Praça Antonio Giaquinto
jul14

Praça Antonio Giaquinto

Segunda-feira, 14 de julho de 2014 às 21h47 Inaugurado há 14 anos, memorial está precisando de cuidados. Com a presença do maior contingente de entidades e associações já visto reunido num mesmo lugar no bairro e jamais repetido até hoje, no dia 28 de setembro de 2000, foi inaugurado um Memorial e denominada a praça existente no final da Rua Francisco Ziccardi, no Jardim Anália Franco, como Antonio Giaquinto, uma justa homenagem providenciada pelo vereador Toninho Paiva especialista em eternizar a lembrança de pessoas importantes na vida da cidade e dos bairros de São Paulo.   Giaquinto, como era chamado pelos amigos, tornou-se precursor de muitas iniciativas que ajudaram a personificar o bairro, formando uma base sólida para várias associações que existem até hoje e não seria arriscado dizer que foi ele um dos que mais trabalhou para o crescimento do Tatuapé desde os anos 60 aproximadamente até seu falecimento no início de 1999. O Memorial erguido a ele, existente na praça com o mesmo nome está precisando de alguns cuidados para que a homenagem feita em granito e aço não se deteriore ainda mais....

Leia mais
Ibirapuera caminha para se tornar sexagenário
jul14

Ibirapuera caminha para se tornar sexagenário

    Segunda-feira, 14 de julho de 2014 às 21h18   Parque do Ibirapuera completa 60 anos de existência em agosto. Inaugurado em 21 de agosto de 1954, o Parque do Ibirapuera está prestes a completar 60 anos de existência. Com uma média de cerca de 300 mil visitantes por fim de semana, a área verde é um dos maiores símbolos da cidade de São Paulo. O sexagenário Ibirapuera figura como oitavo maior parque do mundo. Assista o vídeo publicado no dia 11 de julho,  pela TV Câmara São Paulo, órgão de comunicação da Câmara Municipal de São...

Leia mais
Honda Civic Type R Concept
jul14
Leia mais
Argila brasileira pode ser mais valorizada
jul14

Argila brasileira pode ser mais valorizada

Segunda-feira, 14 de julho de 2014 às 17h58 Argila brasileira tem potencial para atender às indústrias de fármacos e cosméticos Por José Tadeu Arantes Agência FAPESP – O Brasil é um dos principais fornecedores mundiais de argila. Mas as argilas do país são, em geral, produtos de baixo valor agregado, usados em grandes quantidades. A bentonita (argila constituída essencialmente por argilominerais esmectíticos), por exemplo, produzida no país é utilizada majoritariamente na extração de petróleo, gás e água, na pelotização de minérios de ferro, em moldes para fundição de metais e como leito sanitário para animais domésticos.     Situação semelhante ocorre com os caulins (constituídos essencialmente por argilominerais cauliníticos), cujos principais destinos são as indústrias de papel e de cerâmica. Não há registros do emprego de bentonitas e caulins brasileiros em ramos nobres, como as indústrias de fármacos e cosméticos, ao menos em grande escala. “De modo geral, esses segmentos, principalmente de fármacos e nanocompósitos, utilizam argilas importadas, pois ou não existem similares nacionais com o mesmo grau de pureza ou os fornecedores daqui não conseguem manter o padrão de um lote para o outro”, disse à Agência FAPESP o engenheiro Francisco Rolando Valenzuela Diaz, professor da Escola Politécnica (Poli) da Universidade de São Paulo (USP). Com o objetivo de avaliar o potencial do país para modificar esse cenário, Valenzuela Diaz coordenou, recentemente, a pesquisa “Purificação, reologia, caracterização mineralógica e modificação de argilas brasileiras para uso em cosméticos, fármacos e outros produtos de alto valor agregado”, com apoio da FAPESP. “Nosso projeto investigou 20 tipos de argila de diferentes lugares do Brasil, purificou-as e estudou seu potencial para usos mais nobres, tais como fármacos, cosméticos e nanocompósitos de argilas com polímeros, visando a sua capacidade de reprodução de resultados”, afirmou. “Das argilas que estudamos, as que apresentaram os melhores resultados foram as bentonitas da Paraíba; uma bentonita de Vitória da Conquista, na Bahia, e alguns caulins do Pará.” Os resultados obtidos foram considerados surpreendentes pelos pesquisadores. No caso da argila da Bahia, por exemplo, verificou-se que, em seu estado natural, ela não é adequada para a produção de fármacos e cosméticos, mas, após a purificação, origina três argilas com cores e propriedades físico-químicas diferentes, que apresentam excelentes perspectivas de uso nobre. Exemplos do emprego medicinal de argilas são seu uso por via oral, como adsorventes de toxinas ou fornecedores de suplementos minerais, ou seu uso tópico, no tratamento de doenças dermatológicas. Os pesquisadores utilizaram técnicas analíticas para acessar as propriedades físico-químicas das argilas analisadas, tais como a difratometria de raios X, a fluorescência de raios X, a microscopia eletrônica de varredura e a quantificação rigorosa dos argilominerais presentes nas amostras,...

Leia mais
Após 24 anos, Alemanha conquista o tetracampeonato
jul14

Após 24 anos, Alemanha conquista o tetracampeonato

Segunda-feira, 14 de julho de 2014 às 10h42 – Atualizado às 15h22 Ivan Richard e Carolina Pimentel – Repórteres da Agência Brasil Editores: Carolina Pimentel e Valéria Aguiar Edição final: Alô São Paulo Final da Copa do Mundo, Rio de Janeiro – Vinte e quatro anos depois e novamente com vitória sobre a Argentina, a Alemanha vence a Copa do Mundo e torna-se tetracampeã, assim como a Itália e com um título a menos que a seleção brasileira. Organização, disciplina, técnica e carisma marcaram a campanha dos europeus, que nas semifinais golearam o Brasil por 7 a 1, no Estádio do Mineirão. Autor do gol que deu o título para a Alemanha, a oito minutos do fim da prorrogação, Mario Götze foi escolhido o melhor em campo.       Os alemães terminam o Mundial invictos e com o melhor ataque da competição. Liderada por Lionel Messi, eleito quatro vezes melhor jogador do mundo, a seleção argentina segurou o ataque alemão até os sete minutos do segundo tempo da prorrogação. Com o título, a Alemanha torna-se a terceira tetracampeã de futebol, e a primeira seleção europeia a vencer uma Copa do Mundo fora do continente europeu. O time de Joachim Löw recebeu a Taça da Copa das mãos da presidenta Dilma Rousseff. O time levará para Berlim uma réplica banhada a ouro do troféu. Com o título, os alemães repetem a história de Brasil e Itália na conquista do tetracampeonato. Depois de se tornar tricampeão em 1970, o Brasil só voltou a vencer em 1994, 24 anos depois. Já a seleção italiana, conquistou o tri em 1982 e duas décadas e quatro anos voltou a erguer a taça. Assim como a agora tetracampeã Alemanha, cujo o último título havia sido em 1990.   Copa no Brasil foi um sucesso, diz Blatter ao passar sede à Russia O presidente da Federação Internacional de Futebol (Fifa), Joseph Blatter, disse ontem (13), em cerimônia fechada no Estádio do Maracanã que marcou a transferência da sede do Brasil para a Rússia, com a presença dos presidentes Dilma Rousseff e Vladimir Putin, que a Copa do Mundo de 2014 foi um sucesso. Na ocasião, Blatter apresentou um certificado de transferência simbólica do evento para Putin e entregou bolas oficiais da partida autografadas aos dois chefes de...

Leia mais
Legado da Copa é sempre mencionado por autoridades
jul14

Legado da Copa é sempre mencionado por autoridades

Segunda-feira, 14 de julho de 2014 às 11h14 – Atualizado às 15h12 Gerson Soares “A Copa do Mundo da Fifa no Brasil apresentou uma mensagem muito especial – uma mensagem de união, conectando as pessoas, uma mensagem de paz e antidiscriminação”, disse Blatter antes do jogo entre Argentina e Alemanha. “A Copa do Mundo em 2014 foi de muito sucesso e certamente veremos um legado neste país”, divulgou a Agência Brasil. A preocupação em deixar um legado foi uma constante nas falas da presidente Dilma Roussef, do ministro Aldo Rebelo e do presidente da Fifa Joseph Blatter. A maneira como isso foi dito durante os últimos sete anos, ficou parecendo que só a Copa da Fifa poderia executar tal benefício no Brasil. A verdade é que para garantir o legado – que deveria ser devidamente relacionado para que todos pudessem ter acesso –, os gastos foram gerados e a conta será paga pelos brasileiros. Quanto ao famigerado legado, só o tempo poderá mostrar, o que se espera é que venha mesmo.     Quanto aos exemplos de abnegação, esforço, equipe, sacrifício, disciplina, autoestima, honestidade e educação, entre outras qualidades que a prática esportiva proporciona, vieram da equipe alemã, tão bem demonstrados em campo e fora dele. Outro exemplo foi dado pela Delegação da Argélia que doou o prêmio de 9 milhões de euros pela sua colocação na Copa aos palestinos da faixa de Gaza. Estes são feitos que os atletas nos legam, pois aprendem humildade suando e conhecendo suas limitações e habilidades. Estas atitudes, como a da delegação alemã que doou uma ambulância aos índios Pataxós, na verdade já seria um bom legado a quaisquer povos, boas lembranças da Copa e motivo de inspiração aos jovens, às crianças de todo o mundo, não só aos brasileiros. No entanto, as máximas autoridades e organizadores da Copa do Mundo no Brasil subvertem-nos, diante de mais alguns episódios deprimentes de irregularidades e maus costumes – não que os brasileiros não estejam habituados – como a venda ilegal de ingressos e prisões de envolvidos pelos agentes da Polícia Federal, casos de corrupção na CBF, cujo presidente atual é José Maria Marin que assumiu após a renúncia do ex-presidente da entidade Ricardo Teixeira. A isenção de impostos à Fifa com mudanças na legislação brasileira exclusivamente para beneficiar a entidade, construção faraônica de estádios e as obras terminadas às pressas como a Arena Corinthians, construído principalmente pela preferência animada do declarado corintiano ex-presidente Lula.     Quanto ao Estádio Mané Garrincha, por exemplo, erguido em Brasília que nem sequer tem um time na primeira divisão do futebol brasileiro, um dos responsáveis pela administração disse que...

Leia mais
Nova lei pega 43 mil escolas desprevenidas
jul14

Nova lei pega 43 mil escolas desprevenidas

Segunda-feira, 14 de julho de 2014 às 10h29   Pelo menos 43 mil escolas brasileiras não estão preparadas para atender à nova lei que determina a exibição mensal de, pelo menos, duas horas de filmes produzidos no Brasil. O número corresponde às instituições que não têm televisão, de acordo com o Censo Escolar de 2013. O número aumenta quando se trata de aparelhos de DVD – do total de 190,7 mil colégios, mais de 48 mil não têm o equipamento. Em relação aos retroprojetores, que também podem ser usados na exibição de filmes, apenas um terço (63 mil) tem o equipamento. A lei entrou em vigor no final do mês de junho. Pelo texto, a exibição de filmes de produção nacional constituirá componente curricular complementar integrado à proposta pedagógica da escola. Resta saber também que tipos de filmes serão exibidos às...

Leia mais