Médicos e Mães da Sé fazem mobilização em SP por crianças desaparecidas


Segunda-feira, 6 de abril de 2015, às 15h59

 

Conselho Federal de Medicina – Para marcar o encerramento da Semana Nacional de Mobilização para a Busca e Defesa da Criança Desaparecida, o Conselho Federal de Medicina (CFM) e a ONG Mães da Sé fizeram um ato na tarde do dia 31 de março, na Praça da Sé, no centro da capital paulista, para mobilizar a sociedade para o problema dos desaparecimentos, calculados em cerca de 50 mil pessoas por ano. Estima-se também que quase 250 mil pessoas estejam desaparecidas no Brasil.

 

 

O ex-senador e atual secretário municipal de Direitos Humanos e Cidadania da Prefeitura de São Paulo, Eduardo Suplicy, esteve presente. Foto: CFM- Conselho Federal de Medicina SP

O ex-senador e atual secretário municipal de Direitos Humanos e Cidadania da Prefeitura de São Paulo, Eduardo Suplicy, esteve presente. Foto: CFM- Conselho Federal de Medicina SP

 

“Esse é um movimento importante de resgate deste grave problema que afeta a sociedade brasileira, notadamente a mais carente. Queremos pedir aos médicos para que fiquem atentos, principalmente os da área de Pediatria, pois é cada vez maior o número de crianças desaparecidas”, alertou o presidente do CFM, Carlos Vital Tavares Corrêa Lima.

O ato iniciou com manifestações de cerca de 100 familiares que levaram cartazes dos parentes desaparecidos e pediram soluções dos casos. Diversas autoridades fizeram o uso da palavra e cobraram políticas públicas para o setor. Dentre eles, o secretário municipal de Direitos Humanos e Cidadania da Prefeitura de São Paulo, Eduardo Suplicy, que ressaltou a importância da mobilização e solicitou que as informações sobre crianças desaparecidas sejam transmitidas às autoridades. “Isso significará uma esperança para pais e mães nessa busca. Sou pai e avô, imagino o sofrimento que seria perder alguém”.

Ao final do ato foram soltos mil balões brancos em homenagem às crianças e adolescentes desaparecidos, e realizada a celebração de uma missa na Catedral da Sé.

Foto: CFM- Conselho Federal de Medicina SP

Foto: CFM- Conselho Federal de Medicina SP

O problema

Em São Paulo, no ano passado, desapareceram 33 mil pessoas, das quais 28 mil foram localizadas. O estado se destaca como o que mais desaparecem pessoas – cerca de 100 por dia – de acordo com dados da própria Delegacia de Pessoas Desaparecidas. Deste total, 40% se refere à crianças.

“Infelizmente, não temos uma estatística precisa, porque não temos cadastro unificado de pessoas desaparecidas. É uma situação vergonhosa, mas é a nossa realidade”, disse Ivanise Esperidião, fundadora e presidente da ONG Mães da Sé. Segundo ela, um cadastro nacional foi lançado pelo governo federal em 2010, mas “nunca chegou a operar”. Por isso, ela questiona: “Como é que o governo diz que desapareceram 40 mil crianças por ano e, se você entrar no cadastro, aparecem apenas 341 [crianças desaparecidas] no sistema? Vivemos o mais profundo descaso e abandono em todas as esferas de governo”.

Foto: CFM- Conselho Federal de Medicina SP

Foto: CFM- Conselho Federal de Medicina SP

Junto aos médicos

O CFM quer contribuir para reverter esta realidade. Por isso, desde 2011, desenvolve junto à categoria uma campanha de conscientização para que profissionais e instituições de tratamento médico, clínico, ambulatorial ou hospitalar observem e ajudem no esforço contra o desaparecimento de menores.

“Divulgando essa recomendação, alertamos o médico sobre como abordar a questão da criança desaparecida”, ressaltou Henrique Batista, secretário-geral do CFM e membro da Comissão de Ações Sociais do CFM. Ele apontou as orientações da Recomendação CFM nº 4: “observar como o menor se comporta com o acompanhante, se demonstra medo, choro ou aparência assustada; observar se existem marcas físicas de violência, como cortes, hematomas ou até abusos.

A ação do CFM também foi reforçada pelos Conselhos Regionais. “Apoiamos essa iniciativa e pedimos aos médicos, principalmente os que atendem crianças e os ginecologistas que acompanham parto, que observem o comportamento de seus pacientes como ação preventiva”, afirmou Ruy Tanigawa, conselheiro do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) e conselheiro suplente representante de São Paulo no CFM.

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Paulo Guedes explica a reforma da Previdência, vídeo
Parceria entre Brasil e Inglaterra em alto mar
Ministro da Justiça e Segurança Pública apresenta projeto de Lei Anticrime
Mensagem do Presidente ao Congresso Nacional
Veja como foi a festa e a distribuição do bolo dos 465 anos no Bixiga
Segundo dia do presidente no Fórum Econômico Mundial
Faça um passeio pelo “solo alienígena” do exoplaneta TRAPPIST-1d
Cineasta sueco registrou a paisagem carioca vista do morro
  • Paulo Guedes explica a reforma da Previdência, vídeo

  • Parceria entre Brasil e Inglaterra em alto mar

  • Ministro da Justiça e Segurança Pública apresenta projeto de Lei Anticrime

  • Mensagem do Presidente ao Congresso Nacional

  • Veja como foi a festa e a distribuição do bolo dos 465 anos no Bixiga

  • Segundo dia do presidente no Fórum Econômico Mundial

  • Faça um passeio pelo “solo alienígena” do exoplaneta TRAPPIST-1d

  • Cineasta sueco registrou a paisagem carioca vista do morro

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*