Inteligência artificial, robotização e Medicina Personalizada


Terça-feira | 26 de fevereiro, 2019 | 11h54


Em abril de 2019, Global Summit Telemedicine & Digital Health mostrará como as novas ferramentas e a inteligência artificial já estão revolucionando a Medicina no Brasil e no mundo.

“Temos como objetivo desmistificar a inteligência artificial, situando-a no nosso dia a dia. O segundo passo é nomearmos o termo em nossa prática clínica e associá-lo à Telemedicina, robótica e Medicina em geral. Por fim, como podemos formar futuros médicos e profissionais da Saúde para essa realidade e quais profissões surgirão com este fenômeno? Se alcançarmos esses pontos, já demos um passo importante”.

 

Foto: APM / divulgação. Arte: aloart



Essa é a visão do coordenador do II Telemedicine Update, Chao Lung Wen, iniciativa preparatória para o Global Summit Telemedicine & Digital Health, que acontece de 4 a 6 de abril de 2019 no Transamerica Expo Center.

Chefe da Disciplina de Telemedicina da FMUSP, Chao pontua que a inteligência artificial está presente em situações simples da vida cotidiana, como em aplicações do Google Assistant e a Siri, que utilizam processamento de voz para atuar como assistente pessoal. Também estão no Facebook, que utiliza o reconhecimento de imagem para recomendar marcações em fotos; em aplicativos de reconhecimentos musicais; em tradutores on-line; e em mapas, por exemplo.

Ele traça algumas considerações importantes sobre o uso da IA na prática médica: “A inteligência artificial precisar ser ensinada e validada no campo acadêmico. Temos que treinar os médicos e profissionais da saúde para essa realidade e prepará-los para os questionamentos éticos, morais e sociais quanto a esse uso, além de observarmos os custos para montar e manter infraestrutura de banco de dados.”

IA

Luis Velez Lapão, da Universidade Nova de Lisboa, um dos conferencistas internacionais do Global Summit, também destaca a importância da IA no processo de decisão e na interação com os pacientes, resgatando os objetivos de desenvolvimento sustentável da Organização das Nações Unidas.

“Acima de tudo, precisamos considerar a vida sustentável na Terra. Ou seja, não podemos pensar apenas em novas tecnologias e ferramentas robóticas, temos que refletir ainda sobre a direção ética e econômica, porque enfrentamos um período complicado de mudanças climáticas cada vez mais evidentes, entre outras questões, como envelhecimento populacional, co-morbilidades, práticas medicamentosas exacerbadas, falta de recursos humanos em Saúde, custos altos de vida, desafios de digitalização e novos hábitos consumistas.”

Lapão reitera que a transformação digital em serviços de saúde trouxe três grandes impactos para a área: novas tecnologias digitais vinculadas à gestão/conhecimento dos processos de interação com pacientes e a importância da capacitação dos profissionais.

“Nesse sentido, precisamos focar nas melhorias do desempenho do sistema de saúde. De como essas novas tecnologias vão trazer melhorias aos pacientes e profissionais, a exemplo da redução de internações e economias ao setor. Por outro lado, como a Telemedicina integrará os serviços médicos.”

Ainda de acordo com ele, inicialmente a IA assumirá o papel de assistente nas diversas áreas da Saúde e, aos poucos, essas funções serão completamente automatizadas. No futuro, em sua visão, a ciência de dados e a inteligência artificial terão importância na formação curricular médica. E a Medicina terá a mesma equivalência da Telemedicina.

Robotização

Chao Wen exemplifica modelos de robôs já usados no mundo, como equipamentos de limpeza e higienização automática em hospitais, cuidadores em home-office e ferramentas que mimetizam o relacionamento emocional com animais, usadas em pacientes para tratamento de depressão, ansiedade e demência.

“A videoconferência é um sistema robótico, muitos hospitais a utilizam para agilizar o atendimento em UTIs e prontos-socorros. E temos ainda os robôs capazes de executar cirurgias delicadas”, acrescenta.

Opinião semelhante tem Tatiana Almeida, médica geneticista do Hospital Israelita Albert Einstein. Veja o que ela pensa a respeito da necessidade de os profissionais entenderem que as novas ferramentas vêm como formar de facilitar os processos das pesquisas baseadas em evidências.

“A máquina não substituirá o trabalho do médico, ele só irá ganhar tempo extra para execução de suas tarefas, com a agilidade dos recursos desse mecanismo. Dois pontos que devemos levar em consideração: nem tudo automatizado é inteligência artificial e não há Medicina Personalizada sem a atuação humana”, finaliza.


Fonte: ASCOM / APM

Acesse a nova página especial sobre Telemedicina e Saúde Digital. Ilustração: aloart / sobrefotos

Leia mais sobre
TELEMEDICINA

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Pandemia não impede obras de infraestrutura no Brasil, vídeo
3º Drive Thru Solidário acontece sábado (16) na Rua Emília Marengo
Governador João Doria confirma quarentena até 31 de maio
Pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro sobre saída de Sérgio Moro de seu governo
Coletiva de imprensa convocada por Sérgio Moro
Conferência interministerial do governo Bolsonaro, assista ao vivo
Pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro
Atualizações interministeriais do Governo Federal contra a COVID-19, ao vivo
  • Pandemia não impede obras de infraestrutura no Brasil, vídeo

  • 3º Drive Thru Solidário acontece sábado (16) na Rua Emília Marengo

  • Governador João Doria confirma quarentena até 31 de maio

  • Pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro sobre saída de Sérgio Moro de seu governo

  • Coletiva de imprensa convocada por Sérgio Moro

  • Conferência interministerial do governo Bolsonaro, assista ao vivo

  • Pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro

  • Atualizações interministeriais do Governo Federal contra a COVID-19, ao vivo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Share This