Em acelerado processo, em vez de abrigarem apartamentos acessíveis, prédios cada vez mais altos, construídos ao redor de estações de trem, metrô e corredores de ônibus, estão se tornando enclaves de alta renda, empurrando populações de menor poder aquisitivo para as periferias.

José Tadeu Arantes | Agência FAPESP


Um novo surto de verticalização está modificando rapidamente a paisagem urbana da cidade de São Paulo. Intensificado entre 2005 e 2019, o processo retomou seu ímpeto depois da pandemia. Áreas anteriormente de baixa densidade, como a região da avenida Faria Lima e os bairros de Pinheiros e Vila Madalena, são palcos da proliferação acelerada de edifícios altos e adquirem um novo perfil socioeconômico, a exemplo do que já havia ocorrido tempos atrás nos bairros de Moema e Santana e no vizinho município de Osasco. Trata-se de um fenômeno complexo, que interage com macroestruturas de financeirização global, dinâmicas de mercado imobiliário e políticas de habitação e planejamento urbano.

Com colaborações de vários especialistas, um livro investiga o tema em profundidade, comparando os processos de verticalização de diferentes cidades do mundo. Trata-se de Producing and living the high-rise: New contexts, old questions? [Produzindo e vivendo em arranha-céus: Novos contextos, velhas questões?], editado por Manoel Rodrigues Alves, professor do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (IAU-USP); Manuel Appert, professor da École Nationale Supérieure d’Architecture de Lyon, França; Christian Montès, professor da Université Lyon 2.

Moradias distantes das populações de baixa renda

“Adotando um olhar não eurocêntrico, o livro ilustra novas formas de produzir desigualdade por meio da verticalização residencial. E acrescenta uma nova dimensão à distribuição espacial das populações, reexaminando os processos de segregação e fragmentação na cidade”, diz Rodrigues Alves.

E informa que, na cidade de São Paulo, o atual boom de verticalização foi impulsionado por supostos novos modos de morar, mudanças na política de financiamento habitacional e pelas possibilidades encontradas por agentes do mercado imobiliário, em um contexto de financeirização da habitação, com a articulação das grandes corporações imobiliárias com fundos de investimento, que priorizam o retorno financeiro em detrimento de considerações ambientais ou sociais.

O resultado, explica o pesquisador, é uma produção de moradia que não atende às necessidades das populações de distintos perfis socioeconômicos, em particular as de baixa renda, intensificando ainda mais a segregação urbana. Bairros antes acessíveis, representação de uma cidade miscigenada e de uma maior equidade urbana, tornam-se enclaves de alta renda, empurrando populações de menor poder aquisitivo para periferias distantes.

Alta renda em áreas próximas ao transporte público

O Plano Diretor Estratégico de São Paulo, de 31 de julho de 2014, visando o adensamento ao longo dos chamados Eixos de Estruturação da Transformação Urbana, liberou áreas consideráveis ao redor de estações de trem, estações de metrô e corredores de transporte público para a construção de edifícios verticais sem limitação de andares. O objetivo declarado era oferecer opções, por meio do instrumento específico da “Cota Habitação”, de moradia para segmentos sociais de menor renda e promover a concentração populacional em regiões mais bem servidas por transporte público e equipamentos urbanos. “Mas o mercado imobiliário rapidamente encontrou maneiras de perverter o plano”, afirma Rodrigues Alves.

E destaca como agentes do mercado imobiliário, explorando brechas nas regulamentações de normas de planejamento, utilizam os espaços públicos no entorno de novos edifícios residenciais em São Paulo: “Em vez de uma maior equidade urbana, um olhar mais atento mostra como a suposta ‘inclusão’ é trabalhada por esses agentes, por meio de truques projetuais, para a obtenção de permissões das autoridades locais, muitas vezes resultando em uma paisagem urbana caracterizada por espaços urbanos privados e controlados com um certo grau de domínio público”.

Gentrificação

O pesquisador dá exemplos: em áreas limitadas a 55 metros quadrados, em vez de apartamentos populares de dois dormitórios, estão sendo construídos estúdios sofisticados, até mesmo financiados para empreendedores por meio do Programa Minha Casa, Minha Vida; a limitação de uma vaga por apartamento na garagem, conforme proposto pelo Plano Diretor, é contornada com o aluguel, a preços simbólicos, de vagas adicionais nos estacionamentos; a perversão dos “espaços públicos de fruição” no nível da rua ou a forma como é implementada a assim denominada “fachada ativa”, com os estabelecimentos comerciais de alto padrão.

“O processo de gentrificação ocorre inclusive no interior dos edifícios (built-high gentrification), onde os apartamentos mais altos são valorizados e conferem maior status social aos moradores. Em uma cidade de prédios cada vez mais altos, o descortínio visual tornou-se um valor agregado ao imóvel”, comenta Rodrigues Alves.


Destaque – São Paulo, capital. Vista da Vila Madalena/Alto de Pinheiros à noite. Abril, 2020. Foto: Cornelius Kibelka / +aloart


Publicação:
Quarta-feira | 3 de julho, 2024


Leia outras matérias desta editoria

8º Batalhão da PM completa 54 anos com festa e outorga de medalhas, vídeo

Um dos batalhões mais antigos da região Leste de São Paulo, localizado à Rua Vilela, no bairro Tatuapé, a Unidade da Polícia Militar e seu contingente de policiais militares têm a função de cuidar da segurança de parte da população que habita essa área da...

Dia da Pizza e São Paulo convida a todos para a festa

Já se falou tanto sobre pizzas que fica repetitivo. Ah! Vamos falar sério, isso deixa de ser uma verdade, pois é ótimo falar de pizza!!! Falar e pensar nas redondas, para muita gente, já traz uma sensação de prazer. Para os paulistanos o hábito de comer...

Faixa Azul para motociclistas na zona leste abrangem avenidas Salim Maluf e Aricanduva

O anúncio foi feito na sexta-feira (05/07) e essa é a maior extensão dessa sinalização entregue em 2024, o que faz julho começar com 145,7 km de novas faixas. A Prefeitura de São Paulo implantou mais dois trechos de sinalização da Faixa Azul em duas...

Dia da Pizza terá ação especial destinada à população vulnerável

Chamada de Pizza Amiga, serão entregues três mil pizzas para população de rua nas imediações do Largo do Paissandu, assistidas pelo Banho Solidário Sampa e outras entidades. A ação será realizada no centro da capital paulista. O próximo Dia da Pizza,...

Recreio nas Férias começa dia 10 de julho, avisa Prefeitura

Programa da Prefeitura está em sua 44ª edição, oferece refeições diárias, atividades recreativas, passeios culturais em 132 polos para atender bebês, crianças de 0 a 14 anos e vai até o dia 19 de julho. Devido à dificuldade das famílias com a compra de...

Verticalização está aumentando a segregação socioespacial em SP, afirmam especialistas

Em acelerado processo, em vez de abrigarem apartamentos acessíveis, prédios cada vez mais altos, construídos ao redor de estações de trem, metrô e corredores de ônibus, estão se tornando enclaves de alta renda, empurrando populações de menor poder...

Interdição na Ponte deputado Ricardo Izar, avisa CET

Em nota divulgada na manhã desta sexta-feira, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), informou a interdição. O órgão municipal vai monitorar o trânsito nas imediações da Ponte Dep. Ricardo Izar - Tatuapé, para a realização de obras de recuperação...

Prefeitura de SP publica calendário e regras de sorteio para vagas em pontos de táxi

O período de inscrições ocorre entre 24 de junho e 7 de julho de 2024. O sorteio para 3,6 mil vagas será realizado em 24 de julho de 2024. A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Executiva de Transporte e Mobilidade Urbana (SETRAM) e do...