Taxistas protestam em frente a Câmara Municipal de SP contra aplicativo Uber


Quarta-feira, 8 de abril de 2015, às 20h59

Camila Maciel - Repórter da Agência Brasil
Edição: Stênio Ribeiro

Taxistas protestaram hoje (8), na capital paulista, contra o aplicativo de caronas pagas, da empresa norte-americana Uber. Criado em 2010, o aplicativo começou a operar no Brasil no ano passado. Uma carreata com cerca de 2,5 mil veículos, segundo a Polícia Militar (PM), saiu do Estádio Pacaembu e seguiu em direção à Câmara Municipal, onde os motoristas participaram da reunião ordinária da Comissão de Trânsito e Transporte. Para os motoristas, o aplicativo estimula o transporte ilegal de passageiros. Os vereadores comprometeram-se a marcar uma audiência pública.

 

Foto: Fernanda Carvalho / Fotos Publicas

Foto: Fernanda Carvalho / Fotos Publicas

 

“Fizemos essa mobilização porque estamos sendo prejudicados. O taxista tem que ter toda a documentação, ser legalizado, cadastrado na prefeitura, e de repente vem uma organização (Uber), instala-se aqui e não sabemos de onde veio. Vamos em frente e não vamos parar enquanto não tomarem providências”, afirmou o presidente do Sindicato dos Taxistas Autônomos de São Paulo, Natalício Bezerra. Segundo a entidade, a categoria tem 34 mil profissionais regulamentados na capital paulista.

O aplicativo Uber é semelhante ao de táxi, com a diferença de que, para ser motorista da empresa, é preciso se cadastrar no site, ter carteira profissional e seguro de automóvel para uso comercial. “Não tem legalização nenhuma, até um bandido pode estar dirigindo aquele carro”, criticou Bezerra. De acordo com o Departamento de Transportes Públicos da Secretaria de Transportes do município, esses veículos estão na ilegalidade, pois não obtiveram permissão da prefeitura para explorar o serviço na cidade, conforme prevê o Código de Trânsito Brasileiro.

 

Foto: Fernanda Carvalho / Fotos Publicas

Foto: Fernanda Carvalho / Fotos Publicas

 

Segundo o sindicato, outros países, como a Bélgica e a Espanha, proibiram a atuação da Uber em seu território. “Nós queremos que o aplicativo seja banido do nosso país”, afirmou Bezerra. O diretor do Departamento de Transportes Públicos, Daniel Teles, informou que 17 veículos foram multados em R$ 1.915,85 e apreendidos por fazerem esse transporte ilegal. Segundo Teles, as provas juntadas e os documentos que estão sendo fornecidos ao Ministério Público Federal e às delegacias de polícia “vão possibilitar uma decisão judicial para tirar o aplicativo do ar”.

Teles disse que a Uber já foi notificada de que a atividade que exerce é ilegal. “Foi muito difícil localizar, mas identificamos a pessoa jurídica. A sede é no Rio de Janeiro e há uma filial em São Paulo”, acrescentou. Ele lamenta a falta de leis que permitam a interdição de estabelecimentos virtuais. Teles destaca que a notificação será válida sobretudo para uma possível ação judicial, pois a empresa não poderá alegar que desconhecia a ilegalidade da prática. “Até agora não tivemos nenhuma manifestação da Uber.”

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Nota de repúdio da Associação Nacional dos Procuradores da República, vídeo
Pátria Amada Brasil: 300 dias de Governo
Alexandre Garcia: visão de mais de 50 anos de jornalismo
Plano Safra é lançado com R$ 225,59 bilhões para produtores
Presidente pede confiança para mudar o Brasil, vídeo
Presidente Bolsonaro concede entrevista à Jovem Pan: balanço dos 100 dias de governo
Itália em São Paulo
Paulo Guedes explica a reforma da Previdência, vídeo
  • Nota de repúdio da Associação Nacional dos Procuradores da República, vídeo

  • Pátria Amada Brasil: 300 dias de Governo

  • Alexandre Garcia: visão de mais de 50 anos de jornalismo

  • Plano Safra é lançado com R$ 225,59 bilhões para produtores

  • Presidente pede confiança para mudar o Brasil, vídeo

  • Presidente Bolsonaro concede entrevista à Jovem Pan: balanço dos 100 dias de governo

  • Itália em São Paulo

  • Paulo Guedes explica a reforma da Previdência, vídeo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*