Paulo Guedes: enfrenta a falta de decoro na CCJ


Quinta-feira | 4 de abril, 2019 | 20h14


Apesar da renovação, Congresso continua o mesmo, preso aos velhos costumes.

Gerson Soares

O clima já começou tenso, logo na abertura da sessão da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados (CCJ). As primeiras atitudes dos deputados foram os já conhecidos pedidos da “palavra pela ordem”, mas o comportamento deles foi ainda mais surpreendente, ficando muito distante do se espera de uma “casa” de leis, onde a ordem deveria imperar.

 

O ministro da Economia, Paulo Guedes, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, debate a reforma da Previdência (PEC 6/19). Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil Brasilia

 

O ministro da Economia, Paulo Guedes, ficou calmo por poucos momentos. No entanto, assim que começaram as formulações de perguntas, a tensão ficava aparente e não demorou para que o péssimo tratamento dispensado ao Ministro levasse o novato deputado Felipe Francischini (PSL-PR) presidente da CCJ, lembrar aos demais que Guedes era um convidado, portanto deveria ser ouvido com mais cortesia.

O nível de educação de suas excelências foi descendo até chegar à notória e insolência vista por milhares de espectadores pelas redes sociais e internet. Simbolizando a renovada, porém a mesma, empáfia vista pelo menos nos últimos quatro mandatos, os filhos de ex-parlamentares. Clarissa Garotinho (PROS), filha do ex-governador Anthony Garotinho e da ex-governadora Rosinha Garotinho e Zeca Dirceu (PT-PR), filho do ex-ministro José Dirceu.

Faltou educação

Atualmente, os ex-governadores do Rio de Janeiro, pai e mãe de Clarissa, recorrem em liberdade depois de várias prisões. O mesmo acontece com o ex-ministro José Dirceu, pai de Zeca, que está em liberdade graças a uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). Os pais dos deputados que não pouparam Paulo Guedes foram enquadrados em diversos desdobramentos da Operação Lava Jato.

Se por sua vez a deputada Clarissa procurou denegrir a imagem de Guedes, dizendo não saber se ele teria tão boa memória para responder à enxurrada de perguntas que fez, quando teve a oportunidade para se pronunciar, o deputado Zeca não só desrespeitou o Ministro, chamando-o de “tigrão e tchuchuca” – este respondeu que “tchuchuca é a mãe –, mas deixou claro o nível de civilidade que se permite aos senhores parlamentares. Faltou decoro, qualidade que lhes é exigida, mas foi esquecida nesse encontro.

Muitas perguntas para pouco tempo de resposta

Notadamente seria de imaginar que não haveria tempo para responder tantas questões sensíveis impostas a Paulo Guedes. A falta de respeito não compatível com os cargos e funções que ocupam e a importância da CCJ, demonstrou claramente ao Brasil as dificuldades que serão enfrentadas para a aprovação dessa pauta que parece não interessar a uma boa parte dos deputados presentes na sessão de ontem (3).

Depois de ser duramente ofendido e se exaltar acusando os deputados, pediu uma pausa para ir ao toilete, alegando que estava à 7h tomando água. O embate com a oposição foi duro: “Vocês estão há quatro mandatos no poder, porque deram benefícios para bilionários? Porque deram dinheiro à JBS? Porque deram dinheiro para o BNDES? Vocês estiveram no poder. Nós estamos há três meses, vocês estão há 18 anos no poder e não tiveram coragem de mudar”, endureceu e foi aplaudido.

Apesar de ter sido renovado - Câmara 52% e Senado 87% - o Congresso Nacional continua dando mostras que não mudou. A oligarquia mantém os péssimos hábitos que se distanciaram há muito tempo das aspirações populares que na verdade representam. A votação da PEC 2/15, em tempo recorde deixa claro que ainda falta amadurecimento na relação entre governo e governados. A queda na Bolsa de Valores, que na projeção do PIB (Produto Interno Bruto) e a desconfiança dos investidores, demonstram ao mundo que o Brasil ainda patina, apesar dos inúmeros esforços que existem pela arrancada.

Leia mais sobre
ALÔ BRASIL

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Bolsonaro lança partido Aliança pelo Brasil
Nota de repúdio da Associação Nacional dos Procuradores da República, vídeo
Pátria Amada Brasil: 300 dias de Governo
Alexandre Garcia: visão de mais de 50 anos de jornalismo
Plano Safra é lançado com R$ 225,59 bilhões para produtores
Presidente pede confiança para mudar o Brasil, vídeo
Presidente Bolsonaro concede entrevista à Jovem Pan: balanço dos 100 dias de governo
Itália em São Paulo
  • Bolsonaro lança partido Aliança pelo Brasil

  • Nota de repúdio da Associação Nacional dos Procuradores da República, vídeo

  • Pátria Amada Brasil: 300 dias de Governo

  • Alexandre Garcia: visão de mais de 50 anos de jornalismo

  • Plano Safra é lançado com R$ 225,59 bilhões para produtores

  • Presidente pede confiança para mudar o Brasil, vídeo

  • Presidente Bolsonaro concede entrevista à Jovem Pan: balanço dos 100 dias de governo

  • Itália em São Paulo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*