Memória de SP: Usina de Itupararanga – a chegada do Grupo Light ao interior


1911 – Rio Sorocaba visto a montante, no início das obras da Usina de Itupararanga. À frente, homens trabalham na entrada do canal de desvio. Foto: Arquivo FES-SP

1911 – Rio Sorocaba visto a montante, no início das obras da Usina de Itupararanga. À frente, homens trabalham na entrada do canal de desvio. Foto: Arquivo FES-SP

 


Quarta-feira, 10 de junho de 2015, às 05h45


Fundação Energia e Saneamento

Inaugurada no dia 26 de maio de 1914, a Usina Hidrelétrica de Itupararanga é um dos marcos do início da atuação da empresa anglo-canadense Light no interior do Estado. Instalada no rio Sorocaba, na Serra de São Francisco, em Votorantim, a usina centenária ainda opera com os geradores e turbinas originais e a sua represa – hoje a maior reserva de água de Sorocaba – é responsável pelo abastecimento de seis cidades da região.

São Paulo Electric Co. Ltda

Itupararanga começou a ser construída em 1911 pela São Paulo Electric Company, associada da Light. Para a construção da nova usina, a companhia obteve terrenos adjacentes ao Salto de Itupararanga, uma queda d’água de 80 metros de altura. A construção da hidrelétrica mobilizou, logo de início, aproximadamente dois mil operários, e a chefia dos trabalhos coube ao engenheiro inglês Frank Robotton. A primeira unidade geradora foi acionada no dia 26 de maio de 1914 – sendo as unidades dois e três inauguradas nos dias 10 de junho e 22 de agosto do mesmo ano, respectivamente.

 

Vista geral da Usina de Itupararanga. Ao centro, as linhas adutoras e as moradias dos trabalhadores. S.d. Foto: Arquivo FES-SP

Vista geral da Usina de Itupararanga. Ao centro, as linhas adutoras e as moradias dos trabalhadores. S.d. Foto: Arquivo FES-SP

 

À época, Itupararanga tinha como prioridade gerar energia para ser enviada à cidade de São Paulo, de forma a auxiliar a produção da Usina de Parnaíba, que não possuía mais capacidade de atender ao crescente consumo de eletricidade da Capital.

Em 1914, o Estado passava por uma seca rigorosa e o início das atividades de Itupararanga aliviou a pressão sobre Parnaíba e a termelétrica Paula Souza, instalada na Capital em 1912 para complementar a demanda por energia. Inicialmente com a capacidade de 30.000 kW, a hidrelétrica de Itupararanga foi ampliada e sua potência máxima chegou a 56.000 kW em 1925.

 

Vista parcial da barragem já inaugurada, destacando o reservatório principal. 1916. Foto: Guilherme Gaensly / Arquivo FES-SP

Vista parcial da barragem já inaugurada, destacando o reservatório principal. 1916. Foto: Guilherme Gaensly / Arquivo FES-SP

 

Hoje centenária, a Usina de Itupararanga deixou de abastecer as cidades da região para atender apenas às necessidades do Grupo Votorantim, ao qual pertence. No entanto, segue inalterada a sua importância como reservatório para o abastecimento público, assegurada com a criação, em 1998, da Área de Proteção Ambiental (APA) de Itupararanga. A APA abrange a bacia hidrográfica formadora do manancial, rico em biodiversidade, e que se tornou um ponto de lazer e pesca.

“Com a sua produção de energia elétrica, as usinas do Itupararanga são o mais importante conjunto hidroelétrico da América do Sul e ocupam o sétimo lugar entre as suas congêneres de todo o mundo”

O Estado de S. Paulo, 17 de dezembro de 1913

1911 – Início das obras da Usina de Itupararanga, com a escavação de rochas do futuro canal. Foto: Arquivo FES-SP

 

clique nas imagens para ampliar

1913 – Vista da construção da barragem principal da Usina de Itupararanga. Foto: Arquivo FES-SP

17/4/1914 – Turbina número 1 da Usina de Itupararanga, um mês antes da inauguração. Foto: Arquivo FES-SP

1916 – Ponte metálica sobre o rio Sorocaba. Em 1915, após a construção da Usina, a São Paulo Electric implantou o serviço de bondes elétricos em Sorocaba. Foto: Guilherme Gaensly / Arquivo FES-SP

Hotéis italianos no Largo do Brás. Na capital, além do Brás, os bairros do Bixiga e Mooca eram redutos da colônia italiana em São Paulo. 26/8/1900.  Guilherme Gaensly

Hotéis italianos no Largo do Brás. Na capital, além do Brás, os bairros do Bixiga
e Mooca eram redutos da colônia italiana em São Paulo. 26/8/1900.
Guilherme Gaensly

Leia mais sobre
HISTÓRIA DE SÃO PAULO

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Pandemia não impede obras de infraestrutura no Brasil, vídeo
3º Drive Thru Solidário acontece sábado (16) na Rua Emília Marengo
Governador João Doria confirma quarentena até 31 de maio
Pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro sobre saída de Sérgio Moro de seu governo
Coletiva de imprensa convocada por Sérgio Moro
Conferência interministerial do governo Bolsonaro, assista ao vivo
Pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro
Atualizações interministeriais do Governo Federal contra a COVID-19, ao vivo
  • Pandemia não impede obras de infraestrutura no Brasil, vídeo

  • 3º Drive Thru Solidário acontece sábado (16) na Rua Emília Marengo

  • Governador João Doria confirma quarentena até 31 de maio

  • Pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro sobre saída de Sérgio Moro de seu governo

  • Coletiva de imprensa convocada por Sérgio Moro

  • Conferência interministerial do governo Bolsonaro, assista ao vivo

  • Pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro

  • Atualizações interministeriais do Governo Federal contra a COVID-19, ao vivo

Categorias

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Share This