Automedicação: uma escolha que mata


Domingo | 8 de março, 2020 | 11h18


A automedicação é um hábito para 77% dos brasileiros, segundo recente pesquisa do Conselho Federal de Farmácia (CFF). Quase metade (47%) recorre a fármacos sem prescrição médica ao menos uma vez por mês, e 25% o faz todo dia ou pelo menos uma vez por semana.

 

Lamentavelmente, por mais que se fale sobre o tema, ainda existe uma carência de informação entre a população. Ilustração: aloart

 

Por Antonio Carlos Lopes

Quem mais recorre a essa perigosa escolha são as mulheres, que utilizam medicamentos ao bel prazer uma vez por mês. Os principais influenciadores da opção por remédio A ou B são familiares, amigos e vizinhos.

O aumento da rigidez na venda de medicamentos, sobretudo de anti-inflamatórios, parece não ter surtido uma melhora adequada do quadro. Claro que a situação seria mais grave, caso não tivéssemos leis para coibir o uso por conta própria.

Mesmo assim, os índices de automedicação aumentam celeremente, prejudicando tratamentos, agravando sintomas e piorando quadros clínicos.

Um complicador em situações do gênero é que o médico nem sempre é informado dos fármacos que o paciente adotou antes de chegar ao consultório. Fica assim uma brecha para a interação medicamentosa, que, em distintas oportunidades, possui consequências catastróficas.

O Brasil é um dos países que mais consome anti-inflamatórios comercializados sem receita médica no mundo. São remédios importantes e eficazes, quando administrados por um especialista, após diagnóstico apurado e preciso.

Tomá-los por impulso, sem indicação profissional, abre portas para consequências de risco, como hemorragias do aparelho digestivo, diabetes, insuficiência cardíaca e piora na função renal e hipertensiva.
É essencial frisar que há na literatura médica inúmeros registros até de mortes decorrentes da medicação exagerada.

Lamentavelmente, por mais que se fale sobre o tema, ainda existe uma carência de informação entre a população. Isso ocorre em virtude da falta de políticas públicas e do envolvimento de toda a sociedade em campanhas de conscientização.

Aliás, a imprensa é rara parceira nesse ponto, levando dados e orientações aos cidadãos. Mas fica um apelo para que adote essa causa permanentemente, para que possamos alcançar o maior número possível de pessoas.

É recomendável igualmente alterações na legislação, para a extensão da exigência de receita médica a um grupo mais abrangente de fármacos. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) precisa mobilizar os atores do setor e a população nesse debate.

Reduzir os números de automedicação clamam por outras iniciativas urgentes e responsáveis. É mister que os pacientes tenham acesso agilizado em hospitais e unidades de saúde, já que é difícil resistir ao canto de sereia da automedicação em momentos de dor aguda, só para ficar em um exemplo.

Esclarecer a comunidade sobre a relevância do parecer do médico é essencial sempre; uma questão que pode ser solucionada com facilidade pelas autoridades do setor.

Enfim, é fundamental ter foco. Necessitamos de um sistema de saúde que, na prática, seja tão capaz quanto o SUS é na teoria. E nesse sentido não podemos deixar de considerar a queda do nível da relação médico-paciente e a diminuição da competência profissional, resultado da formação em massa em escolas desqualificadas. São fatores tão nocivos quanto à automedicação.

No momento em que os brasileiros tiverem de fato acesso universal e integral à assistência de qualidade, a automedicação não somente cairá vertiginosamente. Ela terá enfim seus dias contados.


Antonio Carlos Lopes, presidente da Sociedade Brasileira De Clínica Médica

Físico propõe eliminar necessidade de singularidade cosmológica no espaço-tempo e aponta que fase de expansão atual foi precedida por uma de contração. Artigo foi publicado na General Relativity and Gravitation. Imagem: NASA/CXC/M.Weiss

Leia mais sobre
ARTIGOS

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

3º Drive Thru Solidário acontece sábado (16) na Rua Emília Marengo
Governador João Doria confirma quarentena até 31 de maio
Pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro sobre saída de Sérgio Moro de seu governo
Coletiva de imprensa convocada por Sérgio Moro
Conferência interministerial do governo Bolsonaro, assista ao vivo
Pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro
Atualizações interministeriais do Governo Federal contra a COVID-19, ao vivo
Governo faz a atualização desta terça-feira, 31 de março – assista ao vivo
  • 3º Drive Thru Solidário acontece sábado (16) na Rua Emília Marengo

  • Governador João Doria confirma quarentena até 31 de maio

  • Pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro sobre saída de Sérgio Moro de seu governo

  • Coletiva de imprensa convocada por Sérgio Moro

  • Conferência interministerial do governo Bolsonaro, assista ao vivo

  • Pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro

  • Atualizações interministeriais do Governo Federal contra a COVID-19, ao vivo

  • Governo faz a atualização desta terça-feira, 31 de março – assista ao vivo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*