Secreção vaginal, quando se preocupar


Terça-feira, 5 de junho de 2018 às 16h54


Todas as mulheres, desde a adolescência, se preocupam com as secreções vaginais. As mais jovens, principalmente, ficam envergonhadas e com dúvidas sobre a necessidade de procurar um médico. É preciso dizer que esse líquido que sai da vagina nem sempre significa que existe um problema de saúde. Ao contrário, se o líquido for claro e inodoro, não há motivo para preocupação.

“É absolutamente normal as mulheres observarem um fluido que se acumula na roupa íntima, de cor clara, sem odor ruim e que varia na quantidade ao longo do ciclo menstrual”, esclarece a ginecologista Silvana Maria Quintana, segunda secretária da SOGESP (Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo).

 

Corrimento vaginal, é um líquido que está ligado ao aparelho genital feminino, constituído por células mortas da vagina, bactérias da flora vaginal e muco. Foto: divulgação / SOGESP

 

Essa secreção, chamada de corrimento vaginal, é um líquido que está ligado ao aparelho genital feminino, constituído por células mortas da vagina, bactérias da flora vaginal e muco, que ocorre em todas as mulheres em idade reprodutiva e acontece devido ao aumento do conteúdo desses fluidos. O volume pode variar conforme as fases do ciclo menstrual, de uma mulher para outra e pode acontecer devido a doenças, como infecção do colo do útero, vagina e/ou vulva ou ainda por motivos fisiológicos, em períodos em que estimulação hormonal é maior, como no período da ovulação, no pré-menstrual e durante a gravidez.

Porém, se a quantidade de corrimento for além da roupa íntima, tiver uma cor diferente de branco, leitoso ou transparente, cheiro desagradável, ou causar coceira e ardor vaginal, é necessário procurar o ginecologista.

“O médico deverá fazer um exame ginecológico e verificar o pH vaginal e o teste de Whiff (do cheiro). Se esse tipo de corrimento acontecer mais de quatro vezes ao ano, é necessário cuidado específico com um ginecologista especialista em infecções. O profissional pode ainda solicitar testes mais precisos para detectar o problema”.

O tratamento varia de acordo com a causa do corrimento. Se a avaliação indicar que o corrimento é normal, não há necessidade de medicamentos. “Trata-se da umidade vaginal, a paciente deverá receber orientações e esclarecimento e não precisará ser medicada”, ressalta Silvana.

Se o corrimento tiver como causa uma enfermidade, o tratamento será feito à base de medicamentos. “Caso o diagnóstico seja uma vulvovaginite, por exemplo, cada agente causador da infecção será tratado com medicamentos específicos”, explica a médica.

A ginecologista alerta as futuras mamães. “As mulheres que desejam engravidar precisam fazer exames para verificar se estão livres de doenças. Caso haja alguma infecção, é preciso tratá-la imediatamente para prevenir futuros problemas de saúde no bebê.”

medicinasaude

Acesse a nova página especial sobre Medicina&Saúde, onde encontra todos os os posts do site sobre o assunto com um só clique. Ilustração: aloart

Leia mais sobre
MEDICINA&SAÚDE

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Alexandre Garcia: visão de mais de 50 anos de jornalismo
Plano Safra é lançado com R$ 225,59 bilhões para produtores
Presidente pede confiança para mudar o Brasil, vídeo
Presidente Bolsonaro concede entrevista à Jovem Pan: balanço dos 100 dias de governo
Itália em São Paulo
Paulo Guedes explica a reforma da Previdência, vídeo
Parceria entre Brasil e Inglaterra em alto mar
Ministro da Justiça e Segurança Pública apresenta projeto de Lei Anticrime
  • Alexandre Garcia: visão de mais de 50 anos de jornalismo

  • Plano Safra é lançado com R$ 225,59 bilhões para produtores

  • Presidente pede confiança para mudar o Brasil, vídeo

  • Presidente Bolsonaro concede entrevista à Jovem Pan: balanço dos 100 dias de governo

  • Itália em São Paulo

  • Paulo Guedes explica a reforma da Previdência, vídeo

  • Parceria entre Brasil e Inglaterra em alto mar

  • Ministro da Justiça e Segurança Pública apresenta projeto de Lei Anticrime

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*