Operação Lava Jato: embargos de Lula serão julgados nesta segunda-feira
mar23

Operação Lava Jato: embargos de Lula serão julgados nesta segunda-feira

Antes mesmo de o Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF)reunir-se nesta quinta-feira (22), o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) divulgava que estava marcada para o dia 26 de março o julgamento dos embargos de declaração do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Leia mais
Lava Jato: assista o depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, vídeos
maio10

Lava Jato: assista o depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, vídeos

Terminou o interrogatório ao qual foi submetido o ex-presidente brasileiro. Assista aos vídeos.

Leia mais
Janot apresenta ao STF primeira denúncia contra Renan derivada da Lava Jato
dez12

Janot apresenta ao STF primeira denúncia contra Renan derivada da Lava Jato

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, protocolou hoje (12), no Supremo Tribunal Federal (STF), a primeira denúncia derivada da Operação Lava Jato contra o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Leia mais
João Dória vence em SP e lembra Lava Jato
out03

João Dória vence em SP e lembra Lava Jato

A menção da operação liderada pelo Ministério Público Federal teve como alvo o Partido dos Trabalhadores (PT), que emerge como grande derrotado das Eleições Municipais 2016.

Leia mais
Palocci é preso na 35ª fase da Lava Jato
set26

Palocci é preso na 35ª fase da Lava Jato

Depois de formalizar denúncia contra o ex-presidente Lula, aceita pelo juiz Sérgio Moro no dia 20 de setembro, Lava Jato mira em mais dois figurões dos governos petistas: Guido Mantega e Antonio Palocci, entre outros envolvidos.

Leia mais
Lava Jato: força-tarefa denuncia Lula por corrupção passiva e lavagem de dinheiro
set15

Lava Jato: força-tarefa denuncia Lula por corrupção passiva e lavagem de dinheiro

Também foram acusados pelo MPF a esposa do ex-presidente, Marisa Letícia Lula da Silva, Paulo Okamotto e executivos da empreiteira OAS. As informações são da Procuradoria da República no Estado do Paraná.

Leia mais
32.ª fase da Lava Jato investiga lavagem de dinheiro em banco clandestino
jul07

32.ª fase da Lava Jato investiga lavagem de dinheiro em banco clandestino

Instituição panamenha com atuação ilegal no país se valia de serviços da Mossak Fonseca para esconder quem eram os donos de contas bancárias.

Leia mais
Lava Jato – Operação Pripyat: núcleo criminoso agiu também em Angra 3
jul07

Lava Jato – Operação Pripyat: núcleo criminoso agiu também em Angra 3

Operação Pripyat: MPF/RJ aprofunda investigação de corrupção e lavagem de dinheiro na construção de Angra 3.

Leia mais
Força-tarefa da Lava Jato denuncia Gim Argello e mais 10 pessoas
maio07

Força-tarefa da Lava Jato denuncia Gim Argello e mais 10 pessoas

Ex-senador solicitou e recebeu pagamentos indevidos para interferir nos trabalhos de CPIs no ano de 2014.

Leia mais
Lava Jato: 2ª Turma do STF mantém prisão de Marcelo Odebrecht
abr27

Lava Jato: 2ª Turma do STF mantém prisão de Marcelo Odebrecht

Dois ex-executivos da empresa deixaram a carceragem para cumprir prisão domiciliar, eles monitorados com tornozeleiras eletrônicas e outras restrições.

Leia mais
Teori põe investigação sobre Lula na Lava Jato em segredo de Justiça
abr08

Teori põe investigação sobre Lula na Lava Jato em segredo de Justiça

O relator da operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Teori Zavascki, decidiu ontem (7) que investigação sobre Lula deve ser tratada em segredo de Justiça e que tudo sobre as delações premiadas deverá ser mantido em sigilo.

Leia mais
Ministro da Justiça quer controlar a Lava Jato com mão de ferro
mar20

Ministro da Justiça quer controlar a Lava Jato com mão de ferro

Ministro tomou “atitude de homem” como quer Lula e disse no dia seguinte à sua posse que trocará equipes da PF ao primeiro sinal de vazamento de informações.

Leia mais
Operação Lava Jato: PGR denuncia Eduardo Cunha e Fernando Collor
ago20

Operação Lava Jato: PGR denuncia Eduardo Cunha e Fernando Collor

Fato criminoso envolve o recebimento de propina para construção de dois navios-sondas da Petrobras. Leia a íntegra da denúncia feita hoje.

Leia mais
Notícias em imagens (NI): Lula pode ser investigado pela Lava Jato?
ago03
Leia mais
Lava Jato: Sérgio Moro determina abertura de inquérito para investigar Palocci
jun16
Leia mais
Justiça bloqueia quase R$ 1 bilhão de empreiteiras investigadas na Lava Jato
maio18
Leia mais
STF prorroga por mais 60 dias investigação de políticos envolvidos na Lava Jato
maio01
Leia mais
STF concede prisão domiciliar para executivos de empreiteiras da Lava Jato
abr29
Leia mais
CPI da Petrobras se encontra com juiz da Lava Jato para definir oitivas em Curitiba
abr27
Leia mais
CGU abre processo contra mais cinco empresas da Lava Jato
abr02

CGU abre processo contra mais cinco empresas da Lava Jato

Quinta-feira, 2 de abril de 2015, às 20h58   Da Agência Brasil – A Controladoria-Geral da União (CGU) determinou a abertura de processo administrativo contra mais cinco empresas envolvidas na Operação Lava Jato. Com essas ações, chega a 29 o número de empreiteiras com processos por suspeita de irregularidades. As informações constam de nota divulgada pela assessoria da CGU. As empresas serão notificadas nos próximos dias. Caso sejam responsabilizadas, elas podem ser multadas e impedidas de celebrar novos contratos, entre outras penalidades. Os processos foram abertos contra a Techint Engenharia e Construções Ltda, NM Engenharia e Construções Ltda, Construcap CCPS Engenharia e Comércio S/A, Niplan Engenharia S/A e Jaraguá Equipamentos Industriais Ltda. De acordo com a CGU, novos processos podem ser abertos contra outras empresas. CPI da Petrobras O depoimento do tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, deve ocorrer no dia 23 de abril. Antes, a comissão deve ouvir, no dia 16, o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho. A CPI aprovou a convocação de Vaccari na semana passada, durante reunião deliberativa em que também foram aprovados mais de 100 requerimentos de convocação para depoimentos, quebra de sigilos e de compartilhamento de documentos e informações. Entre os requerimentos aprovados também está o da ex-gerente de Abastecimento da Petrobras Venina Velosa da...

Leia mais
Renato Duque foi acusado de receber propinas por seis delatores na Lava Jato
mar19

Renato Duque foi acusado de receber propinas por seis delatores na Lava Jato

Quinta-feira, 19 de março de 2015, às 17h26 Agência Câmara de Notícias – O ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco , em depoimento à CPI, disse que começou a dividir propinas com Renato Duque em 2007, quando a Petrobras fez um contrato com a empresa holandesa SBM para o fornecimento de um navio-plataforma chamado P57, no valor de R$ 1,25 bilhão. Barusco era então gerente executivo de Engenharia e recebeu 1% do total entre 2007 e 2010. Segundo ele, a propina paga pelas empresas contratadas pela Petrobras era dividida da seguinte maneira: metade ia para ele e Renato Duque, e a outra metade ia para João Vaccari Neto, tesoureiro do PT. Barusco também disse que parte da propina foi usada nas eleições de 2010, quando Renato Duque (então diretor de Serviços da Petrobras, ao qual Barusco era subordinado) pediu ao empresário Júlio Faerman, representante da SBM, US$ 300 mil como “reforço” de campanha eleitoral, “provavelmente” a pedido de João Vaccari Neto, quantia que teria sido “contabilizada” por ele como “pagamento destinado ao PT”. Vaccari também nega as...

Leia mais
Ministério Público denuncia tesoureiro do PT e mais 26 investigados na Lava Jato
mar16

Ministério Público denuncia tesoureiro do PT e mais 26 investigados na Lava Jato

Segunda-feira, 16 de março de 2015, às 17h06 André Richter – Repórter da Agência Brasil Edição: Nádia Franco O Ministério Público Federal (MPF) denunciou hoje (16) à Justiça Federal em Curitiba 27 investigados na Operação Lava Jato. Entre eles estão o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque e o ex-gerente da estatal Pedro Barusco, além outros investigados na décima fase da operação, deflagada hoje (16). Entre os denunciados também estão o doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa e executivos de empreiteitas, já investigados em outras fases da Operação Lava Jato. Todos são acusados dos crimes de lavagem de dinheiro e corrupçao. As acusações serão julgadas pelo juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal em Curitiba. Na denúncia, os procuradores apontam novos desvios de recursos em contratos com a Petrobras. Desta vez, as obras investigadas foram a Refinaria Getúlio Vargas, em Araucária, no Paraná, e na Refinaria de Paulínia, em São...

Leia mais
Lava Jato: PPS contesta decisão que descartou investigação de Dilma
mar13

Lava Jato: PPS contesta decisão que descartou investigação de Dilma

Sexta-feira, 13 de março de 2015, às 19h49   Da Agência Brasil – O PPS entrou hoje (13) com um recurso na Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) para que a presidenta Dilma Rousseff seja investigada na Operação Lava Jato. Ao contrário do entendimento do ministro Teori Zavaski, relator dos inquéritos da investigação no STF, o partido alega que há indícios contra a presidenta e que Dilma pode ser investigada durante seu mandato. Na semana passada, Zavascki atendeu ao pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para que Dilma não seja investigada. No documento, Janot afirmou que não há indícios contra Dilma e explicou ainda que a presidenta não pode ser investigada por fatos ocorridos anteriores ao exercício da...

Leia mais
Operação Lava Jato chega a “momento crucial”, diz Janot em carta a colegas
mar05

Operação Lava Jato chega a “momento crucial”, diz Janot em carta a colegas

Quinta-feira, 5 de março de 2015, às 20h25 Ivan Richard – Repórter da Agência Brasil Edição: Armando Cardoso Em carta encaminhada aos membros do Ministério Público Federal (MPF), o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, alertou os colegas que a operação Lava Jato chegou a um “momento crucial” com o envio, na última terça-feira (3), dos pedidos de investigação sobre pessoas com foro privilegiado ao Supremo Tribunal Federal (STF).     No documento, enviado ontem (4) e tornado público hoje (5), o chefe do MPF pediu que o órgão se mantenha unido, de modo a enfrentar “investidas que busquem diminuir o Ministério Público brasileiro, desnaturar seu trabalho ou desqualificar seus membros”. Na carta, Janot ressaltou que examinou “cuidadosamente” as particularidades apresentadas pelo grupo de trabalho baseado em Brasília e pela força-tarefa sediada em Curitiba. Ressaltou que usou critérios “técnicos e objetivos” ao preparar a peça enviada ao STF, com 28 pedidos para investigar 54 pessoas e os sete de arquivamento contra políticos citados. “Não espero unanimidade e não a terei. Desejo e confio, neste momento singular do país, particularmente do Ministério Público brasileiro, que cada um dos meus colegas tenha a certeza de que realizei meu trabalho em direção aos fatos investigados, independentemente dos envolvidos, dos seus matizes partidários ou dos cargos públicos que ocupam ou ocuparam”, acrescentou Janot. O procurador-geral ressaltou que, caso o ministro Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato no STF, concorde com o pedido para retirar o sigilo do processo, todo o trabalho da Polícia Federal e do MP será “esquadrinhado” e “submetido aos mais duros testes de coerência” pela sociedade e pelo que classificou como “parte disfuncional do sistema político”. “Não guardo o dom de prever o futuro, mas tenho experiência bastante para compreender como a parte disfuncional do sistema político comporta-se ao enfrentar atuação vigorosa do Ministério Público no combate à corrupção. Assim ocorrerá, porque é um valor central da democracia e do Princípio Republicano a submissão de qualquer autoridade pública ao crivo dos cidadãos brasileiros”, afirmou Janot. O ministro Teori Zavascki e assessores analisam o material desde a envio dos requerimentos de abertura de inquérito e de arquivamentos propostos pela Procuradoria-Geral da República. É possível que Zavascki anuncie amanhã (6) a decisão de acatar ou não o pedido de Janot para que o processo deixe de ser...

Leia mais
Sérgio Moro pede ajuda internacional para ouvir testemunhas da Lava Jato
mar04

Sérgio Moro pede ajuda internacional para ouvir testemunhas da Lava Jato

Quarta-feira, 4 de março de 2015, às 15h54 Da Agência Brasil Edição: Armando Cardoso O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas investigações da Operação Lava Jato, pediu hoje (3) ajuda da Coreia do Sul, Holanda, das Ilhas Cayman e do Japão para ouvir cinco testemunhas indicadas pela defesa de Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano.   Juiz Sérgio Moro participou do Primeiro Seminário Nacional sobre Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro. Não falou com a imprensa sobre a Operação Lava Jato, disse que legalmente não pode falar sobre casos abertos O magistrado quer que as autoridades promovam a audição e tomada de depoimento das testemunhas, de acordo com convenção contra a corrupção adotada pela Organização das Nações Unidas (ONU). Tanto o juiz quanto a defesa de Baiano querem ouvir as testemunhas. Preso nas investigações da Operação Lava Jato, Baiano é acusado de cobrar propina para intermediar a compra de equipamentos para a Petrobras. Seus advogados negam as acusações de negócios ilícitos com a estatal. Baiano também nega ter relações com o PMDB. Em depoimento de delação premiada, o doleiro Alberto Youssef disse que o investigado arrecadava propina para o PMDB, por meio de contratos com a Petrobras. Na Coreia do Sul, foram relacionados Harris Lee e J. W. Kin, respectivamente vice-presidente e presidente da Samsung Heavy Industries Co Ltd. Na Holanda, Claudio Castejon, diretor da Petrobras International Braspetro BV. As Ilhas Cayman incluiram Yasuyuki Fujitani, diretor da Japan Drilling Investment, enquanto o Japão quer ouvir Ishiro Inagaki, cuja empresa não foi...

Leia mais
PGR envia ao Supremo lista com os nomes dos envolvidos na Operação Lava Jato
mar04

PGR envia ao Supremo lista com os nomes dos envolvidos na Operação Lava Jato

Quarta-feira, 4 de março de 2015, às 13h04 Marcelo Brandão – Repórter da Agência Brasil Edição: Aécio Amado O Procuradoria-Geral da República protocolou na noite de ontem (3), às 20h11, no Supremo Tribunal Federal (STF), a lista com pedidos de abertura de inquérito a fim de investigar pessoas suspeitas de envolvimento no caso de corrupção da Petrobras. Eles foram citados nos depoimentos da Operação Lava Jato. Constam, no total, 54 nomes de investigados, e 28 pedidos de abertura de inquérito. Nem todos têm foro privilegiado. Além disso, foram feitos sete pedidos de arquivamento. Os nomes dos envolvidos não foram divulgados. Em depoimentos de delação premiada, prestados no Ministério Público Federal e na Polícia Federal, o doleiro Alberto Youssef citou nomes de autoridades com foro privilegiado, como deputados federais e senadores, que, segundo o doleiro, receberam doações em dinheiro oriundo do esquema de corrupção. Para ter validade, a delação premiada aguarda homologação do ministro Teori Zavascki, responsável pelos processos da Operação Lava Jato no Supremo. As informações prestadas pelo ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, por meio de delação premiada, também serão analisadas na formulação de denúncia dos...

Leia mais
Raquel Dodge assume mas não cita a Lava-Jato
set19

Raquel Dodge assume mas não cita a Lava-Jato

Primeira mulher a assumir o cargo de procuradora-geral da República, ela disse que dará igual ênfase à função criminal e à defesa dos direitos humanos. Mas, no entanto, não citou a Lava-Jato, o que abriu uma lacuna para perguntas do tipo: dará ela o mesmo apoio e prosseguimento às ações da operação da Polícia Federal que se tornou um divisor histórico para a corrupção?

Leia mais
Filme sobre a Lava-Jato recebe críticas pesadas, mas funciona para leigos
set01

Filme sobre a Lava-Jato recebe críticas pesadas, mas funciona para leigos

É o que afirma Paulo Cavalcanti, editor-assistente da Rolling Stone Brasil. Por outro lado, críticos especializados apontam defeitos no roteiro e sugerem certa aversão à verba milionária para a produção.

Leia mais
Procurador-geral defende delações e nega seletividade da Lava-Jato
ago27
Leia mais
PGR pede suspeição de Gilmar Mendes nos HCs de Jacob e Lélis
ago22

PGR pede suspeição de Gilmar Mendes nos HCs de Jacob e Lélis

As petições foram encaminhadas a pedido da força-tarefa da Operação Lava Jato no Rio de Janeiro.

Leia mais
TRF4 nega recurso da defesa de Lula e ele depõe amanhã
maio09

TRF4 nega recurso da defesa de Lula e ele depõe amanhã

Sem comparações. Al Capone foi pego pelo fisco americano por sonegação de impostos e não pelos crimes que cometeu. Lula, apesar de negar o que o país inteiro vivencia há anos, terá de encarar o juiz Sérgio Moro, pela acusação de ter recebido propina sob a forma de um apartamento no Guarujá no valor de 3,5 milhões. Uma ninharia diante dos valores relatados pelos delatores da Lava Jato que arrombaram os cofres da Petrobras. O desenrolar da operação o colocam cara a cara com a...

Leia mais
Temer recebe prêmio do LIDE em SP, enquanto popularidade do seu governo cai
dez14

Temer recebe prêmio do LIDE em SP, enquanto popularidade do seu governo cai

Em um instante, o presidente da República, Michel Temer, é homenageado como líder político brasileiro; noutro, acusado de receber dinheiro do caixa2 da Odebrecht. O país passa por um scanner graças à Lava Jato.

Leia mais
Executivos da Odebrecht começam a assinar acordos de delação premiada
nov23

Executivos da Odebrecht começam a assinar acordos de delação premiada

Executivos da empreiteira Odebrecht, investigada na Operação Lava Jato, começaram a assinar hoje (23) acordos de delação premiada com a força-tarefa de procuradores que investiga desvios na Petrobras. Os termos dos acordos estão sob sigilo e os detalhes não serão divulgados.

Leia mais
Equipe econômica divulga medidas para contenção de gastos
maio24

Equipe econômica divulga medidas para contenção de gastos

Em meio ao primeiro desgaste duas semanas após assumir o governo, o presidente Michel Temer aceitou ontem (23) o afastamento do ministro do Planejamento, Romero Jucá (PMDB-RR), depois de a Folha de São Paulo, publicar que ele “sugeriu ao ex-presidente da Transpetro sérgio Machado que uma ‘mudança’ no governo federal resultaria em um pacto para ‘estancar a sangria’ representada pela Operação Lava Jato”. Assista o vídeo com as explicações do ministro da Fazenda Henrique Meirelles e do líder do DEM no Senado, Ronaldo Caiado...

Leia mais
A maior tragédia ambiental do Brasil em Realidade Virtual, vídeos
abr12

A maior tragédia ambiental do Brasil em Realidade Virtual, vídeos

Meio ambiente: nem só de tragédias político-econômicas vive o pior governo que o Brasil já teve. Depois de Belo Monte e Mariana, caso não seja impedido, o governo brasileiro vai invadir o Rio Tapajós com outra obra espetacular, em que participa a Camargo Corrêa – uma das empresas envolvidas na Lava Jato.

Leia mais
Ministra Rosa Weber não aceita habeas corpus de Lula
mar22

Ministra Rosa Weber não aceita habeas corpus de Lula

Com isso o ex-presidente continua na mesma situação que tenta ser evitada a todo custo pelo Palácio do Planalto, ou seja, sob as investigações da Lava Jato que já chegaram a ele e a outros membros de sua família; ex-presidente não disporá de foro privilegiado como Ministro de Estado até que o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) julgue o pedido da AGU.

Leia mais
Lula toma posse sob grito de “vergonha”.
mar17

Lula toma posse sob grito de “vergonha”.

Essa foi a única voz que se levantou no ambiente do saguão do Palácio do Planalto, onde tomaram posse quatro ministros, entre eles Lula, que volta com menos de cinco após entregar o cargo de presidente à Dilma Roussef, que o empossou para livrá-lo de uma possível prisão na Operação Lava Jato da Polícia Federal, concedendo a ele o foro privilegiado do STF.

Leia mais
NI e as manifestações no Brasil pelo Impeachment Já!
mar14

NI e as manifestações no Brasil pelo Impeachment Já!

O Notícias em Imagens (NI) traz os flagrantes das manifestações deste domingo (13/03) em todo o Brasil. De acordo com as polícias militares, mais de 3,5 milhões de pessoas estiveram nas ruas do país para pedir o afastamento da presidente Dilma Roussef, do fim da corrupção e desvio de dinheiro público, dos desmandos políticos e volta do crescimento da economia. A Operação Lava Jato da Polícia Federal e o juiz Sérgio Moro, foram os grandes protagonistas do apoio...

Leia mais
Notícias em imagens: braseiro político
mar04

Notícias em imagens: braseiro político

Esta foi uma semana decisiva na política. O Supremo Tribunal Federal (STF) abriu inquérito contra o presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ); o senador Delcídio do Amaral (PT), depois de ficar preso por mais de dois meses faz denúncia bombástica contra o mesmo governo do qual foi líder no Senado; e para colocar ainda mais brasa na crise política que abala o país, a Polícia Federal deflagrou mais uma fase da Operação Lava Jato, visando o ex-presidente...

Leia mais
PF prende executivos suspeitos em superfaturamento na transposição do velho chico
dez11

PF prende executivos suspeitos em superfaturamento na transposição do velho chico

O Rio São Francisco, também conhecido como “velho chico”, é mais uma vítima das controvérsias nos governos Lula e Dilma. “Vidas Secas”, em alusão à obra do escritor Graciliano Ramos, nomeia a operação da PF pernambucana. Empresas já investigadas pela Lava Jato estão envolvidas.

Leia mais
No que deu a CPI da Petrobras? Pelo jeito nada, mas não pergunte para a raposa…
out20

No que deu a CPI da Petrobras? Pelo jeito nada, mas não pergunte para a raposa…

Tentando denegrir a Operação Lava Jato da Polícia Federal, sem sucesso, a CPI da Petrobras gastou verbas públicas para chegar a nenhuma conclusão. Pudera, colocaram a raposa para cuidar do galinheiro.

Leia mais
Eduardo Cunha afirma que continuará na presidência da Câmara
ago22

Eduardo Cunha afirma que continuará na presidência da Câmara

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, afirmou que vai continuar exercendo a presidência da Casa mesmo após ter sido denunciado ontem no Supremo Tribunal Federal pelo Ministério Público por suposto envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras investigado pela Operação Lava Jato.

Leia mais
Petrobras será excluída do Índice Dow Jones de Sustentabilidade
mar17

Petrobras será excluída do Índice Dow Jones de Sustentabilidade

Terça-feira, 17 de março de 2015, às 11h15 Da Agência Brasil Edição: Luana Lourenço A Petrobras será excluída do Dow Jones Sustainability Index World (DJSI World) a partir de 23 de março por causa das denúncias de corrupção investigadas pela Operação Lava Jato. A estatal foi comunicada da decisão do Comitê do Índice Dow Jones de Sustentabilidade e repassou a informação a investidores em comunicado divulgado hoje (16). O Dow Jones Sustainability Index World (DJSI World) é um índice mundial de sustentabilidade, que avalia práticas de gestão social, ambiental e econômica no mundo. A Petrobras fazia parte do índice desde 2006. “A decisão do comitê foi baseada nas denúncias de corrupção investigadas no âmbito da Operação Lava Jato. O comitê informou que vai monitorar a evolução das investigações e o posicionamento da Petrobras ao longo deste ano, podendo reconsiderar a participação da companhia a partir de 2016”, diz o comunicado. Em relação às investigações da Lava Jato, a Petrobras informou que “vem colaborando com os trabalhos das autoridades públicas, assim como atendendo a demandas de seu público de interesse, incluindo o Comitê do Índice Dow Jones de...

Leia mais
O peso do voto no país do futebol e o impeachment
mar09

O peso do voto no país do futebol e o impeachment

Segunda-feira, 9 de março de 2015, às 09h25 – atualizado às 17h39 Quatro meses após ser eleita pelas urnas, Dilma Roussef é execrada nas principais capitais do país com panelaço. Gerson Soares Quando os brasileiros se julgam um povo alegre, hospitaleiro e feliz estão certos. Quando o povo se diz abençoado por morar num país tropical de belas paisagens não há como negar. Mas há de se admitir: a política não é o seu forte. Há quatro meses, depois de tantos desencontros que o último ano da primeira gestão da presidente Dilma Roussef proporcionaram, apenas os mais otimistas acreditavam em sua vitória nas eleições passadas contra forças como Aécio Neves e Marina Silva. A economia dava o tom com nítidos sinais, como a queda da produção industrial e diversos setores desconfiados daquilo que viria de um governo desgastado com várias acusações de corrupção, a vergonhosa impunidade no caso do Mensalão e o fracasso da Copa do Mundo, além das verbas destinadas à construção de estádios, com exigências que ficariam conhecidas como padrão Fifa. O trocadilho foi usado para pedir melhorias na saúde, educação e segurança nos mesmos padrões.     No país onde o futebol é venerado, ao ponto de que durante o panelaço promovido na noite de ontem (8), manifestantes e torcedores se confundissem entre qual era o motivo da barulheira, a humilhante e histórica derrota por 7 x 1 para a Alemanha na Copa do Mundo – promovida a peso de ouro no Brasil – deu esperança aos opositores do governo. Contavam que ela não conseguiria se reeleger com tantos desafetos, apaixonados pelo futebol. Porém, distanciados da política. Poucos dias antes do segundo turno das eleições do dia 26 de outubro de 2014, a revista Veja noticiou um escândalo bombástico, desvendado pela Polícia Federal, de que a presidente e candidata Dilma Roussef e o ex-presidente Lula sabiam dos desvios e fraudes na Petrobras. Numa tentativa de abafar o caso, o PT ainda tentaria impedir a circulação da revista, que ganhou repercussão em todo o território nacional. Mas nada disso foi capaz de demover a opinião de metade do país, que elegeu Dilma Roussef e o PT para mais quatro anos. Ontem, a presidente pediu calma ao povo e culpou novamente o alarmismo das notícias – apesar da inflação em alta, baixo crescimento da indústria, crises energética e hídrica, e da palavra impeachment. Seu partido, que representou em fala tradicional no Dia Internacional da Mulher, atribui à burguesia as manifestações contrárias ao governo. Atualmente conhecida e comentada na imprensa mundial, a Operação Lava Jato da Polícia Federal, praticamente veio a público com a prisão do doleiro Alberto Youssef,...

Leia mais
CPI cria quatro sub-relatorias, convoca delator e quer investigação internacional
mar06

CPI cria quatro sub-relatorias, convoca delator e quer investigação internacional

Sexta-feira, 6 de março de 2015, às 15h53 Depoimento do delator Pedro Barusco, ex-gerente da Petrobras, está marcado para a próxima terça-feira (10), mas ainda depende de autorização judicial. Reportagem – Antonio Vital Edição – Newton Araújo Da Agência Câmara de Notícias – Depois de muita discussão, a primeira reunião de trabalho da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras, nesta quinta-feira (5), decidiu marcar o primeiro depoimento de testemunha, nomeou quatro sub-relatores para ajudarem o relator e anunciou a contratação de uma empresa internacional, Kroll Advisory Solutions, para rastrear no exterior o dinheiro desviado da empresa. A primeira pessoa a ser ouvida pela CPI deve ser o engenheiro Pedro Barusco, ex-gerente da Petrobras que se encontra em prisão domiciliar depois de ter feito delação premiada à Operação Lava Jato, da Polícia Federal. O depoimento de Barusco está marcado para a próxima terça-feira (10), mas isso ainda depende de autorização judicial. Em sua delação premiada à Justiça, entre outras afirmações, Barusco disse que recebeu propinas na Petrobras a partir de 1997; que o esquema de desvios na empresa foi institucionalizado a partir de 2005; e que o PT recebeu até 200 milhões de dólares em propina. A convocação dele em primeiro lugar foi fruto de um acordo entre deputados da oposição e do governo. Depois dele, serão ouvidos os ex-presidentes da Petrobras José Sérgio Gabrielli e Graça Foster. Em relação a futuros depoimentos, um ato da Mesa Diretora proíbe o interrogatório de pessoas presas nas dependências da Casa. Vários diretores e presidentes de empreiteiras se encontram presos na carceragem da Polícia Federal em Curitiba. Caso a CPI aprove o interrogatório de detentos, os membros da comissão terão que ir até eles e gravar o depoimento. Sub-relatorias A convocação de Barusco acalmou os ânimos dos membros da CPI depois que o presidente da comissão, deputado Hugo Motta (PMDB-PB), anunciou a criação de quatro sub-relatorias. Foram escolhidos os seguintes sub-relatores: * Altineu Côrtes (PR-RJ) para a sub-relatoria de superfaturamento e gestão temerária na construção de refinarias; * Bruno Covas (PSDB-SP) para a sub-relatoria de constituição de empresas com a finalidade de praticar atos ilícitos; * Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP) para a sub-relatoria de superfaturamento e gestão temerária na construção e afretamento de navios de transporte, navios-plataforma e navios-sonda; e * André Moura (PSC-SE) para a sub-relatoria de irregularidades na operação da companhia Sete Brasil e na venda de ativos da Petrobras na África. Críticas e bate-boca Deputados do PT, do PPS e do Psol criticaram a decisão, além do relator, deputado Luiz Sérgio (PT-RJ). Houve bate-boca e troca de ofensas entre o presidente da CPI e deputados do Psol. Hugo...

Leia mais
Petrolão: Juiz ouve testemunhas de defesa da Camargo Correa e da UTC Engenharia
mar02

Petrolão: Juiz ouve testemunhas de defesa da Camargo Correa e da UTC Engenharia

Segunda-feira, 2 de março de 2015, às 18h49 O dia começou com muita dor de cabeça para os empresários envolvidos nos superfaturamentos e fraudes nos contratos da Petrobras. Até o final da semana, o cerco deve apertar ainda mais. Ivan Richard – Repórter da Agência Brasil Edição: José Romildo O juiz Sérgio Moro da 13º Vara Federal de Curitiba, responsável pelos processos envolvendo a Operação Lava Jato, da Polícia Federal, ouviu hoje, testemunhas de defesa na ação penal que investiga a participação das empreiteiras Camargo Correa e UTC Engenharia – e seus executivos – no esquema de fraude em contratos da Petrobras. Pela manhã, estão previstos os depoimentos, por videoconferência, das testemunhas André Porto Alegre, Vander Lopes Cardoso, Ricardo Bianchini, Hermano Medeiros, Márcia Kodaia, Carla Caroli, Leonarda Mitrulis, Alexander Santos. Eles foram indicados pela defesa do vice-presidente da empreiteira Camargo Corrêa Eduardo Hermelino Leite, preso na sétima fase da Operação Lava Jato. Em depoimentos à Justiça, Alberto Youssef, apontado como operador do esquema investigado pela Lava Jato, e o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costas, citam o empreiteiro Eduardo Hermelino Leite como um dos articuladores do cartel de empresas formado para superfaturar contratos da estatal. Também serão ouvidos na manhã de hoje Augusto Ribeiro de Mendonça Neto e Julio Gerin de Almeida Camargo, testemunhas dos empresários Dalton dos Santos Avancini, presidente da Camargo Correa e João Ricardo Auler, presidente do Conselho de Administração da Camargo Correa. Na noite de sexta-feira (27), Avancini e Eduardo Leite assinaram acordos de colaboração com a força-tarefa do Ministério Público Federal, que investiga fraudes em contratos das empreiteiras com a Petrobras. Em troca de redução de pena e outros benefícios, os empresários se comprometeram a contar o que sabem do esquema. Até agora, foram fechados 13 acordos de delação premiada. À tarde, prestam depoimento o ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró, o empresário Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, o doleiro Alberto Youssef e o empreiteiro Julio Camargo. Também serão ouvidas pelo juiz Sérgio Moro as testemunhas arroladas pela defesa de Cerveró, Marcio Anselmo e Erika Mialik...

Leia mais
CPI da Petrobras abre protocolo com 180 pedidos de requerimento
mar02

CPI da Petrobras abre protocolo com 180 pedidos de requerimento

Segunda-feira, 2 de março de 2015, às 18h49 A operação Lava Jato força políticos brasileiros a retroagirem no tempo para lavarem a roupa suja. País precisa de limpeza. Luciano Nascimento – Repórter da Agência Brasil Edição: Armando Cardoso A oposição na Câmara dos Deputados dominou o período de abertura para protocolo de pedidos de requerimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras, com mais de 180 pedidos até o fim da manhã de hoje (2). Os partidos recordistas são o PSDB, que protocolou, logo no início da manhã, 57 requerimentos, e o DEM, com 51 pedidos. O PPS e o PSOL protocolaram, respectivamente, 23 e 16 requerimentos; e o PT, 17. O início do prazo de abertura dos pedidos foi anunciado pelo presidente da comissão, Hugo Motta (PB), na última quinta-feira (26), quando a CPI foi instalada. Os tucanos e os parlamentares do PPS pediram a criação de sub-relatorias na CPI. Caso sejam aprovadas, as sub-relatorias podem reduzir o papel do relator, deputado Luiz Sérgio (PT-RJ). O PSDB e o PPS requereram também a convocação do ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco. Barusco afirmou também que começou a receber dinheiro do esquema de pagamento de propina entre 1997 e 1998, ainda durante o governo Fernando Henrique Cardoso. O pedido antecipa-se à intenção do PT de pedir a convocação do ex-gerente e de aumentar o período de invetigações na Petrobras para o mandato de Fernando Henrique (1995-2003). Além de Barusco, o PPS quer a convocação dos ex-ministros José Dirceu e Antonio Palocci, do senador Fernando Collor (PTB-AL), do tesoureiro do PT, João Vaccari, e do ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque. O PT também quer convocar Barusco e Duque, além de José Sergio Gabrielli, ex-presidente da Petrobras Entre os pedidos do PSOL, destacam-se o de convocação do também ex-diretor da empresa Paulo Roberto Costa e do doleiro Alberto...

Leia mais
CPI da Petrobras elege deputados do PMDB e do PT para presidente e relator
fev26

CPI da Petrobras elege deputados do PMDB e do PT para presidente e relator

Quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015, às 17h42 Apesar de ter como relator um membro do PT – partido que segundo as apurações estaria no comando das ações que levaram ao escândalo da Petrobras –, oposição consegue instalar uma segunda CPI sobre o Petrolão. Luciano Nascimento – Repórter da Agência Brasil Edição: Jorge Wamburg A reunião de instalação da comissão parlamentar de inquérito (CPI) destinada a investigar a prática de atos ilícitos na Petrobras confirmou os nomes dos deputados Hugo Motta (PMDB-PB) e Luiz Sérgio (PT-RJ) na presidência e relatoria do colegiado. Motta foi eleito com o voto de 22 dos 27 integrantes da comissão. Ele concorreu com o deputado Ivan Valente (PSOL-SP), que apresentou candidatura avulsa e recebeu quatro votos. Um voto foi em branco. No início da reunião, Valente também apresentou uma questão de ordem questionando a indicação de parlamentares que receberam doações para a campanha de empresas investigadas na Operação Lava Jato integrar a comissão. O partido pediu a saída desses parlamentares da comissão, ao questionar a isenção de quem recebeu os recursos para apurar irregularidades envolvendo a estatal. A CPI terá prazo de 120 dias para concluir os trabalhos, que podem ser estendidos por mais 60 dias, por decisão do plenário. A finalidade do colegiado é investigar a prática de atos ilícitos e irregulares no âmbito da Petrobras, relacionados a superfaturamento e à gestão temerária na construção de refinarias no Brasil, entre outras denúncias envolvendo a estatal. A comissão foi proposta principalmente por deputados de partidos de oposição para continuar as investigações sobre as denúncias de corrupção na empresa de 2005 a 2015. Após depoimento do ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco, um dos presos pela Operação Lava Jato, segundo o qual o esquema de corrupção e pagamento de propina começou em 1997, o PT decidiu pedir que também seja investigado o período em que Fernando Henrique Cardoso foi presidente da República...

Leia mais
Zavascki nega acesso à delação de Paulo Roberto Costa
out10

Zavascki nega acesso à delação de Paulo Roberto Costa

Sexta-feira, 10 de outubro de 2014, às 19h15 CPI Mista da Petrobras terá de esperar, mas a bomba já foi acionada. Agência Senado – O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou à CPI Mista da Petrobras o acesso às declarações sigilosas do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa à Justiça prestadas em razão de delação premiada. O pedido havia sido feito e reiterado pelo presidente da CPI, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB).     O argumento do senador era de que, com a homologação, no final da semana passada, do acordo de delação firmado pelo ex-funcionário da estatal, a comissão poderia ter acesso às informações, que estão protegidas por segredo de justiça. No despacho em que negou o pedido, o ministro afirma que os dados ainda estão protegidos pelo sigilo previsto na Lei 12.850/2013. De acordo com Zavascki, o acordo de colaboração premiada só deixa de ser sigiloso assim que recebida a denúncia, o que ainda não ocorreu. Em entrevista na quarta-feira (8), o relator da CPI, deputado Marco Maia (PT-RS), disse que, mesmo com uma possível negativa, a CPI continuaria trabalhando. Para ele, no entanto, a delação traria elementos novos que, ausentes, podem prejudicar a elaboração do relatório. – Nós não poderemos produzir um relatório se nós não tivermos acesso a essa delação premiada. Ele será falho, não vai ter todos os elementos do processo de investigação – avaliou. Preso na Operação Lava Jato, da Polícia Federal, o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa confessou envolvimento em negociatas na estatal. Para diminuir as penas e livrar seus familiares de processos, Paulo Roberto devolveu dinheiro e fez um acordo de delação premiada com a Justiça Federal, revelando nomes de políticos, diretores da Petrobras e executivos de empreiteiras envolvidos em esquemas de corrupção relacionados a inúmeros contratos da...

Leia mais
Conselho de Ética aprova cassação de André Vargas
ago20

Conselho de Ética aprova cassação de André Vargas

Quarta-feira, 20 de agosto de 2014 às 18h48 Parecer pela perda de mandato do ex-primeiro vice-presidente da Câmara dos Deputados, ainda terá de ser analisado pelo Plenário, agora em votação aberta, antiga reivindicação do deputado federal Ricardo Izar, falecido no dia 2 de maio de 2008, que no cargo de presidente reclamava durante o julgamento dos acusados do Mensalão: “O Conselho de Ética condenou os envolvidos e o Plenário absolve devido à votação ser fechada. Se o voto fosse aberto seria diferente”. Ricardo Izar Jr., depois de ser eleito deputado federal em 2010, foi escolhido e assumiu o antigo cargo do pai em abril de 2013. Ainda caberá recurso da decisão.     Reportagem – Emanuelle Brasil Edição – Marcelo Oliveira O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar aprovou nesta quarta-feira (20), por unanimidade, o parecer do deputado Júlio Delgado (PSB-MG) que recomenda a perda de mandato do deputado André Vargas (PT-PR) em razão de conduta incompatível com a atuação parlamentar. Dessa decisão cabe recurso à Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ). Conforme o relatório apresentado por Delgado, Vargas quebrou o decoro parlamentar ao ter atuado na intermediação junto ao Ministério da Saúde em favor do laboratório Labogen, do doleiro Alberto Youssef, preso em março por participação em esquema de lavagem de dinheiro. O parecer enfatizou ainda o alto custo da alocação da aeronave usada por Vargas – cerca de R$ 105 mil –, quantia que foi financiada pelo doleiro. De acordo com Delgado, a votação do relatório reforça a missão do conselho de prestar contas à sociedade da atuação parlamentar, principalmente quando há suspeitas de corrupção. “O deputado André Vargas insere-se no contexto de uma imensa rede criminosa especializada na lavagem de dinheiro e na evasão de divisas como o agente responsável por abrir as portas de órgãos da administração pública para que a Labogen pudesse voltar a atuar no mercado bioquímico, principalmente em parcerias com o próprio governo”, diz a conclusão do parecer do relator.     A deputada Rosane Ferreira (PV-PR), favorável à cassação, defendeu que a investigação fosse ampliada para apurar a possibilidade de tráfico de influência no Ministério da Saúde em favor do laboratório Labogen. Defesa O advogado de André Vargas, Michel Saliba, considerou exagerada a punição e enfatizou o desrespeito ao devido processo legal nas investigações conduzidas pelo conselho. Segundo ele, a sanção de perda de mandato foi “extremamente desproporcional”, tendo em vista que, “em investigações anteriores, motivadas por razões mais graves, concluiu-se pela pena de suspensão”. Para Saliba, houve violação ao princípio da ampla defesa e “atropelamento” dos prazos regimentais. “As testemunhas foram ouvidas antes de o acusado defender-se...

Leia mais
Conselho de Ética aprova investigação sobre André Vargas
abr30

Conselho de Ética aprova investigação sobre André Vargas

Iolando Lourenço – Repórter da Agência Brasil Edição: Carolina Pimentel Brasília – Na noite de ontem, o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara aprovou, por unanimidade, o parecer preliminar do deputado Júlio Delgado (PSB-MG), que permite a continuidade do processo disciplinar contra o deputado André Vargas (sem partido-PR), que era vice-presidente da Câmara. Ele renunciou ao cargo após denúncias de envolvimento com o doleiro Alberto Youssef, que foi preso pela Polícia Federal na Operação Lava Jato. O processo pode levar à cassação do mandato de André Vargas. Com a aprovação da admissibilidade do processo, o Conselho de Ética dá início à fase de investigação com a tomada de depoimentos de testemunhas a serem indicadas pelo deputado André Vargas e pelo relator do processo, realização de diligências e abertura de prazo para a defesa do acusado. A representação foi apresentada ao conselho pelos partidos de oposição na Câmara. A votação do parecer pela admissibilidade do processo deveria ter ocorrido na tarde de hoje, mas em função de instrumentos protelatórios foi adiada para após as sessões ordinárias da Câmara. Os integrantes do conselho chegaram a aprovar o parecer no início da noite, mas a votação foi anulada pela Mesa da Câmara, uma vez que ocorreu durante sessão deliberativa da Casa. Por pressão da direção do PT, Vargas que se encontra licenciado do mandato parlamentar, também se desfiliou do partido na semana passada....

Leia mais
Vargas adia renúncia para impedir sua cassação
abr23

Vargas adia renúncia para impedir sua cassação

Direto do Gabinete Brasília – O deputado André Vargas (PT-PR) ameaçou rever a “hipótese da renúncia” para tentar um acordo político que evite seu processo de cassação, mas isso não terá efeito por que o processo no Conselho de Ética já tem relator definido pelo presidente do colegiado deputado Ricardo Izar (PSD/SP). Segundo o gabinete de Izar, Vargas adiou a renúncia para tentar impedir sua cassação e voltou a reafirmar ao PT e a jornalistas seu propósito de deixar o posto de vice-presidente da Câmara dos Deputados. Antes havia declarado à Folha de São Paulo: “Não estou preocupado com meu mandato, estou preocupado com minhas crianças”. Segundo Izar, a Constituição diz que a “renúncia de parlamentar submetido a processo que vise ou possa levar à perda do mandato terá seus efeitos suspensos até as deliberações finais”. “Ou seja: sua despedida formal do Congresso não interrompe, pela lei, seu processo de cassação, que seguirá tramitando. Mesmo que ele formalize seu desligamento, este deverá ter seu efeito suspenso até uma decisão do Conselho de Ética sobre sua cassação”, explica. A desistência do cargo atenderia à pressão do PT, preocupado com a repercussão eleitoral das revelações das ligações do deputado com o doleiro Alberto Youssef, preso na Operação Lava Jato. A Polícia Federal investiga esquema de lavagem de dinheiro que envolveria doleiros, políticos, empreiteiras e fornecedoras da Petrobras. Vargas nega que sua relação com Youssef envolva qualquer irregularidade. A assessoria de imprensa do petista divulgou nota afirmando que a “renúncia será inócua, pois não surtirá qualquer efeito”. O próprio congressista chegou a dizer que a interpretação da Casa de que a renúncia ficaria suspensa até uma decisão final do Conselho de Ética criava “um impasse”. A renúncia ou a cassação tornam o deputado inelegível até 2023. Mas Vargas quer evitar o desgaste público do processo. “Fiz questão de anunciar que o processo seguiria no conselho para que ele [Vargas] não renuncie”, afirmou Izar, para quem o objetivo do petista ao pedir para deixar o cargo agora seria desmobilizar a atuação do conselho, impedindo que as investigações contra ele continuem. “Mesmo com a renúncia, o relator pode prosseguir com as investigações, coisa que Vargas não quer.” A decisão final é do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), que já sinalizou que não vai aceitar a renúncia de Vargas. O início da derrocada de Vargas se deu após a revelação de suas ligações com Youssef. A crise teve início quando a Folha noticiou que o petista usou um jato cedido pelo doleiro para passar férias com a família no Nordeste, além de ter ajudado nas negociações para a contratação de um laboratório pelo...

Leia mais
Vai ser hoje?
abr15

Vai ser hoje?

POLÍTICA Atualizado em 16/04 às 11h46 Deputado André Vargas renuncia hoje? Vamos aguardar a conclusão de mais esse capítulo da triste e interminável novela sobre as investigações da corrupção no Brasil. Deputado André Vargas deve renunciar hoje ao mandato parlamentar Iolando Lourenço – Repórter da Agência Brasil Edição: Nádia Franco O deputado André Vargas (PT-PR) deve renunciar hoje ou amanhã (16) ao mandato parlamentar. A decisão da renúncia foi confirmada pelo assessor de Comunicação da Vice-Presidência da Câmara dos Deputados e amigo de Vargas, Ricardo Weg. André Vargas licenciou-se do mandato no último dia 7, por 60 dias, para tratamento de assuntos de interesse particular, e no dia 9 anunciou que renunciaria à vice-presidência da Câmara. O pedido de licença ocorreu após denúncias do envolvimento do deputado com o doleiro Alberto Youssef, preso pela Polícia Federal na Operação Lava Jato. No início do ano, Vargas pediu ao doleiro um jatinho para vajar com a família à Paraíba. No plenário da Câmara, Vargas confirmou o uso da aeronave e disse que pagaria o combustível gasto na viagem. Na ocasião, Vargas disse que desconhecia as atividades de Youssef, embora o conhecesse há muitos anos. O deputado também negou que tivesse intermediado interesses do laboratório Labogen Química Fina e Biotecnologia no Ministério da Saúde. Na quarta-feira passada (9), o Conselho de Ética da Câmara abriu processo de cassação do mandato do deputado por quebra de decoro parlamentar....

Leia mais
Júlio Delgado relatará processo contra André Vargas no Conselho de Ética
abr09

Júlio Delgado relatará processo contra André Vargas no Conselho de Ética

Iolando Lourenço – Repórter da Agência Brasil Edição: Nádia Franco O deputado Júlio Delgado (PSB-MG) foi escolhido e aceitou ser o relator do processo de cassação do mandato do primeiro-vice-presidente da Câmara, André Vargas (PT-PR), no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Casa. Vargas pediu licença do mandato por 60 dias para se defender das acusações de envolvimento com o doleiro Alberto Youssef, preso pela Polícia Federal na Operação Lava Jato. O parlamentar mineiro integra o Conselho de Ética há algumas legislaturas. No conselho foi relator do processo que levou à cassação do mandato do ex-ministro e ex-deputado José Dirceu, no final de 2005. Delgado informou que, na próxima semana, apresentará parecer preliminar pela admissibilidade da representação levada ao Conselho de Ética por três partidos: PSDB, DEM e PPS. Segundo ele, há provas suficientes para dar prosseguimento ao processo. Delgado disse que cumprirá o prazo de 90 dias que o conselho tem para apreciar o processo. “Três meses é um prazo bastante suficiente porque, no caso em questão, temos muita prova pública e notória. A cada dia surgem novos fatos na relação de André Vargas com o doleiro”. De acordo com o relator, o caso de Vargas é similar ao do ex-senador Demóstenes Torres, cassado pelo Senado pela relação com o bicheiro Carlinhos Cachoeira. O relator pretende apresentar até maio ao conselho o parecer final, para que seja votado pelo colegiado e pelo plenário da Câmara antes do início da Copa do Mundo, em junho. Delgado não descarta a apresentação de todos os instrumentos protelatórios para retardar a tramitação do processo, mas disse que fará de tudo para concluir seu trabalho antes dos 90 dias a que tem direito. Leia do início Conselho de Ética instaura processo de cassação contra André...

Leia mais
Conselho de Ética instaura processo de cassação contra André Vargas
abr09

Conselho de Ética instaura processo de cassação contra André Vargas

Iolando Lourenço – Repórter da Agência Brasil Edição: Nádia Franco O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados instaurou, há pouco, processo de cassação do mandato de André Vargas (PT-PR), primeiro-vice-presidente da Casa, acusado de envolvimento com o doleiro Alberto Youssef, preso pela Polícia Federal na Operação Lava Jato. O presidente do conselho, Ricardo Izar (PSD-SP), abriu o processo contra o parlamentar atendendo a representação feita ao colegiado por três partidos: PSDB, DEM e PPS. No início dos trabalhos do conselho, o deputado Zé Gerardo (PT-PA) tentou inviabilizar a instauração do processo argumentando que não existem provas contra Vargas. Zé Gerardo apresentou questão de Ordem pedindo que a representação fosse encaminhada à Corregedoria da Câmara para que as investigações começassem lá. Se fossem comprovadas as denúncias, o documento retornaria ao Conselho de Ética para a abertura do processo. O petista paraense recebeu o apoio de outros colegas de partido, mas a maioria dos conselheiros foi contra a posição dos petistas, alegando que, por se tratar de representação de partidos políticos, cabe única e exclusivamente ao Conselho de Ética instaurar o processo e proceder às investigações. Ricardo Izar indeferiu a questão e Zé Gerardo recorreu da decisão ao presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN). Após o indeferimento da questão de ordem, Izar sorteou de três deputados para que um deles ocupe a relatoria preliminar do processo. Os sorteados foram Júlio Delgado (PSB-MG), que relatou o processo contra o ex-deputado José Dirceu no Conselho de Ética, e Renzo Braz (PP-MG) e Roberto Teixeira (PP-PE), ambos exercendo o primeiro mandato. Izar informou que vai conversar nesta tarde com os três sorteados para a relatoria preliminar e, até o inicio da noite, definirá quem será o relator do processo. Ele informou que, embora não haja prazo para apresentação do parecer preliminar, pedirá ao relator escolhido celeridade no relatório, para que seja votado pelo conselho rapidamente. Se o parecer preliminar for pelo prosseguimento das investigações e se for aprovado, o processo prosseguirá. Na nova fase, serão indicadas testemunhas de acusação e de defesa. A partir de amanhã (10), o conselho terá até 90 dias para concluir o processo contra Vargas e, se for o caso, votá-lo pelo sistema aberto e encaminhá-lo à apreciação do plenário da Câmara, também pelo sistema aberto de votação. Com a instauração do processo, mesmo que Vargas renuncie ao mandato, as investigações prosseguem e ele se torna inelegível por oito anos com base na Lei da Ficha Limpa. Leia mais Júlio Delgado relatará processo contra André Vargas no Conselho de...

Leia mais
Apesar de se manter no poder, Petrolão é mácula no governo do PT
nov10

Apesar de se manter no poder, Petrolão é mácula no governo do PT

Segunda-feira, 10 de novembro de 2014, às 17h46 Mesmo conseguindo a proeza de se manter no poder com os votos do Norte e Nordeste do país, antes mesmo de iniciar o novo mandato o partido da presidente Dilma Roussef (PT) deixa outra mácula na história da corrupção no país, conforme o que foi apurado até agora sobre o escândalo da Petrobras na operação Lava-Jato da Polícia Federal. Gerson Soares As denúncias de gastos e superfaturamento da Copa do Mundo ficaram para trás. O Mensalão é fichinha, mas espalha seus tentáculos. Já o escândalo da Petrobrás, nessas proporções é inédito e gigantesco. Segundo o comentarista Reinaldo Azevedo da rádio Jovem Pan, divulgou hoje, os “peixes médios” envolvidos querem devolver a quantia de 500 milhões de reais para amenizarem suas penas. “Imaginem os peixes grandes”. O comentarista ainda lembrou que os políticos envolvidos no Mensalão já cumprem penas domiciliares, enquanto os demais envolvidos estão na cadeia. O caso já está sendo investigado criminalmente pelo departamento de Justiça dos EUA para saber se houve alguma violação da lei anticorrupção americana e no âmbito civil pelo Securities and Exchange Comission (SEC – órgão do governo norte-americano que regula o mercado de capitais), divulgou O Estado de São Paulo, com reportagem do jornal britânico Financial Times. Até dezembro, o PSDB do candidato derrotado à presidência Aécio Neves, poderá apresentar um relatório paralelo ao da CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) da Petrobras. A informação foi dada nesta sexta-feira (7) pelo deputado Izalci (PSDB-DF), vice-líder do partido, informou a Agência Câmara. “Já sabemos que houve cartel, superfaturamentos, vários aditivos maiores do que os contratos originais, notas emitidas por empresas fantasmas e desvios”, disse Izalci. Ele afirmou que ainda falta saber, no entanto, para onde foi o dinheiro e quais autoridades foram beneficiadas. Existem coisas na política brasileira das quais qualquer um duvida. Como por exemplo, o relatório oficial da CPMI da Petrobras a ser votado em dezembro. O documento deverá ser elaborado pelo deputado Marco Maia do PT-RS, o partido sob o qual recaem as luzes da investigação. O relator disse na semana passada ter feito um acordo para focar o período restante de trabalho nas irregularidades da Petrobras relacionadas ao esquema de lavagem de dinheiro e evasão de divisas investigado na Operação Lava-Jato, da Polícia Federal. Isso exclui depoimentos de políticos, tesoureiros e dirigentes partidários que possam estar citados nas delações premiadas de Costa e Youssef. “Foi um acordo político feito por todos os presentes, de todos os partidos”, disse Marco Maia ao repórter José Carlos Oliveira da Agência Câmara. Segundo essa mesma reportagem, os líderes do PSDB, do DEM, do PPS e do...

Leia mais
Do mensalão ao doleiro
set03

Do mensalão ao doleiro

Quarta-feira, 3 de setembro de 2014, às 10h38 Conheça o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados e julgue a importância do voto ao selecionar aqueles que irão representar os anseios do país no Congresso. Gerson Soares Órgão da Câmara dos Deputados passou a ser mais conhecido durante os escândalos do Mensalão que chocaram a opinião pública, condenando os envolvidos e levando-os a um julgamento que chegou a quase uma década. Graças ao Conselho de Ética, a coragem do então presidente deputado federal Ricardo Izar (falecido em maio de 2008) e também de sua família, ameaçados durante o julgamento, foi possível ao Brasil dar a maior demonstração já vista até então de que é possível condenar poderosos à prisão. Aliados ao Conselho, a Procuradoria-geral da República e por fim com a atuação brilhante do relator e depois presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Joaquim Barbosa, os envolvidos foram condenados e cumprem suas penas.     O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar, atualmente presidido pelo deputado federal Ricardo Izar Jr. (PSD-SP), foi criado em outubro de 2001, sendo o órgão encarregado do procedimento disciplinar destinado à aplicação de penalidades em casos de descumprimento das normas relativas ao decoro parlamentar no âmbito da Câmara dos Deputados. É um colegiado composto por 21 membros titulares e igual número de suplentes, com mandato de dois anos, não podendo ser substituídos a qualquer tempo, como ocorre nas demais comissões. Cabe ao Conselho, entre outras atribuições, zelar pela observância dos preceitos éticos, cuidando da preservação da dignidade parlamentar e também responder às consultas da Mesa, de comissões e de deputados sobre matéria de sua competência. O Conselho de Ética atua mediante provocação da Mesa da Câmara dos Deputados para a instauração de processo disciplinar. Deputados, Comissões e cidadãos em geral podem encaminhar representação para a Mesa, que fará a destinação para o Conselho de Ética. Partidos políticos com representação no Congresso Nacional podem encaminhar representação diretamente ao Conselho de Ética. Os trabalhos do Conselho são regidos por um regulamento próprio que dispõe sobre os procedimentos a serem observados no processo disciplinar, de acordo com o disposto no Código de Ética e no Regimento Interno da Câmara dos Deputados. Do mensalão aos últimos fatos ocorridos atualmente, o Conselho de Ética cumpre a árdua tarefa de sanar as ações indecorosas de parlamentares, como as intervenções no caso do deputado André Vargas (ex-membro do PT-PR, hoje sem partido) que está sendo investigado devido envolvimento com o doleiro Alberto Youssef – preso na operação Lava-jato do Polícia Federal. A cassação do mandato de André Vargas foi pedida pelo Conselho e se encontra na fase final,...

Leia mais