Esta é uma síndrome de quem tem aversão a certos ruídos Irritabilidade, fúria e pânico são reações dessa doença estudada pelas ciências da Otorrinolaringologia e Fonoaudiologia.

Por Dra. Cristiane Adami*


Ruídos, em geral, são sons que nos causam incômodo, sobretudo quando são emitidos repetidamente. O nhec-nhec do colchão de molas, o tic-tac do relógio, o crec-crec da mastigação, o vrum-vrum do ventilador e o plof-plof da goteira são alguns exemplos clássicos de “barulhinhos chatos”, digamos assim, que ninguém gosta, só que estão muito presentes no nosso cotidiano.

Em tese, dá para conviver com eles sem grandes problemas. É assim com a maioria das pessoas, certo? Mas não com todas! Há casos em que esse desconforto realmente alcança um grau de intensidade tão elevado a ponto de desafiar a compreensão de quem nunca ouviu falar da chamada misofonia – também conhecida por Síndrome de Sensibilidade Seletiva do Som (SSSS).

Ruídos que, geralmente, apenas nos incomodam, em certas pessoas, podem desencadear reações de profunda irritabilidade, fúria e até mesmo pânico. E quem está por perto, claro, dificilmente entende o porquê disso. Por ser algo raro na população, as pessoas costumam enxergar as reações dos pacientes como exageradas, descabidas.

O que muitos não sabem (até mesmo quem tem o problema), é que essa perturbação vai além da questão audiológica. Isto é, transcende o campo dos distúrbios de comunicação do sistema auditivo, estudados pela Otorrinolaringologia e pela Fonoaudiologia. Podemos afirmar, aliás, que a misofonia é uma doença mais psiquiátrica ou neurológica do que propriamente audiológica.

Isso porque o indivíduo com essa condição tem um sistema auditivo normal. Testes, como a audiometria, não apresentam nenhuma alteração, de modo que o diagnóstico é clínico, baseado na queixa da pessoa. Indivíduos diagnosticados com misofonia, geralmente, apresentam outras condições associadas, como ansiedade, TOC e autismo.

Outro aspecto que merece atenção é que a misofonia não está necessariamente associada à exposição a sons de alta intensidade – como muitos imaginam. Ela, na verdade, é mais ligada à repetição. Ou seja, ao vrum-vrum, nhec-nhec e tic-tac, que mencionamos anteriormente. E não propriamente ao volume dos sons.

Embora atinja um contingente pequeno da população, qualquer pessoa pode desenvolver intolerância a sons em um momento da vida, sobretudo se tiver um diagnóstico psiquiátrico ou neurológico associado.

A recomendação a quem tem o problema é ficar em ambientes mais silenciosos, onde existam menos ruídos que o irritem. A depender do diagnóstico, também pode ser necessário uma abordagem multidisciplinar, por meio de um trabalho conjunto que envolve otorrinolaringologista, psiquiatra e psicólogo. Os tratamentos, geralmente, envolvem terapia cognitivo comportamental, acompanhamento psiquiátrico e musicoterapia.


*Dra. Cristiane Adami é médica otorrinolaringologista do Hospital Paulista, especializada em patologias e cirurgias nasais.


Destaque – Imagem: HP / divulgação / +aloart


Publicação:
Sábado | 22 de junho, 2024


Leia outras matérias desta editoria

Bolsonaro e o caso dos presentes: análise crítica da perseguição política

Jair Bolsonaro, ex-presidente do Brasil, está atualmente no centro de uma controvérsia jurídica que mais se assemelha a um teatro político do que a uma busca pela justiça. Por Fabio Tavares Sobreira* Acusado de receber presentes de luxo durante seu...

Educadores precisam ser capacitados para combater o bullying

O bullying está presente na vida de praticamente todas as crianças e jovens do Brasil. Vítimas, agressores ou pessoas que presenciaram casos de perseguição, todos já vivenciaram pelo menos um episódio de bullying e conhecem o sofrimento gerado por ele. Ana...

Você sabe o que é Misofonia? Conheça

Esta é uma síndrome de quem tem aversão a certos ruídos Irritabilidade, fúria e pânico são reações dessa doença estudada pelas ciências da Otorrinolaringologia e Fonoaudiologia. Por Dra. Cristiane Adami* Ruídos, em geral, são sons que nos causam incômodo,...

Dependência emocional: quando o amor cruza os limites saudáveis, entenda

O amor é uma parte essencial das relações humanas, proporcionando apoio, conexão e satisfação emocional. No entanto, existe uma linha tênue entre um amor saudável e uma dependência emocional prejudicial. Quando o amor ultrapassa os limites adequados, pode...

Um chamado à ação contra a dengue

Estou apreensiva e não sou a única. Como tantos outros e outras que conhecem bem a dor e a delícia de viver neste país, encaro com pesar o surto de dengue que assola diversas regiões, sobretudo por presidir a Sociedade Brasileira de Medicina de Família e...

Aumento da corrupção no Brasil altera fortemente o perfil dos investidores estrangeiros

Segundo o advogado especialista em direito internacional, Emanuel Pessoa, o problema sofre uma auto alimentação contínua pois investidores que aceitam a corrupção como parte das regras do jogo têm um incentivo a aportar seus recursos em território...

Não existe planeta B

Apesar do arrefecimento da temperatura nos últimos dias, o artigo a seguir foi elaborado durante a onda de calor que atingiu o Brasil, há algumas semanas. Por Zeliete Zambon* Está quente. Em conversas nos consultórios, nas escolas, nas lojas, nos...

Insegurança digital chega às farmácias: entre a saúde e o lucro, leia

Se hoje o acesso à saúde no Brasil ainda é deficitário, nos tempos dos nossos avós e bisavós o cenário era ainda mais árido. Inúmeras vezes, em especial nos rincões mais carentes do país, farmacêuticos desempenhavam o papel de médicos e farmácias (ou...