Pesquisadores identificaram por microscopia a presença do SARS-CoV-2 nas células reprodutivas masculinas, ainda que exames de PCR não tenham detectado o vírus no sêmen; descoberta acende alerta para possíveis implicações na concepção natural e, principalmente, na reprodução assistida

Julia Moióli


Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) mostraram, pela primeira vez, que o vírus SARS-CoV-2 pode estar presente nos espermatozoides de pacientes até 90 dias após a alta hospitalar e até 110 dias após a infecção inicial, reduzindo a qualidade do sêmen. Os resultados da pesquisa, publicados recentemente na revista Andrology, alertam para a necessidade de se considerar um período de “quarentena” após a doença para quem pretende ter filhos.

Mais de quatro anos após o início da pandemia de COVID-19, já se sabe que o novo coronavírus é capaz de invadir e destruir uma série de células e tecidos humanos, entre eles os do sistema reprodutivo, dos quais os testículos funcionam como “porta de entrada”. Embora diversos estudos já tenham observado sua maior agressividade para o trato genital masculino em comparação a outros vírus e, até mesmo, detectado o SARS-CoV-2 na gônada masculina durante autópsias, o patógeno raramente é identificado em exames de PCR [teste molecular que detecta o material genético viral] do sêmen humano.

Adquirindo conhecimento sobre a doença

Para preencher essa lacuna de conhecimento científico, o estudo atual, financiado pela FAPESP, lançou mão das tecnologias de PCR em tempo real para detecção de RNA e de microscopia eletrônica de transmissão (TEM) para analisar espermatozoides ejaculados por homens convalescentes de COVID-19.

Foram estudadas amostras de sêmen de 13 pacientes infectados e que desenvolveram COVID-19 nas formas leve, moderada e grave atendidos no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina (HC-FM-USP), com idade entre 21 e 50 anos, em um período de até 90 dias após a alta e 110 dias após o diagnóstico. Apesar de todos terem testado negativo para a presença do SARS-CoV-2 no teste de PCR do sêmen, o vírus foi identificado em espermatozoides de oito dos 11 (72,7%) pacientes com doença moderada a grave até 90 dias após a alta hospitalar, o que, segundo os autores, não quer dizer que não esteja presente por mais tempo.

Detecção em 11 de 13 infectados

O SARS-CoV-2 também foi identificado em um dos dois pacientes com COVID-19 leve. Assim, entre os 13 infectados, nove (69,2%) tiveram SARS-CoV-2 detectado de forma intracelular nos espermatozoides ejaculados. Outros dois pacientes apresentaram desarranjos ultraestruturais nos gametas semelhantes aos observados nos pacientes em que o vírus foi diagnosticado. Desse modo, os pesquisadores consideram que, ao todo, foram 11 os participantes com a presença viral dentro do gameta masculino.

“Mais do que isso, observamos que os espermatozoides produzem ‘armadilhas extracelulares’ baseadas em DNA nuclear, ou seja, o material genético contido no núcleo se descondensa, as membranas celulares do espermatozoide se rompem e o DNA é expulso de forma extracelular, formando redes semelhantes às descritas anteriormente na resposta inflamatória sistêmica ao SARS-CoV-2”, relata Jorge Hallak, professor da FM-USP e coordenador do estudo.

Quebra de paradigma

Os resultados da microscopia eletrônica revelaram que os espermatozoides produzem armadilhas extracelulares baseadas em DNA nuclear para neutralizar o agente agressor e se “suicidam” no processo. Ou seja, a célula se “sacrifica” para conter o patógeno – mecanismo conhecido em inglês como suicidal ETosis-like response.

“A descrição, inédita na literatura, de que os espermatozoides atuam como parte do sistema inato de defesa a invasores confere ao estudo uma grande importância. Pode ser considerada uma quebra de paradigma na ciência”, avalia Hallak.

Reprodução assistida

Agora, com esta descoberta, além das quatro funções conhecidas dos espermatozoides, uma nova função foi adicionada à lista, além da reprodutiva.

“As possíveis implicações de nossas descobertas para o uso de espermatozoides em técnicas de reprodução assistida devem ser urgentemente consideradas e abordadas pelos médicos e órgãos regulatórios, particularmente na técnica utilizada em mais de 90% dos casos de infertilidade conjugal no Brasil, em laboratórios de micromanipulação de gametas, que é a injeção de um único espermatozoide dentro do óvulo – método conhecido como ICSI [do inglês, intracytoplasmic sperm injection]”, alerta Hallak, que defende adiamento da concepção natural e, particularmente, das técnicas de reprodução assistida por pelo menos seis meses após a infecção por COVID-19, mesmo em casos leves.


Fonte: Agência FAPESP


Destaque – Imagem: aloart


Publicação:
Sexta-feira | 31 de maio, 2024


Leia outras matérias desta editoria

Coronavírus pode permanecer no espermatozoide após a infecção, alerta pesquisa da USP

Pesquisadores identificaram por microscopia a presença do SARS-CoV-2 nas células reprodutivas masculinas, ainda que exames de PCR não tenham detectado o vírus no sêmen; descoberta acende alerta para possíveis implicações na concepção natural e,...

Brasileiros defendem investimentos públicos em ciência, aponta pesquisa

Maioria dos entrevistados na nova edição do estudo sobre “Percepção pública da ciência e tecnologia no Brasil” apontou que o governo deve aumentar ou manter os investimentos em pesquisa científica e tecnológica nos próximos anos. Elton Alisson | Agência...

Pesquisa demonstra relação entre poluição e riscos cardíacos em moradores de SP, leia

Estudo da USP, publicado na revista Environmental Research, analisou resultado das autópsias de 238 pessoas e dados epidemiológicos; perigo é maior para hipertensos Emilio Sant’anna | Agência FAPESP A relação entre viver em uma cidade poluída como São...

Cocaína nas águas da baía de Santos preocupa comunidade científica e afeta vida marinha, leia

A notícia chocou até os pesquisadores da Unisanta e da Unifesp em 2017 e vem sendo repercutida até agora com novos estudos que envolvem riscos aos animais marinhos. Informações de Elton Alisson | Agência Fapesp Além dos poluentes já conhecidos, a baía de...

Como a IA pode impulsionar a indústria vinícola europeia, conheça

Trazer a agricultura de precisão para as vinhas poderia ajudar os produtores de vinho a alcançar eficiências de produção e aumentar a competitividade deste setor extremamente importante. O setor agrícola como um todo está atualmente sob intensa pressão. Os...

Casca da jabuticaba reduz inflamação e glicemia em pessoas com síndrome metabólica, revela estudo

Em estudo com 49 participantes, pesquisadores da Unicamp observaram que o consumo diário de um suplemento contendo 15 gramas da substância ao longo de cinco semanas melhorou o metabolismo de glicose, inclusive após as refeições. Por Maria Fernanda Ziegler...

Exercícios físicos de musculação para idosos, leia estudo

Musculação melhora sintomas de depressão e ansiedade em idosos, confirma estudo de pesquisadores brasileiros que analisaram mais de 200 artigos sobre o tema e identificaram os tipos de treino mais indicados para esses casos. Resultados foram divulgados na...

Espécies invasoras chegaram ao Brasil por acaso e intencionalmente, diz estudo

Mosquito da dengue e outras espécies invasoras causam prejuízo anual de até R$ 15 bilhões no Brasil. Estimativa ainda pode estar subestimada devido a lacunas em estudos sobre o tema, avaliam autores de relatório. As espécies exóticas invasoras no Brasil,...