Por que comigo?


Sexta-feira | 22 de novembro, 2019 | 16h56


Abortos espontâneos são mais comuns do que se imagina, mas o tabu sobre o tema pode fazer mulheres se culparem indevidamente.

O aborto espontâneo acontece em uma a cada cinco gestações detectadas. No caso daquelas que não chegam a ser percebidas, a taxa aumenta para uma a cada três. Está entre as complicações mais comuns da obstetrícia, ocorrendo em aproximadamente 15% das pacientes com menos de 20 semanas de gravidez.

 

A origem do aborto espontâneo não está, em sua maioria, nos hábitos ou comportamentos da mãe. Foto: divulgação / SOGESP



A origem do aborto espontâneo não está, em sua maioria, nos hábitos ou comportamentos da mãe. Contudo, o tabu que existe em torno desse quadro clínico pode levar muitas mulheres à desinformação e a traumas emocionais.

Segundo a doutora Rosiane Mattar, professora titular do Departamento de Obstetrícia da Escola Paulista de Medicina e coordenadora científica da área na Associação de Obstetrícia e Ginecologia de São Paulo (SOGESP), existem várias causas para a perda precoce do bebê. A mais frequente é a anomalia dos genes e cromossomos durante o crescimento do embrião, podendo resultar em seu óbito ou em alterações no ovo fertilizado. Gestantes com condições crônicas como diabetes não controlada também estão mais propensas a sofrerem aborto.

Porém, a gineco-obstetra chama a atenção para alguns fatores de risco. A idade materna avançada aumenta a chance de problemas no desenvolvimento do feto. Aos 45 anos, a probabilidade de perda é 80% maior. Mulheres que já sofreram abortos anteriores, fazem uso de tabaco, álcool e drogas ilícitas, estão muito abaixo ou muito acima do peso ou possuem anomalias uterinas também são alvos dessa condição clínica.

“Mas, depois que a mulher engravida, não existe uma forma de prevenir o aborto. Caso venha a acontecer, indicação da Organização Mundial da Saúde
(OMS) é esperar seis meses para tentar engravidar novamente. Nesse meio tempo, é preciso repor o ferro perdido e manter bons hábitos de saúde. O recomendado é que espere, no mínimo, uma menstruação”, aconselha dra. Rosiane.

A recuperação geralmente é rápida. O cuidado maior é com a questão psicológica e emocional, visto que é uma perda muito difícil para o casal e, principalmente, para a mulher. A equipe médica deve ter a sensibilidade necessária para conduzir tanto a chamada “espera vigilante”, onde a paciente libera o material espontaneamente, quanto a intervenção clínica, por meio de aspiração manual intrauterina (AMIU).

É importante que a família esteja ao lado do casal para dar o apoio necessário. As questões emocionais podem levar a mãe a se culpar pelo o que aconteceu, resultando em problemas psicológicos e insegurança. Em um momento tão difícil, o melhor é ter paciência e seguir as recomendações do profissional obstetra que acompanha a gestação.

Leia mais sobre
MEDICINA&SAÚDE

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Pandemia não impede obras de infraestrutura no Brasil, vídeo
3º Drive Thru Solidário acontece sábado (16) na Rua Emília Marengo
Governador João Doria confirma quarentena até 31 de maio
Pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro sobre saída de Sérgio Moro de seu governo
Coletiva de imprensa convocada por Sérgio Moro
Conferência interministerial do governo Bolsonaro, assista ao vivo
Pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro
Atualizações interministeriais do Governo Federal contra a COVID-19, ao vivo
  • Pandemia não impede obras de infraestrutura no Brasil, vídeo

  • 3º Drive Thru Solidário acontece sábado (16) na Rua Emília Marengo

  • Governador João Doria confirma quarentena até 31 de maio

  • Pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro sobre saída de Sérgio Moro de seu governo

  • Coletiva de imprensa convocada por Sérgio Moro

  • Conferência interministerial do governo Bolsonaro, assista ao vivo

  • Pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro

  • Atualizações interministeriais do Governo Federal contra a COVID-19, ao vivo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Share This