Corte do orçamento: saúde dos brasileiros não é prioridade do Governo

Médico Florisval Meinão, presidente da Associação Paulista de Medicina

Ilustração: aloart


Terça-feira, 2 de junho de 2015, às 08h35


O Governo Federal divulgou, em 22 de maio, o maior corte de orçamento da história do Brasil: R$ 69,9 bilhões. As áreas sociais foram as mais prejudicadas. Nossa “Pátria Educadora”, lema do segundo mandato de Dilma Rousseff, tirou nada menos do que R$ 9,423 bilhões do MEC. Já a combalida saúde dos brasileiros, que há anos beira a UTI por absoluta insuficiência de recursos, perdeu R$ 11,774 bilhões.

Não discuto, aqui, a evidente necessidade de um ajuste nas contas públicas, fruto de má gestão financeira e corrupção recorrente. Contudo, esperávamos que o ônus do desequilíbrio econômico fosse absorvido pelo Governo, pois tinha a obrigação de cortar a própria pele para equilibrar o caixa. Mas isso não ocorreu. O grosso da conta, mais uma vez, ficou para os mais vulneráveis socialmente.

Falando em especial da saúde há evidências de que o sofrimento dos cidadãos deve ser agravado nos próximos meses e anos. A carência de recursos vai inibir investimentos, desvalorizar salários, afastar médicos e demais profissionais de saúde da rede pública e tornar o acesso cada vez mais complicado.

Aliás, ser atendido no SUS já é um desafio quase intransponível, como atestado pela mais recente pesquisa encomendada da Associação Paulista de Medicina, em parceria com o Conselho Federal de Medicina, ao Datafolha. Vale lembrar os resultados: cerca de 7 em cada 10 entrevistados avaliaram como difícil ou muito difícil esse acesso, desde a marcação de consultas até a longa espera para realização de cirurgias. A despeito de ser considerada a área social mais importante por parcela expressiva da população, a julgar pelo corte ora implantado, esta não é a visão do atual governo.


Curiosamente, o ministério da Saúde afirma que os programas de sua pasta não serão afetados. Impossível! O orçamento original já era escasso, além de estar comprometido com o empenho de recursos para ações polêmicas como o Mais Médicos, que leva em seu bojo transação obscura entre Brasil e Cuba.

Enfim, o horizonte imediato é preocupante e a sociedade precisa agir imediatamente a fim de defender um bem que é nosso de direito – saúde pública de qualidade e de fácil acesso a todos, valorizada e atualizada, capaz de prover condições de diagnóstico e tratamento adequados.

Situação de hospitais e postos de saúde da família no Brasil em 2013. Foto: Divulgação/CFM

Leia mais sobre
ARTIGOS

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Bolsonaro lança partido Aliança pelo Brasil
Nota de repúdio da Associação Nacional dos Procuradores da República, vídeo
Pátria Amada Brasil: 300 dias de Governo
Alexandre Garcia: visão de mais de 50 anos de jornalismo
Plano Safra é lançado com R$ 225,59 bilhões para produtores
Presidente pede confiança para mudar o Brasil, vídeo
Presidente Bolsonaro concede entrevista à Jovem Pan: balanço dos 100 dias de governo
Itália em São Paulo
  • Bolsonaro lança partido Aliança pelo Brasil

  • Nota de repúdio da Associação Nacional dos Procuradores da República, vídeo

  • Pátria Amada Brasil: 300 dias de Governo

  • Alexandre Garcia: visão de mais de 50 anos de jornalismo

  • Plano Safra é lançado com R$ 225,59 bilhões para produtores

  • Presidente pede confiança para mudar o Brasil, vídeo

  • Presidente Bolsonaro concede entrevista à Jovem Pan: balanço dos 100 dias de governo

  • Itália em São Paulo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*