Dilma faz primeiro discurso ao lado de Lula
out27

Dilma faz primeiro discurso ao lado de Lula

Segunda-feira, 27 de outubro de 2014, às 12h14 Reeleita, presidente destaca união e reforma política em primeiro discurso. Mariana Jungmann – Agência Brasil Edição: Fábio Massalli A presidente reeleita Dilma Rousseff falou em união e reformas em seu primeiro discurso após o resultado das urnas. Em Brasília, Dilma negou que o país esteja dividido e pediu paz entre todos. “Conclamo, sem exceção, todas as brasileiras e brasileiros a nos unirmos em favor de nossa pátria, de nosso país, do nosso povo. Não creio que essas eleições tenham dividido o país. Entendo que elas tenham mobilizado ideias e emoções, às vezes contraditórias, mas movidas por um sentimento comum: a busca por um futuro melhor para o Brasil”, disse.     A presidente disse também que entendeu o recado das urnas sobre a necessidade de mudanças. “O caminho é muito claro. Algumas palavras e temas dominaram essa campanha. A palavra mais repetida, mais falada, foi mudança. O tema mais amplamente convocado foi reforma. Sei que estou sendo reconduzida para ser a presidente que irá fazer as grandes mudanças que a sociedade precisa”, disse. Segundo a presidente, a primeira reforma que ela buscará será a política. Dilma disse que vai procurar o Congresso Nacional para conversar, assim como movimentos da sociedade civil. Ela voltou a insistir na necessidade de um plebiscito para “dar força e legitimar” a reforma. “Entre as reformas, a primeira e mais importante deve ser a reforma política. Deflagrar essa reforma, que é de responsabilidade do Congresso, deve mobilizar a sociedade por meio de um plebiscito, de uma consulta popular. Somente com um plebiscito nós vamos encontrar a força e a legitimidade para levar adiante este tema. Quero discutir isso com o novo Congresso eleito. Quero discutir igualmente com os movimentos sociais e as forças da sociedade civil.” Em seguida, Dilma voltou a prometer empenho no combate à corrupção. “Terei um compromisso rigoroso com o combate à corrupção, fortalecendo os mecanismos de controle e propondo mudanças na legislação para acabar com a impunidade, que é a protetora da corrupção”, disse Dilma. Na área econômica, a presidente disse que vai promover “com urgência” ações localizadas na economia para a recuperação do ritmo de crescimento com a manutenção de empregos e da renda dos trabalhadores. O combate à inflação também será uma prioridade, segundo ela. “Vou estimular, o mais rápido possível, o diálogo e a parceria com todos os setores produtivos do país”, disse. Por fim, Dilma disse que hoje está “muito mais forte, mais serena e mais madura” para a tarefa que lhe foi delegada.   Assuntos relacionados “Cumprimos o nosso papel”, diz Aécio Minas Gerais se dividiu, Dilma ganhou...

Leia mais
O maior golfinho de água doce do mundo
out27

O maior golfinho de água doce do mundo

Segunda-feira, 27 de outubro de 2014, às 15h23 Animal tem sido utilizado como isca para pesca de peixe com baixo valor comercial. Populações estão sendo reduzidas a uma taxa de 10% ao ano desde que o consumo de piracatinga aumentou na Colômbia. Símbolo de diversas lendas da Amazônia, o boto-cor-de-rosa (Inia geoffrensis) é o maior golfinho de água doce do mundo. Também conhecido como boto-vermelho ou boto-da-amazônia, o animal é endêmico das bacias dos rios Amazonas e Orinoco. Dentre os golfinhos de água doce, é o que apresenta a maior distribuição geográfica, ocorrendo em uma área de cerca de 7 milhões de quilômetros quadrados e podendo ser encontrado em seis países da América do Sul: Bolívia, Brasil, Peru, Equador, Colômbia e Venezuela. Sua coloração pode variar de cinza-escuro a rosa brilhante, dependendo da idade e do sexo do animal, porém machos adultos e sexualmente ativos são muito mais rosados devido à intensa despigmentação. Os olhos são pequenos, mas possuem boa acuidade visual tanto dentro quanto fora d’água. A nadadeira caudal é larga; as nadadeiras peitorais são grandes, largas e espessas; e a nadadeira dorsal é longa e baixa. Machos adultos são bem maiores e mais robustos que as fêmeas, atingindo no máximo 2,55 metros de comprimento e podendo pesar 200 kg. As fêmeas chegam a medir 2,25 metros de comprimento e pesar 155 kg. Essencialmente piscívoro, o animal alimenta-se de mais de 45 espécies de peixes, embora existam registros de ingestão de caranguejos e tartarugas. Como predadores aquáticos de topo da cadeia alimentar, os botos exercem a importante função de manter as populações de peixes sadias e em equilíbrio, removendo os indivíduos parasitados e doentes e consumindo as espécies mais abundantes. Sem predadores naturais, uma das ameaças à espécie é a captura acidental em redes de pesca. Além disso, os botos têm sido utilizados como isca para pesca da piracatinga (Calophysus macropterus), peixe também conhecido como urubu-d’água por se alimentar de restos de animais mortos. Toneladas de piracatinga são exportadas para a Colômbia, onde é bastante aceita pela população. De acordo com a Fundação Omacha (Colômbia), a população de Bogotá, maior consumidor deste peixe, desconhece a forma como ele é capturado, assim como de que se trata de um animal carniceiro. A União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) ainda não classifica o boto-cor-de-rosa como ameaçado de extinção por ser uma espécie da qual se tem “dados insuficientes”, mas as autoridades brasileiras o classificam como “vulnerável”. Reprodução Assim como outras espécies aquáticas, a reprodução do boto está fortemente associada ao ciclo hidrológico da região. Depois de uma gestação de cerca de 11 meses, nasce um único filhote, de...

Leia mais
Oposição aumenta após eleições
out27

Oposição aumenta após eleições

Segunda-feira, 27 de outubro de 2014, às 12h36 Cientistas políticos avaliam desafios do futuro governo com oposição mais forte. Mariana Jungmann – Agência Brasil Edição: Fábio Massalli O resultado geral das eleições deste ano pode conduzir as forças políticas a rearranjos que, em última instância, podem levar o PT a, após 12 anos, ter que governar com uma base de apoio mais coesa e homogênea. É o que diz o cientista político e professor da Universidade de Brasília (UnB), Leonardo Barreto, ao confrontar a reeleição da presidente Dilma Rousseff com a nova composição do Congresso Nacional, onde cresceu o número de parlamentares da oposição, e nos estados. “PT e PMDB perderam deputados, e a oposição ganhou parlamentares. Será um novo desafio, mas acho que, com isso, a presidente tem a oportunidade de trabalhar com uma base mais enxuta e, ao mesmo tempo, mais coesa e homogênea. Há, sim, essa oportunidade de reconstrução”, disse o cientista político à Agência Brasil. Para Barreto, o reflexo da vitória de Dilma sobre Aécio Neves (PSDB) por pouco mais de 3% dos votos válidos obrigará a presidente a se sentar com representantes de todos os setores, inclusive da oposição, e negociar novas propostas e projetos se quiser cumprir a promessa de campanha de transformar seu segundo mandato em um “governo de ideias novas”. “Ela agora tem o desafio de revitalizar a energia do governo, de não deixar que o desgaste dos primeiros quatro anos de qualquer governo torne seu segundo mandato mais difícil que o primeiro. Para isso, vai ter que ser criativa, investir nas reformas que o país precisa e chamar todos os setores para conversar”, comentou Barreto, destacando que, já em seu discurso de vitória, Dilma fez um chamamento à paz e à união de todos, se comprometendo a abrir espaços de diálogo. “Se ela conseguir colocar isso em prática, há uma janela de oportunidades para que o país possa, de fato, experimentar algo novo nos próximos quatro anos. Além disso, a própria presidente, na sua fala, demonstrou ter feito uma boa leitura da mensagem que as pessoas vem passando nas ruas desde 2013: que a grande mudança que elas querem é uma mudança dos hábitos e das instituições políticas”. Já para o professor do Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília (UnB) Paulo Roberto da Costa Kramer, o governo federal terá ainda mais difículdades para pautar e aprovar sua agenda a partir da próxima legislatura, pois a oposição se consolidou em meio à disputa eleitoral acirrada deste ano. “A oposição, que parecia moribunda durante a maior parte dos últimos 12 anos, recebeu um impulso fundamental durante a campanha. As vitórias...

Leia mais
“Cumprimos o nosso papel”, diz Aécio
out27

“Cumprimos o nosso papel”, diz Aécio

Segunda-feira, 27 de outubro de 2014, às 12h25 Danilo Macedo – Agência Brasil Edição: Aécio Amado O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, fez um pronunciamento de menos de três minutos à imprensa em um hotel no Centro de Belo Horizonte, logo depois de saber da vitória de Dilma Rousseff, candidata do PT. O tucano agradeceu a todos os brasileiros e disse que ligou para a presidente reeleita, desejando-lhe sucesso no próximo mandato. “Cumprimentei agora há pouco por telefone a presidente eleita e desejei a ela [Dilma] sucesso na condução do seu próximo governo e ressaltei: considero que a maior de todas as prioridades deve ser unir o Brasil em torno de um projeto honrado e que dignifique a todos os brasileiros”, disse. O tucano lembrou dos momentos vividos durante a campanha e agradeceu a todos que votaram em sua candidatura. “Serei eternamente grato a cada um, a cada uma de vocês que me permitiram voltar a sonhar na reconstrução de um novo projeto. As cenas que eu vivi ao longo desses últimos meses jamais sairão da minha mente e do meu coração”. Aécio também destacou que sai fortalecido da campanha. “Mais vivo do que nunca, mais sonhador do que nunca, deixo essa campanha, ao final, com o sentimento de que cumprimos o nosso papel”, disse. Depois, citou mais uma vez São Paulo, como fez nos últimos dias, dizendo que é o que retrata de forma mais clara o sentimento que tem hoje: “Combati o bom combate, cumpri minha missão e guardei a fé”. Entre os tucanos presentes, estavam o candidato a vice, senador Aloysio Nunes, elogiado durante o pronunciamento, e o senador eleito José Serra. Serra, que acompanhou o pronunciamento na área reservada aos jornalistas, disse que Aécio foi muito bem nacionalmente e melhor ainda em alguns estados, como São Paulo e os do Sul, o que aumenta a responsabilidade do PSDB. “Temos uma responsabilidade muito grande agora de atuar como oposição, sem destrutividade, mas com firmeza, esse é o grande desafio”, disse.   Assuntos relacionados “Cumprimos o nosso papel”, diz Aécio Minas Gerais se dividiu, Dilma ganhou Oposição aumenta após eleições Dilma faz primeiro discurso ao lado de Lula Dilma é...

Leia mais
Franqueados de supermercado Dia vão a audiência na ALESP
out27

Franqueados de supermercado Dia vão a audiência na ALESP

Segunda-feira, 27 de outubro de 2014, às 18h33 Rede espanhola de supermercados é acusada de práticas abusivas contra franqueados. Multinacional é acusada de assédio e indução ao endividamento de seus parceiros locais. Da Redação da ALESP – Audiência organizada pelo deputado Carlos Giannazi (PSOL) na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP), em 24/10, abriu espaço, pela segunda vez em menos de dois anos, para oitiva de atuais e ex-franqueados da rede de supermercados Dia, que se dizem prejudicados por operações comerciais lesivas impostas pela empresa Dia Brasil em território brasileiro. Participou da reunião o ex-franqueado português Paulo Jaloto, que lidera em seu país uma associação de vítimas da franquia. Jaloto já havia participado, via internet, da primeira audiência pública sobre o tema em 2013, e agora contou pessoalmente sobre casos de suicídio e de como a empresa engana os investidores na sua franquia, abandonando o franqueado a sua própria sorte e “inventando” promoções para atrair clientes às lojas sem dar o devido respaldo material e logístico. Mostrou ainda um vídeo feito na França de um movimento organizado por franqueados e ex-franqueados Dia e revelou que levou o caso às autoridades europeias responsáveis pelas relações de negócios no bloco, sediadas na Bélgica. Além de detalhar denúncias e práticas abusivas da franqueadora Supermercado Dia na Europa, Jaloto relatou também problemas causados pela empresa na China e na Argentina. Empresários brasileiros Empreendedores da capital e do interior paulista se revezaram ao microfone para contar suas malsucedidas experiências como franqueados da companhia, acusada de assédio, de falta de diálogo e de apoio nas operações do dia a dia, de indução ao endividamento financeiro do franqueado, de não suprir as lojas com as mercadorias solicitadas, de entregar produtos diversificados de forma compulsória nos pontos de venda sem direito à recusa (inclusive alimentos com prazos exíguos de validade que, de acordo com denúncias, vêm como refugo das lojas próprias), de impor margens apertadas e vulneráveis de lucro e contratos fora de prazo com cláusulas abusivas, dentre outras. Laura Araújo e Ruan Pereira, mãe e filho, que foram sócios entre junho de 2012 e março de 2014 numa loja franqueada Dia em Jardinópolis (cidade próxima a Ribeirão Preto, com cerca de 40 mil habitantes), disseram que perderam bens imóveis tentando “salvar o negócio” e hoje estão endividados. “Me sentia burro, incapaz”, confessou Pereira. Outro empreendedor da cidade de Artur Nogueira (município próximo a Limeira com 45 mil habitantes) lastimou que ele, o pai e a mãe, presentes na audiência, estivessem à beira de um colapso nervoso e também endividados. Além das consequências financeiras e materiais como falência e dívidas bancárias, problemas de saúde como...

Leia mais
Natura abre edital para pesquisas em higiene pessoal
out27

Natura abre edital para pesquisas em higiene pessoal

Segunda-feira, 27 de outubro de 2014, às 18h13   Agência FAPESP – A Natura abriu edital para apoio a pesquisas que apresentem soluções de higiene pessoal com produtos que não sejam testados em animais e que usem ingredientes ou processos sem danos ao usuário e ao meio ambiente. As inscrições estão abertas até 25 de novembro. Os produtos propostos não podem conter compostos tensoativos, comumente utilizados em xampus e sabonetes e considerados poluentes. De acordo com a empresa, o objetivo é estimular o desenvolvimento científico e tecnológico sustentável na área. A seleção das propostas será feita pelo programa Natura Campus, iniciativa da empresa voltada para a inovação aberta e colaborativa em parceria com a comunidade científica. Os pesquisadores selecionados participarão de um processo de prototipagem com consumidores e colaboradores da Natura, e os melhores protótipos receberão R$15 mil. Ideias novas e projetos já em andamento poderão ser inscritos. Para pesquisa em fase de desenvolvimento mais avançada, a Natura e os proponentes selecionados decidirão, em conjunto, a melhor forma de acelerar seus processos. As inscrições devem ser feitas on-line. As equipes que cadastrarem suas propostas até 31 de outubro poderão participar de atividade de interação virtual, entre 3 e 7 de novembro, com especialistas da Natura, que farão comentários e sugestões sobre as ideias enviadas. Mais informações e inscrições em...

Leia mais
Coleção de Maurício de Nassau inspira investigação antropológica
out27
Leia mais
Ebola e a mídia
out27

Ebola e a mídia

Segunda-feira, 27 de outubro de 2014, às 15h23 CCS / Fiocruz Em artigo publicado na Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde (Reciis), as pesquisadores da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz), Telma Cardoso e Marli Navarro, falam sobre a cobertura da epidemia de ebola que tem sido feita pela mídia. “A alta letalidade do vírus ebola não é nenhuma novidade. As epidemias da doença que se verificam em países africanos refletem tragédias periódicas. Outros surtos ocorreram, foram noticiados e posteriormente esquecidos pela mídia, embora o vírus tenha continuado ativo. A manifestação atual do ebola expressa um impacto que é apresentado pela mídia como ameaça à humanidade, contribuindo para propagar na sociedade apreensões e o medo. Cabe, aos especialistas do campo da saúde pública, elaborar informações dirigidas à sociedade que sejam capazes de dimensionar o risco e as possibilidades do controle do mesmo, sobretudo através dos recursos oferecidos pela pesquisa científica, pela biossegurança e pela articulação global de políticas de saúde.” Leia o artigo na íntegra: Ebola e a...

Leia mais
Dilma é reeleita
out27

Dilma é reeleita

Segunda-feira, 27 de outubro de 2014, às 11h08 Dilma vence no Norte e no Nordeste, Aécio ganha nas outras três regiões. Da Agência Brasil Edição: Wellton Máximo O mapa das votações no Brasil revela um país dividido. A presidente reeleita Dilma Rousseff (PT) venceu no Norte e no Nordeste. O senador Aécio Neves (PSDB) ganhou no Centro-Oeste, no Sudeste e no Sul. Dilma obteve a maior vantagem no Nordeste, onde conseguiu 71,69% contra 28,31% de Aécio, com diferença de 12,2 milhões de votos. No Norte, a presidente reeleita ganhou por 56,54% contra 43,46%. A vantagem na região chegou a 1,01 milhão de votos. Em termos percentuais, Aécio conseguiu a maior vantagem no Sul, onde venceu Dilma por 58,9% a 41,1%. No Centro-Oeste, o candidato da oposição obteve 57,42%, contra 42,58% da presidente. No Sudeste, Aécio venceu por 56,18% a 43,82%. Em número de eleitores, no entanto, o senador tucano teve a maior vitória no Sudeste, com diferença de 5,6 milhões de votos sobre Dilma. A vantagem correspondeu a 2,9 milhões de votos no Sul e a 1,1 milhão no Centro-Oeste. O desempenho foi insuficiente para impedir vitória de Dilma, que ganhou por 3,46 milhões de votos de diferença. Em algumas regiões, no entanto, a vitória não foi unânime. Dilma venceu em todos os estados do Nordeste. Aécio ganhou em todos os estados do Sul e do Centro-Oeste. No Norte, porém, Aécio venceu no Acre (63,68%), em Roraima (58,9%) e em Rondônia (54,85%). No Sudeste, Dilma ganhou em Minas Gerais (52,41%) e no Rio de Janeiro (54,94%).   Assuntos relacionados “Cumprimos o nosso papel”, diz Aécio Minas Gerais se dividiu, Dilma ganhou Oposição aumenta após eleições Dilma faz primeiro discurso ao lado de Lula Dilma é reeleita...

Leia mais
Minas Gerais se dividiu, Dilma ganhou
out27

Minas Gerais se dividiu, Dilma ganhou

Segunda-feira, 27 de outubro de 2014, às 11h28 Dilma venceu em 15 estados, Aécio em 12. Wellton Máximo – Agência Brasil Edição: Nádia Franco A divisão no resultado das eleições presidenciais refletiu-se nos estados. Das 27 unidades da Federação, a candidata do PT, Dilma Rousseff, venceu em 15 e o candidato do PSDB, Aécio Neves, em 12. Dilma venceu nos estados de Alagoas, do Amazonas, do Amapá, da Bahia, do Ceará, do Maranhão, de Minas Gerais, do Pará, da Paraíba, de Pernambuco, do Piauí, do Rio de Janeiro, do Rio Grande do Norte, de Sergipe e do Tocantins. Os melhores resultados foram obtidos no Maranhão (78,76%), no Piauí (78,29%) e no Ceará (76,75%). Aécio Neves ganhou a disputa no Distrito Federal e nos estados do Espirito Santo, de Goiás, de Mato Grosso do Sul, de Mato Grosso, do Paraná, de Rondônia, de Roraima, do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e de São Paulo. Os estados que mais deram vantagem ao tucano foram Santa Catarina (64,59%), São Paulo (64,31%) e Acre (63,86%, com resultado parcial). No estado natal dos dois candidatos, Minas Gerais, Dilma derrotou Aécio. Dilma ficou com 52,41% dos votos e Aécio, com 47,59%. De um universo de 15,2 milhões de eleitores, a petista venceu o tucano por uma diferença de 550,5 mil votos. Embora nascida em Minas, Dilma começou a carreira política no Rio Grande do Sul. No estado, onde tem domicílio eleitoral, a presidente obteve 46,47% dos votos, contra 53,53% do adversário. Em um colégio de 8,4 milhões de eleitores, Aécio venceu Dilma por 455 mil votos de diferença.   Assuntos relacionados “Cumprimos o nosso papel”, diz Aécio Minas Gerais se dividiu, Dilma ganhou Oposição aumenta após eleições Dilma faz primeiro discurso ao lado de Lula Dilma é...

Leia mais