Brasil ainda não está preparado para atender pacientes com Alzheimer


Terça-feira, 25 de agosto de 2015, às 16h36


De acordo com a Alzheimer Association (ADI), a cada quatro segundos uma pessoa é diagnosticada com algum tipo de demência. Alzheimer, o mais frequente, terá seu número de casos dobrado a cada 20 anos, atingindo mais de 65,7 milhões até 2030 – conforme divulgado por pesquisa do órgão, em 2012. Atualmente, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), há 35,5 milhões de indivíduos com manifestações.

 

Perspectiva artística do cérebro humano com  neurônio em destaque. Imagem: divulgação

Perspectiva computadorizada do cérebro humano com neurônio em destaque. Imagem: divulgação

 

Atendendo à demanda das entidades internacionais, também em 2012, o Ministério da Saúde assinou a Portaria 703, instituindo ao Sistema Único de Saúde (SUS) o Programa de Assistência aos Portadores da Doença Alzheimer. O objetivo, por meio de Centros de Referência em Assistência à Saúde do Idoso, é garantir atendimento hospitalar e diagnóstico; visita domiciliar de profissionais da saúde; tratamento acompanhado por equipe multidisciplinar; orientação e treinamento de familiares; e medicação gratuita.

Todavia, o Coordenador do Departamento Científico de Neurologia Cognitiva da Academia Brasileira de Neurologia, Norberto Anízio Ferreira Frota, alega que não é isso o que acontece: “o programa, hoje, está muito focado em fornecer remédios (rivastigmina, donepezil e galantamina), deixando de lado os outros suportes, principalmente o multidisciplinar e a atenção aos familiares, cuja função primordial é diminuir o estresse do paciente e do cuidador”.

Novas medidas governamentais poderiam melhorar a qualidade de vida do paciente. Como prioridade, dr. Norberto elege a qualificação de profissionais de atenção básica, tanto para atentarem-se aos primeiros sintomas e providenciar um diagnóstico precoce, quanto para tratar adequadamente os que enfrentam as fases mais graves.

A conscientização também deve ser realizada em diversos setores da sociedade para que a população saiba reconhecer os principais sinais e as formas de prevenção – como controle de hipertensão diabetes, não fumar, manter atividade física e intelectual ativa, exposição solar, ter vida social e praticar atividade física.

“Se não adotarmos estratégias para reduzir as incidências e mostrar que os hábitos para prevenção são aplicáveis não só ao idoso, mas na meia idade, a partir dos 40 anos, os números tendem a se multiplicar, graças ao envelhecimento populacional. A cultura precisa mudar, com a conscientização e incentivo do sistema público. Se o governo não entender o impacto econômico e social que a Doença de Alzheimer gera, sofreremos muito nos próximos anos”, conclui o coordenador do Departamento Científico de Neurologia Cognitiva e do Envelhecimento da ABN.

ilus artg apmLeia mais sobre
MEDICINA

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Presidente pede confiança para mudar o Brasil, vídeo
Presidente Bolsonaro concede entrevista à Jovem Pan: balanço dos 100 dias de governo
Itália em São Paulo
Paulo Guedes explica a reforma da Previdência, vídeo
Parceria entre Brasil e Inglaterra em alto mar
Ministro da Justiça e Segurança Pública apresenta projeto de Lei Anticrime
Mensagem do Presidente ao Congresso Nacional
Veja como foi a festa e a distribuição do bolo dos 465 anos no Bixiga
  • Presidente pede confiança para mudar o Brasil, vídeo

  • Presidente Bolsonaro concede entrevista à Jovem Pan: balanço dos 100 dias de governo

  • Itália em São Paulo

  • Paulo Guedes explica a reforma da Previdência, vídeo

  • Parceria entre Brasil e Inglaterra em alto mar

  • Ministro da Justiça e Segurança Pública apresenta projeto de Lei Anticrime

  • Mensagem do Presidente ao Congresso Nacional

  • Veja como foi a festa e a distribuição do bolo dos 465 anos no Bixiga

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*