Sequestro internacional de menores
set15

Sequestro internacional de menores

Segunda-feira, 15 de setembro de 2014, às 11h10 Autoridades brasileiras e norte-americanas discutem medidas contra sequestro internacional de menores. Autoridades americanas reuniram-se com membros da Advocacia-Geral da União (AGU) com o objetivo de reforçar a parceria entre o Brasil e os Estados Unidos no combate ao sequestro internacional de crianças, bem como para garantir a agilidade em processos judiciais que envolvem o assunto. Audiência neste sentido ocorreu nesta segunda-feira (8/9), em Brasília. A embaixadora Susan Jacobs, Conselheira Especial para assuntos de crianças dos EUA, requisitou o encontro para discutir a aplicação da convenção de Haia de 1980 no Brasil que aborda a retirada ilegal de crianças para outro país sem autorização de um dos genitores ou responsável legal. O Procurador-Geral da União, Paulo Kuhn, participou da reunião com a comitiva. Visando a melhoria da parceria com os Estados Unidos, o Diretor do Departamento Internacional (DPI) da Procuradoria-Geral da União, Boni Soares, sugeriu que os programas de intercâmbio continuassem a ser ofertados pelo Governo americano, tendo em vista a intensificação da disseminação do tema em conferências, seminários, entre outros eventos, no Brasil. Também estiveram presentes, a Diretora Substituta do DPI, Natália Camba Martins, e a coordenadora do Núcleo de Controvérsias em Foros Internos do Departamento, Nereida de Lima Del Águila, além do Coordenador da Autoridade Central Administrativa Federal (ACAF), Francisco George de Lima Beserra, e membros da Autoridade Central americana, servidores da embaixada dos Estados Unidos em Brasília, e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O DPI é unidade da Procuradoria-Geral da União, órgão da AGU. As informações são da assessoria de comunicação da...

Leia mais
Ferrovia Rética e o Expresso Glaciar
set14
Leia mais
Senadores querem aprimorar o Programa Mais Médicos
set14

Senadores querem aprimorar o Programa Mais Médicos

Domingo, 14 de setembro de 2014, às 10h37 Por Tércio Ribas Torres – Agência Senado Os senadores querem melhorar o desempenho e tornar mais transparentes os gastos e a execução das ações do Programa Mais Médicos. Para isso, estão analisando propostas que alteram a Lei nº 12.871/2013.     O Mais Médicos é apontado pelo governo federal como parte de um amplo pacto de melhoria do atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). O programa prevê mais investimentos em infraestrutura de hospitais e unidades de saúde e busca levar mais médicos para regiões onde há escassez de profissionais. A grande maioria dos profissionais é de estrangeiros, principalmente cubanos. O projeto prevê também a expansão do número de vagas nos cursos de residência médica e graduação em Medicina, além do aprimoramento da formação médica no Brasil. Transparência Uma das propostas que tratam do Mais Médicos foi apresentada pelo senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) com o objetivo de dar mais transparência ao programa (PLS 266/2014). O texto estabelece a obrigação de, a cada seis meses, ser enviado um relatório para o Conselho Regional de Medicina (CRM) de cada estado com o número do registro único dos médicos intercambistas participantes e o nome e a inscrição no CRM do supervisor e dos tutores acadêmicos. Na justificativa do projeto, o autor diz que os médicos estrangeiros estão submetidos a regime diferenciado que os isenta de registro nos CRMs, mas lembra a competência dos conselhos para fiscalizar a atuação dos profissionais do programa. Vital ainda lamenta que o Ministério da Saúde venha se recusando a fornecer informações para os CRMs, o que obriga essas autarquias a entrarem com ação judicial para assegurar a fiscalização. Para o senador, na queda de braço entre o Ministério da Saúde e a categoria médica só há um perdedor: a população assistida pelo Mais Médicos. Criar obstáculos à atividade fiscalizadora dos CRMs, argumenta Vital, em nada contribui para a melhoria da assistência médica prestada à população carente. A ideia, de acordo com o parlamentar, também é colaborar com a qualidade do serviço prestado à população. A proposta está em análise na Comissão de Assuntos Sociais (CAS), onde aguarda o recebimento de emendas. Se aprovada, poderá seguir diretamente para a Câmara dos Deputados, se não for apresentado recurso para votação em Plenário. Diagnóstico Logo após as eleições de outubro, a Comissão de Assuntos Sociais (CAS) deve criar um grupo de trabalho para visitar instalações e elaborar um diagnóstico sobre o Programa Mais Médicos. Um dos objetivos, segundo o autor da iniciativa, senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR), é “sugerir medidas capazes de solucionar, de uma vez por todas, o problema...

Leia mais
Senado vai fiscalizar Mais Médicos
set14

Senado vai fiscalizar Mais Médicos

Domingo, 14 de setembro de 2014, às 10h21 Diante das críticas, Mozarildo propõe que Senado fiscalize Programa Mais Médicos Da Redação e da Rádio Senado em 09/09/2014 Agência Senado – Ao comentar as críticas publicadas na imprensa ao Programa Mais Médicos, o senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) disse que o Senado deve investigar a situação e formular suas próprias conclusões. Ele acrescentou que não basta criticar o programa, mas que o ideal é apontar possíveis soluções. Mozarildo lembrou que já apresentou um requerimento na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) para a criação de uma comissão temporária para acopanhar o programa. Ele disse que ainda não teve uma resposta, mas manifestou sua expectativa de que seja positiva. O senador informou que já enviou ofício ao Ministério da Saúde, às secretarias estaduais de saúde e aos conselhos de medicina, pedindo informações sobre o andamento do Programa Mais Médicos. Mozarildo, que é médico de formação, fez questão de ressaltar que apresentou cinco emendas à medida provisória que criou o programa e que todas foram aceitas pelo relator. O senador reconheceu pontos positivos no Mais Médicos, mas observou que o programa não pode ser encarado como a solução para todos os problemas de saúde do país. – Não é um programa duradouro, para permanecer para sempre e nem é de fato a solução definitiva para o problema da saúde no país. Que a gente, de fato, possa fazer esse papel fiscalizador, que é uma atribuição do Congresso Nacional – declarou.   Saiba mais: Senadores querem aprimorar o Programa Mais Médicos  ...

Leia mais
Metrô de SP completa 40 anos
set14
Leia mais
Cristo Redentor, a imagem do turismo no país
set13
Leia mais
Corrida presidencial, aponta pequena vantagem de Marina
set13
Leia mais
Tecnologias do cinema têm aplicações científicas
set13
Leia mais
Táxis obtém liberação das faixas exclusivas
set13

Táxis obtém liberação das faixas exclusivas

Sábado, 13 de setembro de 2014, às 12h54 Prefeitura autoriza circulação de táxi em todas faixas exclusivas para ônibus implantadas à direita. Com a medida, que começa a vigorar neste sábado (13), taxistas terão 440 km de malha exclusiva compartilhada com o transporte coletivo, de acordo com a CET. O Prefeito Fernando Haddad e o Secretário Municipal dos Transportes Jilmar Tatto anunciaram na manhã desta sexta-feira (12), a autorização para circulação de táxis em todas as faixas exclusivas implantadas à direita nas vias da cidade. A medida, que começa a vigorar neste sábado, 13, é válida apenas quando estes veículos estiverem transportando passageiros.     Com esta mudança, os taxistas poderão circular livremente, sem restrição de horário, pelos 440 Km de faixas existentes e as que vierem a ser implantadas. A autorização será publicada no Diário Oficial deste sábado, 13, por meio da Portaria 071/14-SMT.GAB. A decisão foi tomada em razão de a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) ter detectado que não houve uma redução de velocidade comercial dos ônibus nas vias que já tinham sido flexibilizadas. Desempenho no trânsito Em abril deste ano, a Secretaria de Transportes fez uma adequação sobre a circulação de taxis em corredores e faixas. A Portaria Nº 019/14-SMT.GAB permitiu a circulação de táxis com passageiro em qualquer horário e dia da semana em importantes faixas exclusivas, como as marginais Tietê e Pinheiros, e avenidas 23 de Maio e Washington Luís. Ao todo, foram liberados 18 ramais de faixas exclusivas, compreendendo 71 Km. Desde esta época a CET vem observando o desempenho dos coletivos nas faixas exclusivas e a conclusão é que o compartilhamento com os taxistas não impactou na fluidez dos ônibus nestes eixos. Esta constatação foi possível após análise da performance da velocidade dos coletivos em faixas exclusivas onde foi feita a flexibilização para táxis e também na análise da velocidade dos ônibus em todos os eixos de deslocamentos segregados à direita. A amostragem do estudo foi obtida a partir do banco de dados do Sistema SIM da SPTrans.     O principal estudo teve como enfoque a análise das variações de velocidade no período antes (de fevereiro e março/ 2014) e depois (de abril a agosto/2014) da vigência da medida, especificamente nas faixas à direita com liberação dos táxis. Ou seja, ainda com liberação da circulação dos táxis com passageiros houve uma pequena variação com aumento de velocidade operacional dos ônibus. Isto se deve ao fato da característica da operação nas faixas exclusivas de ônibus à direita ser bastante diferente das faixas exclusivas à esquerda, que compõem os chamados corredores de ônibus e onde não há interferências de outros veículos para...

Leia mais
Rússia libera compra de produtos brasileiros
set13

Rússia libera compra de produtos brasileiros

Sábado, 13 de setembro de 2014, às 12h33 No entanto, apesar do embargo Russo a produtos de diversos países devido a crise na Ucrânia, é necessário cautela para o mercado de carnes e leite, afirma IEA. A Rússia proibiu as importações das carnes bovina, suína e de aves, pescado, leite, queijo, legumes e frutos provenientes dos Estados Unidos e União Européia, além da Austrália, Canadá e Noruega, informa o Instituto de Economia Agrícola (IEA/Apta) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. Isso ocorreu após esses países anunciarem sanções nas áreas de finanças, tecnologia e defesa. Nos últimos dias, a Rússia decidiu permitir que os produtos lácteos sem lactose, concentrado de proteína e outros produtos antes proibidos voltem a ser comprados no Brasil.     A medida poderá beneficiar o mercado de alguns desses produtos brasileiros, pois a Rússia, segundo informações do Mapa (Ministério da Agricultura, Agropecuária e Abstecimento), já liberou 93 estabelecimentos para exportar carnes, miúdos de carnes, aves, miúdos de aves, suínos, miúdos de suínos e produtos lácteos. “O fato é considerado muito positivo para algumas cadeias produtivas envolvidas, principalmente pelos setores de carne suína e bovina in natura, que já têm neste país o principal destino de suas exportações”, afirma Rosana Pithan, pesquisadora do IEA. Entretanto, a carne de frango pode ter a maior oportunidade, já que há possibilidades de ampliar as exportações rapidamente, pois o setor tem possibilidade de rápida expansão de sua produção, pois o ciclo produtivo da avicultura é curto (cerca de 40 dias), ressalta a pesquisadora. No setor de suínos há certa cautela, pois o mercado brasileiro teve por muito tempo grande dependência do mercado russo e tem procurado, há alguns anos, diversificar os mercados. Em relação à carne bovina, além de ser atualmente o maior exportador, o Brasil tem também o maior rebanho comercial, apesar de menor produtividade que os Estados Unidos. A grande novidade neste setor é a abertura para a compra de miúdos. O mercado russo poderá abrir uma perspectiva de aumento de vendas, o que, por outro lado, poderá alterar os preços para cima e levar os frigoríficos a optar por esse mercado em detrimento de outros que pagam menos, inclusive o mercado interno, o que afetaria diretamente os preços ao consumidor brasileiro, apesar da demanda ser fraca no momento. No setor de lácteos, essa é considerada uma boa oportunidade. Segundo Carlos Humberto Mendes de Carvalho, presidente do Sindicato das Indústrias de Laticínios e Produtos Derivados do Estado de São Paulo (Sindileite), o setor tem muito interesse de exportar leite para a Rússia, mesmo que no momento os preços do mercado interno estejam mais compensadores....

Leia mais
Vivências inusitadas em Música
set13

Vivências inusitadas em Música

Sábado, 13 de setembro de 2014, às 11h03 Iniciativa da Secretaria Municipal de Cultura oferece orientações gratuitas em Bibliotecas. Se você tem mais de 14 anos e gosta de música não pode perder as oficinas para desenvolver criatividade e percepção sonora, que estão acontecendo na Biblioteca Adelpha Figueiredo, na Praça Ilo Ottani,146 – Pari. A informação é da assessoria da Subprefeitura Mooca. O professor Ronalde Monezzi, saxofonista e flautista, prepara e ministra vivências integrativas, divertidas e capazes de desenvolver habilidades e estimular talentos. Não é necessário ter iniciação musical para acompanhar os encontros. Basta ligar para o telefone 2292-3439 ou se dirigir à Biblioteca e fazer as inscrições. Mas corra, porque as vagas são limitadas e as aulas vão só até novembro. Ótima oportunidade para passar horas agradáveis, descobrir novas possibilidades e adquirir conhecimentos. As aulas acontecem às segundas feiras, das 14h às 17h, e aos sábados das 9 às 12h. Mais informações pelo e-mail ronalde.monezzi@gmail.com ou pelo telefone (11)...

Leia mais
Biotropica publica edição especial sobre ecossistemas brasileiros
set12

Biotropica publica edição especial sobre ecossistemas brasileiros

Sexta-feira, 12 de setembro de 2014, às 17h07   Agência FAPESP – A revista científica Biotropica publicou edição especial intitulada “Biologia e Conservação dos Ecossistemas Brasileiros”, com artigos open access de pesquisadores que atuam no Brasil e em outros países. Publicada pela Association of Tropical Biology and Conservation, a Biotropica é um dos principais periódicos científicos internacionais sobre ecologia, conservação e gestão dos ecossistemas tropicais e evolução, comportamento e biologia populacional de organismos tropicais. O editor-chefe da publicação, Emilio Bruna, professor de Ecologia Tropical e Estudos Latino-americanos na University of Florida, nos Estados Unidos, e diretor do Florida-Brazil Linkage Institute, apresentou a edição, lembrando que o Brasil sempre exerceu fascínio sobre os naturalistas. “Muitos estarão familiarizados com os escritos de Charles Darwin, Alfred Russel Wallace, Theodore Roosevelt, Alexander von Humboldt e João Teodoro Descourtilz descrevendo suas experiências formativas neste vasto e exuberante país”, disse na introdução do periódico. “O Brasil continua a ser uma inspiração para os biólogos contemporâneos, resultando em uma literatura sofisticada que nos permite avançar na nossa compreensão dos fatores ecológicos e evolutivos que estruturam ecossistemas tropicais, documentando as ameaças à sua continuidade e descrevendo estratégias inovadoras para a sua conservação.” Os artigos reunidos destacam os ecossistemas e a biodiversidade única do Brasil, as abordagens utilizadas na sua compreensão e conservação e a diversidade de estudos na área. “Você vai encontrar trabalhos sobre a Amazônia e a Mata Atlântica, claro, mas nós esperamos que aqueles menos familiarizados com o Brasil aproveitem a oportunidade de ler sobre biomas menos conhecidos, como a Caatinga, a floresta de araucária e o Cerrado”, disse Bruna. A edição está disponível para acesso no site da editora...

Leia mais
CFM divulga campanha contra suicídio
set12
Leia mais
Tempestade solar deve passar pela Terra
set12

Tempestade solar deve passar pela Terra

Sexta-feira, 12 de setembro de 2014, às 12h51 Colorado-EUA – Uma tempestade solar forte, de classe X, está a caminho da Terra viajando a cerca de 1.000 quilômetros por segundo. Mas tudo indica que a maior parte de sua energia vai se desviar do planeta e não deve causar grandes problemas. O fenômeno consiste na ejeção de uma grande quantidade de partículas eletricamente carregadas – prótons e elétrons –, que saem do Sol com grande energia e seguem em direção dos planetas.     Tempestades solares são comuns, em especial durante picos na atividade solar, e não causam danos diretos aos seres vivos na Terra, pela proteção conferida pela atmosfera. Mas elas afetam o campo magnético do planeta e podem causar flutuações na rede de energia. Transmissões por satélite, rádio e GPS também podem ter problemas quando a tempestade chegar aqui, o que é esperado para acontecer nesta sexta (12), mas não deve haver consequências graves, segundo Tom Berger, diretor do centro de meteorologia espacial de Boulder, Colorado (EUA). É esperado também um aumento na ocorrência de auroras...

Leia mais
Ebola matou mais de 2,4 mil pessoas, informa OMS
set12
Leia mais
Prefeitura retira famílias para revitalizar área do parque D. Pedro II
set12
Leia mais
Cosmonauta volta à terra quase seis meses depois
set12
Leia mais
Projeto inclui avenida Santo Amaro na Operação Urbana Faria Lima
set12

Projeto inclui avenida Santo Amaro na Operação Urbana Faria Lima

Sexta-feira, 12 de setembro de 2014, às 09h37 Ericka Perestrelo da Web Rádio Câmara A CCJ (Comissão de Constituição, Justiça e Legislação Participativa) da Câmara Municipal de São Paulo, debateu nesta quarta-feira (10) o Projeto de Lei (PL) 377/2014, do Executivo, que propõe a inclusão da avenida Santo Amaro no programa de investimentos da Operação Urbana Faria Lima. O colegiado realizou uma audiência pública para discutir a proposta com a população. De acordo com o diretor de desenvolvimento da São Paulo Urbanismo, Gustavo Partezani, a proposta prevê melhoramentos num trecho de 2.700 metros entre a avenida Juscelino Kubitschek e a avenida dos Bandeirantes, considerado o mais deteriorado. Saiba mais na reportagem da Web Rádio...

Leia mais
Oferta e demanda de milho em SP
set12

Oferta e demanda de milho em SP

Sexta-feira, 12 de setembro de 2014, às 09h30 IEA divulga a segunda estimativa de oferta e demanda de milho no Estado de São Paulo. A segunda estimativa de oferta e demanda de milho no Estado de São Paulo em 2014, mantém a tendência de queda, pelo segundo ano consecutivo, da oferta e da demanda do cereal, afirmam Maximiliano Miura e Alfredo Tsunechiro, pesquisadores do Instituto de Economia Agrícola (IEA/Apta) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.     O quinto levantamento de previsão da safra agrícola 2013/14, realizado em junho deste ano, ratifica a previsão de levantamentos anteriores, de queda da produtividade da cultura de verão (primeira safra), em decorrência da longa estiagem em todo o estado. A produtividade média da cultura de sequeiro caiu 23% em relação a 2012/13, enquanto a da cultura irrigada sofreu redução de 21,9%. O efeito combinado da adversidade climática com a retração da área plantada (11,5%) resultou numa grande queda de produção (31,4%) da primeira safra. A produção de milho safrinha (segunda safra) também deve cair (11,8%), devido à redução da área plantada (14,3%), embora se espere produtividade com crescimento ligeiramente superior (2,8%) à do ano passado. “A produção total de milho em 2014, no Estado de São Paulo, de 3,66 milhões de toneladas, se confirmada, deverá ser a menor dos últimos 14 anos, diminuindo 25,8% em relação à safra 2012/13. Com estoque inicial 1,9% menor que o do ano passado, a disponibilidade interna de milho no Estado, de 4,268 milhões de toneladas, cai 23,1% em 2014 (temporada 2013/14) em relação a 2013, afirmam os pesquisadores. Do lado da demanda, foram mantidas as estimativas de consumo e de exportação da primeira estimativa de 2014, de acordo com informação dos representantes dos segmentos da cadeia produtiva do milho no Estado de São Paulo. As relações de troca do milho (frango-milho, ovo-milho, suíno-milho, boi-milho e leite-milho) com produtos de origem animal no trimestre março-maio de 2014 apresentaram-se mais favoráveis em relação a igual período de 2013, exceto para os criadores de aves de postura. Cresce o consumo de milho pela indústria de moagem (1,5%). O balanço da oferta e demanda de milho no Estado em 2014 mostra, tal como se observou na primeira estimativa de 2014, elevação substancial da importação (de outras regiões do país) do cereal (28,5%), para compensar a quebra da safra paulista na temporada 2013/14. O volume importado passa a corresponder a 61% do consumo estadual, reproduzindo o mesmo nível da primeira...

Leia mais
Equipamento leva a realidade virtual à educação física
set12

Equipamento leva a realidade virtual à educação física

Sexta-feira, 12 de setembro de 2014, às 09h02 Stable possui 6 câmeras, plataforma de força e tela para projeção 180º Por Paula Bassi, da Seção de Relações Institucionais e Comunicação da EEFE No começo de agosto, o Laboratório de Comportamento Motor (Lacom) da Escola de Educação Física e Esporte (EEFE) recebeu o aparelho Stable, que irá integrar o Laboratório Didático de Realidade Virtual na promoção de Atividade Física, Lazer, Saúde e Reabilitação. O objetivo é equipar uma sala didática com diversos consoles e equipamentos que possam criar diferentes ambientes de realidade virtual. Esta sala proporcionará aos alunos de graduação conhecimentos teóricos e práticos para a aplicação da realidade virtual na educação física e esporte, voltados para a saúde, reabilitação, lazer e esporte. Além disso, será possível realizar avaliações neuromotoras e fisiológicas sobre os efeitos da prática de atividade física em ambiente virtual. O Stable possui seis câmeras, plataforma de força e tela para projeção em 180º. O equipamento permite a criação de cenários virtuais para tarefas específicas do dia-a-dia ou relacionadas a alguma modalidade esportiva a partir da criação de jogos virtuais. Por meio do aparelho, a pessoa em avaliação sente que desempenha uma tarefa em um ambiente real, embora esteja no ambiente virtual. É possível avaliar e melhorar o desempenho de pessoas com distúrbios no equilíbrio e no controle postural, como idosos, pessoas com AVC, Parkinson, entre outros. A vantagem do uso da realidade virtual é a prática de movimentos em ambientes contextualizados, em que o profissional pode manipular a intensidade, o número de repetições e a realização de treinamento orientado a tarefas personalizadas para cada pessoa. Além disso, a prática nesse ambiente é extremamente segura, pois a pessoa estará sobre uma plataforma de força, presa com cinto de segurança fixo no teto, a fim de evitar quedas, quando desempenham as atividades em ambiente virtual. As alterações fisiológicas, psíquicas e somáticas promovidas pelo ambiente virtual são similares às situações da vida real e isso pode garantir condições para a melhora do desempenho motor e da aprendizagem, pois os participantes sentem-se em um ambiente desafiador e motivador em níveis acentuados de intensidade de prática física. Projetos irão estudar a aprendizagem motora em pacientes que sofreram AVC O equipamento será utilizado na graduação e na pós-graduação. Na graduação, os professores demonstrarão aos graduandos uma possibilidade de prática de atividade física que permitirá avaliar os aspectos comportamentais, fisiológicos e biomecânicos dessas intervenções. Também será possível a observação prática das respostas orgânicas e do impacto fisiológico durante a execução de atividades em ambiente virtual, o que é difícil em um contexto real. Os alunos de pós-graduação também poderão utilizar o equipamento para...

Leia mais
Microalgas transformadas
set12

Microalgas transformadas

Sexta-feira, 12 de setembro de 2014, às 07h59 Por Dinorah Ereno Revista Pesquisa FAPESP – Um grande tanque de vidro transparente para cultivo de microalgas ao ar livre, chamado fotobiorreator, foi concebido e desenvolvido por uma equipe multidisciplinar composta por pesquisadores da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e da Universidade de São Paulo (USP). Entre as inovações, o fotobiorreator possui uma membrana porosa utilizada para filtrar o meio de cultura que serve como alimento para as células da alga Chlorella vulgaris – composto por substâncias como nitrato de sódio, fosfato, potássio, micronutrientes, sulfato e outros elementos inorgânicos. Essa membrana permite, pela escolha da microalga e da composição nutricional, selecionar o tipo de biomassa que será obtido no final do processo: proteínas para ração animal, ácidos graxos essenciais, como ômega 3, para aplicação nas indústrias alimentícia e farmacêutica, carboidratos usados na síntese de plásticos ou fertilizantes.     “Por meio de manipulação bioquímica em microalgas, podemos obter biomoléculas de acordo com a necessidade de matéria-prima das empresas”, diz a professora Ana Teresa Lombardi, do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde da UFSCar e coordenadora do projeto na modalidade Programa de Apoio à Pesquisa em Parceria para Inovação Tecnológica (PITE) que faz parte de um acordo de cooperação da FAPESP com a Braskem. “Dentre as várias aplicações possíveis, um resultado interessante e promissor que obtivemos foi a peletização [recobrimento] de sementes de plantas nativas do cerrado com a biomassa algal, que poderão ser utilizadas em reflorestamento”, relata Lombardi. A pesquisa foi tema de uma dissertação de mestrado, já defendida. “Essas sementes envoltas em biomassa e mucilagem algal conseguem aproveitar melhor a água de chuva, pela maior retenção, o que resultaria em menor mortalidade de sementes plantadas no campo”, ressalta. A pesquisadora explica que, no processo de cultivo de algas, é preciso um fluxo contínuo para a entrada de nutrientes frescos. Só que em alguns momentos há um extravasamento desse fluxo e é preciso retirar o meio de cultura usado. “No biorreator padrão, quando esse meio velho é removido, há perda de células, ou seja, é como se tudo tivesse sido lavado.” Como a membrana tem poros extremamente pequenos, os nutrientes utilizados só saem depois de passar pelo processo de filtragem. Dessa forma, além da possibilidade de reúso do meio, é possível escolher a densidade de células que ficará no tanque e o meio de cultura que entrará no reator pelo fluxo contínuo. “As algas se adaptam rapidamente a mudanças nos nutrientes porque passam por uma transformação intracelular”, diz Ana Teresa. Ou seja, elas conseguem fazer uma modificação na sua composição bioquímica dependendo do ambiente em que vivem. “Transformamos esse...

Leia mais
Negros e mulheres pagam mais impostos no Brasil
set11

Negros e mulheres pagam mais impostos no Brasil

Quinta-feira, 11 de setembro de 2014, às 18h19 Sistema tributário brasileiro onera mais negros e mulheres, mostra estudo. Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil Edição: Graça Adjuto Caracterizado por onerar proporcionalmente os mais pobres em relação aos mais ricos, o sistema tributário brasileiro provoca um tipo mais profundo de injustiça. Estudo do Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc) revela que os impostos punem mais os negros e as mulheres em relação aos brancos e aos homens.       O levantamento cruzou dados de duas pesquisas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O estudo baseou-se na Pesquisa de Orçamento Familiar (POF), que fornece dados sobre a renda das famílias, e na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), que capta informações demográficas como raça e gênero. Segundo o levantamento, os 10% mais pobres da população comprometem 32% da renda com o pagamento de tributos. Para os 10% mais ricos, o peso dos tributos cai para 21%. A relação com o gênero e a raça aparece ao comparar a participação de cada fatia da população nessas categorias de renda. Nos 10% mais pobres da população, 68,06% são negros e 31,94%, brancos. A faixa mais desfavorecida é composta por 45,66% de homens e 54,34% de mulheres. Nos 10% mais ricos, que pagam menos imposto proporcionalmente à renda, há 83,72% de brancos e 16,28% de negros. Nessa categoria, 62,05% são homens e 31,05%, mulheres. “Não há dúvida de que a mulher negra é a mais punida pelo sistema tributário brasileiro, enquanto o homem branco é o mais favorecido”, diz o autor do estudo, Evilásio Salvador. Para ele, é falsa a ideia de que a tributação brasileira é neutra em relação a raça e gênero.. “Como a base da pirâmide social é composta por negros e mulheres, a elevada carga tributária onera fortemente esse segmento da população”, contesta. Historicamente, o sistema tributário brasileiro pune os mais pobres porque a maior parte da tributação incide sobre o consumo e os salários, em vez de ser cobrada com mais intensidade sobre o patrimônio e a renda do capital. Segundo o estudo, no Brasil, 55,74% das receitas de tributos vieram do consumo e 15,64% da renda do trabalho em 2011, somando 71,38%. Nos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), a média está em 33%. Os tributos sobre o consumo são regressivos do ponto de vista social por estarem embutidos nos preços dos bens e dos serviços. Dessa forma, uma mercadoria com R$ 1 de imposto embutido no preço pesa mais para as camadas de menor renda. Para reverter a situação, Oliveira aponta a necessidade de uma reforma tributária, que amplie...

Leia mais
Educação física terá o auxilio do Stable
set11

Educação física terá o auxilio do Stable

Quinta-feira, 11 de setembro de 2014, às 18h08   O equipamento será utilizado na graduação e na pós-graduação da Escola de Educação Física e Esporte (EEFE), que recebeu o aparelho em agosto e agora irá integrar o Laboratório Didático de Realidade Virtual na promoção de Atividade Física, Lazer, Saúde e Reabilitação. Leia a reportagem de Paula Bassi: Equipamento leva a realidade virtual à educação...

Leia mais
Uma nova direção para São Paulo
set11

Uma nova direção para São Paulo

Quinta-feira, 11 de setembro de 2014, às 17h52   Plano Diretor traz a receita de uma São Paulo com qualidade de vida e respeito ao meio ambiente. Desafio é tirá-lo do papel. Por Fausto Salvadori Filho Ao fim de um processo de intenso debate, a Câmara Municipal de São Paulo (CMSP) aprovou o Plano Diretor Estratégico (PDE), instrumento que pretende melhorar a vida dos paulistanos. A criação do PDE começou com um projeto de lei elaborado pelo Executivo e enviado à Câmara, que produziu um substitutivo em parceria com os maiores especialistas em São Paulo: seus moradores. Para chegar ao texto definitivo, os vereadores realizaram 62 audiências públicas, que reuniram cerca de 6 mil participantes no total, além de contribuições enviadas pelo portal da Casa. No total, foram 2.200 sugestões, incluindo 1.200 propostas apresentadas nas audiências, 500 documentos protocolados e 531 propostas transmitidas pela internet. Leia a reportagem completa em Apartes...

Leia mais
Ilhabela terá palestra sobre Jogos Olímpicos 2016
set11
Leia mais
As cinco idéias mais equivocadas sobre os índios no Brasil
set11

As cinco idéias mais equivocadas sobre os índios no Brasil

Quinta-feira, 11 de setembro de 2014, às 16h10 Por José Ribamar Bessa Freire* 1 – O índio não é “genérico” – Cada tribo tem seus costumes, crenças e culturas. São 200 etnias, que falam 188 línguas diferentes. 2 – As culturas indígenas não são atrasadas – Os povos indígenas produzem saberes, ciências, arte refinada, literatura, poesia, música, religião. 3 – As culturas indígenas não são congeladas – Pensar que todo índio deveria andar nu ou de tanga é um equívoco tão grande que quando vemos o contrário tem gente acha estranho. 4 – Os índios não fazem parte apenas do passado – Como mostramos aqui, eles estão aí defendendo sua cultura. Também é errado pensar que a cultura deles é contraria à evolução e a tudo que é moderno. 5 – O brasileiro é índio sim! – Muitos tem a ideia de que o povo brasileiro foi só formado por nações européias e africanas. Na verdade, a origem vem de todos, mas o brasileiro tende a se identificar com a origem européia que foi a principal colonizadora.     * José Ribamar Bessa Freire – Doutor em Literatura Comparada, autor do livro “Rio Babel – a história social das línguas na Amazônia”. Trabalha com história das línguas e narrativas orais no Programa de Pós Graduação em Memória Social (UNI) e coordena o Programa de Estudos dos Povos Indígenas da UERJ, onde ministra a disciplina Educação Indígena. Participa de vários cursos de formação de professores indígenas em várias regiões do Brasil.   Leia o estudo completo: CINCO IDÉIAS EQUIVOCADAS SOBRE OS ÍNDIOS     Por um Brasil consciente, inteligente e solidário Originalmente publicado em Projeto Gota D’Água — com Soyyo MG e Andréa Brito. Fonte: Page Resilência (Facebook), via Portal do Meio...

Leia mais
Freedom Tower, Torre da Liberdade
set11
Leia mais
O mais covarde ataque do século XXI
set11
Leia mais
CR recebe o The Gasolines, amanhã no Tatuapé
set11

CR recebe o The Gasolines, amanhã no Tatuapé

Quinta-feira, 11 de setembro de 2014, às 09h09   The Gasolines faz três shows no Circuito SP de Cultura Apresentações acontecem nas bibliotecas Cassiano Ricardo (CR) e Monteiro Lobato e na Galeria Olido Por Luísa Bittencourt “Nascida na estrada, onde o combustível é a música”. É assim que o guitarrista da The Gasolines, Alexandre Kanashiro, define a própria banda. Atração do Circuito São Paulo de Cultura, projeto que em setembro também integra o Mês da Cultura Independente, o grupo se apresenta em três espaços da Secretaria de Cultura: dia 12, na Biblioteca Pública Cassiano Ricardo; dia 14, na Galeria Olido; e dia 26, na Biblioteca Infantojuvenil Monteiro Lobato.     Com mais de 20 anos de trajetória, The Gasolines circulou sempre pelo meio independente, mas com uma singularidade musical que poucas bandas conquistam. A primeira inspiração foi o rock’n’roll de Link Wray, e a busca pelo punk rock, uma consequência. “Começamos tentando fazer este tipo de som instrumental mais cru e próximo do punk rock, perfeito para nós, que não sabíamos tocar, mas com muita fome de música”, conta Kanashiro. Com o tempo, a banda incorporou elementos de outros gêneros musicais, diversificando seu som e diminuindo, inclusive, o vocal. “Havia algumas músicas cantadas, ou melhor, gritadas, que naturalmente foram sumindo, enquanto eram adicionadas novas referências.” Hoje, com quatro CDs e uma fita K7 lançados, o grupo explora ritmos latinos, composições de filmes de faroeste, sutilezas do jazz e sua principal marca, o surf rock. “Nossa primeira experimentação foi misturar ‘Tico tico no fubá’ com a clássica ‘Tequila’, e o uso de maracas deu uma característica latina depois de nossas passagens pelo sul da Espanha e pelo Maranhão”, explica o guitarrista. A música “Pura tiquira”, do álbum “Pura veneta”, de 2008, por exemplo, foi gravada em terras nordestinas com o cantor e compositor maranhense Roberto Ricci, conhecido como “o malabarista do violão”. “Ele tira de seu instrumento incríveis sons percussivos da festa do boi”, afirma Kanashiro. Formada ainda por Sonny Rocker no contrabaixo, Fabio Barbosa na bateria e Saico Padovano na voz e percussão, The Gasolines promete três apresentações que reúnem composições da raríssima demo em K7, “Wild and Primitive” (1996); do CD demo “Sonido de la frontera” (1998); e dos discos “La Shereefa” (2000); “Tanger Hotel” (2003), primeira gravação oficial da banda, lançada pela Baratos Afins e vencedora do Prêmio Dinamite de Melhor Álbum Instrumental de Música Independente; e o mais recente, “Pura veneta” (2008), com sonoridades orientais, dub e reggae.   Apresentações Biblioteca Pública Cassiano Ricardo (Temática em Música). Av. Celso Garcia, 4.200, Tatuapé. Zona Leste. Tel. 2092-4570 e 2942-9952. Dia 12, 18h Galeria Olido – Vitrine da...

Leia mais
Programação Cultural da Biblioteca Cassiano Ricardo
set11

Programação Cultural da Biblioteca Cassiano Ricardo

Quinta-feira, 11 de setembro de 2014, às 08h32   Espaço Itamar Assunção – A Hora e Vez do Vestibular Memórias Póstumas de Brás Cubas – Machado de Assis Professor André Renato Oliveira Silva Dia 15 de setembro às 19h O Cortiço – Aluísio Azevedo Professor André Renato Oliveira Silva Dia 22 de setembro às 19h A Cidade e as Serras – Eça de Queirós Professor André Renato Oliveira Silva Dia 29 de setembro às 19h     Veja as palestras de vestibular em setembro de todas as bibliotecas públicas.   Mediação de Leitura Funcionários da Biblioteca propõem um contato lúdico entre leitores de todas as idades e os livros, com a intenção de despertar o interesse e o hábito da leitura.   Tarde entre Livros Com Camila Vieira Braido e Odenir Vinhato. Livre. Às quartas-feiras de setembro às 15h   Circuito de Música Durante o mês de setembro, as Bibliotecas integram o Circuito Municipal de Música, realizado pela Secretaria Municipal de Cultura, cuja intenção é contribuir para a ampliação do repertório cultural em diversos pontos de cultura da cidade de São Paulo. The Gasolines Amanhã, sexta-feira (12), a Biblioteca Cassiano Ricardo, temática em música, recebe a banda The Gasolines às 18h, no Tatuapé. Leia a reportagem de Luísa Bittencourt Camila Vieira Braido – Coordenadora Biblioteca Pública Cassiano Ricardo – Temática em Música Av. Celso Garcia, 4200 – Tatuapé Tel. 2092-4570 /...

Leia mais
Por uma educação de qualidade para o Brasil
set10
Leia mais
Índios mostram danças sagradas e luta corporal em Marudá
set10
Leia mais
Mina Bissell fala sobre câncer de mama na USP
set10
Leia mais
U2 lança álbum após 5 anos
set10
Leia mais
Criação do Parque Minhocão gera polêmica
set10
Leia mais
25 de março pode ser fechada para o trânsito
set10

25 de março pode ser fechada para o trânsito

Quarta-feira, 10 de setembro de 2014, às 12h52 A Prefeitura de São Paulo quer fechar para o trânsito a Rua 25 de Março, na região central, e outras vias no entorno, segundo o secretário municipal dos Transportes, Jilmar Tatto. Até o final deste mês, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) ainda vai instalar um trecho de ciclovia em uma das principais ruas de comércio popular da América Latina, a Rua 25 de Março. Outra medida, a ser adotada em 2015, será a implantação de ciclovia na Avenida Paulista, que poderá ter um custo de 15 milhões de reais. Através do sistema o ciclismo poderá atingir vários pontos da cidade a partir da Paulista, tais como o Centro, Ibirapuera, Av. Brasil, Pacaembu ou Jabaquara. A imagem ao lado, mostra o movimento de consumidores na região da rua 25 de março, nesta segunda-feira...

Leia mais
Carros antigos: Carruagem motorizada Thames
set10
Leia mais
Os candidatos pelo Brasil
set09
Leia mais
Animação sobre a relação álcool e câncer
set09

Animação sobre a relação álcool e câncer

Assista o Vídeo: Do Álcool e Seus Demônios Programa de Oncobiologia Publicado em 06/08/2014 Para surdos e ouvintes. Produção do Núcleo de Divulgação do Programa de Oncobiologia, Instituto de Bioquímica Médica Leopoldo de Meis, da UFRJ. O vídeo aborda a influência da propaganda sobre o consumo de bebidas alcóolicas e a correlação do álcool com o câncer.     Terça-feira, 9 de setembro de 2014, às 18h44 UFRJ e Fundação do Câncer produzem animação sobre álcool e câncer Agência FAPESP – A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFJR) e a Fundação do Câncer produziram um vídeo em animação para alertar a população sobre as relações entre o consumo de álcool e o desenvolvimento de câncer. A animação “Do Álcool e seus Demônios” é resultado de uma pesquisa do Programa de Oncobiologia da UFRJ, que ouviu 278 pessoas entre 13 e 45 anos, de 25 estados brasileiros e diferentes classes sociais, sobre suas percepções a respeito da prevenção do câncer e hábitos saudáveis. De acordo com a pesquisa, muitos brasileiros sabem que hábitos saudáveis ajudam a prevenir o desenvolvimento do câncer, mas 82% declararam que não mudam seu estilo de vida por causa disso. Foi observado ainda que, apesar de acreditarem na influência de propagandas de bebidas alcoólicas, 87% dos entrevistados não se consideram atingidos por elas. Segundo a Fundação do Câncer, cerca de 90% de todos os tipos de câncer estão associados ao estilo de vida, sendo que um terço tem relação direta com a alimentação, incluindo a ingestão de bebidas alcoólicas. O consumo de álcool é um fator de risco para o câncer da cavidade oral, faringe, laringe, esôfago e fígado. “Não existe consumo seguro. Consumir apenas nos fins de semana não diminui seu risco”, alerta a animação. O vídeo pode ser acessado no YouTube, em...

Leia mais
Audiência Pública debate o Parque Minhocão
set09
Leia mais
Debatedores divergem sobre punição a usuários de maconha
set09
Leia mais
William e Kate esperam pelo segundo filho
set09

William e Kate esperam pelo segundo filho

Terça-feira, 9 de setembro de 2014, às 12h47   Inglaterra – O príncipe William da Inglaterra, segundo na linha de sucessão à Coroa britânica, e sua esposa Kate esperam o segundo filho, anunciou nesta segunda-feira (8) a Casa Real. “A rainha e os membros de ambas famílias estão encantados que a Alteza Real esteja esperando um segundo filho”, foi fivulgado no Twitter.     Kate sofre de hiperêmese gravídica – uma complicação que provoca fortes náuseas e vômitos – que a levou à hospitalização durante a gravidez de George, seu primeiro filho e terceiro na sucessão do trono do Reino Unido. Na linha sucessória à Coroa, a rainha Elizabeth dará lugar ao seu filho Charles, príncipe de Gales; este deverá ser sucedido por William (neto) duque de Cambridge e George (bisneto) 3º sucessor – que fez um ano no dia 22 de julho. Após o nascimento, do segundo filho de William e Kate, seja menino ou menino, ocupará 4º lugar na...

Leia mais
Gingko Biloba, a planta fóssil
set09
Leia mais
Mudar de sexo, mudar de gênero?
set09

Mudar de sexo, mudar de gênero?

Terça-feira, 9 de setembro de 2014, às 08h42 Agência FAPESP – Mudar de gênero equivale a mudar de sexo? Esta é uma das questões da palestra que será proferida pelo psicanalista Thamy Ayouch, no dia 10 de setembro, na Biblioteca Mario de Andrade, em São Paulo. A palestra “Mudar de sexo, mudar de genêro?” integra o programa Cátedras Francesas no Estado de São Paulo, organizado pela Universidade de São Paulo (USP), pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), em parceria com o Consulado Geral da França em São Paulo. Ayouch é pesquisador na Université Paris 7 e titular de uma cátedra francesa na Universidade de São Paulo (USP). Sua pesquisa trata das interações entre a psicanálise e a antropologia filosófica, a linguística, as ciências políticas e os estudos de gênero. A palestra ocorrerá às 19h, no auditório da Biblioteca Mario de Andrade, que fica na Rua da Consolação, 94, em São Paulo. Mais informações: Biblioteca Mario de...

Leia mais
Degradação florestal no Brasil preocupa especialistas
set08
Leia mais
Sampaio Moreira faz 85 anos
set08
Leia mais
Os candidatos de SP e a velha política
set08
Leia mais
Sampaio Moreira e a história do Tatuapé
set07

Sampaio Moreira e a história do Tatuapé

Domingo, 7 de setembro de 2014, às 18h44 O E. C. Sampaio Moreira completou 85 anos no dia 1º de setembro e a tradição do clube está ligada ao bairro do Tatuapé. É a maior agremiação em atividade e uma das traves do seu campo, perdido para a abertura da atual Radial Leste, ficava bem no meio da Rua Melo Freire. A outra extremidade chegava à Rua Platina. No local, hoje está a Estação Carrão do Metrô.     Leia a reportagem completa Sampaio Moreira faz 85...

Leia mais
Hino da Independência
set07
Leia mais
Independência do Brasil
set07
Leia mais
A favor dos animais: WildLeaks
set06

A favor dos animais: WildLeaks

Sábado, 6 de setembro de 2014, às 18h53   WildLeaks, a plataforma contra a caça ilegal e o tráfico de animais selvagens. Projeto online é a primeira plataforma de denúncias dedicada à vida selvagem e aos delitos florestais. Por José Eduardo Mendonça, do blog Planeta Urgente – Planeta Sustentável Os caçadores ilegais que estão devastando populações de rinocerontes e elefantes na África são muitas vezes protegidos da polícia por suas conexões com o poder, mas um grupo de conservacionistas está usando denúncias anônimas para tentar deter os crimes. Os fundadores do WildLeaks, uma espécie de WikiLeaks para o ambiente, dizem que esta é a primeira plataforma de denúncias dedicada à vida selvagem e aos delitos florestais.     Enquanto guardas florestais encaram criminosos armados, o projeto online quer mirar os maiores traficantes de chifres de rinocerontes e presas de elefantes, que lucram milhões de dólares com sua atividade. Um de seus fundadores é Andrea Crosta, diretor executivo da Elephant Action League, baseada na Califórnia, com 25 anos de experiência em projetos de conservação e pesquisa e 15 anos de treino em segurança de alto nível e gerenciamento de riscos. Segundo ele, a plataforma recebe todo tipo de denúncia. Uma delas, por exemplo, envolve um homem muito poderoso no Quênia ligado ao governo, e que está por trás do comércio de marfim. Há denúncias de caça a tigres no norte de Sumatra, de contrabando de macacos, em particular chimpanzés, na África Central, atividades madeireiras ilegais no México, Malawi e Rússia, pesca ilegal na costa do Alasca. Uma vez verificada a confiabilidade da informação, a organização tem três opções, diz Crosta. Pode iniciar uma investigação com seus próprios recursos em colaboração com seus parceiros, partilhar a denúncia com outros grupos ou com agências de execução da lei. “Esta parece ser uma nova abordagem para a questão das gangues criminosas”, afirma Richard Thomas, da Traffic, o principal grupo mundial de monitoramento do comércio de vida selvagem. “Pode se provar útil com o tempo.” Representantes do Grupo de Conservação do Instituto Max Plank de Antropologia Evolucionária também se mostram otimistas em relação à plataforma, da qual são parceiros. “Acho uma ideia verdadeiramente inteligente”, afirma Mimi Arandjelovic, membro da iniciativa. Mas um dos problemas do projeto é que, para ter sucesso, precisa se tornar conhecido, admite Crosta, segundo a Deutsche Welle. Fonte: National Geographic Brasil, via Portal do Meio...

Leia mais
Ordem DeMolay faz a troca da bandeira no Ipiranga
set06
Leia mais
Promessas e promessas
set06
Leia mais
IV Jogos Tradicionais Indígenas
set06
Leia mais
Plano Centro Limpo contempla Bela Vista
set06

Plano Centro Limpo contempla Bela Vista

Sábado, 6 de setembro de 2014, às 12h22 Projeto começa no próximo dia 8 no distrito e inclui conscientização, mutirões de limpeza e fiscalização Combater o descarte irregular de resíduos na região central do município é um dos principais objetivos do Plano Centro Limpo, que chega ao distrito Bela Vista, incluindo o Bixiga, no próximo dia 8. Iniciado em agosto de 2013, na Vila Buarque, o projeto já foi realizado na Santa Ifigênia, Luz e 25 de Março. Trata-se de ação conjunta entre a Secretaria de Serviços, por meio da Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (Amlurb), Subprefeitura Sé e empresas de varrição e coleta, com apoio da Guarda Civil Municipal e da Associação Viva o Centro. No próximo dia 8, e até o dia 20, ocorre a conscientização de moradores e comerciantes, com faixas orientativas e distribuição de panfletos sobre a frequência da coleta domiciliar, a maneira correta de descartar resíduos, os ecopontos disponíveis na região e a legislação municipal.     “Quando a população toma conhecimento e utiliza essas informações ajuda muito na manutenção e preservação da limpeza das áreas e vias públicas”, afirma o gerente do Departamento de Fiscalização de Amlurb, Evaldo de Freitas Gomes. Antes desta etapa, foi promovido levantamento sobre as especificidades e problemas das áreas que serão contempladas. Mutirão e Fiscalização A terceira ação do Plano começa no dia 15 e prossegue até o dia 29, com a realização de mutirões de serviços de limpeza como varrição, pintura de guias, manutenção de bocas de lobo, retirada de faixas e cartazes, coleta de entulho, resíduos e grandes objetos e troca de papeleiras e PEVs (Pontos de Entrega Voluntária). Durante o mutirão, a distribuição do material informativo também será realizada. No próximo dia 29, inicia-se a quarta ação do Plano, com a fiscalização, notificação e aplicação de multas para quem desrespeitar o horário, tipo e quantidade de resíduo descartado. Além disso, será feita verificação da situação dos grandes geradores de resíduos (estabelecimentos comerciais, industriais, de prestação de serviços, públicos e institucionais que geram acima de 200 litros de resíduos). “Eles devem, obrigatoriamente, estar cadastrados em Amlurb e contratar coleta particular. Caso contrário, ficarão passíveis de sansão”, ressalta Evaldo. Mais informações sobre o cadastramento no site da Amlurb. As penalidades serão aplicadas de acordo com a lei 13.478/02, que prevê multas de R$ 626,46 (descarte irregular até 50 quilos) a R$15.034,87 (acima de 50 quilos). O trabalho de conscientização será mantido também durante essa última...

Leia mais
OMM lança série de vídeos sobre mudança climática
set06

OMM lança série de vídeos sobre mudança climática

Sábado, 6 de setembro de 2014, às 11h49 Agência FAPESP – A Organização Mundial de Meteorologia (OMM) lançou os primeiros episódios de uma série de vídeos com previsões do tempo projetadas para o ano de 2050. A primeira edição traz a previsão para o dia 8 de junho daquele ano no Brasil, apresentada por Claudia Celli, da RPC-TV, afiliada da TV Globo no Paraná. O objetivo da iniciativa é sensibilizar as pessoas sobre os impactos locais das mudanças climáticas globais. Os vídeos trazem sempre apresentadores de televisão conhecidos em um determinado país – e os cenários são compatíveis com os projetados no quinto relatório do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC). No caso do Brasil, a previsão é de muita chuva no sul do país e no oeste da Amazônia. A expectativa é que os níveis de chuva para o mês sejam superados em apenas alguns dias, aumentando o risco de inundações e deslizamentos. Para o Nordeste e o leste da Amazônia, a previsão é de seca. O lançamento dos vídeos pela OMM ocorre em apoio ao pedido do secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, para que governos, empresários e líderes da sociedade civil concordem em agir para lidar com a mudança climática durante a cúpula climática da ONU, marcada para 23 de setembro, a fim de evitar que se concretizem as previsões dos piores cenários. “A mudança climática está afetando o tempo em todo lugar. Isso torna o clima mais extremo e modifica os padrões estabelecidos. Isso significa mais desastres; mais incerteza”, diz Ban Ki-moon em uma mensagem no vídeo. A edição sobre o Brasil traz ainda uma entrevista de Celli com José Marengo, pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e membro do Programa FAPESP de Pesquisa sobre Mudanças Climáticas Globais (PFPMCG). “Nas regiões tropicais, em basicamente todo o Brasil, os aumentos de temperatura no fim do século poderão ultrapassar os 4º C. Em termos de chuva, o padrão muda um pouco. As previsões mostram reduções de chuva no leste da Amazônia e na região Nordeste e aumento de chuva no oeste da Amazônia e no extremo sul do Brasil”, afirma Marengo no vídeo. Assista a série de vídeos publicados pela OMM “A resposta tem que ser imediata [às mudanças climáticas globais]. Nas próximas décadas tem que se chegar a um acordo internacional, tipo o Protocolo de Kyoto, para reduzir as emissões de gases de efeito estufa, porque reduzir essas emissões é a única forma de poder reduzir o aquecimento e reduzir os impactos à população”, acrescenta o pesquisador. O vídeo com a previsão para o Japão também já está no ar. Nesta...

Leia mais
ONU: 120 milhões de mulheres sofreram abuso sexual
set06

ONU: 120 milhões de mulheres sofreram abuso sexual

Sábado, 6 de setembro de 2014, às 11h18   Um estudo divulgado pela Organização das Nações Unidas (ONU), em parceria com a Unicef, indica que uma em cada 10 mulheres já sofreu abuso sexual em 2012 no mundo. Isso significa um total de 120 milhões de pessoas do gênero feminino vítimas deste tipo de violência. O levantamento, que abrange 190 países, aponta também que uma em cada três adolescentes casadas, o que significa 84 milhões de pessoas, sofreram alguma violência emocional, física ou sexual por parte de seus maridos. A violência contra crianças e adolescentes tem crescido nas últimas décadas, segundo o relatório. Cerca de 95 mil mulheres com menos de 20 anos foram assassinadas em todo o mundo. As principais causas apontadas pelo estudo foram o fato de que as vítimas são muito jovens para prestar queixas, escassos serviços de proteção aos mais novos, entre...

Leia mais
Luciano Huck visita a OC
set05
Leia mais
Olimpíadas do Conhecimento: luzes no início do túnel
set05

Olimpíadas do Conhecimento: luzes no início do túnel

Sexta-feira, 5 de setembro de 2014 às 11h56 A Olimpíada do Conhecimento é uma competição bienal em que estudantes de cursos do SENAI e do SENAC mostram suas habilidades e os conhecimentos técnicos exigidos para o desempenho de atividades na indústria, comércio e setor de serviços. Gerson Soares Com o advento da gradativa industrialização do país no século XX, principalmente na região Sudeste, foi criado em 1938 o Conselho Nacional da Indústria (CNI) e a partir dele nasceram o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) no ano de 1942, Serviço Social da Indústria (SESI) em 1946 e mais recentemente foi fundado o Instituto Euvaldo Lodi (IEL) – que atua no aperfeiçoamento da gestão, capacitação empresarial e desenvolvimento de carreira.       Exercendo suas influências em diversos setores, o CNI e seus aliados buscam o fortalecimento e a modernização do setor produtivo, fomentam pesquisas, promovem ações sociais, esportivas e investem na formação dos trabalhadores da indústria, mas sua visão se espalha por diversas áreas do conhecimento, consequentemente iluminando as mentes jovens no caminho da realização e autoestima. Na liderança pela melhoria e fornecimento de mão de obra qualificada para a indústria, esse conjunto de entidades também participa do setor de robótica, que nesta semana faz parte da Olimpíada do Conhecimento, uma iniciativa que só pode alegrar e trazer felicidade a todos que nela se integram. Voltando no tempo, com a chegada de D. João VI ao então Brasil colônia em 1808, a indústria teve lançada nas terras brasileiras suas sementes férteis. Porém, ficaram adormecidas durante a maior parte do século XIX, ficando à margem, acompanhando distante e tardiamente a Revolução Industrial que ocorria na Europa desde 1760 – transformando e remexendo as entranhas do saber até 1840 aproximadamente, derrubando mitos, trazendo à tona invenções e descobertas que de fato mudariam os valores da humanidade, alastrando-se até o início do século XX. No Brasil, a revolução industrial ocorreu por volta de 1930 e se firmou anos depois. Foi um período conturbado, de revoluções e guerras mundiais e um passo muito importante foi o desenvolvimento da mão de obra para que a máquina industrial brasileira tivesse força para progredir. Nesse ponto é que os CNI e CNC, com seus ramificações, surgem para impulsioná-la. Com os mesmos objetivos do CNI, porém voltados ao comércio advém a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), órgão reconhecido oficialmente a partir de 1945. A ele estão unidos o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC) em 1946 e a seguir o Serviço Social do Comércio (SESC). Segundo a instituição “essas entidades formam, hoje, um dos maiores sistemas de desenvolvimento social de todo o...

Leia mais
Jovens que lutam contra as drogas são homenageados na Câmara
set05

Jovens que lutam contra as drogas são homenageados na Câmara

Sexta-feira, 5 de setembro de 2014, às 17h18 Por Jeldean Silveira CMSP – Uma Sessão Solene homenageou ex-dependentes químicos e entidades que atuam na prevenção e tratamento contra as drogas na cidade de São Paulo. A solenidade lotou o Salão Nobre do Palácio Anchieta na noite desta quinta-feira (4). Segundo relatório mundial da UNODC (Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime), uma em cada 200 pessoas entre 5 e 64 anos é usuário problemático de drogas. Isso equivale a 27 milhões de pessoas, ou 0,6% da população mundial. Ex-usuário, Robson de Freitas foi um dos homenageados da noite. Ele chegou a perder uma perna ao levar um tiro, foi preso e deixou de usar drogas depois de participar do projeto Força Jovens, da Igreja Universal do Reino de Deus. “Tive a infelicidade de conhecer as drogas dentro de um banheiro de escola pública. Foram dez anos e usei dez tipos diferentes de drogas na minha vida. Perdi tudo, caráter, dignidade, família e hoje me encontro aqui com varias autoridades, sendo homenageado. Para mim é muito importante, me sinto feliz em estar aqui”, disse.       Hoje, Freitas é palestrante no combate contra a dependência química e defende a importância de acreditar na recuperação. “Se existe um laço mais importante na vida de um ser humano na recuperação de um dependente químico é a família. É o que estamos fazendo aqui hoje, família e união. Para quem é rico, para quem é pobre, para quem é negro ou branco, eu acredito na recuperação de qualquer pessoa”, afirmou. O Pastor Humberto Machado, ex-traficante e fundador do projeto Missão Cristolândia, também foi homenageado pelo trabalho da entidade de recuperação, mantida por fiéis da Igreja Batista. Em cinco anos, o projeto Cristolândia cresceu e hoje tem filiais em sete estados do Brasil. São 13 unidades só em São Paulo, com academias de balé e artes marciais frequentadas por mais de 2 mil pessoas. Machado dedicou a honraria a sua maior motivação. “A minha alegria é que o Senhor seja glorificado. Eu não tenho nenhum mérito, a homenagem não pode ser para mim, é para o dono da obra. Ele é o dono eu só sou um operário nessa grande alegria de Deus” disse. O vereador Jean Madeira (PRB), proponente da homenagem, acredita que ONGs que atuam no combate contra as drogas merecem mais espaço na discussão de políticas públicas de prevenção e tratamento. “Os nossos governantes precisam abrir espaço para conversas com instituições como a Cristolândia, por que contra fatos não há argumentos. É uma prova de resultados positivos. Muitos não acreditam, mas hoje podem ver o resultado de jovens que...

Leia mais
Indústria do futuro
set05
Leia mais
Segundo dia de competições tem 30% das provas concluídas
set05
Leia mais
Radio Taissô na Vila Alpina
set05
Leia mais
Robótica pode despertar interesse de estudantes por exatas
set05
Leia mais
Karate Brasileiro é unificado após 35 anos
set04
Leia mais
A Física das Mudanças Climáticas Globais
set04

A Física das Mudanças Climáticas Globais

Quinta-feira, 4 de setembro de 2014, às 12h39   Agência FAPESP – O pesquisador Paulo Eduardo Artaxo Netto, professor do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (USP) e membro da coordenação do Programa FAPESP de Pesquisa sobre Mudanças Climáticas Globais (PFPMCG), será o convidado do colóquio “A Física das Mudanças Climáticas Globais”, que ocorrerá no dia 5 de setembro, em São Carlos. No evento, promovido pelo Instituto de Física de São Carlos (IFSC), da USP, Artaxo abordará os diversos aspectos científicos que controlam o funcionamento climático da Terra e estratégias de mitigação para as mudanças climáticas. O colóquio tem início às 10h30 e ocorrerá no Auditório Professor Sérgio Mascarenhas do IFSC, no campus da USP São Carlos. Não é preciso se inscrever para o evento e a entrada é gratuita. Haverá transmissão ao vivo pelo site...

Leia mais
Enzimas da Antártica têm aplicação industrial
set04

Enzimas da Antártica têm aplicação industrial

Quinta-feira, 4 de setembro de 2014, às 12h13   Por Fabio Reynol Agência FAPESP – A fabricação de detergentes, cosméticos, alimentos, medicamentos e muitos produtos químicos depende de processos executados por enzimas, compostos orgânicos que catalisam e tornam possíveis muitas reações químicas. Entre as enzimas de interesse para a indústria, as mais empregadas são as proteases, que respondem por 60% do mercado mundial de enzimas. Uma estratégia para descobrir novos compostos é procurar, em ambientes de clima extremo, os microrganismos que as produzem, chamados “extremófilos”. Por isso, o grupo coordenado pela professora Maria das Graças de Almeida de Felipe, da Escola de Engenharia de Lorena da Universidade de São Paulo (EEL-USP), iniciou em março de 2012 o projeto “Estabelecimento de condições de cultivo de leveduras isoladas da Antártica visando à produção de proteases”, que se encerrou este ano e recebeu apoio FAPESP na modalidade Auxílio à Pesquisa – Regular. “A nossa expectativa era que esses microrganismos encontrados em condições extremas, restritivas de clima, poderiam produzir enzimas com características especiais para uso em bioprocessos industriais”, disse Almeida de Felipe. Esses fungos do Polo Sul estavam armazenados na Coleção Brasileira de Microrganismos de Ambiente e Indústria pertencente ao Centro Pluridisciplinar de Pesquisas Químicas Biológicas e Agrícolas da Universidade Estadual de Campinas (CPQBA-Unicamp). Todo o material, que reúne cerca de 350 fungos, é parte de um projeto anterior, “Exploração biotecnológica de fungos derivados da Antártica”, coordenado pela professora Lara Durães Sette, do Instituto de Biociências da Universidade Estadual Paulista (IB-Unesp), campus de Rio Claro (SP). O primeiro projeto já havia iniciado um estudo para explorar outras enzimas além de proteases produzidas pelos fungos da Antártica. O trabalho da equipe de Sette durou de 2011 a 2013 e indicou que poderia haver ali várias enzimas de grande interesse industrial. As proteases não são somente importantes como catalisadores biológicos, mas compõem a formulação de detergentes, aromatizantes e outros produtos da química fina, de acordo com a pesquisadora da USP. “Os microrganismos antárticos podem não ser oriundos daquele continente; uma vez levados para lá, se adaptaram às condições climáticas e geográficas extremas”, disse Almeida de Felipe. Por esse motivo, a equipe já esperava que eles produzissem moléculas com características especiais, como proteases altamente estáveis a ponto de se manterem em atividade em uma ampla faixa de temperatura, o que encontraria aplicação em uma extensa gama de setores industriais. A equipe de Almeida de Felipe utilizou da coleção de fungos do CPQBA um conjunto de 99 leveduras com potencial de produção de proteases. O material foi enviado ao campus da USP de Lorena, para os cultivos laboratoriais. Dentre as 99 amostras, 14 apresentaram um halo ao...

Leia mais
Lamborghini revela o Huracán LP 620-2 Super Trofeo
set04
Leia mais
A Terra vista do Espaço
set03

A Terra vista do Espaço

Quarta-feira, 3 de setembro de 2014, às 17h43   Gerson Soares Às nove horas e sete minutos da manhã (horário de Moscou) do dia 12 de Abril de 1961, a cápsula com o foguete “Soyuz-R-7 foi lançada de uma plataforma em Baikonur, no Cazaquistão. “A Terra é azul. Como é maravilhosa. Ela é incrível!”, teria dito o astronauta russo Iuri Gagarin que com apenas 27 anos, tornou-se o primeiro ser humano a ir ao espaço, a bordo da nave Vostok 1, na qual deu uma volta completa em órbita ao redor do planeta. Esteve em órbita durante 108 minutos, a uma altura de 315 km, num vôo totalmente automatizado, com uma velocidade aproximada de 28 000 km/h. Pela proeza, recebeu a medalha da Ordem de Lenin. A corrida espacial ocorria em pleno período da Guerra Fria e os americanos logo deixariam sua marca para sempre, colocando o primeiro homem na Lua. Neil Alden Armstrong, astronauta dos Estados Unidos, piloto de testes e aviador naval escreveu seu nome na história do século XX e da Humanidade ao ser o primeiro homem a pisar na Lua, como comandante da missão Apollo 11, em 20 de julho de 1969. Antes desse feito, entrou para a NASA em 1962, integrando o segundo grupo de astronautas da agência espacial, indo ao espaço pela primeira vez em 1965, como comandante da missão Gemini VIII, três anos antes do voo que o colocaria na História. Condecorado com a Medalha Presidencial da Liberdade, a maior condecoração civil do país, e a Medalha de Honra Espacial do Congresso, manteve uma vida discreta e longe dos olhos da opinião pública até sua morte, aos 82 anos em 2012. Dele, o presidente dos Estados Unidos Barack Obama disse ser “um dos maiores heróis americanos, não apenas de sua época, mas de todos os tempos”. Atualmente, seguindo os passos desses pioneiros, equipamentos de último geração nos proporcionam a mesma visão sem sairmos de casa e as visões do espaço sideral e infinito são cada vez mais fantásticas. Veja algumas imagens fornecidas pela NASA, enviadas pelo leitor Leandro, morador do bairro do Tatuapé.   Foto espacial da agência NASA Foto espacial da agência NASA Foto espacial da agência NASA Foto espacial da agência NASA Foto espacial da agência NASA Foto espacial da agência NASA Foto espacial da agência NASA Foto espacial da agência NASA Foto espacial da agência NASA Foto espacial da agência NASA Foto espacial da agência NASA Foto espacial da agência...

Leia mais
Divulgação científica e museus de ciência: O olhar do visitante
set03

Divulgação científica e museus de ciência: O olhar do visitante

Quarta-feira, 3 de setembro de 2014, às 16h42   Agência FAPESP – A Red de Popularización de La Ciencia y la Tecnología de América Latina y Caribe (RedPOP) e o Museu da Vida, museu interativo da Casa de Oswaldo Cruz/Fundação Oswaldo Cruz, promovem nos dias 16 e 17 de setembro o evento “Divulgação científica e museus de ciência: O olhar do visitante”. Um dos objetivos do encontro, que ocorre no Rio de Janeiro, é promover discussões para compreender o impacto dos museus de ciência na sociedade. Está confirmada a participação de especialistas de sete países, além do Brasil: Argentina, Chile, Colômbia, Costa Rica, Estados Unidos, México e Reino Unido. Entre eles estão Emma Pegram, coordenadora de Gallery Learning no Natural History Museum de Londres, no Reino Unido, e Luz Lindegaard, diretora de Educação do Museo Interactivo Mirador, no Chile. O evento é gratuito e aberto ao público geral. Não é necessário se inscrever antes, mas os que desejarem receber certificado devem enviar, até 5 de setembro, o nome, e-mail e o nome da instituição para o e-mail emvida@fiocruz.br O encontro ocorrerá das 9h30 às 17h na Tenda da Ciência, no Museu da Vida, que fica na Avenida Brasil, 4365, no Rio de Janeiro. Mais informações pelo e-mail emvida@fiocruz.br        ...

Leia mais
Gastronomia italiana típica
set03
Leia mais
Campanha estimula eleitor a conhecer candidatos
set03
Leia mais
A moratória da soja
set03

A moratória da soja

Quarta-feira, 3 de setembro de 2014, às 15h17 A “moratória da soja” é consequência de uma campanha lançada pelo Greenpeace em abril de 2006 a partir de dados que demostraram, a grandes consumidores da Europa – entre as quais, a rede McDonalds –, que a expansão da soja fomentava o desmatamento ilegal na Amazônia. Diante da reação à campanha, a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), a Associação Brasileira dos Exportadores de Cereais (ANEC) – responsáveis pelo comércio de mais de 90% da soja produzida no país – e entidades não-governamentais firmaram um boicote à compra de grãos oriundos de áreas desmatadas na Amazônia após 24 de julho de 2006.     A moratória da soja exigiu não apenas a conformidade ambiental dos produtores do grão como, ainda, o compromisso com o desmatamento ilegal zero. A fim de implementar os termos do acordo, seus participantes criaram o Grupo de Trabalho da Soja (GTS), composto pela Abiove, ANEC, e as entidades Greenpeace, WWF, Ipam e TNC. Em 2008, o acordo recebeu apoio do Governo Federal, por meio do Ministério do Meio Ambiente e do Banco do Brasil, que suspendeu o acesso ao crédito a produtores com identificados como protagonistas de desmatamento ilegal. Além de fornecer aos produtores informações sobre a moratória e as regras do Código Florestal, o GTS desenvolveu um sistema de monitoramento da dinâmica do desmatamento relacionada à produção de soja no bioma amazônico. Paralelamente, os representantes dos compradores assinaram o Pacto pela Erradicação do Trabalho Escravo e incluíram nos contratos de compra de soja cláusulas específicas possibilitando-lhes romper o negócio caso houvesse descumprimento dos termos do acordo. A vigência da moratória da soja correspondeu a um período em que a taxa anual de desmatamento, calculada pelo Prodes, se desacoplou do crescimento da produção agropecuária na Amazônia brasileira. Ou seja: enquanto o desmatamento caiu aos níveis mais baixos desde 1988, a produção agropecuária na região continuou a crescer. Analistas avaliam que esse fato se deveu a um conjunto de medidas e iniciativas adotadas tanto pelo poder público (federal estadual e municipal) quanto pelo Ministério Público, setor privado e ONGs. A moratória da soja é citada como um desses casos. Acordo chega ao fim em dezembro de 2014 Apesar de algumas dificuldades, o acordo entre os integrantes da moratória da soja vinha sendo renovado desde 2007. Porém, no último mês de janeiro, os participantes anunciaram que esta seria a última renovação, com data prevista para até 31 de dezembro de 2014. As associações argumentam que o monitoramento teria indicado que “a expansão da soja não é um importante vetor de desflorestamento do bioma Amazônia”, apontando um estudo...

Leia mais
Produção e venda de máquinas agrícolas em queda
set03

Produção e venda de máquinas agrícolas em queda

Quarta-feira, 3 de setembro de 2014, às 14h57   IEA / Apta — O mercado de máquinas agrícolas automotrizes exibiu, no primeiro semestre de 2014, acentuada queda no total das vendas (-18%), frente à igual período do ano anterior, de acordo com o Instituto de Economia Agrícola (IEA/Apta) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. Nos primeiros seis meses do ano, foram produzidas 40.407 máquinas agrícolas, representando 7.970 máquinas a menos que a quantidade contabilizada no primeiro semestre de 2013. Tanto as vendas para o mercado interno quanto às exportações declinaram, empurrando para baixo o desempenho do segmento.     O declínio do mercado de máquinas agrícolas, aparentemente, não afetou o número de postos ocupados nas montadoras, pois, no primeiro semestre de 2014, houve contratação de 113 novos funcionários, totalizando 20.869 empregados. “Em contrapartida, dificilmente a receita cambial repetirá os US$3,55 bilhões contabilizados em 2013, pois, entre janeiro e junho de 2014, ela foi de apenas US$1,53 bilhão. Tradicionalmente, o mercado externo para máquinas agrícolas automotrizes brasileiras é concentrado no bloco de países que compõem o Mercosul e alguns poucos países africanos. A crise econômica instalada na Argentina, principal destino das exportações brasileiras, puxou as vendas para baixo, afirmam Celso Vegro e Célia Roncato Ferreira, pesquisadores do IEA responsáveis pelo artigo. As quantidades comercializadas mais expressivas são esperadas para o segundo semestre do ano, coincidindo com o plantio da safra de verão no Centro-Sul. Porém, o arrefecimento do mercado no princípio de 2014, após recorde de produção e vendas em 2013, dificilmente recuperará as vendas mensais para patamares acima das 6 mil maquinas ao mês. Considerando as vendas por unidade da federação, o Estado de São Paulo permanece líder na demanda por máquinas agrícolas automotrizes, representando 17,7% desse mercado, seguido pelo Paraná (15,4%), Rio Grande do Sul (15,3%) e Minas Gerais (10,7%). Esses quatro estados concentram, aproximadamente, 60% das vendas para o mercado interno. Tão logo ocorra a recuperação econômico/financeira do segmento sucroenergético, as vendas em São Paulo deverão se distanciar ainda mais dos demais estados, uma vez que, no boom vivenciado no segmento entre 2006 e 2007, o mercado paulista representou 36% do total de vendas internas. A permanente renovação da frota de máquinas agrícolas é elemento sine qua non na estratégia de incremento da competitividade dos cultivos e criações nacionais, pois vigora a tendência de substituição de máquinas de menor potência por equipamentos maiores, de menor custo operacional e melhor desempenho em campo, otimizando as tarefas com redução de custos....

Leia mais
Do mensalão ao doleiro
set03

Do mensalão ao doleiro

Quarta-feira, 3 de setembro de 2014, às 10h38 Conheça o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados e julgue a importância do voto ao selecionar aqueles que irão representar os anseios do país no Congresso. Gerson Soares Órgão da Câmara dos Deputados passou a ser mais conhecido durante os escândalos do Mensalão que chocaram a opinião pública, condenando os envolvidos e levando-os a um julgamento que chegou a quase uma década. Graças ao Conselho de Ética, a coragem do então presidente deputado federal Ricardo Izar (falecido em maio de 2008) e também de sua família, ameaçados durante o julgamento, foi possível ao Brasil dar a maior demonstração já vista até então de que é possível condenar poderosos à prisão. Aliados ao Conselho, a Procuradoria-geral da República e por fim com a atuação brilhante do relator e depois presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Joaquim Barbosa, os envolvidos foram condenados e cumprem suas penas.     O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar, atualmente presidido pelo deputado federal Ricardo Izar Jr. (PSD-SP), foi criado em outubro de 2001, sendo o órgão encarregado do procedimento disciplinar destinado à aplicação de penalidades em casos de descumprimento das normas relativas ao decoro parlamentar no âmbito da Câmara dos Deputados. É um colegiado composto por 21 membros titulares e igual número de suplentes, com mandato de dois anos, não podendo ser substituídos a qualquer tempo, como ocorre nas demais comissões. Cabe ao Conselho, entre outras atribuições, zelar pela observância dos preceitos éticos, cuidando da preservação da dignidade parlamentar e também responder às consultas da Mesa, de comissões e de deputados sobre matéria de sua competência. O Conselho de Ética atua mediante provocação da Mesa da Câmara dos Deputados para a instauração de processo disciplinar. Deputados, Comissões e cidadãos em geral podem encaminhar representação para a Mesa, que fará a destinação para o Conselho de Ética. Partidos políticos com representação no Congresso Nacional podem encaminhar representação diretamente ao Conselho de Ética. Os trabalhos do Conselho são regidos por um regulamento próprio que dispõe sobre os procedimentos a serem observados no processo disciplinar, de acordo com o disposto no Código de Ética e no Regimento Interno da Câmara dos Deputados. Do mensalão aos últimos fatos ocorridos atualmente, o Conselho de Ética cumpre a árdua tarefa de sanar as ações indecorosas de parlamentares, como as intervenções no caso do deputado André Vargas (ex-membro do PT-PR, hoje sem partido) que está sendo investigado devido envolvimento com o doleiro Alberto Youssef – preso na operação Lava-jato do Polícia Federal. A cassação do mandato de André Vargas foi pedida pelo Conselho e se encontra na fase final,...

Leia mais
Chocolate amargo ajuda a evitar doenças do coração
set03

Chocolate amargo ajuda a evitar doenças do coração

Quarta-feira, 3 de setembro de 2014, às 08h45 Hospital do Coração – Não é preciso abrir mão do chocolate para ter uma vida saudável. Basta escolher o tipo certo. Enquanto o chocolate branco ou ao leite é rico em calorias e gordura, o chocolate meio amargo tem menos calorias e é rico em substâncias antioxidantes, que protegem o coração. A fonte disso está nos flavonoides, uma substância encontrada no cacau e que age como protetor cardiovascular, reduzindo o risco de aterosclerose. Essa doença consiste no acúmulo de gordura nos vasos sanguíneos, o que pode resultar em infarto e AVC (Acidente Vascular Cerebral). Estas configuram doenças cardiovasculares, que lideram as causas de morte no país com quase 30% de todos os óbitos. A recomendação do chocolate meio amargo acontece por ele ser mais rico em cacau, que concentra os flavonoides. “Essa substância auxilia a diminuição da formação de placas de gordura, reduzindo o colesterol ruim (LDL) e aumentando a retirada de colesterol da corrente sanguínea pelo fígado”, explica o Dr. Daniel Magnoni, nutrólogo e cardiologista do HCor.     O cacau também possui óleo de theobroma, outro agente com propriedades antioxidantes que reduz o LDL. A substância contribui para aumentar a taxa do HDL, conhecido como bom colesterol. Além das propriedades cardioprotetoras, o chocolate auxilia na produção de serotonina, hormônio que provoca sensação de bem-estar e está associado à regulação do sono, do apetite e do humor. Alguns trabalhos indicam que o chocolate, consumido no período pré- menstruação, poderia atenuar os sintomas de irritabilidade e ansiedade. O chocolate amargo, pela baixa composição originária de leite, possui reduzida concentração de colesterol. Apesar de menos calórico, até os chocolates amargos precisam ser consumidos com certa moderação. “Os chocolates permanecem saudáveis quando consumidos sem exagero. Cerca de 25mg por dia é uma boa quantidade para quem pretende adotar uma ingestão regular”, afirma o Dr....

Leia mais
Camarões ao Requeijão e molho Italiano
set03
Leia mais
Foguete brasileiro com etanol é lançado com sucesso em Alcântara
set02
Leia mais
Cientista que transformou estudo do câncer de mama está no Brasil
set02
Leia mais
Encontro discute excesso de ruídos na capital paulista
set02
Leia mais
Leitura e escrita na internet: convivendo com a hipertextualidade
set02

Leitura e escrita na internet: convivendo com a hipertextualidade

Terça-feira, 2 de setembro de 2014 às 15h22 Instituto Ayrton Senna Por Jaqueline Souza dos Santos Silva *Graduada em Letras (2007) e especialista em Métodos e Tecnologias para o ensino de língua e literatura (2008) ambos pelas Faculdades Integradas da Vitória de Santo Antão; Mestranda Profletras/UEPB; Professora da Rede pública de ensino de Pernambuco. Introdução A tecnologia tem transformado a sociedade em todos os âmbitos. Seja no setor econômico, político, social ou educacional, ela se expande rapidamente, trazendo benefícios e eficiência. Mas, muitas pessoas ainda resistem ao seu impacto por falta de acessibilidade, devido à baixa condição financeira, ou mesmo por “tecnofobia”, resultando em uma não capacidade de renovar as condições de vida. Apesar das grandes revoluções causadas pelas Tecnologias da Comunicação e Informação (doravante TICs) na sociedade ainda é possível encontrar no ambiente escolar o tradicionalismo pedagógico: professor expõe, aluno assimila os conteúdos. Insiste-se no ensino como depósito de saberes em que o aluno não passa de mero receptor de conhecimentos, uma conta bancária (Freire, 1997), enquanto a sociedade requer um sujeito apto a agir com autonomia e que tenha habilidades letradas cada vez mais amplas. Mesmo diante de um quadro educacional propenso à pedagogia tradicional, há profissionais que já utilizam as TICs em sala de aula, principalmente o computador e a internet. Diante disso, um aspecto que deve ser observado quanto à implantação das tecnologias na educação: o conhecimento técnico e o pedagógico não devem acontecer separadamente (Valente, 2005). É ilógico pensar em ser primeiro um especialista em informática ou em mídia digital para depois tirar proveito desse conhecimento nas atividades pedagógicas. Há consistência didático-pedagógica quando esses conhecimentos crescem simultaneamente, um demandando novas ideias ao outro, pois dominar as técnicas é uma necessidade do fazer pedagógico. Sabendo utilizar a tecnologia com eficácia, o professor poderá conduzir seu aluno a refletir, aprender a pesquisar, comparar, depurar, formar ideias, discuti-las com seu grupo, enfim, questionar o próprio conhecimento (PCN+, Ensino Médio, 2002, p. 208), e, além disso, proporcionar o conhecimento tecnológico tão eminente no mundo do trabalho que futuramente o aprendiz terá de enfrentar. A matéria pedagógica completa pode ser lida no site do Instituto Ayrton Senna, aonde os interessados encontrarão amplo material. Clique no link abaixo: Leitura e escrita na internet: Convivendo com a...

Leia mais
Acaba a revista íntima em presídios brasileiros
set02

Acaba a revista íntima em presídios brasileiros

Terça-feira, 2 de setembro de 2014 às 17h44 Conselho do Ministério da Justiça recomenda fim da revista íntima em presídios Luana Lourenço – Repórter da Agência Brasil Edição: Talita Cavalcante O Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária recomendou, em resolução publicada hoje (2) no Diário Oficial da União, o fim da revista íntima nos presídios brasileiros, considerada uma prática “vexatória, desumana ou degradante”. O conselho pede o fim do desnudamento (parcial ou total), da introdução de objetos nas pessoas revistadas, dos agachamentos ou saltos e do uso de cães ou animais farejadores durante o procedimento. No texto, o conselho – ligado ao Ministério da Justiça – orienta que a revista pessoal seja feita com o uso de equipamentos eletrônicos detectores de metais, aparelhos de raio X e scanner corporal, por exemplo. A revista manual também poderá ser feita apenas em casos excepcionais, quando a tecnologia não for suficiente para identificar armas, explosivos, drogas e outros objetos ilícitos. A resolução não tem força de lei, mas deverá orientar as autoridades penitenciárias estaduais a acabar com os procedimentos de revista vedados pelo conselho. O conselho argumenta que levou em conta “a necessidade de coibir qualquer forma de tratamento desumano ou degradante, expressamente vedado na Constituição Federal” e “a necessidade de manter a integridade física e moral dos internos, visitantes, servidores e autoridades” no sistema penitenciário brasileiro. “A necessidade de prevenir crimes no sistema penitenciário não pode afastar o respeito ao Estado Democrático de Direito”, destaca a resolução, que também prevê que a revista pessoal em crianças e adolescentes seja autorizada pelo representante legal e ocorra na presença do...

Leia mais
A herança escravista no trabalho doméstico
set02
Leia mais
Livros e Senado, mais perto do povo
set02

Livros e Senado, mais perto do povo

Terça-feira, 2 de setembro de 2014 às 09h31 *Por Galeno Amorim A Bienal Internacional do Livro de São Paulo, realizada em agosto, chamou a atenção, mais uma vez, sobre a importância do livro e da leitura na formação de uma sociedade mais saudável. Entre as novidades da edição estavam os lançamentos de um volume expressivo de livros jurídicos: mais de 700 obras lançadas ou relançadas nos dez dias da feira. Uma delas foi Anteprojeto do Código de Processo Civil, lançada no estande do Senado Federal.     A presença do Senado foi, mais uma vez, destaque na Bienal, que é o terceiro maior evento do setor no planeta. O diretor-geral da Casa, Haroldo Tajra, fez uma doação de livros em braile. Entre as obras, o Novo Código Civil, a Legislação Eleitoral e Política, a Lei de Falências, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação, a Lei Antidrogas, a Constituição Federal de 1988 atualizada com as emendas, o Pequeno Dicionário da Língua Portuguesa e o irretocável O Velho Senado, conto de Machado de Assis. A pedagoga especializada em deficiência visual, Joana Maria Rey, lembrou que para um cego concluir um curso superior tem de se esforçar, no mínimo, 50 vezes mais do que uma pessoa que enxerga. “Faço um apelo no sentido de que os cursos universitários se tornem mais acessíveis aos portadores de deficiência visual”. Ações como essa são, portanto, mais que bem-vindas, necessárias. *Galeno Amorim é jornalista, escritor e diretor do Observatório do Livro e...

Leia mais
Projeto Tamar comemora 35 anos
set01
Leia mais
Marina: país não pode desperdiçar espírito empreendedor dos jovens
set01

Marina: país não pode desperdiçar espírito empreendedor dos jovens

Segunda-feira, 1 de setembro de 2014 às 19h36 Bruno Bocchini – Repórter da Agência Brasil Edição: Nádia Franco A candidata do PSB à Presidência da República, Marina Silva, disse hoje (1º) que o Brasil não pode desperdiçar o espírito empreendedor dos jovens. Ela destacou os últimos resultados do desempenho da economia do país e ressaltou que a situação está prejudicando o desenvolvimento profissional da juventude.       “A ideia de ter saúde e educação de qualidade, desenvolvimento econômico, tudo isso dialoga com uma questão fundamental, que é o fato de nossos jovens estarem cada vez mais aguçando em si o espírito empreendedor. Mas esse empreendedorismo, que é caracterizado pelo esforço, pela busca da formação, inclusive da formação profissional, está sendo comprometido em função das dificuldades econômicas que o nosso país está encontrando”, afirmou a candidata. Marina disse que tem apresentado medidas de apoio ao empreendedorismo dos jovens, mas não as detalhou. “Temos feito um esforço muito grande de contribuir com esse debate, procurando medidas que possam fazer com que o Brasil não perca as conquistas que, a duras penas, alcançou e, ao mesmo tempo, venham a comprometer o futuro, principalmente, da nossa juventude empreendedora”. Marina falou com a imprensa em frente a sua residência na capital paulista, no bairro de Moema. A candidata voltou a falar sobre a retirada de seu programa de governo do trecho que propunha apoio ao casamento de pessoas do mesmo sexo. Segundo ela, houve um “erro de processo”, e o que foi publicado originalmente no plano de governo não havia sido o acordado entre os participantes do processo de elaboração do documento. “A minha posição sobre o tema é a posição que nós discutimos e debatemos dentro do processo de elaboração do programa, a posição que eu já vinha defendendo desde 2010: a afirmação da defesa do estado laico, como uma conquista de todos os brasileiros e da nossa Constituição, a defesa dos direitos civis de todos os brasileiros”. Marina ressaltou que é a favor da união civil entre pessoas do mesmo sexo, mas não deixou claro se defende o casamento entre elas. “O casamento é estabelecido entre pessoas de sexos diferente. É isso que está assegurado na Constituição, na legislação brasileira. Mas os direitos são iguais. O que eu tenho defendido são os direitos civis e a união civil entre pessoas do mesmo...

Leia mais
Robôs “invadirão” São Carlos em outubro
set01

Robôs “invadirão” São Carlos em outubro

Segunda-feira, 1 de setembro de 2014 às 19h27 Agência FAPESP – A cidade de São Carlos (SP) receberá, em outubro, uma série de competições e eventos científicos relacionados à robótica e à inteligência artificial. Entre os dias 18 e 23 de outubro, o município será a sede da Joint Conference on Robotics and Intelligent Systems (JCRIS) 2014, conferência que congrega 12 eventos no total e deve reunir, segundo estimativa dos organizadores, 3 mil participantes. “Será uma grande oportunidade para alunos e pesquisadores se inteirarem dos últimos resultados obtidos em pesquisas nessas áreas. Estamos contando com a presença de seis convidados internacionais, que ministrarão palestras sobre temas atuais relacionados a esses campos do conhecimento, e de outros pesquisadores nacionais renomados na área”, disse Roseli Romero, coordenadora geral da JCRIS 2014. As mostras e competições são voltadas para o público acadêmico, alunos do ensino fundamental, médio e técnico. Entre os eventos científicos estão o 11º Latin American and 2º Brazilian Symposium; a Brazilian Conference on Intelligent Systems (Bracis); o encontro Nacional de Inteligência Artificial Computacional (Eniac); o 2º Symposium on Knowledge Discovery, Mining and Learning, entre outros. A JCRIS 2014 integra as comemorações pelos 80 anos da USP e é promovida pela USP em São Carlos e pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Mais informações: JCRIS...

Leia mais
Mooca faz 458 anos
set01
Leia mais
Fantástico expõe falta d’água ligada ao Amazonas
set01

Fantástico expõe falta d’água ligada ao Amazonas

Segunda-feira, 1 de setembro de 2014 às 16h48 Falta d’água em cidades tem a ver com devastação desenfreada da Amazônia Chuvas que recarregam reservatórios da região Sudeste são oriundas da Amazônia. Árvores são ‘toque final’ da máquina biológica que produz chuvas. O chão foi o destino de 20% das árvores da Floresta Amazônica original. Que isso vem acontecendo há anos, todos sabem. O que você provavelmente não sabe é que esse crime ambiental tem a ver com a falta d’água na maior cidade da América Latina. É que a Amazônia bombeia para a atmosfera a umidade que vai se transformar em chuva nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil. Quanto maior o desmatamento, menos umidade e, portanto, menos chuva. E sem chuva, os reservatórios ficam vazios e as torneiras, secas. Fonte: Fantástico, Rede Globo Assista a reportagem completa exibida ontem (31/08) pelo Fantástico Posts relacionados Amazônia perdeu 402 quilômetros quadrados no mês passado Amazônia: uma região inigualável, sob o olhar da cobiça Fantástico expõe falta d’água ligada ao Amazonas Floresta Amazônica: Vigilância deve ser diária Corte seletivo e fogo fazem Floresta Amazônica perder 54 milhões de toneladas de carbono por ano. Madeira ilegal: na Amazônia, lavou, ficou legal Uma investigação de dois anos do Greenpeace no estado do Pará revelou que o atual sistema de controle de madeira não é apenas falho, mas alimenta a degradação florestal e o desmatamento. Frequentemente, em vez de conter o crime, ele é usado para ‘lavar’ madeira produzida de forma ilegal e predatória que, mais tarde, será vendida a consumidores no Brasil e no mundo como se fosse ‘legal’. Na foto, ativistas ocupam a madeireira Pampa Exportações. Em Icoaraci, próximo a Belém, Pará, para expor a fragilidade do sistema de controle da madeira na Amazônia. Preservação da Amazônia já é questão de sobrevivência Comentário a respeito da reportagem exibida ontem pelo programa Fantástico sobre a degradação da Amazônia e a relação com a falta d'água em São...

Leia mais
Preservação da Amazônia já é questão de sobrevivência
set01
Leia mais