O amor é uma parte essencial das relações humanas, proporcionando apoio, conexão e satisfação emocional. No entanto, existe uma linha tênue entre um amor saudável e uma dependência emocional prejudicial. Quando o amor ultrapassa os limites adequados, pode se transformar em uma armadilha emocional, levando a uma série de consequências negativas para o indivíduo e o relacionamento como um todo.

Pela psicóloga clínica Débora Macedo


A dependência emocional é um fenômeno complexo que ocorre quando um indivíduo se torna excessivamente dependente de outra pessoa para validar sua autoestima, segurança e identidade, ultrapassando os limites de um relacionamento saudável. Nesse contexto, o amor deixa de ser uma experiência de troca equilibrada e se torna uma fonte de necessidade constante de aprovação e validação do outro. Quando isso acontece, a pessoa se vê incapaz de funcionar de forma independente e passa a basear sua própria felicidade e bem-estar emocional exclusivamente no parceiro.

Pesquisas

Estudos mostram que a dependência emocional pode afetar significativamente a saúde mental e física dos indivíduos envolvidos. Pesquisa realizada pela Universidade de Granada indicou que 15% das pessoas em relacionamentos amorosos apresentam sinais de dependência emocional severa. Além disso, um estudo publicado no Journal of Personality and Social Psychology revelou que a dependência emocional está fortemente correlacionada com baixa autoestima, ansiedade e depressão.

Essa condição pode ter várias consequências negativas, tanto para o indivíduo quanto para o relacionamento. A perda de identidade e a vulnerabilidade a relacionamentos abusivos são algumas delas. Além disso, a dependência emocional pode contribuir para o desenvolvimento de problemas de saúde mental, como ansiedade e depressão, devido à constante busca por aprovação e ao medo de abandono.

A pressão para manter uma imagem de felicidade e de um relacionamento bem-sucedido, pode levar indivíduos a um comportamento obsessivo, como o “stalking” nas redes sociais. Esses comportamentos não apenas desgastam a relação, mas também podem levar a uma deterioração da saúde mental do dependente. Segundo a American Psychological Association (APA), cerca de 40% dos casos de ansiedade em adultos estão ligados a problemas de relacionamento, incluindo a dependência emocional.

Dependência emocional

Outro fator crucial é o impacto da dependência emocional no desenvolvimento pessoal. A codependência pode inibir o crescimento individual e a capacidade de tomar decisões autônomas. Estudos de psicologia do desenvolvimento indicam que indivíduos que crescem em ambientes onde a dependência emocional é prevalente tendem a reproduzir esses padrões em suas próprias vidas adultas, perpetuando um ciclo de comportamentos disfuncionais.

Embora o amor seja uma parte fundamental da experiência humana, superar a dependência emocional requer autoconhecimento, estabelecimento de limites saudáveis, desenvolvimento de independência emocional e, em alguns casos, apoio profissional. Reconhecer os sinais de dependência emocional e buscar ajuda adequada são passos essenciais para recuperar a autonomia e construir relacionamentos mais equilibrados e satisfatórios.


*Débora Macedo é psicóloga clínica, social, do desenvolvimento e cognitiva, com especialização em psicologia do esporte e neurociência. Organiza workshops para educadores e treinadores, e oferece terapia de casal e familiar, focando na resolução de conflitos e na melhoria das relações interpessoais (CRP 06/59693-5).


Destaque – Imagem: aloart / + Divulgação


Publicação:
Sábado | 15 de junho, 2024


Leia outras matérias desta editoria

Educadores precisam ser capacitados para combater o bullying

O bullying está presente na vida de praticamente todas as crianças e jovens do Brasil. Vítimas, agressores ou pessoas que presenciaram casos de perseguição, todos já vivenciaram pelo menos um episódio de bullying e conhecem o sofrimento gerado por ele. Ana...

Você sabe o que é Misofonia? Conheça

Esta é uma síndrome de quem tem aversão a certos ruídos Irritabilidade, fúria e pânico são reações dessa doença estudada pelas ciências da Otorrinolaringologia e Fonoaudiologia. Por Dra. Cristiane Adami* Ruídos, em geral, são sons que nos causam incômodo,...

Dependência emocional: quando o amor cruza os limites saudáveis, entenda

O amor é uma parte essencial das relações humanas, proporcionando apoio, conexão e satisfação emocional. No entanto, existe uma linha tênue entre um amor saudável e uma dependência emocional prejudicial. Quando o amor ultrapassa os limites adequados, pode...

Um chamado à ação contra a dengue

Estou apreensiva e não sou a única. Como tantos outros e outras que conhecem bem a dor e a delícia de viver neste país, encaro com pesar o surto de dengue que assola diversas regiões, sobretudo por presidir a Sociedade Brasileira de Medicina de Família e...

Aumento da corrupção no Brasil altera fortemente o perfil dos investidores estrangeiros

Segundo o advogado especialista em direito internacional, Emanuel Pessoa, o problema sofre uma auto alimentação contínua pois investidores que aceitam a corrupção como parte das regras do jogo têm um incentivo a aportar seus recursos em território...

Não existe planeta B

Apesar do arrefecimento da temperatura nos últimos dias, o artigo a seguir foi elaborado durante a onda de calor que atingiu o Brasil, há algumas semanas. Por Zeliete Zambon* Está quente. Em conversas nos consultórios, nas escolas, nas lojas, nos...

Insegurança digital chega às farmácias: entre a saúde e o lucro, leia

Se hoje o acesso à saúde no Brasil ainda é deficitário, nos tempos dos nossos avós e bisavós o cenário era ainda mais árido. Inúmeras vezes, em especial nos rincões mais carentes do país, farmacêuticos desempenhavam o papel de médicos e farmácias (ou...

Bolso vazio, cabeça cheia

Nos idos de 1930, o mundo atravessou um período que entrou para a História como “A Grande Depressão”. Em 1929, a quebra da bolsa de Nova York deu origem à maior crise do capitalismo financeiro de que se tem notícia. Os efeitos foram desastrosos. Famílias...