Tatuapé: “com dinheiro sobrando”, Prefeitura instala até semáforo ao contrário
jul05

Tatuapé: “com dinheiro sobrando”, Prefeitura instala até semáforo ao contrário

Cobrado pela falta de reinvestimentos do valor das multas aplicadas na melhoria do trânsito de São Paulo, prefeito Fernando Haddad está cercado por obras criticadas pelos paulistanos. Mas chegar ao cúmulo de instalar um semáforo na contramão em sua administração desafia a lógica.

Leia mais
Semáforo instalado ao contrário na Rua Apucarana causa surpresa e risos
ago01

Semáforo instalado ao contrário na Rua Apucarana causa surpresa e risos

Moradores mal percebem o erro da Secretaria Municipal de Transportes (SMT), executado a cargo da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), que segundo a assessoria dos órgãos “foi um erro de projeto”. E uma incrível falta de atenção com o desperdício de verbas públicas em tempos de desemprego e crise.

Leia mais
Fechar cruzamentos pode custar R$ 85 e 4 pontos na carteira
nov05

Fechar cruzamentos pode custar R$ 85 e 4 pontos na carteira

  Quarta-feira, 5 de novembro de 2014, às 15h55 Rua Itapura e Emílio Mallet, no Tatuapé é um exemplo da falta de educação e ansiedade de muitos motoristas. O motorista que chega ao bairro, se depara com inúmeros cruzamentos, principalmente entre as ruas Tuiuti e Antonio de Barros no sentido Norte e da Radial Leste até a Rua Emília Marengo em toda a sua extensão – que vai do final da Rua Serra do Japi até se encontrar com a Rua Antonio de Barros. A maioria desses cruzamentos, estão dispostos em linhas retas, devido aos inúmeros loteamentos das antigas chácaras e plantações existentes no bairro. Mas existem outros, que mesmo nem tanto lineares, fazem parte das intersecções mais famosas, como da Rua Francisco Marengo com a Emílio Mallet e Euclides Pacheco e tantos outros, onde o fluxo de veículos vai continuar aumentando. O que esses cruzamentos não têm em comum são os semáforos, determinando o tempo e o fluxo do trânsito, ainda respeitados pelos motoristas, pois a maioria sabe administrar a ansiedade e o seu próprio tempo, já entenderam que a cada dia o bairro recebe mais veículos em suas ruas e não adianta ter tanta pressa nem provocar acidentes. Mas existe uma parcela de espertos e maus motoristas que insistem em fechar os cruzamentos, ultrapassar semáforos no vermelho, forçar a passagem ou atrasar demais, ou seja, dirigir de forma incoerente com o fluxo do qual seu veículo apenas faz parte. Ao contrário do pensam, fechar um cruzamento provoca transtornos e irrita até mesmo os mais pacatos. Os leitos carroçáveis das ruas, como diria a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), são para locomoção dos veículos e todos têm o direito de usá-las, não há privilégios. O ato, se flagrado pelos agentes do CET, gera multa de R$ 85,13 e 4 pontos na carteira do motorista infrator, que se enquadra no artigo 182, parágrafo VII, código 563-00 – parar na área de cruzamentos, prejudicando veículos/pedestres. O ideal seria que cada motorista tivesse consciência de olhar à frente e conduzir com bom senso, respeitando a faixa de pedestres, ciclovias e deixando a via livre para quem cruza, quando o fluxo assim favorecer. No caso da Rua Emílio Mallet e Itapura, vemos motoristas acima da velocidade normal, fechando os outros veículos, buzinando, arriscando suas vidas e a de outros para chegar aos dois colégios existentes nesses locais e desembarcar os filhos. Um péssimo exemplo que será lembrado pelas crianças, que pensarão ser normal dirigir dessa forma. Se a educação e as multas falharem para chamar a atenção dos imprudentes, lembrem-se os motoristas mais afoitos que em pouco tempo, seu familiar, um...

Leia mais
Padre Adelino, 10 anos depois
out08

Padre Adelino, 10 anos depois

Publicado em 08 de outubro de 2013 Complexo Viário Padre Adelino, como surgiu, desde o nome até a concretização do projeto 10 anos depois. Obra melhorou o trânsito no Tatuapé, se tornou uma alternativa viável para os motoristas e findou o caos numa das áreas mais valorizadas da cidade, que até então só amargava o tempo perdido no trânsito e as multas dos marronzinhos. Atualmente, apenas nos horários de pico, o trânsito fica bastante pesado desde o início da ponte até o final da Rua Padre Adelino na esquina com a Praça Sílvio Romero, mas diversos fatores devem ser levados em conta. O mais importante deles é o aumento populacional no bairro, muito diferente de 12 anos atrás, quando Alô Tatuapé fez a primeira reportagem mostrando a necessidade da obra, as multas aplicadas pelos marronzinhos nas esquinas da Av. Salim Farah Maluf e Rua Padre Adelino e a cobrança junto às autoridades municipais, até que o desejo popular se concretizasse. Para quem mora há mais de 20 anos no bairro, não é difícil imaginar como estaria a situação no local sem a realização da obra, inaugurada em 28 de Agosto de 2011. O motivo para que toda essa movimentação tivesse início foi uma reclamação enviada a redação da revista Alô Tatuapé, que sensibilizou-se com a carta de um leitor e iniciou uma série intensa de pesquisas e reportagens que duraram 18 meses, a fim de mostrar que sem um Complexo Viário, dentro de poucos anos o caos existente se tornaria um alívio comparado ao que poderia acontecer. É justo que se diga, que houve uma antiga proposta pela construção de um viaduto ou reformulação do atual Pires do Rio, anterior à data que Alô Tatuapé iniciou a série de reportagens, cobrando das autoridades a vontade da população, após pesquisas com milhares de motoristas, em Março de 2001. Porém, essa proposta jamais foi levada a cabo. Seus detalhes jamais chegaram ao conhecimento da redação nestes anos todos; certo é que existiam interesses comerciais e políticos que impediram seu andamento. Ao contrário disso, a revista Alô Tatuapé apoiada no trabalho de campo, divulgou e cobrou para que houvesse realmente efetividade na execução da obra – que nomeou pela primeira vez de Complexo Viário Padre Adelino. A revista foi desacreditada e até criticada pela sua quixotesca ambição, mas isso não foi capaz de nos fazer desistir. Visando o lado positivo dessa obra, revela-se o quanto foi necessária e facilitou a vida dos moradores. Para se ter uma ideia, atingir o lado Belenzinho da Rua Padre Adelino, através do cruzamento com a Salim Maluf em horários de pico podia levar até 30 minutos,...

Leia mais