Noelzão já chegou!
nov07

Noelzão já chegou!

Sexta-feira, 7 de novembro de 2014, às 20h06   A foto do dia fica para o Noelzão, um Papai Noel com 20 metros de altura, montado pelo Shopping Center Norte para atrair os clientes e que também dá um toque de alegria à Marginal do Rio Tietê. O maior Papai Noel do mundo, que pesa 14 toneladas, foi fotografado por Marcelo Donatelli.

Leia mais
Operação Brasil Integrado apreende 5 toneladas de drogas em 20 estados
nov07

Operação Brasil Integrado apreende 5 toneladas de drogas em 20 estados

Sexta-feira, 7 de novembro de 2014, às 19h48 Ação integrou estados do Nordeste e de fronteiras. Esquema será utilizado durante o Enem para garantir segurança. Participaram da ação nacional mais de 20 mil profissionais de Polícia Militar, Polícia Civil, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Corpo de Bombeiros, Receita Federal, Ibama, entre outras instituições dos nove estados da região Nordeste e os 11 que abrangem a faixa fronteiriça. As equipes trabalharam em esquema semelhante ao executado na Copa do Mundo, utilizando os Centros Integrados de Comando e Controle nacional e regionais dos estados que sediaram a Copa. Foram realizadas ainda 70.357 revistas pessoais, 52.672 abordagens de veículos e 1.545 barreiras ou bloqueios policiais, todas com base em informação de inteligência e com respeito às leis e aos direitos humanos. Foram cumpridos 221 mandados de busca, apreensão e prisão, e recuperados 141 veículos furtados ou roubados. “Os resultados até agora foram extremamente positivos. Teremos uma reunião no próximo dia 12 de novembro, em que faremos uma avaliação de tudo que aconteceu até agora. Queremos ampliar o Brasil Integrado ainda este ano e estudamos a possibilidade de fazer a primeira grande ação com todos os estados até o final de dezembro”, disse o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. A primeira edição do Brasil Integrado aconteceu no início de setembro. Em três dias de operação as equipes conseguiram desarticular quadrilhas de roubo a banco e apreender 5,2 toneladas de explosivos utilizados destruir caixas eletrônicos. Também foram apreendidos 1.405 munições, 112 armas de fogo e 166 veículos, inclusive um avião. Mais de 350 pessoas foram presas. Em seguida, uma ação realizada em outubro deu seqüência ao trabalho para inibir a ação das quadrilhas de roubo a banco do Nordeste. O MJ coordenou a transferência 11 presos de Alagoas, Pernambuco, Paraíba e Ceará para a Penitenciária Federal de Campo Grande (MS). O objetivo foi isolar líderes de grupos criminosos que exerciam influência de dentro das cadeias. Enem A secretária Nacional de Segurança Pública, Regina Miki, informou que a estrutura dos Centros Integrados de Comando e Controle será utilizada para fazer a segurança durante realização do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) neste fim de semana (8 e 9 de novembro). “Teremos um ponto focal de cada estado dentro do CICCN aqui em Brasília. Também nos estados já existem equipes organizadas com o apoio do MEC para acompanhar online o desenvolvimento do processo”, destacou...

Leia mais
Aumento da gasolina deve chegar ao bolso do consumidor na segunda-feira
nov07

Aumento da gasolina deve chegar ao bolso do consumidor na segunda-feira

Sexta-feira, 7 de novembro de 2014, às 19h31   Agência Brasil – O reajuste de 3% no preço da gasolina anunciado na noite de ontem (06), pela Petrobras, não afetará o consumidor neste fim de semana. Para o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de São Paulo, José Alberto Paiva Gouveia, a previsão é que somente na segunda-feira (10), quando os postos de gasolina começarem a demandar o produto com o preço reajustado nas refinarias, é que o novo valor deve chegar ao consumidor. “Conforme os postos forem demandando o produto com valor já reajustado nas refinarias é que teremos um aumento para o consumidor final. Ainda assim, esse aumento de 3% está abaixo do que a Petrobras precisaria para repor suas dívidas, que seria de 7%. Quanto à dúvida se será mais proveitoso abastecer com etanol, precisamos, antes, verificar o aumento final da gasolina para o consumidor”, ressaltou Gouveia. Ele destacou que o valor real do aumento dependerá do repasse cobrado pelas distribuidoras aos postos. “O aumento final da gasolina vai refletir o que for cobrado pelas distribuidoras, já que nos postos a gasolina tem um percentual de 25% de etanol, que até agora mantém o preço estável. Ou seja, se desconsiderarmos o preço da distribuição e considerarmos que a gasolina tem um percentual de etanol na mistura, o aumento nem chega aos 3% para o...

Leia mais
Professores dão dicas de como aproveitar o tempo de prova do Enem
nov07

Professores dão dicas de como aproveitar o tempo de prova do Enem

  Sexta-feira, 7 de novembro de 2014, às 19h02 Mariana Tokarnia – Repórter da Agência Brasil Edição: Graça Adjuto Uma boa divisão do tempo de prova, alimentação adequada e até mesmo alguns minutos para esticar as pernas podem fazer a diferença durante o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). As provas serão aplicadas amanhã (8) e domingo. No primeiro dia, os candidatos terão quatro horas e meia e, no segundo, cinco horas e meia. Para aproveitar bem o tempo e aumentar o rendimento, professores dão algumas dicas. De acordo com o professor de português do Colégio Sigma, em Brasília, Eli Carlos Guimarães, o candidato terá, em média, três minutos por questão e essa é a primeira coisa que precisa ter em mente e controlar. “A segunda é que deve respeitar a gradação de dificuldade das questões. Qual é a ideia? Leio a questão, tenho facilidade, resolvo, se leio e tenho dificuldade, devo saltar. Isso para que o aluno não fique preso na questão no sentido de perder tempo”. A dica do professor é que logo na leitura, o candidato identifique o que está incorreto nos itens e sublinhe. “Se acha alguma coisa errada ou dúbia, deve grifar, porque chama a atenção. No Enem, ele terá que marcar a opção correta, a prova não tem como prática que o candidato assinale a opção incorreta. Então, é interessante que o aluno dê algum destaque para o que está errado, porque elimina logo”, diz. Guimarães explica que como o Enem é uma prova muito cansativa, a recomendação é que a cada 45 minutos, o aluno pare, descanse, faça algum exercício de relaxamento ou peça para ir ao banheiro a fim de andar um pouco. A pausa não deve durar mais que alguns minutos. Quando completar duas horas de prova, a recomendação é que coma algo doce. “Vou começar pelo que não levar: não leve chocolate, o chocolate, em um primeiro momento, ativa por conta da glicose, mas, depois de uma hora, tem efeito de letargia”, lembra. “O aluno tem que se hidratar e tem que ter alguma barra de cereal, uma fruta e um doce, como mel, rapadura, doce de banana. Mas não consuma chocolate”, reforça. No primeiro dia, os candidatos farão as provas de ciências humanas e ciências da natureza. No segundo, serão aplicadas as provas de linguagens e códigos, matemática e redação. Apesar de o estudante ter mais tempo para as provas no domingo, a professora de português do Centro de Ensino Médio Setor Leste, em Brasília, Eliana Luíza de Azevedo, diz que é preciso atenção. Ela recomenda que o candidato comece pela redação. “A primeira coisa é ler o...

Leia mais
Parlamento Jovem reafirma seu caráter de aula de democracia
nov07

Parlamento Jovem reafirma seu caráter de aula de democracia

Sexta-feira, 7 de novembro de 2014, às 18h51 Educação leva ao desenvolvimento equânime da sociedade, afirma Célia Leão. Da Redação da ALESP Fotos: Márcia Yamamoto, Maurício Garcia e Roberto Navarro Um Parlamento Jovem predominantemente feminino, com expressiva representação do interior e preocupado com a educação, tomou posse nesta sexta-feira, 7/11. Entre os 94 eleitos, 64 são do sexo feminino, apenas 13 residem na capital e 33 formam a maior bancada, a do Partido da Educação. A predominância das deputadas se refletiu na escolha da Mesa Diretora, vencida, em primeiro turno, com 51 votos, pela chapa Jovens Parlamentares do Futuro. A presidência do Parlamento Jovem 2014 coube a Nycole Nunes (Partido da Saúde) e a vice-presidência a Nathalia Franqlin (Partido da Natureza). Completaram a Mesa o 1º secretário Pedro Oliveira (Natureza) e o 2º secretário Lucas Catarino (Habitação). “Nossa chapa tem dois meninos e duas meninas, representando diversos partidos. Queremos ouvir todos democraticamente e lutar pela aprovação dos projetos que tenham mérito”, afirmou Nycole. Ela venceu os candidatos Carlos Eduardo Silva (Partido da Educação), da chapa UP, que teve oito votos; e Vinícius Santos (Educação), da chapa Comissão Revolucionária, que teve a adesão de 32 deputados jovens. Antes da eleição, houve a cerimônia de instalação da Legislatura e de diplomação e posse dos deputados jovens, presidida pela deputada Célia Leão (PSDB), uma das idealizadoras do Parlamento Jovem. “Isso é literalmente a democracia”, reafirmou Célia. “Todos nós, deputados, jovens, familiares e professores, sabemos que o caminho da educação é não só o melhor, mas o único para atingirmos o desenvolvimento equânime da sociedade.” Também presente ao evento, o deputado Carlos Giannazi (PSOL) lembrou que os projetos apresentados no Parlamento Jovem representam “uma grande contribuição, pois podem futuramente ser aproveitados pelos deputados e se transformar em projetos de lei que vão ser discutidos nesta Casa”. Laís Santana, do Partido da Cultura, prestou o juramento de posse em nome de todos os deputados jovens. Depois de eleita a Mesa, cada um dos parlamentares apresentou seu projeto e o submeteu à votação do...

Leia mais
Alckmin anuncia 29 reservatórios e estações de produção de água de reúso
nov07
Leia mais
SPTrans não prevê reajuste da tarifa de ônibus para 2015
nov07

SPTrans não prevê reajuste da tarifa de ônibus para 2015

Sexta-feira, 7 de novembro de 2014, às 17h10   As tarifas de ônibus municipais não devem ter reajuste no próximo ano. É o que garantiu o diretor administrativo-financeiro da SPTrans, Denilson Ferreira, durante audiência pública realizada nesta quarta-feira (5/11) na Câmara Municipal para discutir o Projeto de Lei (PL) 467/2014, do Executivo, que trata da peça orçamentária da capital paulista para 2015. Kátia Kazedani / CMSP Para conseguir manter a tarifa de ônibus em R$ 3,00, a previsão é que a compensação tarifária seja de R$ 1,4 bi – valor semelhante ao orçado para este ano, que necessitou ainda de um aporte financeiro de pouco mais de R$ 300 milhões para equilibrar as despesas. “Esse aumento é consequência de um conjunto de políticas públicas que oneraram o sistema, como a implementação do Bilhete Único Mensal, que diminuiu a arrecadação mas aumentou a utilização do transporte público, e também a mudança na legislação, que reduziu a idade para 60 anos para a gratuidade no ônibus”, explicou Ferreira. Apesar da necessidade de mais recursos neste ano, Ferreira afirmou que a implementação de novas tecnologias reduzirá os gastos e a compensação tarifária não terá aumento. “Estamos revendo todo o sistema de transporte, o que levará a uma nova licitação. Mas não está previsto nenhum tipo de aumento da tarifa nessa peça orçamentária para 2015, não foi discutido isso na SPTrans. O que ajudará a manter a mesma compensação tarifária será a modernização com a bilhetagem, e os novos corredores terão cobrança desembarcada (o usuário paga o ônibus antes de embarcar) e uma via para ultrapassagem, o que aumentará a velocidade dos veículos”, sinalizou. O relator do projeto, vereador Ricardo Nunes (PMDB), acredita que seria necessário prever mais recursos para compensação tarifária. “O representante da SPTrans nos explicou que as reformas farão com que a verba seja suficiente. Mas tenho essa preocupação, já que neste ano foi necessário um suplemento de R$ 300 milhões. Se isso for necessário, deveremos aportar do orçamento”, adiantou. Durante a audiência pública, os participantes questionaram o fato de se cobrar pelo cartão do Bilhete Único. “Agora temos que pagar pelo bilhete e o serviço não está bom, tem menos ônibus circulando pela cidade”, falou o presidente da Associação Arte e Artesão, Carlos Henrique Cardoso. O diretor da SPTrans explicou que a cobrança de R$ 3 pelo cartão é feita apenas quando a venda é realizada nos metrôs. “O cartão passou a ser cobrado, mas a gratuidade continua para aqueles que entram no nosso site e preenchem o cadastro corretamente. Isso foi necessário porque a pessoa esquecia o cartão em casa e pegava outro e isso estava gerando uma...

Leia mais
SP Fashion Week vai ao CEU Vila Curuça na zona Leste
nov07
Leia mais
Balões caçam partículas no ar para estudar formação de chuva
nov07

Balões caçam partículas no ar para estudar formação de chuva

Sexta-feira, 7 de novembro de 2014, às 12h28 Por Heitor Shimizu, de Washington Agência FAPESP – Um projeto de pesquisa internacional que investiga os aerossóis resultantes das emissões de hidrocarbonetos e sua influência na formação de nuvens e de chuva na Amazônia foi apresentado por seus coordenadores no simpósio FAPESP-U.S. Collaborative Research on the Amazon, realizado nos dias 28 e 29 de outubro em Washington, nos Estados Unidos. O projeto integra a campanha científica Green Ocean Amazon (GOAmazon), programa do Departamento de Energia (DoE) conduzido em parceria com a FAPESP e com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam). Os pesquisadores estudam, no projeto denominado Goble (de GOAmazon Boundary Layer Experiment), aerossóis secundários presentes tanto em ambientes limpos como em ambientes poluídos na Camada Limite Atmosférica (CLA) da Amazônia. Aerossóis são materiais particulados presentes na atmosfera, que podem vir de fontes primárias – sejam elas naturais, como poeiras de desertos ou erupções vulcânicas, ou antropogênicas, derivadas de queimadas ou combustão fóssil – ou de fontes secundárias, resultantes de mecanismos de condensação de produtos gasosos, como aerossóis de sulfato, de nitrato ou orgânicos. O projeto – coordenado por Celso von Randow, do Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe), e por Marcelo Chamecki, professor na Pennsylvania State University, nos Estados Unidos – visa estudar o ciclo de vida de aerossóis secundários e vem sendo conduzido em duas regiões na Amazônia Central: uma com ar e paisagem de floresta primitiva e outra próxima à cidade de Manaus, que é influenciada pela poluição. A pesquisa integra o Programa FAPESP de Pesquisa sobre Mudanças Climáticas Globais. Os pesquisadores utilizam torres e balões para medir a distribuição vertical dos aerossóis e de núcleos de condensação de nuvens na CLA. Um dos objetivos do projeto é entender melhor como a cobertura florestal pode influenciar a formação de nuvens, especialmente como o ar da camada limite é injetado na camada de nuvens, e como esses processos são alterados sob a influência da poluição de uma cidade como Manaus. “Além das torres de fluxo, utilizamos balões presos em cordas, o que representa um aspecto muito interessante do projeto, uma vez que isso permite fazer uma ponte para cobrir a lacuna entre as medidas da superfície, feitas nas torres, com as obtidas pelos balões”, disse Randow. “Estamos investigando o perfil completo dos aerossóis pela CLA e trabalhamos com modelagem computacional para analisar o transporte turbulento desses elementos pelas camadas de nuvens”, disse. Os pesquisadores têm realizado medições com balão em uma área denominada T1 pelo projeto GoAmazon, ocupado por floresta primitiva. O balão pode atingir 1.800 metros de altitude. Em breve, será adquirida uma segunda unidade,...

Leia mais
Tratado de Oncologia é contemplado com Prêmio Jabuti
nov07

Tratado de Oncologia é contemplado com Prêmio Jabuti

Sexta-feira, 7 de novembro de 2014, às 12h16 Por José Tadeu Arantes Agência FAPESP – Fruto da contribuição de 379 especialistas, o Tratado de Oncologia foi contemplado com o 56º Prêmio Jabuti, na categoria “Ciências da Saúde”. A obra em dois volumes foi publicada pela Editora Atheneu e destina-se a médicos, estudantes de Medicina e outros profissionais da saúde. Aborda tanto a pesquisa científica como a prática assistencial. O livro levou um ano para ser escrito e outro para ser editado e foi coordenado por Paulo Hoff (Oncologia Geral e Clínica), Artur Katz (Oncologia Clínica), Vicente Odone Filho (Oncologia Pediátrica), Yana Novis (Onco-hematologia) e Roger Chammas (Oncologia Básica). A subdivisão de áreas reflete-se nas sessões do tratado, que enfeixam 180 capítulos. “O tratado reuniu colaboradores de mais de 20 instituições de norte a sul do país e do exterior, vários deles com pesquisas apoiadas pela FAPESP. A área de Oncologia é nova no Brasil. Para se ter ideia, a primeira cadeira de Oncologia em uma universidade brasileira surgiu apenas em 1981. Foi muito interessante perceber o quanto a área cresceu e amadureceu. Nestes pouco mais de 30 anos, saltamos de praticamente nada em termos de produção científica para milhares de trabalhos de qualidade publicados”, disse Chammas à Agência FAPESP. “Temos, sim, competência instalada em várias instituições brasileiras. E recebemos contribuições de altíssimo nível de colegas de muitos lugares – pessoas que estão na fronteira do conhecimento científico e do conhecimento médico-assistencial. Foi realmente um privilégio poder estar à frente da organização do livro”, prosseguiu o coordenador. Professor titular de Oncologia na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), Chammas mencionou algumas das instituições envolvidas, além da própria USP: a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), a Universidade Estadual Paulista (Unesp), a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), a Universidade Federal do Ceará (UFC); e, dentre os centros de tratamento oncológico, o Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (associado ao Hospital das Clínicas da FMUSP), o Hospital Sírio-Libanês, o Instituto Nacional do Câncer (do Rio de Janeiro) e o A.C. Camargo Cancer Center, entre outros. “O ensino da Oncologia é muito fragmentado, pois o câncer não é uma doença só, mas centenas de doenças, que diferem conforme os órgãos afetados. Também não é só uma doença do indivíduo, mas uma doença social. Então, há múltiplos olhares, que dependem da inserção do médico nas diferentes frentes de pesquisa ou atendimento. A organização de um tratado dessa abrangência pode ajudar na percepção da Oncologia como um todo, como uma disciplina, uma...

Leia mais
Tecnologia possibilita estudos vulcânicos no Havaí
nov07

Tecnologia possibilita estudos vulcânicos no Havaí

Sexta-feira, 7 de novembro de 2014, às 12h07 Estudo traz novos dados sobre a formação vulcânica do Havaí Por José Tadeu Arantes Agência FAPESP – Em geral lembrado apenas nas páginas dedicadas ao turismo, o Havaí tem gerado, nas últimas semanas, notícias menos amenas. Com temperatura da ordem de 900 graus Celsius e velocidade média de 13,7 metros por hora, uma grande massa de lava derretida, expelida pelo vulcão Kilauea, avança pela Big Island, a maior ilha do arquipélago havaiano, ameaçando residências e estabelecimentos comerciais.     Constituído por um conjunto de ilhas que são, elas mesmas, produtos da atividade vulcânica, o Havaí localiza-se em uma das áreas de maior vulcanismo do mundo. Por isso, sua formação e estrutura geológicas têm sido intensamente investigadas. Um estudo, que reuniu pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da University of California em Berkeley (UCB), nos Estados Unidos, trouxe agora uma contribuição ao assunto. O grupo foi liderado pelos veteranos professores Iuda Goldman (USP e Lawrence Berkeley National Laboratory) e Eric Norman (UCB) e pelo professor Paulo Pascholati (USP). Os resultados foram sintetizados na dissertação de mestrado de Pedro Vinícius Guillaumon, recentemente apresentada no Instituto de Física da USP, com o título “Busca de Oligoelementos em Rochas Vulcânicas”. “Estudamos amostras de material produzido por 11 vulcões, quatro deles situados no Havaí: Kilauea e Mauna Loa, na Big Island, e Kauai e Haleakala, em ilhas menores. Com o auxílio de um método de ativação por nêutrons térmicos associada à espectroscopia nuclear, conseguimos determinar a presença de 33 elementos químicos nessas amostras”, disse Goldman à Agência FAPESP. Um achado importante foi o de que as porcentagens de ferro presentes nas amostras colhidas não são iguais para os diferentes vulcões havaianos. Elas crescem de 7,7% no Kilauea, para 8% no Mauna Loa e 8,7%, nos vulcões das ilhas menores. A crosta terrestre, utilizada como referência, apresenta 5,8% de ferro. “Esses resultados são consistentes com o conhecimento de que a abundância de ferro aumenta com a profundidade. E parecem corroborar a hipótese de que as ilhas havaianas foram formadas por dois canais de lava e não por um único canal, como se pensava anteriormente”, afirmou Goldman. Supõe-se que a lava vulcânica provenha da região do magma, situada cerca de 50 quilômetros abaixo da crosta terrestre. A ideia bastante consolidada entre os estudiosos é a de que, quanto mais profundamente situado no magma, maior a composição em ferro do material considerado. E a abundância de ferro continua aumentando no sentido do centro da Terra. O núcleo sólido do planeta, localizado a mais de 5 mil quilômetros abaixo da crosta, apresentaria uma predominância de ferro estimada em...

Leia mais
Estudos para defesa contra a vassoura-de-bruxa
nov07
Leia mais
Novas espécies de animais marinhos são descobertas no litoral brasileiro
nov07
Leia mais
Medalhões de Lagosta à Deoclides
nov07
Leia mais
Vinho branco com Peixes e Frutos do Mar
nov07
Leia mais