Alexandre de Moraes tomou decisão política, diz Bolsonaro


Quinta-feira | 30de abril, 2020 | 11h56


POLÍTICA


Bolsonaro considerou-se desautorizado pelo ministro do STF, órgão que tem influenciado sobremaneira nas questões políticas. Com isso, o STF ganhou a atenção de um grupo de parlamentares que propõem, inclusive, o impeachment de ministros. Eles pedem uma CPI para investigar decisões como a que barrou o nome de Alexandre Ramagem.

Gerson Soares

O presidente da República, Jair Bolsonaro, fez um desabado em seu pronunciamento na manhã desta quinta-feira (30), depois de ter sido barrada sua indicação para a diretoria geral da Polícia Federal. O ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, suspendeu a nomeação de Alexandre Ramagem, feita pelo presidente da República, fato que gerou o desconforto, já que cabe ao presidente essa prerrogativa de acordo com a Constituição Brasileira.

 

Solenidade de posse do ministro da Justiça e Segurança Pública e do advogado-geral da União. Alexandre Ramagem, barrado por decisão monocrática de um ministro do STF, deixou de ser empossado como diretor-geral da Polícia Federal. Foto: Marcos Corrêa/PR

 

“Publicamos no Diário Oficial hoje a não indicação do Alexandre Ramagem”, chateou-se o chefe da Nação. “Estamos estudando um novo nome para fazer com que a Polícia Federal tenha realmente isenção”, destacou e comentou sua indignação. “Desautorizar o presidente da República numa canetada, dizendo impessoalidade”, desabafou entre a aceitação e o questionamento. “Eu apelo a todos que respeitem a Constituição”.

Repetindo não engolir a decisão do ministro Alexandre de Moraes, o presidente brasileiro, continuou. “Não é essa forma de tratar o chefe do Executivo, que não tem uma acusação de corrupção, que faz todo o possível pelo seu país. Sacrifica sua família, sacrifica seus amigos, sacrifica a todos. Essa decisão inclusive, não repercutiu bem, obviamente, junto aos policiais federais.”

Usando o termo “canetada” ironicamente, Bolsonaro disse estar aguardando que o ministro do STF retire Alexandre Ramagem da ABIN. “Se ele não pode trabalhar na Polícia Federal também não pode trabalhar na ABIN. É questão de coerência”, justificou, solicitando providências a Alexandre de Moraes quanto a retirá-lo também do cargo que ocupa na Agência Brasileira de Inteligência (ABIN).

Lava Toga

Pelo menos desde o início do ano passado – quando houve uma renovação no Congresso Nacional através da eleição de novos parlamentares e a rejeição a muitos que ocupação as poltronas do Senado e Câmara dos Deputados –, o Supremo Tribunal Federal têm sido questionado por congressistas, quanto às decisões adversas e políticas que norteiam a mais alta corte do país, segundo eles.

Antes da pandemia de coronavírus, um dos assuntos que constante circulavam pela Câmara dos Deputados e Senado Federal era a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o órgão judiciário. Esse movimento é conhecido como Lava Toga, numa alusão à Operação Lava Jato que desmaterializou a crescente corrupção no país.

Na quarta-feira passada (22), o senador Eduardo Girão (Podemos-CE), afirmou que os parlamentares precisam se “aproximar mais da sociedade”, mas ressaltou que a democracia é o único caminho possível. Ele disse “entender perfeitamente” a indignação de parte da população para com a “paralisia” de algumas pautas, como a da aprovação da prisão de condenados em segunda instância, a criação da “CPI da Lava Toga” e a análise de pedidos de impeachment de ministros do Supremo Tribunal Federal, publicou a Agência Senado de Notícias.

Decisão política

“Resta ao senhor Alexandre de Moraes, agora, decidir se o Ramagem pode continuar na ABIN (Agência Brasileira de Inteligência), porque se ele não pode ser diretor-geral da Polícia Federal, também não pode ser da ABIN”, questionou sobre a confiança no nome indicado por ele.

Bolsonaro, disse que a AGU (Advocacia Geral da União) vai recorrer da decisão, mas a decisão do ministro do STF pode demorar semanas ou meses. “Espero que a decisão seja rápida. É o mínimo que eu espero do senhor Alexandre de Moraes”, afirmou o presidente nitidamente irritado com o que chamou de decisão política. “Eu respeito a decisão”, disse.

O ministro do STF decidiu aceitar a medida liminar proposta no Mandado de Segurança (MS) 37097, impetrado pelo Partido Democrático Trabalhista (PDT) contra o decreto de 27/4 do presidente da República, que se baseia principalmente na questão da impessoalidade.

“Não justifica a questão da impessoalidade. Como que o senhor Alexandre de Moraes foi indicado para o STF? Foi amizade com o presidente Michel Temer. Ou não foi?” Indagou o presidente Bolsonaro.

Cargo de confiança e cargo político

“Eu conheci o Ramagem um dia depois do segundo turno. A Polícia Federal resolveu trocar alguns dos seus delegados porque eu como presidente eleito deveria ter um cuidado mais especial ainda. Foi assim que eu conheci o senhor Ramagem, e é uma pessoa competente segundo a própria Polícia Federal”, expôs.

Jair Bolsonaro, disse que sua segurança pessoal o acompanhava em todos os seus movimentos. “Só não dormia comigo”, brincou. O atentado contra sua vida, tendo como elemento principal Adélio Bispo, e a falta de empenho para demonstrar evidências mais concretas sobre se ele teria realmente agido sozinho, ainda causa desconforto ao presidente.

Falando sobre sua relação de confiança com o pessoal que faz sua segurança, Bolsonaro pergunta: “Porque eu não posso confiar em uma pessoa que conheci com essa profundidade? Como é que eu escolhi os ministros? Por critério técnico e alguns deles por conhecimento”, ressalta e justifica, citando o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, que era capitão da Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), que também integrou.

O ministro Alexandre de Moraes teve indicações políticas até chegar ao STF. Após o impeachment da presidente Dilma Roussef, ao assumir interinamente e depois como presidente, Michel Temer o nomeou Ministro da Justiça e Segurança Pública em maio de 2016. Em março de 2017, Temer o nomeou para o STF, ao cargo que ocupará vitaliciamente como ministro. O ex-presidente é alvo da Lava Jato, responde pelo menos um processo por corrupção e outro por esquema de propinas no Porto de Santos.

O primeiro processo refere-se a um assessor de sua confiança ter sido flagrado com uma mala contendo 500 mil reais saindo de uma pizzaria em São Paulo. De acordo com o inquérito da PF que instaurou o segundo processo, a propina favorecendo o político teria começado em 1990.

Presidente brasileiro fala sobre as providências quanto ao coronavírus. Foto: reprodução

Leia mais sobre
ALÔ BRASIL

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Pandemia não impede obras de infraestrutura no Brasil, vídeo
3º Drive Thru Solidário acontece sábado (16) na Rua Emília Marengo
Governador João Doria confirma quarentena até 31 de maio
Pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro sobre saída de Sérgio Moro de seu governo
Coletiva de imprensa convocada por Sérgio Moro
Conferência interministerial do governo Bolsonaro, assista ao vivo
Pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro
Atualizações interministeriais do Governo Federal contra a COVID-19, ao vivo
  • Pandemia não impede obras de infraestrutura no Brasil, vídeo

  • 3º Drive Thru Solidário acontece sábado (16) na Rua Emília Marengo

  • Governador João Doria confirma quarentena até 31 de maio

  • Pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro sobre saída de Sérgio Moro de seu governo

  • Coletiva de imprensa convocada por Sérgio Moro

  • Conferência interministerial do governo Bolsonaro, assista ao vivo

  • Pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro

  • Atualizações interministeriais do Governo Federal contra a COVID-19, ao vivo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Share This