Dor de Câimbras: como se prevenir


Quinta-feira, 7 de julho de 2016, às 10h37


Você está dormindo tranquilamente e de repente uma dor lancinante te acorda em sobressalto: é a câimbra. Os músculos das pernas, pés e panturillhas são seus prediletos. Leia a matéria e saiba mais sobre essa dor que afeta o ser humano em qualquer idade.

Dolorosas e inesperadas, as contrações musculares involuntárias, conhecidas como câimbras, não escolhem faixa etária ou gênero para incomodar. Segundo o Dr. Eduardo Rauen, membro da Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor (SBED), da Sociedade Brasileira de Anestesiologia (SBA) e da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN), pelo menos 95% das pessoas experimentarão esta sensação dolorosa em algum momento de sua vida.

 

Atividade física intensa sem descanso também  pode provocar câimbras. Foto: divulgação / SBED

Atividade física intensa sem descanso também pode provocar câimbras. Foto: divulgação / SBED

 

No entanto, segundo dr. Eduardo, há variáveis que tornam certas pessoas mais suscetíveis ao quadro: a mais comum e popularmente conhecida é o excesso de atividades físicas sem o devido descanso muscular, além da desidratação do músculo. Outras possíveis causas são a falta de magnésio e cálcio, além do uso de medicamentos como diuréticos, remédios anti-hipertensivos e contra colesterol.

Embora afete todas as idades, as câimbras, principalmente à noite, se tornam mais comum a partir dos 50 anos, quando aumenta a fadiga muscular e o uso de medicamentos que impulsionam a frequência da dor. Como formas de prevenção, o Dr. Rauen indica manter a hidratação em dia, descanso muscular regular e, em caso de pacientes que não praticam atividades físicas, fazer um alongamento antes de dormir.

“Uma das indicações é comer bananas, não pelo potássio, como é dito popularmente, pois a substância está ligada ao relaxamento muscular; mas pela glicose, que ajuda na nutrição dos músculos e, consequentemente, combate os episódios dolorosos”, esclarece.

No momento específico da dor, porém, alguns métodos são recomendados para aliviar um pouco o sofrimento. Não adianta apenas relaxar o músculo para interromper a contração, pois ela se caracteriza exatamente por ser involuntária. O ideal é fazer um alongamento no local com o movimento contrário ao da contração.

“É indicado, ainda, fazer uma compressa morna, de água quente, e uma massagem suave no local da contração, que contribui ao relaxamento do músculo. O principal é alongar o membro acometido” explica Dr. Eduardo.

Por fim, Eduardo Rauen ainda cita outras condições que podem aumentar o risco de se apresentar câimbras, como a gravidez, que força músculos até então não muito utilizados pela mulher, pacientes sob o tratamento de hemodiálise e condições externas como as baixas temperaturas, que podem aumentar a sua frequência.

Inverno de 2016 promete temperaturas mais baixas do que em anos anteriores: cuidados redobrados. Foto: divulgação

Inverno de 2016 promete temperaturas mais baixas do que em anos anteriores: cuidados redobrados. Foto: divulgação

Leia mais sobre
MEDICINA

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Bolsonaro lança partido Aliança pelo Brasil
Nota de repúdio da Associação Nacional dos Procuradores da República, vídeo
Pátria Amada Brasil: 300 dias de Governo
Alexandre Garcia: visão de mais de 50 anos de jornalismo
Plano Safra é lançado com R$ 225,59 bilhões para produtores
Presidente pede confiança para mudar o Brasil, vídeo
Presidente Bolsonaro concede entrevista à Jovem Pan: balanço dos 100 dias de governo
Itália em São Paulo
  • Bolsonaro lança partido Aliança pelo Brasil

  • Nota de repúdio da Associação Nacional dos Procuradores da República, vídeo

  • Pátria Amada Brasil: 300 dias de Governo

  • Alexandre Garcia: visão de mais de 50 anos de jornalismo

  • Plano Safra é lançado com R$ 225,59 bilhões para produtores

  • Presidente pede confiança para mudar o Brasil, vídeo

  • Presidente Bolsonaro concede entrevista à Jovem Pan: balanço dos 100 dias de governo

  • Itália em São Paulo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*