As informações da missão PREFIRE irão esclarecer como as nuvens e o vapor de água no Ártico e na Antártica influenciam a quantidade de calor que os polos irradiam para o espaço.


Um par de novos satélites da NASA (Cubesats) do tamanho de uma caixa de sapatos ajudarão a desvendar um mistério atmosférico que tem atormentado os cientistas há anos: como o comportamento das nuvens e do vapor de água nas regiões polares da Terra afeta o clima do nosso planeta.

O primeiro CubeSat da missão Polar Radiant Energy in the Far-InfraRed Experiment (PREFIRE) da NASA foi lançado da Nova Zelândia no sábado, 25 de maio. O segundo PREFIRE CubeSat decolou na quarta-feira, 5 de junho.

A missão medirá a quantidade de calor que a Terra emite para o espaço a partir das duas regiões mais frias e remotas do planeta. Os dados do PREFIRE irão melhorar os modelos de computador que os pesquisadores utilizam para prever como o gelo, os mares e o clima da Terra mudarão num mundo em aquecimento.

 

A missão PREFIRE enviará dois CubeSats – representados num conceito artístico em órbita da Terra – para o espaço afim de estudar quanto de calor o planeta absorve e emite das suas regiões polares. Essas medições informarão os modelos climáticos e de gelo. Crédito: NASA/JPL-Caltech

 

Influência na temperatura do planeta

A Terra absorve grande parte da energia do Sol nos trópicos, e o clima e as correntes oceânicas transportam esse calor em direção aos polos (que recebem muito menos luz solar). Gelo, neve e nuvens, entre outras partes do ambiente polar, emitem parte desse calor para o espaço, grande parte dele na forma de radiação infravermelha distante. A diferença entre a quantidade de calor que a Terra absorve nos trópicos e a que é irradiada do Ártico e da Antártica é uma influência fundamental na temperatura do planeta, ajudando a impulsionar sistemas dinâmicos de clima e tempo.

Mas as emissões no infravermelho distante nos polos nunca foram medidas sistematicamente. É aqui que entra o PREFIRE. A missão ajudará os investigadores a obter uma compreensão mais clara de quando e onde as regiões polares da Terra emitem radiação infravermelha distante para o espaço, bem como o vapor de água atmosférico e as nuvens influenciam a quantidade que escapa.

As nuvens e o vapor de água podem reter a radiação infravermelha na Terra, aumentando assim as temperaturas globais – parte do efeito estufa.

“É fundamental que acertemos os efeitos das nuvens se quisermos modelar com precisão o clima da Terra”, disse Tristan L’Ecuyer, professor da Universidade de Wisconsin-Madison e pesquisador principal do PREFIRE.

 

 


Destaque – Crédito: NASA/GSFC/Michael Studinger


Publicação:
Sábado | 15 de junho, 2024


Leia outras matérias desta editoria

Satélites gêmeos irão ajudar a avaliar o equilíbrio energético da Terra, entenda

As informações da missão PREFIRE irão esclarecer como as nuvens e o vapor de água no Ártico e na Antártica influenciam a quantidade de calor que os polos irradiam para o espaço. Um par de novos satélites da NASA (Cubesats) do tamanho de uma caixa de...

NASA avança no conhecimento das nossas mudanças climáticas, conheça

Quatro propostas de pesquisas – incluindo ODYSEA e Carbon-I, ambas as quais seriam geridas pelo JPL (Jet Propulsion Laboratory) – fazem parte do novo Programa de Exploradores do Sistema Terrestre da agência. A NASA selecionou quatro propostas para estudos...

Defesa Civil atualiza balanço das enchentes no RS – saiba como ajudar

As fortes chuvas que caem sobre o Rio Grande do Sul desde a semana passada e a tragédia que se abateu sobre a população, estão sendo consideradas como a maior catástrofe climática que já atingiu o estado. A última atualização foi divulgada às 18h desta...

Saiba como ajudar as vítimas da catástrofe no Rio Grande do Sul, através do Governo de SP

As doações de água potável e produtos de limpeza (como água sanitária, desinfetante, sabão em barra, sacos de lixo, etc.) e higiene (creme dental, escova de dente, sabonete, shampoo e condicionador, etc.) devem ser mantidas. O Governo de São Paulo já soma...

Como a NASA detectou o El Niño mudando a salinidade das águas costeiras, entenda

Novas descobertas revelaram áreas costeiras altamente sensível às mudanças no escoamento e nas chuvas em terra. Depois de ajudar a alimentar o calor recorde em 2023 e a encharcar grandes áreas dos Estados Unidos no inverno, neste momento o El Niño está...

Honolulu: análise da NASA vê aumento no nível global do mar em 2023 devido ao El Niño, entenda

Um conjunto de dados de longo prazo sobre o nível do mar mostra que as alturas da superfície oceânica continuam a aumentar a taxas cada vez mais rápidas ao longo de décadas de observações. Por Jane J. Lee, Laboratório de Propulsão a Jato da NASA O nível...

Aumento do nível do mar: Nasa e PEERS levam ajuda a comunidades costeiras

Equipe da NASA faz parceria com grupo global para preparar comunidades costeiras sobre a elevação dos mares. Por Ethan Huang, Equipe de Mudança do Nível do Mar da NASA (NASA’s Sea Level Change Team) Questão Como pode a ciência do nível do mar ser utilizada...

Ciclo do carbono e período glacial na Terra ajudam explicar a crise climática – descubra

Esse ciclo, durante o último período glacial, pode ajudar a monitorar a crise climática é o que aponta estudo feito por meio da análise de sedimentos marinhos, que investigou as trocas gasosas entre os oceanos e a atmosfera. O aquecimento do Atlântico Sul...