Mudança climática ‘ameaça autodeterminação’ de ilhas do Pacífico, afirma ONU


Sábado, 25 de julho de 2015, às 06h51


A afirmação foi feita em Conselho de Direitos Humanos. Várias ilhas podem desaparecer nas próximas décadas e seus cidadãos podem ficar sem território. Caso outros países não ofereçam ajuda, os “refugiados do clima” podem tornar-se apátridas.

ONU - Brasil | A vice-chefe do alto comissariado da ONU para Direitos Humanos (ACNUDH), Flavia Pansieri, se reuniu em março deste ano, com representantes das Ilhas do Pacífico no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, para examinar o potencial do impacto das mudanças climáticas nos direitos humanos. Para o ACNUDH, as questões relacionadas ao homem devem se encontrar no centro das discussões sobre combate ao aquecimento global e ser integrada ao novo acordo do clima que será definido no final de 2015, em Paris.

 

Crianças na aldeia de Tebikenikora em Kiribati. Foto: ONU/Eskinder Debebe

Crianças na aldeia de Tebikenikora em Kiribati. Foto: ONU/Eskinder Debebe

 

O presidente de Kiribati e o primeiro ministro de Tuvalu reiteraram na discussão no Conselho que as mudanças climáticas induzidas pelo homem não são apenas uma agressão ao ecossistema compartilhado pelo mundo, mas também um enfraquecimento “dos direitos à saúde, à alimentação, à água e ao saneamento, à moradia adequada e, para as pessoas dos pequenos estados insulares e das comunidades costeiras, até mesmo o direito à autodeterminação”.

O porta-voz do ACNUDH, Rupert Colville, afirmou que o contínuo aumento do nível do mar pode resultar que ilhas no Pacífico – como Kiribati e Tuvalu – desapareçam dentro de algumas décadas. Ele observou que alguns cidadãos já foram forçados a deixar suas casas e os dois governos se esforçam para prover as pessoas fornecimento adequado a alimentos e água potável.

Para governantes das Ilhas, o perigo da destruição aos seus Estados é eminente. Segundo eles, mesmo que as ilhas de Kiribati e Tuvalu não desapareçam, os efeitos das mudanças climáticas podem destruir patrimônios como edifícios do governo, tribunais, hospitais e escolas, o que prejudicaria a autonomia dos povos desses Estados. Seus líderes teriam de encontrar formas de reconstituição de seus Estados em outro lugar, ou persuadir outro governo a proporcionar aos seus cidadãos passaportes, bem-estar e proteção. E caso outras nações se recusem a ajudar, esses “refugiados do clima” poderiam tornar-se apátridas.

Foto: Mandela Foundation

Foto: Mandela Foundation

Leia mais sobre
DIREITOS HUMANOS

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Alexandre Garcia: visão de mais de 50 anos de jornalismo
Plano Safra é lançado com R$ 225,59 bilhões para produtores
Presidente pede confiança para mudar o Brasil, vídeo
Presidente Bolsonaro concede entrevista à Jovem Pan: balanço dos 100 dias de governo
Itália em São Paulo
Paulo Guedes explica a reforma da Previdência, vídeo
Parceria entre Brasil e Inglaterra em alto mar
Ministro da Justiça e Segurança Pública apresenta projeto de Lei Anticrime
  • Alexandre Garcia: visão de mais de 50 anos de jornalismo

  • Plano Safra é lançado com R$ 225,59 bilhões para produtores

  • Presidente pede confiança para mudar o Brasil, vídeo

  • Presidente Bolsonaro concede entrevista à Jovem Pan: balanço dos 100 dias de governo

  • Itália em São Paulo

  • Paulo Guedes explica a reforma da Previdência, vídeo

  • Parceria entre Brasil e Inglaterra em alto mar

  • Ministro da Justiça e Segurança Pública apresenta projeto de Lei Anticrime

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*