A Terra vista do Espaço
set03

A Terra vista do Espaço

Quarta-feira, 3 de setembro de 2014, às 17h43   Gerson Soares Às nove horas e sete minutos da manhã (horário de Moscou) do dia 12 de Abril de 1961, a cápsula com o foguete “Soyuz-R-7 foi lançada de uma plataforma em Baikonur, no Cazaquistão. “A Terra é azul. Como é maravilhosa. Ela é incrível!”, teria dito o astronauta russo Iuri Gagarin que com apenas 27 anos, tornou-se o primeiro ser humano a ir ao espaço, a bordo da nave Vostok 1, na qual deu uma volta completa em órbita ao redor do planeta. Esteve em órbita durante 108 minutos, a uma altura de 315 km, num vôo totalmente automatizado, com uma velocidade aproximada de 28 000 km/h. Pela proeza, recebeu a medalha da Ordem de Lenin. A corrida espacial ocorria em pleno período da Guerra Fria e os americanos logo deixariam sua marca para sempre, colocando o primeiro homem na Lua. Neil Alden Armstrong, astronauta dos Estados Unidos, piloto de testes e aviador naval escreveu seu nome na história do século XX e da Humanidade ao ser o primeiro homem a pisar na Lua, como comandante da missão Apollo 11, em 20 de julho de 1969. Antes desse feito, entrou para a NASA em 1962, integrando o segundo grupo de astronautas da agência espacial, indo ao espaço pela primeira vez em 1965, como comandante da missão Gemini VIII, três anos antes do voo que o colocaria na História. Condecorado com a Medalha Presidencial da Liberdade, a maior condecoração civil do país, e a Medalha de Honra Espacial do Congresso, manteve uma vida discreta e longe dos olhos da opinião pública até sua morte, aos 82 anos em 2012. Dele, o presidente dos Estados Unidos Barack Obama disse ser “um dos maiores heróis americanos, não apenas de sua época, mas de todos os tempos”. Atualmente, seguindo os passos desses pioneiros, equipamentos de último geração nos proporcionam a mesma visão sem sairmos de casa e as visões do espaço sideral e infinito são cada vez mais fantásticas. Veja algumas imagens fornecidas pela NASA, enviadas pelo leitor Leandro, morador do bairro do Tatuapé.   Foto espacial da agência NASA Foto espacial da agência NASA Foto espacial da agência NASA Foto espacial da agência NASA Foto espacial da agência NASA Foto espacial da agência NASA Foto espacial da agência NASA Foto espacial da agência NASA Foto espacial da agência NASA Foto espacial da agência NASA Foto espacial da agência NASA Foto espacial da agência...

Leia mais
Divulgação científica e museus de ciência: O olhar do visitante
set03

Divulgação científica e museus de ciência: O olhar do visitante

Quarta-feira, 3 de setembro de 2014, às 16h42   Agência FAPESP – A Red de Popularización de La Ciencia y la Tecnología de América Latina y Caribe (RedPOP) e o Museu da Vida, museu interativo da Casa de Oswaldo Cruz/Fundação Oswaldo Cruz, promovem nos dias 16 e 17 de setembro o evento “Divulgação científica e museus de ciência: O olhar do visitante”. Um dos objetivos do encontro, que ocorre no Rio de Janeiro, é promover discussões para compreender o impacto dos museus de ciência na sociedade. Está confirmada a participação de especialistas de sete países, além do Brasil: Argentina, Chile, Colômbia, Costa Rica, Estados Unidos, México e Reino Unido. Entre eles estão Emma Pegram, coordenadora de Gallery Learning no Natural History Museum de Londres, no Reino Unido, e Luz Lindegaard, diretora de Educação do Museo Interactivo Mirador, no Chile. O evento é gratuito e aberto ao público geral. Não é necessário se inscrever antes, mas os que desejarem receber certificado devem enviar, até 5 de setembro, o nome, e-mail e o nome da instituição para o e-mail emvida@fiocruz.br O encontro ocorrerá das 9h30 às 17h na Tenda da Ciência, no Museu da Vida, que fica na Avenida Brasil, 4365, no Rio de Janeiro. Mais informações pelo e-mail emvida@fiocruz.br        ...

Leia mais
Gastronomia italiana típica
set03
Leia mais
Campanha estimula eleitor a conhecer candidatos
set03
Leia mais
A moratória da soja
set03

A moratória da soja

Quarta-feira, 3 de setembro de 2014, às 15h17 A “moratória da soja” é consequência de uma campanha lançada pelo Greenpeace em abril de 2006 a partir de dados que demostraram, a grandes consumidores da Europa – entre as quais, a rede McDonalds –, que a expansão da soja fomentava o desmatamento ilegal na Amazônia. Diante da reação à campanha, a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), a Associação Brasileira dos Exportadores de Cereais (ANEC) – responsáveis pelo comércio de mais de 90% da soja produzida no país – e entidades não-governamentais firmaram um boicote à compra de grãos oriundos de áreas desmatadas na Amazônia após 24 de julho de 2006.     A moratória da soja exigiu não apenas a conformidade ambiental dos produtores do grão como, ainda, o compromisso com o desmatamento ilegal zero. A fim de implementar os termos do acordo, seus participantes criaram o Grupo de Trabalho da Soja (GTS), composto pela Abiove, ANEC, e as entidades Greenpeace, WWF, Ipam e TNC. Em 2008, o acordo recebeu apoio do Governo Federal, por meio do Ministério do Meio Ambiente e do Banco do Brasil, que suspendeu o acesso ao crédito a produtores com identificados como protagonistas de desmatamento ilegal. Além de fornecer aos produtores informações sobre a moratória e as regras do Código Florestal, o GTS desenvolveu um sistema de monitoramento da dinâmica do desmatamento relacionada à produção de soja no bioma amazônico. Paralelamente, os representantes dos compradores assinaram o Pacto pela Erradicação do Trabalho Escravo e incluíram nos contratos de compra de soja cláusulas específicas possibilitando-lhes romper o negócio caso houvesse descumprimento dos termos do acordo. A vigência da moratória da soja correspondeu a um período em que a taxa anual de desmatamento, calculada pelo Prodes, se desacoplou do crescimento da produção agropecuária na Amazônia brasileira. Ou seja: enquanto o desmatamento caiu aos níveis mais baixos desde 1988, a produção agropecuária na região continuou a crescer. Analistas avaliam que esse fato se deveu a um conjunto de medidas e iniciativas adotadas tanto pelo poder público (federal estadual e municipal) quanto pelo Ministério Público, setor privado e ONGs. A moratória da soja é citada como um desses casos. Acordo chega ao fim em dezembro de 2014 Apesar de algumas dificuldades, o acordo entre os integrantes da moratória da soja vinha sendo renovado desde 2007. Porém, no último mês de janeiro, os participantes anunciaram que esta seria a última renovação, com data prevista para até 31 de dezembro de 2014. As associações argumentam que o monitoramento teria indicado que “a expansão da soja não é um importante vetor de desflorestamento do bioma Amazônia”, apontando um estudo...

Leia mais
Produção e venda de máquinas agrícolas em queda
set03

Produção e venda de máquinas agrícolas em queda

Quarta-feira, 3 de setembro de 2014, às 14h57   IEA / Apta — O mercado de máquinas agrícolas automotrizes exibiu, no primeiro semestre de 2014, acentuada queda no total das vendas (-18%), frente à igual período do ano anterior, de acordo com o Instituto de Economia Agrícola (IEA/Apta) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. Nos primeiros seis meses do ano, foram produzidas 40.407 máquinas agrícolas, representando 7.970 máquinas a menos que a quantidade contabilizada no primeiro semestre de 2013. Tanto as vendas para o mercado interno quanto às exportações declinaram, empurrando para baixo o desempenho do segmento.     O declínio do mercado de máquinas agrícolas, aparentemente, não afetou o número de postos ocupados nas montadoras, pois, no primeiro semestre de 2014, houve contratação de 113 novos funcionários, totalizando 20.869 empregados. “Em contrapartida, dificilmente a receita cambial repetirá os US$3,55 bilhões contabilizados em 2013, pois, entre janeiro e junho de 2014, ela foi de apenas US$1,53 bilhão. Tradicionalmente, o mercado externo para máquinas agrícolas automotrizes brasileiras é concentrado no bloco de países que compõem o Mercosul e alguns poucos países africanos. A crise econômica instalada na Argentina, principal destino das exportações brasileiras, puxou as vendas para baixo, afirmam Celso Vegro e Célia Roncato Ferreira, pesquisadores do IEA responsáveis pelo artigo. As quantidades comercializadas mais expressivas são esperadas para o segundo semestre do ano, coincidindo com o plantio da safra de verão no Centro-Sul. Porém, o arrefecimento do mercado no princípio de 2014, após recorde de produção e vendas em 2013, dificilmente recuperará as vendas mensais para patamares acima das 6 mil maquinas ao mês. Considerando as vendas por unidade da federação, o Estado de São Paulo permanece líder na demanda por máquinas agrícolas automotrizes, representando 17,7% desse mercado, seguido pelo Paraná (15,4%), Rio Grande do Sul (15,3%) e Minas Gerais (10,7%). Esses quatro estados concentram, aproximadamente, 60% das vendas para o mercado interno. Tão logo ocorra a recuperação econômico/financeira do segmento sucroenergético, as vendas em São Paulo deverão se distanciar ainda mais dos demais estados, uma vez que, no boom vivenciado no segmento entre 2006 e 2007, o mercado paulista representou 36% do total de vendas internas. A permanente renovação da frota de máquinas agrícolas é elemento sine qua non na estratégia de incremento da competitividade dos cultivos e criações nacionais, pois vigora a tendência de substituição de máquinas de menor potência por equipamentos maiores, de menor custo operacional e melhor desempenho em campo, otimizando as tarefas com redução de custos....

Leia mais
Do mensalão ao doleiro
set03

Do mensalão ao doleiro

Quarta-feira, 3 de setembro de 2014, às 10h38 Conheça o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados e julgue a importância do voto ao selecionar aqueles que irão representar os anseios do país no Congresso. Gerson Soares Órgão da Câmara dos Deputados passou a ser mais conhecido durante os escândalos do Mensalão que chocaram a opinião pública, condenando os envolvidos e levando-os a um julgamento que chegou a quase uma década. Graças ao Conselho de Ética, a coragem do então presidente deputado federal Ricardo Izar (falecido em maio de 2008) e também de sua família, ameaçados durante o julgamento, foi possível ao Brasil dar a maior demonstração já vista até então de que é possível condenar poderosos à prisão. Aliados ao Conselho, a Procuradoria-geral da República e por fim com a atuação brilhante do relator e depois presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Joaquim Barbosa, os envolvidos foram condenados e cumprem suas penas.     O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar, atualmente presidido pelo deputado federal Ricardo Izar Jr. (PSD-SP), foi criado em outubro de 2001, sendo o órgão encarregado do procedimento disciplinar destinado à aplicação de penalidades em casos de descumprimento das normas relativas ao decoro parlamentar no âmbito da Câmara dos Deputados. É um colegiado composto por 21 membros titulares e igual número de suplentes, com mandato de dois anos, não podendo ser substituídos a qualquer tempo, como ocorre nas demais comissões. Cabe ao Conselho, entre outras atribuições, zelar pela observância dos preceitos éticos, cuidando da preservação da dignidade parlamentar e também responder às consultas da Mesa, de comissões e de deputados sobre matéria de sua competência. O Conselho de Ética atua mediante provocação da Mesa da Câmara dos Deputados para a instauração de processo disciplinar. Deputados, Comissões e cidadãos em geral podem encaminhar representação para a Mesa, que fará a destinação para o Conselho de Ética. Partidos políticos com representação no Congresso Nacional podem encaminhar representação diretamente ao Conselho de Ética. Os trabalhos do Conselho são regidos por um regulamento próprio que dispõe sobre os procedimentos a serem observados no processo disciplinar, de acordo com o disposto no Código de Ética e no Regimento Interno da Câmara dos Deputados. Do mensalão aos últimos fatos ocorridos atualmente, o Conselho de Ética cumpre a árdua tarefa de sanar as ações indecorosas de parlamentares, como as intervenções no caso do deputado André Vargas (ex-membro do PT-PR, hoje sem partido) que está sendo investigado devido envolvimento com o doleiro Alberto Youssef – preso na operação Lava-jato do Polícia Federal. A cassação do mandato de André Vargas foi pedida pelo Conselho e se encontra na fase final,...

Leia mais
Chocolate amargo ajuda a evitar doenças do coração
set03

Chocolate amargo ajuda a evitar doenças do coração

Quarta-feira, 3 de setembro de 2014, às 08h45 Hospital do Coração – Não é preciso abrir mão do chocolate para ter uma vida saudável. Basta escolher o tipo certo. Enquanto o chocolate branco ou ao leite é rico em calorias e gordura, o chocolate meio amargo tem menos calorias e é rico em substâncias antioxidantes, que protegem o coração. A fonte disso está nos flavonoides, uma substância encontrada no cacau e que age como protetor cardiovascular, reduzindo o risco de aterosclerose. Essa doença consiste no acúmulo de gordura nos vasos sanguíneos, o que pode resultar em infarto e AVC (Acidente Vascular Cerebral). Estas configuram doenças cardiovasculares, que lideram as causas de morte no país com quase 30% de todos os óbitos. A recomendação do chocolate meio amargo acontece por ele ser mais rico em cacau, que concentra os flavonoides. “Essa substância auxilia a diminuição da formação de placas de gordura, reduzindo o colesterol ruim (LDL) e aumentando a retirada de colesterol da corrente sanguínea pelo fígado”, explica o Dr. Daniel Magnoni, nutrólogo e cardiologista do HCor.     O cacau também possui óleo de theobroma, outro agente com propriedades antioxidantes que reduz o LDL. A substância contribui para aumentar a taxa do HDL, conhecido como bom colesterol. Além das propriedades cardioprotetoras, o chocolate auxilia na produção de serotonina, hormônio que provoca sensação de bem-estar e está associado à regulação do sono, do apetite e do humor. Alguns trabalhos indicam que o chocolate, consumido no período pré- menstruação, poderia atenuar os sintomas de irritabilidade e ansiedade. O chocolate amargo, pela baixa composição originária de leite, possui reduzida concentração de colesterol. Apesar de menos calórico, até os chocolates amargos precisam ser consumidos com certa moderação. “Os chocolates permanecem saudáveis quando consumidos sem exagero. Cerca de 25mg por dia é uma boa quantidade para quem pretende adotar uma ingestão regular”, afirma o Dr....

Leia mais
Camarões ao Requeijão e molho Italiano
set03
Leia mais