revela que a deseducação não é exclusividade dos atletas. Ela também impera nos bastidores da Copa, entre os famosos. É o que fica evidente no comentário que o ex-jogador Ronaldo fez sobre o assunto: “Sei que mordida dói. Minhas filhas pequenas mordiam até pouco tempo e eu punia: quarto escuro com lobo mau”. Que os fãs do Fenômeno com filhos na primeira infância não levem o conselho a sério, pois os desdobramentos podem ser catastróficos.     “Colocar uma criança num quarto escuro não a faz refletir sobre o seu ato”, comenta a psicóloga clínica Ana Cássia Maturano. “Sem contar que você, adulto, continua agindo na esfera da agressividade e isso é um péssimo exemplo”. E que dizer da combinação quarto escuro com lobo mau? “É algo que deve ser aterrorizante para uma criança”, diz Ana Cássia. “Você apenas reforça o medo natural que elas já sentem por terem um pensamento fantasioso”. Com relação ao ato de morder, a despeito de ser algo realmente estranho partindo de um adulto, entre os pequenos é absolutamente normal. “Quando os pequenos descobrem o poder dos dentes acabam usando, seja para agredir ou despertar a atenção. É uma forma de se expressar, considerada até normal, nada inusitado”, explica a psicopedagoga Cynthia Wood. “O papel do adulto é mostrar que isso não se faz, sem jamais reprimi-la com punição e violência”. Punições, como a que fez Ronaldo, podem trazer prejuízos tanto para os pais como para as crianças. “Colocar num quarto escuro e dizer que o lobo mau está lá é uma tortura emocional”, alerta a psicóloga Maria Rocha, coordenadora pedagógica do colégio Ápice de Educação Infantil, localizado no bairro do Morumbi, em São Paulo. Segundo a especialista, “uma criança que fica trancada em um quarto escuro pode criar um trauma e levá-lo para a vida toda”. Isso para não dizer do risco da quebra de confiança nos pais, figuras especiais em quem os pequenos confiam acima de tudo. “Ela pode, inclusive, deixar de confiar neles e não é difícil imaginar as conseqüências disso”, diz Maria Rocha. E como agir nas situações em que as crianças mordem? “Os pais devem explicar que existem regras na vida e que ela não pode fazer aquilo. Caso a criança tenha mordido um colega porque não quis dividir...

Leia mais
A boa educação está no professor
jul01

A boa educação está no professor

Terça-feira, 1º de julho de 2014 às 19h01   Tom Coelho Vejo com preocupação como as famílias têm terceirizado a educação à escola, com reduzida participação no processo construtivo dos próprios filhos. A extinção de diversas disciplinas como Educação Moral e Cívica e OSPB fez com que os jovens de hoje não tenham conhecimento da história de seu país e noções básicas de cidadania. A aprovação automática, por sua vez, tem gerado analfabetos funcionais, graças à opção da educação pública em privilegiar a quantidade em detrimento da qualidade do ensino. Este é o mundo em que vivemos hoje, caracterizado pela família nuclear, onde pai e mãe trabalham fora. Um mundo em crise de valores, sem fronteiras, acessível à velocidade de um clique, que estimula o individualismo e o egoísmo. Uma sociedade de consumo, viciada em tecnologia e relações virtuais, reality shows e exposição de perfis projetados em redes sociais, em busca de inserção, reconhecimento e aprovação. Em lugar de evoluir, estamos regredindo no que concerne ao convívio social. Motoristas que trafegam pelo acostamento e motociclistas que propositadamente avariam espelhos retrovisores. Pessoas que utilizam vagas destinadas a deficientes quando sua única necessidade especial é demonstrar esperteza e ganhar alguns minutos. Pichadores que danificam patrimônio público e privado como se estivessem produzindo obras de arte. Trabalhadores que apresentam falsos atestados médicos. Pessoas queimadas em praças públicas, decapitadas em celas, agredidas em virtude de sua orientação sexual. Torcidas que se digladiam nas ruas e em estádios de futebol. Crimes do colarinho branco. Exemplos de falta de escrúpulo, intolerância e desrespeito aos direitos do outro.     Temos que nos adaptar a isso e a escola precisa avançar neste sentido, elevando o nível de ensino ao mesmo tempo em que cobra maior participação dos pais. Ademais, vale ressaltar que não é tijolo que educa. Escolas podem ser reformadas e ampliadas, quadras poliesportivas construídas, computadores de última geração instalados, e ainda assim a qualidade de ensino continuar sofrível porque a chave para a boa educação está no professor. Em meio a este cenário o Instituto Ayrton Senna surge como um oásis, promovendo e praticando a educação, a cidadania, o respeito e a dignidade. Fonte: Instituto Ayrton...

Leia mais
Molécula mostra potencial contra insuficiência cardíaca
jul01
Leia mais
Bom Prato no Limão
jul01

Bom Prato no Limão

Terça-feira, 1º de julho de 2014 às 18h06   Alckmin inaugura 46ª unidade do Bom Prato no bairro do Limão. Nova unidade servirá 1,5 mil refeições diárias de segunda a sexta-feira. Secretarias de Desenvolvimento Social (SDS) e de Gestão Pública (SGP) – O governador Geraldo Alckmin inaugurou nesta terça-feira, 1º de julho, a 46ª unidade do Bom Prato, no bairro do Limão, zona norte da capital. Atualmente existem 45 unidades no Estado, sendo 21 localizadas na capital e as demais na Grande São Paulo, no interior e no litoral. A rede de restaurantes Bom Prato serve diariamente 77,7 mil refeições, entre almoço e café da manhã. “É com muita alegria que estamos inaugurando mais uma unidade do Bom Prato, o programa social melhor avaliado do Governo. O melhor remédio que existe é uma alimentação saudável e aqui a população encontra uma alimentação nutritiva, de qualidade e a um preço acessível”, afirmou Alckmin. “Tem o café da manhã por R$ 0,50 e almoço por R$ 1. Desde sua inauguração, o programa já serviu mais de 120 milhões de refeições”, informou. O Governo do Estado investiu R$ 350 mil para adequação do imóvel e instalação de equipamentos, além de garantir R$ 1,52 milhão em subsídio da alimentação durante 24 meses. Os recursos estaduais somam R$ 1,87 milhão, assegurando alimentos balanceados e nutritivos a um baixo custo para o usuário. De segunda a sexta-feira, serão servidos 300 cafés da manhã (das 7h às 9h) por R$ 0,50 ao usuário e 1.200 almoços (das 10h30 até o término da cota) por R$ 1. O valor da refeição é o mesmo desde o lançamento do programa Bom Prato, em 2000.     Sobre o Bom Prato O programa de segurança alimentar do Governo do Estado de São Paulo foi criado em dezembro de 2000 com o objetivo de oferecer, à população de baixa renda, refeições saudáveis e de alta qualidade a custo acessível. O almoço, com 1.200 calorias, feito de arroz, feijão, salada, legumes, farinha de mandioca, um tipo de carne, pãozinho, suco e sobremesa (geralmente uma fruta da época) tem custo de R$ 1 para o usuário. Já o café da manhã tem leite com café, achocolatado ou iogurte, pão com margarina, requeijão ou frios e uma fruta da estação. A refeição tem 400 calorias em média e custa R$ 0,50. O serviço foi implantado em todos os restaurantes do Estado em setembro de 2011. Desde a implantação do Programa Bom Prato, já foram servidas mais de 123 milhões de refeições e investidos mais de R$ 279 milhões entre custeio das refeições, implantação e revitalização das unidades. Novo posto do Acessa São Paulo...

Leia mais
Caça às baleias no Japão
jul01
Leia mais
A popularização do futebol pelos clubes de fábrica
jul01
Leia mais
Moça Capuccino
jul01
Leia mais