Rapidão é o projeto da Prefeitura para o trânsito da Radial Leste, vídeo


Segunda-feira, 14 de maio de 2018 às 16h35


A Prefeitura de São Paulo divulgou na última sexta-feira em coletiva de imprensa e publicou no Diário Oficial do Município no sábado (12), uma notícia que pode melhorar a vida das pessoas que moram na área mais populosa da cidade, a zona Leste.

Gerson Soares

De acordo com o órgão municipal, encontra-se aberto aos interessados, por meio da Secretaria Municial de Desestatização e Parcerias, um edital de Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) para receber da iniciativa privada estudos para a implantação, manutenção e operação da infraestrutura do BRT (Bus Rapid Transit) e paradas de embarque na Radial Leste.

 

Ilustração modelo do "Rapidão da Radial Leste", nome dado pela Prefeitura. Imagem: divulgação

 

Para quem vive diariamente o trânsito da ida e vinda do trabalho, da faculdade, de quem precisa fazer deslocamentos e mora entre o Parque Dom Pedro II, Guaianazes e além, a chegada do Rapidão – como já está sendo batizado – pode trazer alívio e economia, nas inúmeras horas perdidas durante os congestionamentos cotidianos na via de ligação do Leste com o centro de São Paulo. O projeto engloba 28,8 km entre a estação Pedro II e o terminal Guaianazes da CPTM, terá 29 paradas de embarque e poderá custar aproximadamente 550 milhões.


Saiba mais:
Política de transportes – Mobilidade urbana
Imigrante de 91 anos atravessa a zona Leste de bike


“O BRT significa melhoria de qualidade no sistema de transporte e diminuição do tempo de trajeto das pessoas entre suas casas e locais de trabalho. Essa linha vai ajudar a desafogar a linha vermelha do Metrô. Será uma grande conquista para a cidade de São Paulo”, afirmou o prefeito Bruno Covas, durante entrevista coletiva realizada na sexta-feira (11).

“O sistema BRT tem modelos de sucesso em algumas cidades brasileiras, em São Paulo existe o Expresso Tiradentes, mas temos bons exemplos também no México, China e Estados Unidos. Ele traz rapidez no deslocamento e é mais barato se comparado à implantação de metrô, por exemplo. A cada 1 km de metrô, é possível implementar mais de 16 km de BRT”, comparou o secretário municipal de Desestatização e Parcerias, Wilson Poit.

 

Lentidão na Radial Leste por volta das 06h30: este cenário já faz parte do cotidiano de quem mora na zona Leste da cidade e busca o centro nas manhãs e finais de tarde. O trânsito é intenso durante todo o dia, onde um pneu furado pode causar enormes congestionamentos. Foto: aloimage

 

Por trás dessa novidade está a chinesa BYD

Essa implantação incluirá desapropriações, requalificação das vias asfálticas e calçadas, construção de viadutos, túneis e passarelas. A implantação do sistema BRT na Radial Leste pode melhorar muito a mobilidade em São Paulo. Conforme divulgado pela Prefeitura, poderão participar do PMI pessoas físicas e jurídicas, nacionais ou estrangeiras, individualmente ou em consórcio, que preencham os requisitos de participação previstos no edital. Os interessados em participar do procedimento devem realizar o credenciamento em até 20 dias após a publicação do edital.

Segundo divulgado pelo Jornal do Brasil no dia 11, o PMI foi convocado porque a Prefeitura de São Paulo recebeu manifestação de interesse da BYD no projeto. A empresa, fabricante chinesa de ônibus elétricos, já possui veículos em fases diversas de testes e funcionamentos desde 2015. Há poucos meses doou carros elétricos à Prefeitura e agora deve ocupar lugar de destaque entre os concorrentes pelo BRT na Radial Leste.

Sem novidades

Já há quem discorde das afirmações feitas pelo prefeito e seu secretariado, pois o problema da Radial Leste também passaria por ampliações do metrô, como a linha 15 Prata e a linha 2 Verde que está parada. Se considerarmos o crescimento populacional, a solução será bem-vinda. Mas ainda é cedo para afirmar que os problemas da massa populacional que se desloca diariamente da área com maior densidade demográfica da cidade e depois precisa retornar, estará resolvido com essa medida. No entanto, a que se levar em conta a atenção do órgão municipal neste assunto.

A implantação de um corredor de ônibus nessa parte da cidade já é antiga. Ganhou publicidade na gestão do prefeito Gilberto Kassab (PSD) em 2011, no entanto não vingou. Depois veio Fernando Haddad (PT), que tentou colocá-la em prática, mas foi impedido pelo TCU (Tribunal de Contas da União). “Obras para corredor de ônibus em São Paulo têm sobrepreço e não receberão mais recursos federais”, divulgou o órgão em agosto de 2016. A notícia continua enfatizando a paralização desde março de 2015 e um sobrepreço de 49,5 milhões de reais, 13% do valor do contrato.

Ônibus elétrico articulado da BYD testado em São Paulo

Mova-se
Publicado em 16 de set de 2015

Família na política: Neto do ex-governador Mario Covas, Bruno Covas recebe elogios do tio, filho do primeiro, Mario Covas Neto. Foto: divulgação

Leia mais sobre
ALÔ SÃO PAULO

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Bolsonaro lança partido Aliança pelo Brasil
Nota de repúdio da Associação Nacional dos Procuradores da República, vídeo
Pátria Amada Brasil: 300 dias de Governo
Alexandre Garcia: visão de mais de 50 anos de jornalismo
Plano Safra é lançado com R$ 225,59 bilhões para produtores
Presidente pede confiança para mudar o Brasil, vídeo
Presidente Bolsonaro concede entrevista à Jovem Pan: balanço dos 100 dias de governo
Itália em São Paulo
  • Bolsonaro lança partido Aliança pelo Brasil

  • Nota de repúdio da Associação Nacional dos Procuradores da República, vídeo

  • Pátria Amada Brasil: 300 dias de Governo

  • Alexandre Garcia: visão de mais de 50 anos de jornalismo

  • Plano Safra é lançado com R$ 225,59 bilhões para produtores

  • Presidente pede confiança para mudar o Brasil, vídeo

  • Presidente Bolsonaro concede entrevista à Jovem Pan: balanço dos 100 dias de governo

  • Itália em São Paulo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*