Ministra Luislinda deixa o ministério dos Direitos Humanos


Segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018 às 21h16


Além da forma exótica como se apresenta, ela também ficou conhecida por alegar que exercia trabalho escravo com a impossibilidade do acúmulo de dois salários em cargos públicos que lhe renderiam 61,4 mil reais por mês.

A pobre ex-ministra dos Direitos Humanos, Luislinda Valois, deixa o cargo onde recebia 33,7 mil reais – o teto máximo permitido ao funcionalismo público pela Constituição – e em seu lugar assume interinamente o chefe da Subchefia para Assuntos Jurídicos da Casa Civil, Gustavo do Vale Rocha, que acumulará as duas funções. A exoneração de Luislinda será publicada nesta terça-feira no Diário Oficial da União.

 

Ex-ministra Luislinda Valois que entregou o cargo nesta segunda-feira (19). Foto: Jonas Pereira/Agência Senado

 

Nomeada em fevereiro de 2017, antes ela era secretária Nacional de Promoção da Igualdade Racial do Ministério da Justiça. No ano passado, a desembargadora aposentada do Tribunal de Justiça da Bahia, onde recebe R$ 30.471,10, foi alvo de zombarias dos brasileiros nas redes sociais, depois da sua afirmação de estar exercendo trabalho escravo, diante da negativa que não lhe permitiu acumular os salários de ambos os cargos. Juntos, alcançariam a soma de 61,4 mil bruto por mês.

A reclamação estendeu-se por 207 páginas, onde conclui que sem o acúmulo salarial exerceria “trabalho análogo à escravidão”. De acordo com a Coluna Estadão, em novembro do ano passado a ministra disse que essa situação, “sem sombra de dúvidas, se assemelha ao trabalho escravo, o que também é rejeitado, peremptoriamente, pela legislação brasileira desde os idos de 1888 com a Lei da Abolição da Escravatura”.

Conforme noticiou hoje (19) a Agência Brasil, Luislinda era filiada ao PSDB até dezembro do ano passado. Quando o partido se dividiu a respeito do rompimento com o governo de Michel Temer, dois ministros entregaram os cargos. Ela optou pela desfiliação do partido e continuou no cargo, mesmo com o salário de R$ 3.292,00.

Rogério Marinho: deputado apresentou parecer que modifica o funcionamento dos planos de saúde no País. Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Leia mais sobre
POLÍTICA

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Pandemia não impede obras de infraestrutura no Brasil, vídeo
3º Drive Thru Solidário acontece sábado (16) na Rua Emília Marengo
Governador João Doria confirma quarentena até 31 de maio
Pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro sobre saída de Sérgio Moro de seu governo
Coletiva de imprensa convocada por Sérgio Moro
Conferência interministerial do governo Bolsonaro, assista ao vivo
Pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro
Atualizações interministeriais do Governo Federal contra a COVID-19, ao vivo
  • Pandemia não impede obras de infraestrutura no Brasil, vídeo

  • 3º Drive Thru Solidário acontece sábado (16) na Rua Emília Marengo

  • Governador João Doria confirma quarentena até 31 de maio

  • Pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro sobre saída de Sérgio Moro de seu governo

  • Coletiva de imprensa convocada por Sérgio Moro

  • Conferência interministerial do governo Bolsonaro, assista ao vivo

  • Pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro

  • Atualizações interministeriais do Governo Federal contra a COVID-19, ao vivo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Share This