APM e Datafolha confirmam problemas na assistência dos planos de saúde


Quinta-feira, 1º de outubro de 2015, às 19h42


Pesquisa da APM e do Datafolha confirma que são graves os problemas na assistência dos planos de saúde aos pacientes.

A Associação Paulista de Medicina (APM) apresenta hoje, 1º de outubro, pesquisa Datafolha encomendada especialmente para apurar a opinião dos pacientes sobre a qualidade da assistência oferecida por planos de saúde, no estado de São Paulo.

O quadro é preocupante. Problemas importantes no atendimento em pronto-socorro, as dificuldades de quem necessita de uma cirurgia, os complicadores para realização de exames e procedimentos de maior custo, as barreiras impostas pela burocracia, o suplício para a marcação de consultas, as consequências do descredenciamento de médicos, hospitais e laboratórios, entre outros pontos, são queixas recorrentes e gravíssimas.

 

A toninha é uma das espécies ameaçadas de extinção. Foto: Fiocruz

 

Metodologia

A pesquisa foi realizada junto a homens e mulheres, com 18 anos ou mais, pertencentes a todas as classes econômicas, que possuem plano ou seguro saúde como titulares ou dependentes e que utilizaram algum serviço nos últimos 24 meses.

A coleta de dados aconteceu de 30 de julho a 04 de agosto de 2015. A amostra total, com o público-alvo, é de 900 entrevistas. A margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos, considerando um nível de confiança de 95%.

Usuários de planos

Em São Paulo temos atualmente 32,4 milhões de homens e mulheres, com 18 anos ou mais, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia Estatística - IBGE/Censo 2010 (Estimativa 2014). Destes, 13,6 milhões são usuários de planos de saúde, sendo que 88%, 11,9 milhões, usaram os serviços nos últimos 24 meses.

Resultados importantes

Do grupo que recorreu aos planos nos últimos 24 meses, 84% relataram problemas; projetando o número para os 11,9 milhões de usuários chegamos a aproximadamente 10 milhões de pacientes enfrentando problemas.

A investigação estimulada sobre a utilização de serviços e percepção de problemas tem como principais reclamações o pronto atendimento/pronto socorro (80%) consultas médicas (69%), exames e diagnóstico (58%).

Pronto socorro

Local de espera lotado é o principal problema apontado pelos usuários do pronto atendimento (73%). Demora para ser atendido também é um aspecto importante, mencionado por 61% dos usuários. Outras reclamações que merecem ser destacadas são demora ou negativa para realização de procedimentos necessários (34%) e negativa de atendimento (11%).

Aqui o entendimento da APM é que os dados são preocupantes, pois é nos prontos socorros que encontramos casos mais graves e, portanto, necessitando de resolubilidade imediata.

Internações hospitalares/cirurgias

O quesito atendimento hospitalar/internação também figura entre as principais reclamações dos usuários (51% de ocorrências de problemas). Os principais problemas são as poucas opções de hospitais (43%) e a demora para autorização de internação (23%).

Quando a pauta são as cirurgias, há 31% de ocorrências de problemas. A demora para autorização (23%), negativa de cobertura ou autorização (15%) e falta de cobertura de materiais especiais (12%) são as queixas mais citadas.

Exames e diagnósticos

Quanto aos exames e diagnósticos, as queixas mais comuns referem-se à demora para marcação (35%), poucas opções de laboratórios e clínicas especializadas (32%), tempo para autorização de exame ou procedimento (29%).

Consultas médicas

No item consultas médicas, temos como mais frequentes: demora na marcação de consultas (58%), médico saiu do plano (34%).

Recorrendo ao SUS

A pesquisa mostra também que, por falta de opções de atendimento no plano de saúde, 20% declaram que recorreram ao SUS.

Outros números

• 54% têm a percepção de que os planos pressionam os médicos para reduzir o tempo de internação hospitalar ou UTI
• 68% têm a percepção de que os planos dificultam a realização de exames de maior custo
• 58% têm a percepção de que os planos pagam aos médicos um valor muito baixo por consultas e procedimentos

Praticamente tudo o que a mamãe ingere passa para a criança por meio da placenta. Foto: divulgação | aloart+

Praticamente tudo o que a mamãe ingere passa para a criança por meio da placenta. Foto: divulgação | aloart+

Leia mais sobre
SAÚDE

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Alexandre Garcia: visão de mais de 50 anos de jornalismo
Plano Safra é lançado com R$ 225,59 bilhões para produtores
Presidente pede confiança para mudar o Brasil, vídeo
Presidente Bolsonaro concede entrevista à Jovem Pan: balanço dos 100 dias de governo
Itália em São Paulo
Paulo Guedes explica a reforma da Previdência, vídeo
Parceria entre Brasil e Inglaterra em alto mar
Ministro da Justiça e Segurança Pública apresenta projeto de Lei Anticrime
  • Alexandre Garcia: visão de mais de 50 anos de jornalismo

  • Plano Safra é lançado com R$ 225,59 bilhões para produtores

  • Presidente pede confiança para mudar o Brasil, vídeo

  • Presidente Bolsonaro concede entrevista à Jovem Pan: balanço dos 100 dias de governo

  • Itália em São Paulo

  • Paulo Guedes explica a reforma da Previdência, vídeo

  • Parceria entre Brasil e Inglaterra em alto mar

  • Ministro da Justiça e Segurança Pública apresenta projeto de Lei Anticrime

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*