Pinheiro-brasileiro ainda pode ser salvo
ago22

Pinheiro-brasileiro ainda pode ser salvo

Sexta-feira, 22 de agosto de 2014 às 16h45 Identificados genes que podem ajudar a salvar araucária do risco de extinção Por Diego Freire Agência FAPESP – Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) identificaram 24.181 genes ligados à formação do embrião da araucária (Araucaria angustifolia) – árvore nativa do Brasil também chamada de pinheiro-brasileiro – e de sua semente, o pinhão. A descoberta poderá auxiliar no estabelecimento de um sistema para a propagação in vitro da espécie, que está sob risco crítico de extinção, de acordo com a União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), e cuja madeira tem alto valor de mercado. Com a identificação dos genes, será possível um maior controle sobre o processo de embriogênese somática, ou seja, a formação de um embrião sem que haja fecundação e a partir de células não reprodutivas. Trata-se de uma das mais promissoras técnicas biotecnológicas de produção de embriões vegetais, que permite a criopreservação (conservação por meio de congelamento) e a clonagem em massa. No caso da araucária, ela é dificultada porque as sementes perdem viabilidade e não sobrevivem por longos períodos de armazenamento. “Diante dessa dificuldade, é fundamental que se compreenda amplamente o funcionamento desses genes. Somente com o profundo conhecimento dos fatores bioquímicos, fisiológicos e genéticos que controlam o desenvolvimento do embrião zigótico (in vivo) será possível o desenvolvimento embrionário in vitro”, explicou Eny Iochevet Segal Floh, coordenadora do Laboratório de Biologia Celular de Plantas (Biocel) do Instituto de Biociências (IB) da USP e responsável pela pesquisa “Análise da expressão gênica durante o desenvolvimento de embriões somáticos e zigóticos de Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze”, realizada com o apoio da FAPESP. Os trabalhos no Biocel, desenvolvidos em parceria com o Laboratório de Genética Molecular de Plantas, também do IB-USP, e coordenado por Maria Magdalena Rossi, centraram-se na análise do transcriptoma, conjunto dos RNAs mensageiros (RNAm) da célula, com o objetivo de descobrir quais genes participam no processo de formação do embrião da araucária. O sequenciamento do RNA foi realizado no Laboratório Multiusuários Centralizado em Genômica Funcional Aplicada à Agropecuária e Agroenergia, facility instalada na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP com o apoio do Programa Equipamentos Multiusuários (EMU) da FAPESP. A análise utilizou a tecnologia de sequenciamento em larga escala (RNAseq), que permite explorar a diversidade de RNAm e o perfil dos genes expressos durante o desenvolvimento embrionário. “O uso desta tecnologia – nova para a maioria dos grupos de pesquisa de biologia molecular no Brasil e ainda pouco utilizada em sistemas vegetais – proporcionou informações importantes sobre a regulação do desenvolvimento embrionário do pinhão”, destacou Floh. Os mais de...

Leia mais
HU pode ser desvinculado da USP
ago22

HU pode ser desvinculado da USP

Sexta-feira, 22 de agosto de 2014 às 17h28 A USP vive momentos difíceis e a notícia divulgada agora pouco pela assessoria do Hospital Universitário e mais um fator de agravamento da crise na ainda mais prestigiada universidade do país. No entanto, devido aos inúmeros conflitos, já perdeu várias posições no ranking das instituições de ensino internacionais. Leia abaixo, a nota enviada à imprensa. Desvinculação do Hospital Universitário da USP: risco de um erro irreparável que merece uma pausa para reflexão. No momento em que se discute a crise orçamentária da USP, o Hospital Universitário da USP está sob a mira da sua desvinculação da Universidade, sem a devida análise e considerações de seus valores e missão.       Desde 1989, ano em que a USP conquistou a autonomia universitária, o Hospital Universitário da USP recebe 8% da verba destinada a Universidade de São Paulo proveniente do Governo do Estado, valor relativo que não foi modificado ao longo desses 25 anos (7.9% em 2013). Mudanças expressivas ocorreram sim, como o aumento do interesse no HU-USP como cenário para o ensino, assistência e pesquisa no âmbito de um hospital secundário, acompanhando o crescimento da Universidade. O Hospital das Clínicas, que outrora fora o único hospital escola da FMUSP, progressivamente foi cedendo lugar e dividindo a carga didática com o HU-USP, ficando o HC com a especialização médica enquanto o HU-USP com o ensino das áreas básicas da medicina. Atualmente o HU-USP é utilizado como plataforma de ensino para sete unidades da USP ministrarem seus cursos de graduação, pós-graduação e aperfeiçoamento, além de receber alunos estrangeiros através dos Programas de Cooperação Internacional. Uma característica diferencial do Hospital é possibilitar o ensino baseado numa abordagem multidisciplinar integrando todas as áreas da saúde num mesmo ambiente, proporcionando a integralidade da assistência e do ensino da mesma nesses moldes. O HU-USP recebe anualmente 2.430 alunos entre graduandos e pós-graduandos que tem sua formação conduzida por profissionais de alta qualidade, dos quais mais de 50% possuem titulação acadêmica (mestrado, doutorado e livre-docência), que atuam como professores, além de praticar assistência e pesquisa, possibilitando aproximação entre a teoria e prática. A título de exemplo, dentro do currículo do Curso de Graduação de Medicina 40% do estágio hospitalar é realizado no Hospital Universitário da USP, perfazendo o numero 332.070 horas/aulas por ano. A Escola de Enfermagem da USP mantém anualmente mais de 250 alunos realizando estágios na dependência do Hospital Universitário da USP que chegam a permanecer no campus 70% de sua carga horária. A pós-graduação conta com 4 programas de Residência de Enfermagem, onde são realizadas 8.448 horas/mês de estágio prático clínico. Na avaliação de 98%...

Leia mais
Faro de cães ajudam meio ambiente
ago22

Faro de cães ajudam meio ambiente

Sexta-feira, 22 de agosto de 2014 às 16h07 Faro do melhor amigo do homem é usado em prol da natureza. Organização dos EUA Working Dogs for Conservation usa cachorros para ajudar a preservar a natureza por redação eCycle Todos nós já ouvimos falar de cães que farejam drogas, bombas escondidas e pessoas soterradas. Até mesmo a capacidade desses animais de detectar câncer tem sido muito divulgada. Mas além dessas utilidades já conhecidas do aguçado faro canino, ele também presta serviço ao meio ambiente. A organização americana Working Dogs for Conservation foi fundada com esse objetivo: fazer com que o melhor amigo do homem dê uma mãozinha ao meio ambiente. Dirigida por quatro mulheres (Aimee Hurt, Alice Whitelaw, Deborah Woollett e Megan Parker), a organização leva cães treinados para detectar ameaças ambientais e animais raros em diversos ambientes pelo mundo e, assim, ajudar a preservar a natureza. As habilidades dos cães vão desde encontrar pequenos mamíferos e grandes carnívoros até pragas de plantações e substâncias tóxicas no ambiente. Você pode conhecê-los melhor e com muito bom humor aqui (em inglês). Entre diversos trabalhos, o grupo já atuou: :: Detectando rastros de animais ameaçados de extinção para ajudar projetos de preservação das espécies. Os cães já farejaram os rastros de gorilas em Camarões; de grandes felinos nas savanas de Zâmbia, Botswana e África do Sul; dos ursos-lua na China; de lagartos Gambelia sila na Califórnia e muitos outros; :: Retirando armadilhas de reservas ambientais, combatendo o tráfico de produtos derivados de animais selvagens; :: Participando de um projeto de monitoração de contaminantes aquáticos. Os cães encontravam fezes de lontras e martas, que são o topo da cadeia alimentar dos rios do estado de Montana, nos EUA. A presença desse material indica que os predadores estão se alimentando bem, mostra uma boa biodiversidade, e significa que o local é menos poluído; :: Combatendo ervas daninhas invasoras em plantações de alfafa em Montana. Os cães conseguiam detectar a praga antes do florescimento. Deste modo, a equipe podia evitar que se reproduzisse; :: Detectando um besouro que estava atacando florestas em Minnesota. Fonte: eCycle, via Portal do Meio...

Leia mais
Câmara debaterá alcoolismo na infância
ago22
Leia mais
Mulheres poderão desembarcar em locais seguros
ago22

Mulheres poderão desembarcar em locais seguros

Sexta-feira, 22 de agosto de 2014 às 15h17   PL defende que mulheres escolham local de desembarque à noite. Nesta quarta-feira (20), a Comissão de Constituição, Justiça e Legislação Participativa (CCJ), concedeu parecer favorável ao Projeto de Lei (PL) 172/2014, do vereador Natalini (PV), que flexibiliza o desembarque de mulheres usuárias do sistema de transporte coletivo. A proposta visa reduzir a vulnerabilidade das mulheres que usam o transporte público e desembarcam dos veículos durante a noite em pontos convencionais. De acordo com o texto do projeto, as usuárias que utilizam transporte público no período noturno — compreendido entre 21h e 5h — poderão solicitar o desembarque em locais que julgarem mais acessíveis e seguros. A CCJ aprovou ainda o Projeto de Lei (PL) 371/2014, do vereador Marco Aurélio Cunha (PSD), que estabelece atendimento prioritário aos portadores de doenças raras e...

Leia mais
Debate avalia primeiro semestre do Conselho Participativo
ago22

Debate avalia primeiro semestre do Conselho Participativo

Sexta-feira, 22 de agosto de 2014 às 15h11 Por Roberto Vieira – CMSP A Câmara Municipal de São Paulo realizou na noite desta quinta-feira (21/8) debate para avaliar os primeiros seis meses de trabalho do Conselho Participativo da cidade. A reunião foi uma iniciativa do vereador José Police Neto (PSD), autor de uma emenda parlamentar que cria o Conselho por meio da Lei de Reforma Administrativa.     “Todos os conselheiros sabiam da dificuldade que existia em relação ao diálogo com a prefeitura. A partir da participação deles, hoje conseguimos levar ao poder público as opiniões de pessoas que estão envolvidas com as questões locais. Assim ocorreu com o Plano Diretor, os planos de bairros e orçamento regional”, analisou Cláudio Vieira, do projeto Adote um Vereador. Djair de Almeida, conselheiro em Jacanã/Tremembé, apontou as ocupações irregulares como um dos grandes desafios de sua região. “Nós estamos travando uma luta para conseguir a regularização e a urbanização de algumas áreas. A falta de moradia é um grande problema que temos que resolver”, destacou. Alguns conselheiros admitiram estar ainda em fase de aprendizagem. “Como o Conselho é uma coisa nova, nós estamos aprendendo muito e inicialmente procuramos nos interar mais sobre nossa atuação”, afirmou um dos conselheiros do distrito de Itaquera, João Estevam da Silva. “Eu não consigo analisar nosso trabalho neste primeiro semestre porque estamos ainda aprendendo”, completou Clara Politi, representante dos conselheiros imigrantes da subprefeitura de Pinheiros. Police Neto lembrou sobre os próximos desafios dos conselheiros neste segundo semestre de 2014. “Temos que analisar como o Conselho participará da elaboração do primeiro orçamento do município de sua gestão, fato que será discutido até o final deste ano”, pontuou. Sobre o Conselho Participativo Criado em 2013, o Conselho Participativo Municipal é um organismo da sociedade civil, reconhecido pelo Executivo, que visa assegurar a participação representativa e consultiva da população no planejamento e fiscalização das ações e gastos públicos nas regiões, como também sugerindo ações e políticas públicas nos territórios. Os conselheiros foram eleitos através do voto direto e representam todos os distritos da cidade de São Paulo. Cada Conselho possui um número de integrantes que varia entre 19 e 51 representantes, estabelecidos de acordo com a distribuição das subprefeituras e seus...

Leia mais
WiFi Livre da prefeitura chega a São Miguel
ago22

WiFi Livre da prefeitura chega a São Miguel

Sexta-feira, 22 de agosto de 2014 às 14h49 Prefeito e secretário de Serviços inauguram WiFi Livre em São Miguel Paulista. Praça do Forró é a 31ª a democratizar acesso à internet para a população. Em visita à Subprefeitura de São Miguel Paulista nesta terça-feira (19), o Secretário de Serviços, Simão Pedro, acompanhado do prefeito Fernando Haddad e do subprefeito de São Miguel, Adalberto Dias de Souza, inaugurou o sinal WiFi Livre na Praça do Forró, 31ª em funcionamento na cidade de São Paulo.       “Você pode estudar, fazer o dever de casa, trabalhar e conversar. Esse acesso funciona por 24 horas por dia”, afirmou o prefeito referindo-se às utilidades que podem ser feitas na internet e a disponibilidade de 24 horas do sinal. Haddad citou a boa iluminação do local, que foi contemplada no ano passado com 35 pontos novos de iluminação e teve 18 pontos remodelados. “A nossa ideia é iluminar cada vez melhor a cidade de São Paulo, isso é importante”. Simão Pedro destacou alguns aspectos técnicos do WiFi Livre. “A qualidade do sinal é uma característica importante, a velocidade de conexão é de 512 Kbps por usuário. A Praça do Forró comporta 150 usuários navegando simultaneamente e possui capacidade de dobrar esse número com degradação proporcional da velocidade”. A Praça do Forró possui dentro de sua área a igreja mais antiga da capital paulista. A Catedral São Miguel Arcanjo tem 392 anos e foi inaugurada no ano de 1622. Segundo as informações da assessoria da Prefeitura da cidade de São Paulo, já são 4 locais com o sinal WiFi em funcionando na Zona Leste, são eles: Praça das Professoras (Itaquera), Praça Dilva Gomes (Penha), Parque Linear Tiquatira (Penha) e a Praça do Forró (São Miguel). Em toda a cidade, além dos locais que estão em operação, outras 24 praças estão com o serviço na etapa de implantação e outros pontos em 65 espaços públicos em fase de projetos, como a Praça Sílvio Romero, no Tatuapé. O Programa de Metas 2013-2016 prevê a instalação de internet livre em 120 praças e parques da capital paulista. O contrato firmado pela prefeitura prevê controle de qualidade, estabilidade de conexão e garantia de banda. Todos os dados que circularem na rede serão protegidos por confidencialidade e não haverá qualquer restrição no conteúdo acessado. O prestador de serviço não está autorizado a filtrar o tráfego por IP de origem ou de destino, por aplicação ou por conteúdo, exceto para cumprir legislação em vigor. As redes possuem um sistema de gestão que permite detectar e evitar possíveis incidentes e cumprir determinações legais e judiciais. Praça Santa Davina Ainda em São...

Leia mais
Sorvete de Gergelim
ago22
Leia mais
A saúde tem de ser saudável
ago22

A saúde tem de ser saudável

Sexta-feira, 22 de agosto de 2014 às 08h48 – Atualizado às 11h11 Gerson Soares A pauta Saúde no Brasil tem que mudar divulgada por Alô Tatuapé na quarta-feira (20), referente à pesquisa encomendada ao Datafolha pelos Conselho Federal de Medicina (CFM) e Escola Paulista de Medicina (APM), publicada originalmente no Portal Médico do CFM no dia 19 último, repercutiu de forma negativa junto aos setores do governo Federal, relacionados à pasta da Saúde, que lamentaram em nota à imprensa no final da tarde da mesma terça-feira (19), a divulgação da pesquisa ou a forma como ela foi feita através do CFM. Este, por sua vez, emitiu um comunicado no início da tarde do dia 20, quarta-feira, esclarecendo que coube ao órgão que representa a classe médica, apenas a divulgação da pesquisa, procedida de forma autônoma, isenta e idônea. As pesquisas realizadas no país, por institutos como o Ibope, IBGE ou Datafolha são plenamente aceitas pelo governo para aquilo que diz respeito aos seus interesses, como as que indicavam grande vantagem da presidente Dilma Roussef em relação aos demais candidatos à Presidência da República até o início deste ano, que chegaram a apontá-la como vencedora no 1º turno. Apesar das diferenças terem diminuído bastante e o 2º turno já ser uma certeza, as informações das pesquisas anteriores, que apontavam seu total favoritismo, estão sendo usadas atualmente em sua campanha à reeleição, direta ou indiretamente através do marketing. A polêmica sobre os dados coletados em “Opinião dos brasileiros sobre o atendimento na área da saúde”, como o do tópico citado na própria nota emitida à imprensa pelo Ministério da Saúde: “Das pessoas que procuram os postos de saúde, 91,3% conseguiram atendimento, o que demonstra os bons resultados de estratégias como o Mais Médicos”, foram postos para questionar a divulgação das demais apurações divulgadas pelo CFM, que ao contrário disto demonstram a revolta da população com relação ao SUS. Para resumir este pequeno comentário, questionamos: Se 91,3% conseguiram, como ficaram os outros 8,7%? Será que entre eles estão os mortos, vítimas da falta de atendimento? E, pior, a quem o atendimento foi negado, mesmo podendo ser prestado, portanto não se manifestaram? Como nos diversos casos de bebês prematuros, cujas mães são rejeitadas pelo SUS, dos que não encontram leitos de UTI ou as infindáveis esperas por uma simples ressonância magnética. Estes são apenas alguns exemplos, deste acanhado resumo. Note-se o emprego do verbo conseguir (o atendimento) na nota governamental. Conseguir é tido no dicionário, como algo provavelmente inalcançável, difícil de obter. E esta é a verdade que o governo tenta abafar. Porém, a doença causada pela falta de interesse governamental, chama-se insatisfação popular....

Leia mais
Nota de esclarecimento do CFM
ago22

Nota de esclarecimento do CFM

Sexta-feira, 22 de agosto de 2014 às 11h10 O Conselho Federal de Medicina (CFM) ressalta que os resultados da pesquisa “Opinião dos brasileiros sobre o atendimento na área da saúde” expressam a percepção da população sobre o tema, tendo sido realizada pelo Instituto Datafolha, reconhecido como um dos melhores do país. As conclusões foram organizadas metodologicamente pelos pesquisadores do Datafolha, que fizeram a análise dos resultados com autonomia, isenção e idoneidade, cabendo ao CFM apenas sua divulgação. Para o CFM, a efetiva e real construção do Sistema Único de Saúde (SUS) passa pela transparência e pelo respeito à percepção e às necessidades dos cidadãos, as quais devem pautar as políticas públicas e as decisões dos gestores nas três esferas – União, Estados e Municípios. Somente com o exercício do controle social e da participação popular, o SUS se tornará uma realidade e poderá consagrar seus princípios e diretrizes constitucionais, os quais o estudo do Datafolha e reiteradas denúncias divulgadas pela imprensa mostram que não estão sendo respeitados de forma plena. Finalmente, o CFM repudia comentários que atacam gratuitamente a instituição que representa 400 mil médicos, historicamente participou do processo de construção do SUS e tem outorga legal para agir em defesa da Medicina e da assistência de qualidade. Ao revelar os dados da pesquisa do Datalha, o CFM agiu imbuído do seu senso de responsabilidade e apresentou ao conhecimento público a percepção dos brasileiros, que, como reiterado, diariamente demonstram sua insatisfação com os rumos da saúde do país. CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA (CFM) Quarta-feira, 20 de Agosto de 2014 às 14h50 Publicado no Portal Médico, órgão do...

Leia mais
Esclarecimentos do Ministério da Saúde sobre pesquisa Datafolha
ago22

Esclarecimentos do Ministério da Saúde sobre pesquisa Datafolha

Sexta-feira, 22 de agosto de 2014 às 08h42 – Atualizado às 10h30 A pesquisa Datafolha, divulgada nesta terça-feira (19) pelo Conselho Federal de Medicina, reitera desafios importantes para o sistema de saúde e aponta avanços como acesso superior a 84% na maioria dos tipos de serviços avaliados. Das pessoas que procuram os postos de saúde, 91,3% conseguiram atendimento, o que demonstra os bons resultados de estratégias como o Mais Médicos. Dos que utilizaram o SUS, 74% avaliam a qualidade do atendimento com notas superior a 5, sendo que um terço dos entrevistados deram notas entre 8 e 10. Lamentamos a interpretação tendenciosa e parcial dos dados e o esforço do CFM na tentativa de desconstrução do SUS. Ministério da Saúde, Conselho Nacional dos Secretários de Saúde e Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde. Nota divulgada à imprensa no dia 19 de agosto de 2014, recebido às...

Leia mais