Sirius, a nova fonte síncrotron, tem 71% das obras de infraestrutura concluídas


Segunda-feira, 22 de janeiro de 2018 às 20h19


As obras de infraestrutura da fonte de luz síncrotron Sirius estão 71% concluídas, informou o diretor do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS), Antonio José Roque, a representantes de setores estratégicos do governo federal, em workshop no Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) no último dia 27 de novembro.

Agência FAPESP

“Hoje, podemos dividir as obras em três partes: a civil, a do conjunto de aceleradores de elétrons e a das estações experimentais, chamadas de linhas de luz”, explicou José Roque . “O prédio teve um projeto executivo extremamente longo, devido à necessidade de estabilidade do piso, e isso inclusive trouxe avanços para a engenharia civil nacional. A expectativa é de que 85% dos gastos ocorram em empresas brasileiras. As obras civis tiveram início em janeiro de 2015 e já estão 71% prontas. A parte interna também está bem avançada.”

 

Equipamento será ferramenta poderosa para pesquisas em agricultura, energia e materiais, meio ambiente, recursos naturais e saúde. Imagem: CNPEM

 

Para o diretor de Programa do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MPDG), André Arantes Luciano, a inauguração representará uma inflexão na história da infraestrutura tecnológica nacional. “Se tudo der certo, as primeiras linhas estarão disponíveis para a comunidade científica em 2018”, reforçou.

O gerente da Divisão Científica do LNLS, Harry Westfahl Junior, ilustrou potenciais da ferramenta científica para agricultura, energia e materiais, meio ambiente, recursos naturais e saúde. O Sirius servirá à análise estrutural de materiais orgânicos e inorgânicos. A luz síncrotron é responsável por atravessar amostras e revelar informações a respeito dos materiais, no nível dos seus átomos e moléculas.

O prédio tem 68 mil metros quadrados (m²), construídos em uma área de 150 mil m², próxima ao Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), em Campinas (SP).


Para mais informações acesse: http://www.lnls.cnpem.br/sirius/.

O detector Super-Kamiokande, no Japão. Localizado 1.000 metros abaixo do solo, o equipamento é constituído por um tanque de aço inoxidável com 50 mil toneladas de água. E cerca de 11 mil sensores. Nele foi realizado e experimento que deu o Nobel a Kajita. Foto:Kamioka Observatory/ICRR/University of Tokyo

Leia mais sobre
TECNOLOGIA

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Pandemia não impede obras de infraestrutura no Brasil, vídeo
3º Drive Thru Solidário acontece sábado (16) na Rua Emília Marengo
Governador João Doria confirma quarentena até 31 de maio
Pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro sobre saída de Sérgio Moro de seu governo
Coletiva de imprensa convocada por Sérgio Moro
Conferência interministerial do governo Bolsonaro, assista ao vivo
Pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro
Atualizações interministeriais do Governo Federal contra a COVID-19, ao vivo
  • Pandemia não impede obras de infraestrutura no Brasil, vídeo

  • 3º Drive Thru Solidário acontece sábado (16) na Rua Emília Marengo

  • Governador João Doria confirma quarentena até 31 de maio

  • Pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro sobre saída de Sérgio Moro de seu governo

  • Coletiva de imprensa convocada por Sérgio Moro

  • Conferência interministerial do governo Bolsonaro, assista ao vivo

  • Pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro

  • Atualizações interministeriais do Governo Federal contra a COVID-19, ao vivo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Share This