Saúde da mulher e critérios do SUS
out02
Leia mais
Outubro Rosa ilumina prédios públicos de Brasília
out02

Outubro Rosa ilumina prédios públicos de Brasília

Quinta-feira, 2 de outubro de 2014, às 05h41 A partir do dia 1º de outubro, até o último dia do mês, várias cidades do mundo vão ressaltar a cor rosa. Os principais monumentos é prédios conhecidos estão iluminados com a cor que representa a luta contra o câncer de mama. Em Brasília, uma cerimônia oficial marcou o início da campanha “Outubro Rosa”. Mariana Tokarnia – Repórter da Agência Brasil Edição: Aécio Amado “Ao ver a cidade iluminada de rosa, mesmo que a pessoa não saiba o que é, vai querer saber”, disse a ministra Eleonora Menicucci, da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República. “Por mais que tenhamos feito, ainda temos o que fazer, temos que tornar o atendimento e as ações do SUS [Sistema Único de Saúde] cada vez melhores e com mais qualidade”.     O câncer da mama é o que mais atinge mulheres em todo o mundo. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), no Brasil, em 2014, são esperados 57.120 casos novos de câncer de mama, com um risco estimado de 56,09 casos a cada 100 mil mulheres. Apesar de mais raro, o câncer de mama também acomete homens. Quando diagnosticado cedo, a chance de cura chega a 95%. “Tem que ter autocuidado, tem que conhecer a mama, conhecer o próprio corpo, ir uma vez por ano ao ginecologista, fazer também o exame clínico da mama, ter hábitos saudáveis. São atitudes que não evitam, mas diminuem as chances”, disse a presidenta da organização não governamental (ONG) Recomeçar, Joana Jeker. Leia a matéria Câncer de mama continua a ser o vilão da saúde feminina e veja as imagens de Joana e Lourdes na exposição Recomeço da ONG Recomeçar Joana foi diagnosticada com câncer de mama aos 30 anos, em 2007. Ela sentiu a presença do nódulo no banho, enquanto fazia o autoexame. “De repente você perde a sua mama, perde o seu cabelo, pode perder a sua vida. É tudo muito difícil para a mulher”, disse. “Mas a gente tem que ter a perspectiva que é uma fase, que vai passar. É sofredor, a mulher fica abalada, mas tem que ter fé, não pode desistir”, completou. No Outubro Rosa, a ONG lança a exposição Recomeço, de mulheres mastectomizadas. Nas fotos, elas aparecem sorrindo, com a mama reconstruída e com cabelo, mostrando que venceram a doença. A mostra é itinerante e deve passar por vários pontos turísticos da cidade e por hospitais. Cada uma das fotos é acompanhada por um depoimento pessoal sobre a luta contra a doença.       Lourdes Capitulino é uma das mulheres que participaram do ensaio. Ela foi...

Leia mais
Congresso é iluminado em rosa para campanha contra câncer de mama
out02

Congresso é iluminado em rosa para campanha contra câncer de mama

Quinta-feira, 2 de outubro de 2014, às 07h59 Mariana Jungmann – Repórter da Agência Brasil Edição: Nádia Franco Às 17h de ontem (1º) luzes cor de rosa foram acesas do Congresso Nacional, dando ao prédio o tom da campanha “Outubro Rosa”, que lembra a luta contra o câncer de mama. Uma cerimônia para as funcionárias da Câmara dos Deputados e do Senado marcou o início da campanha, que tem vários eventos previstos ao longo do mês.     As funcionárias foram lembradas por médicos da necessidade de fazer exames preventivos e observar qualquer alteração nos seios, que deve ser levada ao conhecimento de um ginecologista ou mastologista o quanto antes. O diagnóstico precoce é o principal fator de cura do câncer de mama. As mulheres, no entanto, tendem a evitar o assunto por medo dos efeitos de um possível tratamento ou de ficar mutiladas, o que acaba atrasando o diagnóstico e prejudicando o tratamento. O câncer de mama é o que mais acomete mulheres em todo o mundo. No ano passado, foram 52,6 mil casos no Brasil, segundo dados divulgados pelo governo federal. A projeção de risco gira em torno de 52 casos para cada grupo de 100 mil mulheres. A campanha “Outubro Rosa” é mundial e começou no Brasil em 2002, ocorrendo todos os anos sempre no mês de outubro. Em Brasília outros prédios da Esplanada dos Ministérios também estão iluminados de rosa para lembrar a luta contra o câncer de mama. Assuntos relacionados O rosa chega a São Paulo: Outubro Rosa 2014 Saúde da mulher e critérios do SUS Outubro Rosa ilumina prédios públicos de Brasília Campanha tem o objetivo chamar a atenção para a saúde da mulher Congresso é iluminado em rosa para campanha contra câncer de mama Câncer de mama continua a ser o vilão da saúde feminina Tatuapé no Outubro Rosa 2014 Outubro Rosa em...

Leia mais
Campanha tem o objetivo chamar a atenção para a saúde da mulher
out02

Campanha tem o objetivo chamar a atenção para a saúde da mulher

Quinta-feira, 2 de outubro de 2014, às 08h20 Organizador do Outubro Rosa pede transparência no tratamento do câncer de mama. Mariana Tokarnia – Repórter da Agência Brasil Edição: Fábio Massalli O Grupo de Trabalho do Outubro Rosa, que organiza a campanha no Distrito Federal, recomenda a transparência entre médico e paciente no tratamento do câncer de mama. Em carta aberta, o grupo pede uma “comunicação clara e baseada em evidências científicas entre a usuária e os profissionais de saúde”.     A campanha, que começou ontem (1º) e segue até o fim do mês, tem como objetivo chamar a atenção para a saúde da mulher e conscientizar a população sobre o câncer de mama. O grupo de trabalho é formado por órgãos do governo federal, do Congresso Nacional, do governo do DF, entidades internacionais e da sociedade civil. No tratamento do câncer, especialmente pelo Sistema Único de Saúde (SUS), o grupo recomenda que os profissionais de saúde abordem os riscos e benefícios “de quaisquer comportamentos, exames ou procedimentos, possibilitando, dessa forma, que a mulher possa emergir como parte atuante e decisiva em todo o processo de atenção integral à saúde”. A carta também destaca as obrigações do SUS. “Na unidade de saúde, a mulher será acompanhada por profissionais da equipe da [unidade do Programa] Saúde da Família que deverão orientá-la”. Entre os deveres da unidade estão a coleta do exame citopatológico, o papanicolau, com posterior encaminhamento para consultas especializadas ou outros exames necessários, e o exame de mamografia a cada dois anos para todas as mulheres de 50 a 69 anos e sempre que houver indicação clínica. Além disso, a orientação quanto a percepções da mulher sobre alterações em seu corpo e quanto a fatores de risco para o desenvolvimento de doenças, como o câncer de mama e de colo do útero, incluindo as formas de prevenção. O câncer da mama é o que mais acomete as mulheres em todo o mundo. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), no Brasil, em 2014, são esperados 57.120 casos novos de câncer de mama, com um risco estimado de 56,09 casos a cada 100 mil mulheres. Apesar de mais raros, o câncer de mama também acomete homens. Quando descoberto no início, a chance de cura chega a 95%. Assuntos relacionados O rosa chega a São Paulo: Outubro Rosa 2014 Saúde da mulher e critérios do SUS Outubro Rosa ilumina prédios públicos de Brasília Campanha tem o objetivo chamar a atenção para a saúde da mulher Congresso é iluminado em rosa para campanha contra câncer de mama Câncer de mama continua a ser o vilão...

Leia mais
Nadia Campeão faz visita pelo CIS
out02
Leia mais
Outubro Rosa em Curitiba
out02

Outubro Rosa em Curitiba

Quinta-feira, 2 de outubro de 2014, às 18h07   A estufa do Jardim Botânico e o shopping Curitiba, no Paraná, foram iluminados de cor de rosa na noite desta quarta-feira (01), para marcar o início do Outubro Rosa, um mês de atividades dirigidas à prevenção do câncer de mama.           Saiba mais sobre a campanha O rosa chega a São Paulo: Outubro Rosa 2014 Saúde da mulher e critérios do SUS Outubro Rosa ilumina prédios públicos de Brasília Campanha tem o objetivo chamar a atenção para a saúde da mulher Congresso é iluminado em rosa para campanha contra câncer de mama Câncer de mama continua a ser o vilão da saúde feminina Tatuapé no Outubro Rosa 2014 Outubro Rosa em Curitiba...

Leia mais
Obra inacabada causa transtornos em cruzamento do Tatuapé
out02

Obra inacabada causa transtornos em cruzamento do Tatuapé

Quinta-feira, 2 de outubro de 2014, às 16h02 Os cruzamentos do bairro estão cada vez piores com o aumento do número de veículos. Disso todo mundo sabe, mas o objetivo desta obra inacabada ninguém explica.     Há pelo menos duas semanas, os motoristas que cruzam a esquina das ruas Francisco Marengo e Emílio Mallet se deparam com uma obra sem identificação, placa ou motivo. O aumento de carros e coletivos que percorrem esse perigoso cruzamento é notório. A cada manhã o número de veículos aumenta e as filas para percorrer os poucos metros entre as esquinas também. Apesar disso, a obra que apareceu numa determinada manhã sem nenhuma identificação e assim permanece, atrapalha e causa estranheza. Quem teria feito os buracos e para quê? Independentemente dos motivos, o problema é que o cercado pode causar acidentes com ciclistas, pedestres e carros que passam pelo local.       Estamos em contato com a Subprefeitura Mooca para saber do que se trata.   Assuntos relacionados Haddad fala das ciclovias e estações de bikes no Tatuapé Privilégios e estação inacabada põe em dúvida ciclovias no bairro Obra inacabada causa transtornos em cruzamento do Tatuapé Obra inacabada na Emílio Mallet será estação de...

Leia mais
Câncer de mama continua a ser o vilão da saúde feminina
out02

Câncer de mama continua a ser o vilão da saúde feminina

Quinta-feira, 2 de outubro de 2014, às 09h01   Marli Moreira – Repórter da Agência Brasil Edição: Denise Griesinger Uma em cada três mulheres que fazem exames de rotina no Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp) é diagnosticada com câncer de mama. Segundo o Icesp, que é vinculado à Secretaria de Estado da Saúde e à Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), mais da metade (52%) dos pacientes atendidos na instituição são do sexo feminino e 28% desse universo apresentam neoplasia mamária.     A doença “continua sendo a principal vilã dentro e fora do instituto”, cita um comunicado do Icesp, levando mais de 1,2 mil pacientes a procurar o Grupo de Mastologia entre consultas médicas e cirurgias. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), esse mal é o que mais mata e representa 22% de novos casos a cada ano no mundo. No Brasil, em 2011, foram registradas 13.345 mortes, sendo 120 em homens e 13.225 em mulheres. Para este ano, estima-se o surgimento de 57.120 novos casos. Além do câncer de mama, o Icesp tem diagnosticado grande incidência de tumores também em órgãos digestivos – esôfago, estômago, fígado e o colorretal (cólon e reto), com taxa de 22% entre as mulheres. O câncer de colo retal está entre os cinco mais frequentes entre as mulheres.     O diretor-geral do Icesp, Paulo Hoff, alerta que “quando a prevenção primária não é possível, o diagnóstico precoce é fundamental na busca pela cura e por uma boa qualidade de vida”. Ele recomenda que a partir da primeira relação sexual, a mulher deve adotar o hábito de visitas anuais ao ginecologista, além de fazer os exames de prevenção. Por meio do rastreamento tradicional de câncer de colo de útero, exame conhecido como papanicolau, é possível detectar precocemente a neoplasia de colo de útero, bem como lesões que antecedem ao tumor, permitindo tratamento mais eficaz e medidas que evitem o desenvolvimento da doença. Já com a mamografia, é possível checar a presença de lesões mamárias. Este exame deve ser feito por mulheres acima dos 50 anos ou sempre que solicitado por um médico.     Assuntos relacionados O rosa chega a São Paulo: Outubro Rosa 2014 Saúde da mulher e critérios do SUS Outubro Rosa ilumina prédios públicos de Brasília Campanha tem o objetivo chamar a atenção para a saúde da mulher Congresso é iluminado em rosa para campanha contra câncer de mama Câncer de mama continua a ser o vilão da saúde feminina Tatuapé no Outubro Rosa 2014 Outubro Rosa em...

Leia mais