Simpósio em Washington destaca importância de pesquisar a Amazônia
out29

Simpósio em Washington destaca importância de pesquisar a Amazônia

Quarta-feira, 29 de outubro de 2014, às 12h44 Por Heitor Shimizu, de Washington Agência FAPESP — A FAPESP realizou nesta terça-feira (28/10), em Washington, um simpósio que reuniu pesquisadores dos Estados Unidos e do Estado de São Paulo para apresentar resultados de estudos sobre a Amazônia, em diversas áreas do conhecimento. O encontro “FAPESP-U.S. Collaborative Research on the Amazon” foi organizado em parceria com o Departamento de Energia (DOE) dos Estados Unidos e com o Brazil Institute do Woodrow Wilson International Center for Scholars. Realizado no auditório do Brazil Institute, o encontro reuniu mais de 120 pessoas, público formado principalmente por cientistas, especialistas em conservação da biodiversidade e jornalistas. O discurso de abertura do simpósio foi proferido por Ernest Moniz, secretário de Energia dos Estados Unidos, para quem a Amazônia tem importância fundamental nas questões relacionadas às mudanças climáticas globais. Ele classificou também o momento atual de crítico e transformador para que se possa lidar com o desafio das mudanças climáticas. “A Amazônia é um dos ecossistemas mais vitais do mundo, importante globalmente em muitas dimensões, uma delas a das mudanças climáticas, um dos maiores desafios de nosso planeta. Parte do pano de fundo, nesse contexto, é que, para o Brasil e para os Estados Unidos, os dois países continentais e maiores economias das Américas, os caminhos para a diminuição da emissão de dióxido de carbono têm sido diferentes. No Brasil, mais voltado aos desafios do gerenciamento da Amazônia e, nos Estados Unidos, a desenvolvimentos em oferta e demanda de energia, como na substituição de carvão por gás natural, e em medidas voltadas à eficiência energética, como veículos mais eficientes”, disse. “Estamos em um período crítico e precisamos de um momento transformador para poder lidar com o desafio das mudanças climáticas globais. Não podemos ficar parados. Precisamos das melhores mentes, dos melhores cientistas, para compreender as mudanças que estão ocorrendo nas florestas tropicais e os efeitos que as mudanças no clima hoje e no futuro implicam globalmente nesses ecossistemas e como melhor preservá-los”, disse Moniz. Entre as pesquisas apresentadas no simpósio estiveram trabalhos que integram a campanha científica Green Ocean Amazon (GoAmazon), um programa do DOE conduzido em parceria com a FAPESP e com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam). Voltado a verificar como o processo de urbanização de regiões tropicais afeta os ecossistemas locais e o clima global, o GoAmazon reúne pesquisadores dos dois países, que coletam e analisam dados ambientais na região de Manaus, tanto na área metropolitana como na floresta, em um gigantesco laboratório a céu aberto. “Esperamos que a colaboração GoAmazon represente uma contribuição importante em meio às contínuas e...

Leia mais
Córrego Rapadura finalmente vai ter mais uma passagem
out29

Córrego Rapadura finalmente vai ter mais uma passagem

Quarta-feira, 29 de outubro de 2014, às 19h33   Passagens sobre córregos terão investimentos de R$ 4,5 milhões. Projeto prevê intervenções em 89 pontos de 21 subprefeituras da cidade. O objetivo é garantir melhor acesso e maior segurança aos usuários, eliminando eventuais riscos em função das condições até precárias de algumas dessas travessias.   A Prefeitura de São Paulo deu início à reconstrução de pontes de pedestres que passam exclusivamente por córregos em 89 pontos de 21 subprefeituras da capital, com o investimento de R$ 4,5 milhões. O projeto começou com as intervenções no entorno do Córrego Rapadura, na Vila Carrão, zona leste da cidade. O prefeito Fernando Haddad visitou nesta terça-feira (28) as intervenções no Córrego Rapadura, que foi escolhido para ser o piloto deste projeto devido à necessidade viária local, além de ser uma antiga reivindicação da população. “Eu vim conhecer a tecnologia desta obra que, com um jeito simples, consegue resolver problema comum na cidade. Aqui vai ter a faixa do ciclista, o lugar do pedestre e a faixa do carro para atravessar com segurança”, afirmou o prefeito Haddad. A obra no córrego Rapadura, na Vila Carrão, teve custo de R$ 280 mil. Com o início das obras, as antigas “pinguelas” receberam uma nova estrutura chamada de aduelas – armações de concreto pré-fabricadas e hidraulicamente adequadas para garantir a fluidez do córrego e criar uma passagem segura aos pedestres. O objetivo dessas intervenções é garantir melhor acesso e maior segurança aos usuários, eliminando eventuais riscos em função das condições até precárias de algumas dessas travessias. Em algumas regiões, as estruturas comportarão a passagem de carros, como esta da rua Pero Nunes, na região da subprefeitura Aricanduva/Formosa, onde o prefeito esteve. “Faz muito que é pedido esta ponte. É uma região que não tem passagem. Então a pessoa tem que andar de oito a dez quarteirões até a Avenida Conselheiro Carrão porque não tem como atravessar. Agora, com a ponte, não precisa ir até a avenida, onde tem muita demanda de carros para ir ao outro lado do quarteirão”, disse o subprefeito de Aricanduva/Vila Formosa, Quintino Simões Pinto. Após a conclusão do projeto piloto, “pinguelas” de outras 20 subprefeituras receberão intervenções: Butantã, Campo Limpo, Capela do Socorro, Cidade Ademar, Ermelino Matarazzo, Freguesia/Brasilândia, Guainases, Ipiranga, Itaquera, Itaim Paulista, Jabaquara, Jaçanã/Tremembé, Parelheiros, Penha, Pirituba/Jaraguá, Perus, Santo Amaro, Santana/Tucuruvi e São Mateus, São Miguel. Cada um dos 89 locais que receberão intervenções foi indicado pela subprefeitura local. Além da instalação das aduelas, também é realizada a adequação das pistas nas extremidades dessas travessias e a adequação do sistema de drenagem do local e do leito carroçável, quando necessário. Da Secretaria...

Leia mais
Ponte de elétrons
out29

Ponte de elétrons

Quarta-feira, 29 de outubro de 2014, às 13h Por Marcos de Oliveira Revista Pesquisa FAPESP – O grafeno pode duplicar a produção de energia elétrica em biocélulas a combustível, como demonstrou um grupo de pesquisadores do Instituto de Química de São Carlos (IQSC) da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Federal do ABC (UFABC), em Santo André, na Região Metropolitana de São Paulo. Descoberto em 2004 por Andre Geim e Konstantin Novoselov, da Universidade de Manchester, na Inglaterra, o grafeno, além de render o Prêmio Nobel de Física aos dois pesquisadores pelos experimentos realizados, provocou uma corrida mundial em busca da utilização desse novo material caracterizado por ser uma folha de carbono com espessura atômica e detentor de propriedades elétricas, mecânicas e ópticas.     Os pesquisadores brasileiros, sob a liderança do professor Frank Crespilho, do IQSC-USP, mostraram no artigo de capa da edição de setembro da revista Physical Chemistry Chemical Physics que folhas de óxido de grafeno presas em fibras flexíveis de carbono facilitam a transferência de elétrons em biocélulas a combustível, dispositivos que convertem energia química em energia elétrica com a ajuda de enzimas e podem ter como combustível, por exemplo, a glicose existente no sangue para suprir de eletricidade marca-passos ou dispensadores subcutâneos de medicamentos. As biocélulas são uma fonte de energia alternativa ainda restrita a laboratórios. As biocélulas desenvolvidas em São Carlos são semelhantes a baterias e possuem dois eletrodos de fibra de carbono flexível, o cátodo, o polo positivo, e o ânodo, negativo. Elas são uma das mais recentes novidades em estudos no campo das fontes energéticas. Uma das opções de combustível para esse dispositivo é o uso da garapa, o caldo de cana repleto de açúcares. As biocélulas podem ter tamanho microscópico ou serem maiores, do tamanho de pequenas caixas plásticas que podem receber a garapa para gerar eletricidade e recarregar baterias de celulares, tabletsou até notebooks. Uma célula pode fornecer uma tensão elétrica um pouco maior que 1,0 volt (uma pilha do tipo AA, por exemplo, tem 1,5 volt). O grupo de Crespilho já trabalha com esses equipamentos desde 2010 (ver Pesquisa FAPESP nºs 182 e 205). Pensando em melhorar o desempenho elétrico desses dispositivos, os pesquisadores colocaram folhas de óxido de grafeno entre o eletrodo e a enzima glicose oxidase. Com isso, a transferência de elétrons para a célula aumentou em pelo menos duas vezes, o que representa o dobro de produção de eletricidade. O processo de liberação de elétrons ocorre pela oxidação da glicose, que acontece na superfície do ânodo, onde é colocada a enzima glicose oxidase produzida a partir do fungo Aspergillus niger. Com isso, os elétrons...

Leia mais
Crise da água em SP: geólogos querem usar Guarani
out29

Crise da água em SP: geólogos querem usar Guarani

Quarta-feira, 29 de outubro de 2014, às 16h17 Geólogos estudam meio de usar Aquífero Guarani para aliviar crise do Cantareira. Camila Maciel – Repórter da Agência Brasil Edição: Fábio Massalli Geólogos da Universidade de São Paulo (USP) elaboram um estudo para saber se é possível retirar água do Aquífero Guarani para abastercer a região de Piracicaba, aliviando o Sistema Cantareira. A proposta é analisar a viabilidade da construção de 24 poços artesianos no município de Itirapina, região oeste do estado, onde o aquífero pode ser acessado de forma rasa. A análise será apresentada, em aproximadamente um mês, ao comitê criado pelo governo estadual para administrar a crise hídrica no Cantareira. Hoje (27), o sistema chegou a 13% da capacidade de armazenamento, após o início da utilização da segunda cota do volume morto. O professor Reginaldo Bertolo, do Instituto de Geologia, explica que o estudo inclui a simulação, por meio de um modelo matemático, da extração de 150 mil litros de água por hora. “Queremos avaliar se o aquífero suporta essas vazões em longo prazo”, apontou. A análise baseia-se em um artigo publicado em 2004 por um grupo da Universidade Estadual Paulista (Unesp). De acordo com o trabalho, a região de Piracicaba fica distante cerca de 60 quilômetros (km) em linha reta, o que diminui os custos de um transporte da água direta para a capital. Outra vantagem é que o desnível geográfico entre as regiões de captação e consumo favorece o deslocamento. Mesmo em fase de pré-viabilidade técnica, Bertolo acredita que essa pode ser uma alternativa interessante para o abastecimento de parte da região que deveria receber água do Cantareira. Ele destaca, no entanto, que é preciso fazer o uso sustentável dessa água para evitar novas crises. “A gente precisa ter a recarga no aquífero para que ele continue dando água. Se a gente tiver em longo prazo a certeza de que a chuva vai continuar caindo e o aquífero recarregado, uma vazão de 1 metro cúbico por segundo é uma vazão segura”, apontou. O Aquífero Guarani é a maior reserva estratégica de água doce da América Latina. Atualmente, o aquífero abastece a maior parte das cidades do oeste paulista. “Observe que a crise de abastecimento de água está mais crítica nos municípios do centro-leste do estado”, avaliou. Isso ocorre, segundo Bertolo, porque eles têm maior segurança hídrica com a água oriunda dos aquíferos Bauru e Guarani. Entre os municípios abastecidos dessa forma, o professor destaca Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, Araçatuba, Presidente Prudente, Marília, Bauru, entre outros. Ele explica que a profundidade das águas subterrâneas exige tecnologia complexa de engenharia, similar à utilizada para encontrar petróleo,...

Leia mais
Cidade ganhará mais 8.000 estacionamentos de bikes
out29

Cidade ganhará mais 8.000 estacionamentos de bikes

Quarta-feira, 29 de outubro de 2014, às 19h28   Cidade ganhará mais 8.000 paraciclos para estacionar as bicicletas em locais públicos. Atualmente, São Paulo conta com 4.606 vagas para bicicletas sendo 4.382 em bicicletários e outras 226 em paraciclos. Locais de grande circulação vem ganhando paraciclos e licitação servirá para adquirir mais 8.000 novos equipamentos. Atualmente, São Paulo conta com 4.606 vagas para bicicletas sendo 4.382 em bicicletários e outras 226 em paraciclos. Locais de grande circulação vem ganhando paraciclos e licitação servirá para adquirir mais 8.000 novos equipamentos. Além da criação de 100 quilômetros de ciclovias para dar segurança aos usuários de bicicletas, a Prefeitura de São Paulo também vem trabalhando para ampliar os locais de paradas, conhecidos como paraciclos. Após a inauguração do bicicletário municipal com 102 vagas no Largo da Batata, na zona oeste, realizada em agosto, o município está estruturando um processo licitatório para adquirir 8.000 novos paraciclos para se somarem aos 113 equipamentos existentes. Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), o Termo de Referência para aquisição dos paraciclos está sendo finalizado e o modelo de contratação será divulgado em breve. Com a medida, a cidade poderá saltar das atuais 4.606 vagas de paradas para mais de 20.000 vagas. Atualmente, existem 4.382 em bicicletários, a maioria ligado as estações do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e outras 223 vagas em paraciclos instalados em toda a cidade. “Com a ampliação da malha cicloviária, existem mais pessoas pedalando e por isso, é importante ter mais paraciclos e bicicletários para que essas pessoas sejam estimuladas a usarem a bicicleta. Se o cidadão usa a bicicleta para a metade do caminho e não encontra um local de parada para seguir viagem com outro modal, acaba desistindo”, afirmou o diretor do Instituto Ciclo BR, Felipe Aragonez. Apesar do processo de aquisição dos 8.000 equipamentos, as opções de pontos de paradas para ciclistas já estão sendo ampliadas em todas as regiões pela Prefeitura. Com a intensificação do projeto SP 400 km, locais como os largos São Francisco e Paissandú, Vale do Anhangabaú, a Rua Doutor Falcão, na região central, a avenida Cruzeiro do Sul, na zona norte, e a praça Braúna, na zona leste, foram alguns que ganharam paraciclos. “Há um avanço, mas ainda é claro que a cidade ainda é carente de estruturas para ciclistas”, disse o diretor do Instituto Ciclo BR. De acordo com Aragonez, seria importante que a iniciativa privada também adotasse a implementação de paraciclos, em especial, em áreas de grandes circulações como shopping centers e regiões estritamente comerciais. Para ele, o papel das ciclovias e dos ciclistas é cultural, mas...

Leia mais
Extração de peles de animais é proibida em SP
out29

Extração de peles de animais é proibida em SP

Quarta-feira, 29 de outubro de 2014, às 19h01   São Paulo sanciona lei que proíbe a criação de animais para extração de peles. Lei tem intuito de preservar animais usados na indústria de casacos e acessórios. Com o intuito de preservar os animais usados na indústria de casacos e acessórios, como coelhos, raposas, visons, texugos, focas, coiotes, esquilos e chinchilas, a medida será publicada no Diário Oficial de quarta-feira, 29 Foi sancionada nesta terça-feira, 28, a lei que proíbe a criação ou manutenção de animais para extração de peles. O Projeto de Lei 616 de 2011 foi aprovado no dia 17 de setembro na Assembleia Estadual. Atualmente, o Brasil é um dos maiores produtores e o segundo maior exportador de peles de chinchila do mundo, atrás apenas da Argentina. Com o intuito de preservar os animais usados na indústria de casacos e acessórios, como coelhos, raposas, visons, texugos, focas, coiotes, esquilos, e, em maior número, chinchilas, a medida será publicada no Diário Oficial de quarta-feira, 29. A lei prevê mais de R$ 10 mil de multa, por animal, ou 500 Unidades Fiscais do Estado de São Paulo (UFESP´S) para a empresa que descumprir a lei, e o dobro no caso de reincidência. A regulamentação da lei se dará em regime de urgência. Do Portal do Governo do...

Leia mais
Saiba como registrar um BO online
out29

Saiba como registrar um BO online

    Quarta-feira, 29 de outubro de 2014, às 18h45   Entenda melhor como e o que é preciso para registrar um Boletim de Ocorrência online. Quanto mais informações lembrar, mais ajudará o andamento das investigações. O Boletim de Ocorrência, também conhecido como BO, é a comunicação entre o cidadão e a autoridade policial para registrar um crime. É possível recorrer ao distrito policial mais próximo ou então registrar pela internet. O procedimento é fácil e simples. Assista ao vídeo e confira quais casos podem ser registrados pela internet e fique atento aos...

Leia mais
Sistema Produtor Alto Tietê
out29

Sistema Produtor Alto Tietê

Quarta-feira, 29 de outubro de 2014, às 10h31 O SPAT (Sistema Produtor Alto Tietê) é um conjunto de cinco reservatórios (ou barragens) localizados entre Suzano e Salesópolis, concebidos visando o aproveitamento múltiplo de recursos hídricos, com ênfase para o controle de enchentes, abastecimento público, irrigação, diluição de esgotos e lazer. Proposto dentro dos estudos do Plano HIBRACE – numa época em que o problema de enchentes na RMSP não era agravado pelo uso e ocupação cada vez mais indevida do solo; pela impermeabilização acentuada do solo; e grande quantidade de lixo jogado no Tietê -, teve sua implantação iniciada pela barragem de Ponte Nova, localizada no rio Tietê, no município de Salesópolis. A conclusão das obras ocorreu no início da década de 70.   De uma forma global, os cinco reservatórios (Ponte Nova, no rio Tietê, na divisa dos municípios de Salesópolis e Biritiba Mirim; Paraitinga, no rio Paraitinga, em Salesópolis; Biritiba, no rio Biritiba, na divisa dos municípios de Biritiba Mirim e Mogi das Cruzes; Jundiaí, no rio Jundiaí, em Mogi das Cruzes; e barragem de Taiaçupeba, no rio Taiaçupeba, na divisa de Mogi e Suzano), dão auxílio importante para a redução nas vazões do Tietê e afluentes próximos à barragem da Penha,somando-se as obras de ampliação da calha do rio, especialmente no trecho Penha-Edgard de Souza. Naturalmente a preservação das várzeas do Tietê a montante da Penha, também se reveste da maior importância para que os objetivos das obras na calha a jusante sejam, na prática, efetivamente alcançados. Rio Tamanduateí Uma das mais importantes sub-bacias do Alto Tietê, a bacia hidrográfica do rio Tamanduateí, com 323 km² abrange zonas centrais de importantes cidades como São Paulo, Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano, Diadema e Mauá. O Tamanduateí, nasce na Gruta Santa Luzia no município de Mauá e depois de percorrer 36 km desemboca no rio Tietê. Funciona como uma grande galeria de águas pluviais, apresentando variações bruscas no nível d’água, quando das precipitações pluviométricas que ocorrem com maior incidência no período de chuvas fortes, de outubro a março. No século XIX as inundações causadas pelo rio Tamanduateí na chamada Várzea do Carmo, hoje Parque D. Pedro, provocavam muitos danos às populações ribeirinhas, exigindo medidas, a exemplo da execução de obras de canalização, como forma de prevenir epidemias em consequência das enchentes.     Na década de 70 começou a ser implantado o projeto que levaria à minimização dos problemas das cheias provocadas pelo transbordamento do rio Tamanduateí. A saída então vislumbrada foi a sua canalização, iniciada pelo DAEE em abril de 1978, a partir da sua foz, no rio Tietê. Por atravessar uma área densamente...

Leia mais
MP ajuíza ação para revisão do volume de água retirado do Alto Tietê
out29

MP ajuíza ação para revisão do volume de água retirado do Alto Tietê

Quarta-feira, 29 de outubro de 2014, às 09h39 Promotores pedem liminar para evitar “irreversíveis danos ambientais”. O Ministério Público, por meio do Grupo de Atuação Especial do Meio Ambiente (GAEMA) – Núcleo Cabeceiras e da Promotoria do Meio Ambiente da Capital, ajuizou, nesta terça-feira (28/10), ação civil pública ambiental, com pedido de liminar para que sejam suspensos imediatamente os limites máximos de vazão e para que seja feita revisão imediata do volume de água que tem sido retirado do Sistema Produtor do Alto Tietê (SPAT), autorizado pelo Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE) à Companhia de Saneamento Ambiental (SABESP). De acordo com a ação, proposta pelos Promotores de Justiça Ricardo Manuel Castro, Secretário do GAEMA Cabeceiras, e José Eduardo Ismael Lutti, da Promotoria do Meio Ambiente da Capital, a medida é urgente “para que sejam prevenidos os irreversíveis e graves danos ambientais, de maneira a se efetivar uma gestão integrada entre recursos hídricos e meio ambiente”. Segundo os Promotores, devem ser adotadas as medidas necessárias para assegurar que no prazo máximo de cinco anos o Sistema Alto Tietê esteja recuperado em seu volume útil e integral e deve ser definido um volume estratégico a ser preservado ao final de cada período de planejamento. A ação também pede que a SABESP, “no período máximo de um ano, promova a integral recuperação ambiental, com o emprego exclusivo de espécies nativas em caráter heterogêneo, das áreas de preservação permanente de 100 metros contados de seu nível máximo, de todos os reservatórios que compõe o SPAT”.   Leia a ação   Assuntos relacionados Sistema Produtor Alto Tietê MP ajuíza ação para revisão do volume de água retirado do Alto...

Leia mais
Alvorada Nova convida para o Chá Beneficente anual
out29
Leia mais