Mapear o fundo do mar, ou o fundo de qualquer corpo de água, é consideravelmente mais complexo do que mapear terra firme. Nosso especialista Knut Hartmann nos leva a um mergulho profundo na cartografia submarina.


Quando se trata de mapear a superfície da Terra, o processo é bastante simples: munido de algumas ferramentas simples de levantamento, caminhe até um ponto e meça onde ele fica em relação a outro ponto (ou três). Continue fazendo isso e logo você construirá uma imagem precisa do terreno. As tecnologias mais recentes – desde drones a satélites – tornam isto ainda mais fácil.

Mas e os 70% do mundo que são cobertos por água?

“A água restringe significativamente a nossa capacidade de pesquisa e requer a utilização de muitas tecnologias e técnicas diferentes”, afirma Knut Hartmann, diretor de operações da EOMAP, uma empresa especializada no mapeamento e monitorização de ambientes aquáticos.

Uma ferramenta crucial para mapear as profundezas do oceano é um barco. “Os barcos podem emitir sinais de sonar que ‘pintam’ o fundo do oceano, criando um mapa sonoro que retrata características como profundidade e características topográficas”, explica Hartmann.

Segundo o pesquisador, há outras maneiras de realizar o mapeamento marítimo, como lasers aéreos, satélites e embarcações de diferentes portes. Porém, cada uma delas apresenta suas complexidades e envolvem diferentes custos e tecnologias. “Cada técnica tem suas próprias vantagens e desvantagens, e a maioria das campanhas de mapeamento utiliza uma variedade de técnicas diferentes,” diz o especialista.

A necessidade de mapeamento e monitoramento

Mas por que mapear o fundo do oceano? “O mapeamento dá-nos uma visão geral atualizada da topografia subaquática e permite-nos identificar habitats e recursos subaquáticos e melhorar os nossos modelos oceânicos e costeiros – informação que não temos para a maior parte do fundo marinho”, explica Hartmann.

Criar um mapa é apenas o primeiro passo. “O monitoramento, que envolve mapeamento contínuo, nos dá uma visão geral constante de uma área e nos permite detectar mudanças, o que é mais importante do que nunca em tempos de mudanças climáticas e de pressões naturais e provocadas pelo homem sobre o meio ambiente”, acrescenta Hartmann.

Ter mapas precisos também é essencial para a construção e manutenção de infraestruturas, como parques eólicos offshore e cabos de alto mar. Os mapas também podem desempenhar um papel fundamental na gestão e mitigação de desastres naturais, como inundações costeiras e tsunamis.

Mas embora tenhamos a vontade e a forma de fazer mapeamento e monitorização subaquática, ainda há um longo caminho pela frente. Até à data, mapeamos apenas 25% do fundo do oceano e apenas uma fração é frequentemente monitorizada.

Graças aos avanços das tecnologias e às iniciativas globais, como o Seabed 2030 e o projeto 4S financiado pela União Europeia (UE), Hartmann está confiante de que não só ajudaremos com sucesso a mapear o fundo dos oceanos, mas também o faremos com uma resolução cada vez mais detalhada e com capacidades de monitorização mais avançadas.


Fonte: Cordis UE


Destaque – Imagem: aloart


Publicação:
Sábado | 22 de junho, 2024


Leia outras matérias desta editoria

Amazônia e fatores do recorde de desmatamento no primeiro semestre de 2024

O desmatamento na Amazônia bateu recorde no primeiro semestre de 2024. O fato, entre outros motivos, está ligado à falta de fiscalização, às demandas internas e externas, atividades pecuárias e agrícolas. Meta do Brasil para a 30ª Conferência da ONU sobre...

Meio ambiente: como e por que mapeamos o fundo do oceano?

Mapear o fundo do mar, ou o fundo de qualquer corpo de água, é consideravelmente mais complexo do que mapear terra firme. Nosso especialista Knut Hartmann nos leva a um mergulho profundo na cartografia submarina. Quando se trata de mapear a superfície da...

Poluição sonora: conscientização sobre ruídos em SP é tema na CMSP, leia

O dia 24 de abril, marcou o início da 29ª campanha anual “International Noise Awareness Day” (awareness = conhecimento e noise = barulho, ruído, barulheira, fazer barulho). Uma das ações tipicamente realizadas é a promoção de 1 minuto de silêncio, às...

INAD Brasil – desenvolve a conscientização sobre o ruído no país, conheça

Todos os anos a campanha do Dia Internacional sobre o Ruído no Brasil (INAD Brasil) traz um tema e um lema para destacar os impactos do ruído na vida cotidiana, dando destaque aos prejuízos e cuidados relativos a um aspecto em específico. Em 2024, o tema é...

Conheça 12 impactos graves do excesso de ruídos à saúde: International Awareness Day 2024

Em reportagens anteriores ao 29º Dia Internacional de Conscientização sobre Ruído, mostramos como a ciência e a medicina reconhecem os males causados ao corpo humano por determinadas ações com sirenes que atingem 120 dB de pressão sonora e acontecem no...

Dia Internacional de Conscientização sobre o Ruído atua durante o ano todo, conheça

“Junte-se a indivíduos e organizações em todo o mundo na celebração do 29º Dia Internacional Anual de Conscientização sobre o Ruído. Ajude a aumentar a conscientização sobre os efeitos nocivos do ruído na audição, na saúde e na qualidade de vida e inspire...

29º Dia Internacional Anual de Conscientização sobre o Ruído, saiba como nasceu a data

No próximo dia 29 de abril, o Panamá irá parar por 1 minuto de silêncio. O Brasil e vários países pelo mundo também já deram exemplo em 27 de abril de 2016. As ações a favor do silêncio e conscientização sobre os males à saúde, ao trabalho e à qualidade de...

Estudos projetam aumento nas inundações costeiras no planeta, entenda

A partir de meados da década de 2030, todas as costas dos EUA sofrerão inundações de maré alta capazes de elevar o nível do oceano rapidamente. As alterações poderão ser observadas quando um ciclo lunar amplificar o aumento do nível do mar causado pelas...