Coronavírus: respostas de valor | Harvard Medical School (EUA)


Domingo | 29 de março, 2020 | 18h30

 

Harvard Medical School – Estados Unidos da América, EUA


A Harvard Health Publishing (publicações sobre saúde) é a divisão de mídia e publicação da Harvard Medical School da Harvard University (Escola de Medicina da Universidade Harvard) e edita matérias e conselhos confiáveis para uma vida saudável. Com a pandemia de coronavírus publicou um artigo com informações para prevenção e contenção dessa doença. As publicações da entidade que está sob a direção do Dr. David H. Roberts, decano de Educação Externa, têm como objetivo oferecer às pessoas de todo o mundo as informações mais recentes sobre saúde, autoritativas, confiáveis e acessíveis, com base na experiência dos mais de 10.000 médicos do corpo docente da Harvard Medical School.

Destacamos parte da publicação feita em março, 2020 pela Harvard Health Publishing.

Noções básicas da COVID-19

O olfato perdido é um sintoma do COVID-19? O que devo fazer se perder o olfato?

Harvard Medical School: Evidências crescentes sugerem que o olfato perdido, conhecido clinicamente como anosmia, pode ser um sintoma da COVID-19. Isso não é surpreendente, porque as infecções virais são uma das principais causas de perda do olfato e a COVID-19 é causada por um vírus. Ainda assim, a perda do olfato pode ajudar os médicos a identificar pessoas que não apresentam outros sintomas, mas que podem estar infectadas pelo vírus COVID-19 – e que podem estar infectando outras pessoas sem querer.

Uma declaração escrita por um grupo de especialistas em ouvido, nariz e garganta (otorrinolaringologistas) no Reino Unido relatou que na Alemanha, dois em cada três casos confirmados de COVID-19 tiveram perda do olfato; na Coréia do Sul, 30% das pessoas com sintomas leves que apresentaram resultado positivo para COVID-19 relataram anosmia como principal sintoma.

Em 22 de março, a Academia Americana de Otorrinolaringologia - Cirurgia de Cabeça e Pescoço recomendou que a anosmia fosse adicionada à lista de sintomas do COVID-19 usados para rastrear as pessoas para possíveis testes ou autoisolamento.

Além do COVID-19, a perda de olfato também pode resultar de alergias e outros vírus, incluindo rinovírus que causam o resfriado comum. Então anosmia por si só não significa que você tenha COVID-19. Estão sendo realizados estudos mais completos para obter respostas mais definitivas sobre como a anosmia é comum em pessoas com COVID-19, em que momento após a infecção ocorre a perda do olfato e como distinguir a perda de olfato causada pela COVID-19 da perda de olfato causada por alergias, outros vírus ou outras causas.

Até sabermos mais, informe o seu médico imediatamente se você não conseguir sentir cheiros. Ele pode solicitar que você faça o teste e se autoisole.

Quais são os sintomas do COVID-19?

HMS: Algumas pessoas infectadas com o vírus não apresentam sintomas. Quando o vírus causa sintomas, os comuns incluem tosse seca, fadiga, febre baixa, dores no corpo, congestão nasal e dor de garganta. No entanto, a COVID-19 pode ocasionalmente causar sintomas mais graves, como febre alta, tosse intensa e falta de ar, o que geralmente indica pneumonia.

Um dos sintomas da COVID-19 é a falta de ar. O que isso significa?

HMS: Falta de ar refere-se à sensação inesperada de falta de ar ou falta de ar. Mas quando você deve se preocupar com falta de ar? Existem muitos exemplos de falta de ar temporária que não são preocupantes. Por exemplo, se você se sentir muito ansioso, é comum ficar sem fôlego e o sintoma desaparecer quando você se acalmar.

No entanto, se você sentir que está respirando com mais dificuldade ou tendo problemas para respirar sempre que se esforçar, sempre deve ligar para o seu médico. Isso era verdade antes de termos o recente surto de COVID-19, e ainda será verdadeiro depois que terminar.

Enquanto isso é importante lembrar que, se a falta de ar for o seu único sintoma, sem tosse ou febre, o provável problema é algo diferente da COVID-19.

Quanto tempo demora quando uma pessoa é exposta ao vírus e quando começa a mostrar sintomas?

HMS: Pesquisas publicadas recentemente descobriram que, em média, o tempo de exposição ao início dos sintomas (conhecido como período de incubação) é de cerca de cinco a seis dias. No entanto, estudos mostraram que os sintomas podem aparecer logo após três dias da exposição e até 13 dias depois. Essas descobertas continuam apoiando a recomendação do CDC* de autoquarentena e monitoramento dos sintomas por 14 dias após a exposição.

Quão mortal é o COVID-19?

HMS: A resposta depende se você está analisando a taxa de mortalidade (o risco de morte entre os infectados) ou o número total de mortes. Até agora, a gripe causou muito mais mortes totais nesta temporada de gripe, nos EUA e no mundo, do que a COVID-19. É por isso que você já deve ter ouvido dizer que a gripe é uma ameaça maior.

Em relação à taxa de mortalidade, parece que o risco de morte com a infecção pandêmica por coronavírus (geralmente estimada em cerca de 1%) é muito menor do que era para SARS (aproximadamente 11%) e MERS (cerca de 35%), mas provavelmente será maior que o risco da gripe sazonal (em média cerca de 0,1%). Teremos uma estimativa mais precisa da taxa de mortalidade para esta infecção por coronavírus assim que o teste se tornar mais disponível.

O que sabemos até agora é que o risco de morte depende muito da sua idade e da sua saúde geral. As crianças parecem estar em risco muito baixo de doenças graves e morte. Os idosos e aqueles que fumam ou têm doenças crônicas, como diabetes, doenças cardíacas ou pulmonares, têm maior chance de desenvolver complicações como pneumonia, que pode ser fatal.

Por quanto tempo o coronavírus pode permanecer no ar?

HMS: Um estudo realizado pelo Laboratório de Virologia do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas da Divisão de Pesquisa Intramural (National Institute of Allergy and Infectious Diseases’ Laboratory of Virology in the Division of Intramural Research) de Hamilton, Montana, ajuda a responder a essa pergunta. Os pesquisadores usaram um nebulizador para soprar coronavírus no ar. Eles descobriram que vírus infecciosos podem permanecer no ar por até três horas (saiba mais aqui). Os resultados do estudo foram publicados no New England Journal of Medicine em 17 de março de 2020.

Quanto tempo o coronavírus que causa a COVID-19 sobrevive em superfícies?

HMS: Um estudo recente descobriu que o coronavírus COVID-19 pode sobreviver até quatro horas em cobre, até 24 horas em papelão e até dois a três dias em plástico e aço inoxidável. Os pesquisadores também descobriram que esse vírus pode permanecer como gotas no ar por até três horas antes de cair. Mas na maioria das vezes eles caem mais rapidamente.

Ainda não sabemos muito sobre quais condições diferentes, como exposição à luz solar, calor ou frio, podem afetar esses tempos de sobrevivência.

À medida que aprendemos mais, continue a seguir as recomendações do CDC* para limpar superfícies e objetos frequentemente tocados todos os dias. Isso inclui balcões, mesas, maçanetas, utensílios de banheiro, banheiros, telefones, teclados, tablets e criados-mudos.

Se as superfícies estiverem sujas, limpe-as primeiro com detergente e água e depois as desinfete.

Além disso, lave as mãos por 20 segundos com água e sabão depois de pegar em embalagens ou depois de ir ao supermercado ou a outros lugares onde possa ter entrado em contato com superfícies infectadas.

Posso pegar o coronavírus comendo alimentos manipulados ou preparados por outras pessoas?

HMS: Ainda estamos aprendendo sobre a transmissão do novo coronavírus. Não está claro se ele pode ser transmitido por pessoas infectadas através dos alimentos que elas manipularam ou prepararam. Mas, nesse caso, é mais provável que seja a exceção do que a regra.

Dito isto, o novo coronavírus é um vírus respiratório conhecido por se espalhar pelas secreções respiratórias superiores, incluindo gotículas no ar após tossir ou espirrar. O vírus que causa a COVID-19 também foi detectado nas fezes de certas pessoas. Portanto, atualmente não podemos descartar a possibilidade de a infecção ser transmitida através de alimentos por uma pessoa infectada que não lavou bem as mãos. No caso de comida quente, o vírus provavelmente seria morto por cozimento. Pode não ser o caso de alimentos não cozidos, como saladas ou sanduíches.

A gripe mata mais pessoas que a COVID-19, pelo menos até agora. Por que estamos tão preocupados com a COVID-19? Não deveríamos estar mais focados na prevenção de mortes por gripe?

HMS: Você está certo em se preocupar com a gripe. Felizmente, as mesmas medidas que ajudam a impedir a propagação do vírus COVID-19 – lavagem frequente e completa das mãos, sem tocar seu rosto, tossindo e espirrando em um lenço de papel ou cotovelo, evitando pessoas doentes e ficando longe das pessoas, se você está doente – também ajudam a proteger contra a propagação da gripe.

Se você ficar gripado, seu médico poderá prescrever um medicamento antiviral que reduza a gravidade de sua doença e diminua a duração. Atualmente, não existem medicamentos antivirais disponíveis para o tratamento da COVID-19.

Devo tomar uma vacina contra a gripe?

HMS: Embora a vacina contra a gripe não o proteja do desenvolvimento da COVID-19, ainda é uma boa ideia. A maioria das pessoas com mais de seis meses pode e deve receber a vacina contra a gripe. Fazer isso reduz as chances de contrair gripe sazonal. Mesmo que a vacina não o impeça de contrair a gripe, ela pode diminuir a chance de sintomas graves. Mais uma vez, a vacina contra a gripe não o protegerá contra esse coronavírus.


* Centros de Controle e Prevenção de Doenças (Centers for Disease Control and Prevention) dos Estados Unidos. No Brasil é possível seguir as instruções do Ministério da Saúde, clicando no botão mais abaixo, neste post.

Imagem: aloart

Leia mais sobre
CORONAVÍRUS: RESPOSTAS DE VALOR

Leia mais sobre
CORONAVÍRUS

Leia as últimas publicações

Recent Videos

3º Drive Thru Solidário acontece sábado (16) na Rua Emília Marengo
Governador João Doria confirma quarentena até 31 de maio
Pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro sobre saída de Sérgio Moro de seu governo
Coletiva de imprensa convocada por Sérgio Moro
Conferência interministerial do governo Bolsonaro, assista ao vivo
Pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro
Atualizações interministeriais do Governo Federal contra a COVID-19, ao vivo
Governo faz a atualização desta terça-feira, 31 de março – assista ao vivo
  • 3º Drive Thru Solidário acontece sábado (16) na Rua Emília Marengo

  • Governador João Doria confirma quarentena até 31 de maio

  • Pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro sobre saída de Sérgio Moro de seu governo

  • Coletiva de imprensa convocada por Sérgio Moro

  • Conferência interministerial do governo Bolsonaro, assista ao vivo

  • Pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro

  • Atualizações interministeriais do Governo Federal contra a COVID-19, ao vivo

  • Governo faz a atualização desta terça-feira, 31 de março – assista ao vivo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*