Sábado | 11 de julho, 2020 | 20h11

 

INFRAESTRUTURA


Imagine um país rico e gigantesco que só patina nos trilhos da economia mundial. Imaginou? Esse país era o Brasil que parece ter arranjado um bom obreiro para fazê-lo sair da estação e entrar no ritmo do “chichic” e “piuííí” da locomotiva.

Se a vontade do ministro da Infraestrutura Tarcísio Gomes de Freitas e sua equipe continuar chacoalhando pelos trilhos do progresso, finalmente veremos avanços no que diz respeito ao transporte de cargas, e por consequência de passageiros, através dos trilhos.

 

Colocando o Brasil nos trilhos do progresso. Foto: divulgação / MInfra

 

O Brasil precisava alavancar projetos de infraestrutura de transportes para poder crescer. Um deles, talvez o mais importante, é o da modernização ferroviária. Uma espinha dorsal está sendo traçada no território nacional pelo Ministério da Infraestrutura (MInfra) do governo Jair Bolsonaro e isso poderá mudar o panorama de crescimento do país. Com a malha ferroviária mais abrangente uma série de consequências irão se desencadear.

Dentre elas podemos citar a rapidez no transporte de grãos ou a agilidade para fazer chegar a produção brasileira aos portos – que também estão sendo reestruturados. As atividades mais recentes que envolvem esse ministério – com a cara do seu Executivo fala pouco e trabalha muito – demonstram que a pasta está fazendo aquilo que precisa ser feito, há muito tempo.

Crescimento e privatizações

“Nosso objetivo é que em oito anos a participação do modo ferroviário supere 30%”, previu ele nesta sexta-feira (10), durante o Webinar nos Trilhos, promovido pela Revista Ferroviária. “Onde foram debatidos os planos e ações do Governo Federal para o setor, além dos processos de renovação antecipada dos contratos de concessão ferroviária e os novos projetos”, divulgou o ministério que pretende dar protagonismo aos investimentos privados.

 

Fevereiro/2020: Ferrovia Norte-Sul inicia transporte de locomotivas. Foto: Carlos Neto / MInfra

 

“A estratégia ferroviária pretende reequilibrar a matriz de transportes e dobrar a participação do modo ferroviário em oito anos, a partir dos investimentos planejados e plantados. Vamos trazer inovações para o marco regulatório de maneira que facilite a chegada do investimento privado”, afirmou. Atualmente, o modo ferroviário corresponde a 15% da matriz de transporte brasileira. O objetivo é chegar a 30% nos próximos anos.

Ainda no debate, Tarcísio cita que a finalidade do programa de concessões do MInfra é ajudar e melhorar a vida do cidadão. “A lógica é melhorar a eficiência do sistema de transportes, reduzindo os tempos de viagem, trazer mais segurança para as operações e diminuir o custo da operação” ressaltou.

Freitas ainda comentou que o Brasil terá uma malha muito mais otimizada e muito mais eficiente para atender a demanda necessária. “Nós temos uma responsabilidade com o brasileiro e vamos buscar o investimento onde ele estiver, assim conseguiremos gerar mais empregos. A grande alavanca será com renovações antecipadas, novas concessões e autorizações ferroviárias. Os investimentos podem chegar a R$ 40 bilhões, mas têm potencial de atingir R$ 100 bilhões.” destacou.

Confira a viagem do Secretário de Transportes Terrestres, Marcello Costa, à FIOL

 
 

Em visita a Ferrovia de Integração Oeste-Leste (FIOL), o Secretário de Transportes Terrestres, Marcello Costa, conta um pouco da aposta do Governo Federal no modal ferroviário. A FIOL será o elo de ligação entre as ferrovias do Litoral e a Norte-sul e deverá melhorar a logística do transporte de carga no país. Além disso, promete ser um marco importante no projeto de desenvolvimento e crescimento em competitividade do Brasil no exterior.

Penaforte, CE – Presidente da República Jair Bolsonaro posa para fotografia no canal de transposição do Rio São Francisco. Foto: Alan Santos /PR

Leia mais sobre
ALÔ BRASIL

 

Leia as últimas publicações

Categorias