O bullying está presente na vida de praticamente todas as crianças e jovens do Brasil. Vítimas, agressores ou pessoas que presenciaram casos de perseguição, todos já vivenciaram pelo menos um episódio de bullying e conhecem o sofrimento gerado por ele.

Ana Paula Siqueira*


Apesar de não estar limitado ao ambiente escolar, é nas instituições de ensino e nos grupos de redes sociais formados por alunos e pais que o bullying mais se manifesta.

Mas, mesmo tão grave e tão presente nas escolas, a maior parte dos profissionais da educação ainda não recebe formação e informação para lidar com os casos quando eles ocorrem, fato que afronta diretamente a Lei do Bullying (13.185/15), artigo 4, inciso II (capacitar docentes e equipes pedagógicas para a implementação das ações de discussão, prevenção, orientação e solução do problema).

Parece mais pertinente (e cômodo) negligenciar o atendimento e deixar à vítima à mercê de seus algozes, lidando com o próprio sofrimento, do que dar a atenção necessária e solucionar o problema.

Como exemplo, cito três casos simples, todos ocorridos neste ano.

Em Belo Horizonte (MG), uma mãe fez contato com a direção da escola diversas vezes para denunciar o bullying sofrido pela filha. O ponto de partida das agressões foi a forma física da vítima. A resposta da escola foi que a menina apresenta dificuldade de interação com os colegas.

Na Bahia, em Teixeira de Freitas, um menino sofria bullying por racismo. O pai teve que apelar à polícia, após procurar a diretora e ouvir que o melhor era transferir o filho de escola.

Em Ribeirão Preto (SP), um pai relatou para a diretora da escola que o filho aparecia com escoriações e hematomas há mais de um ano. Ao ouvir da diretora que ele deveria resolver o problema diretamente com a família do agressor, ele se enfureceu, virou uma mesa e acabou detido pela polícia.

Esses três casos mostram o completo despreparo dos profissionais de educação para mediar casos de bullying.

O Brasil tem legislações preventivas, como a Lei do Bullying, que estabelece medidas a serem adotadas nas escolas, como o desenvolvimento da Cultura da Paz, e punitivas, como a Lei 14.811/24, que inclui o bullying no Código Penal e prevê até quatro anos de prisão.

A Lei 13.185 é clara ao definir as ações que devem obrigatoriamente ser implementadas por escolas e gestores para prevenir, monitorar e atender casos de bullying.

Escolas e gestores, atenção: a legislação sobre bullying exige mais do que simples palestras anuais ou reuniões esporádicas. É mandatório que as instituições desenvolvam e mantenham um plano de combate ao bullying, rigorosamente documentado e ativamente implementado.

A Justiça brasileira já está responsabilizando civil e criminalmente as instituições de ensino que falham em proteger seus alunos. Condenações cíveis e pesadas indenizações são realidades que podem afetar severamente as escolas.

A curto prazo, o bullying deteriora o ambiente educacional, transformando espaços de aprendizado em zonas de risco. É preciso investir agora na capacitação de educadores para garantir um ambiente seguro e inclusivo para todos.

A falta de ação não é apenas negligente; é financeiramente e moralmente custosa para a instituição e deixa cicatrizes psicológicas nas vítimas para o resto de suas vidas.


*Ana Paula Siqueira, Presidente da Associação SOS Bullying, mestre e doutoranda pela PUC/SP, professora universitária e pesquisadora em cyberbullying e violência digital.


Destaque – Imagem: Divulgação / +aloart


Publicação:
Sexta-feira | 28 de junho, 2024


Leia outras matérias desta editoria

Bolsonaro e o caso dos presentes: análise crítica da perseguição política

Jair Bolsonaro, ex-presidente do Brasil, está atualmente no centro de uma controvérsia jurídica que mais se assemelha a um teatro político do que a uma busca pela justiça. Por Fabio Tavares Sobreira* Acusado de receber presentes de luxo durante seu...

Educadores precisam ser capacitados para combater o bullying

O bullying está presente na vida de praticamente todas as crianças e jovens do Brasil. Vítimas, agressores ou pessoas que presenciaram casos de perseguição, todos já vivenciaram pelo menos um episódio de bullying e conhecem o sofrimento gerado por ele. Ana...

Você sabe o que é Misofonia? Conheça

Esta é uma síndrome de quem tem aversão a certos ruídos Irritabilidade, fúria e pânico são reações dessa doença estudada pelas ciências da Otorrinolaringologia e Fonoaudiologia. Por Dra. Cristiane Adami* Ruídos, em geral, são sons que nos causam incômodo,...

Dependência emocional: quando o amor cruza os limites saudáveis, entenda

O amor é uma parte essencial das relações humanas, proporcionando apoio, conexão e satisfação emocional. No entanto, existe uma linha tênue entre um amor saudável e uma dependência emocional prejudicial. Quando o amor ultrapassa os limites adequados, pode...

Um chamado à ação contra a dengue

Estou apreensiva e não sou a única. Como tantos outros e outras que conhecem bem a dor e a delícia de viver neste país, encaro com pesar o surto de dengue que assola diversas regiões, sobretudo por presidir a Sociedade Brasileira de Medicina de Família e...

Aumento da corrupção no Brasil altera fortemente o perfil dos investidores estrangeiros

Segundo o advogado especialista em direito internacional, Emanuel Pessoa, o problema sofre uma auto alimentação contínua pois investidores que aceitam a corrupção como parte das regras do jogo têm um incentivo a aportar seus recursos em território...

Não existe planeta B

Apesar do arrefecimento da temperatura nos últimos dias, o artigo a seguir foi elaborado durante a onda de calor que atingiu o Brasil, há algumas semanas. Por Zeliete Zambon* Está quente. Em conversas nos consultórios, nas escolas, nas lojas, nos...

Insegurança digital chega às farmácias: entre a saúde e o lucro, leia

Se hoje o acesso à saúde no Brasil ainda é deficitário, nos tempos dos nossos avós e bisavós o cenário era ainda mais árido. Inúmeras vezes, em especial nos rincões mais carentes do país, farmacêuticos desempenhavam o papel de médicos e farmácias (ou...