Secreção X Corrimento: quando é hora de procurar um médico?


Sábado | 27 de junho, 2020 | 12h55


Se sentiu coceira, dor, desconforto, ardência, cheiro esquisito ou cor diferente, não é secreção normal.

“Toda vez que a mulher perceber algum tipo de incômodo, ela deve investigar a causa”. Essa é a recomendação da dra. Flavia Fairbanks, ginecologista do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP) e membro do Comitê de Sexologia da SOGESP e da Febrasgo, no que diz respeito ao corrimento vaginal.

Diferentemente do que muitas pessoas pensam, corrimento não é sinônimo de secreção e seu aparecimento é sinal de alguma anormalidade no organismo. Desequilíbrio da flora vaginal, baixa imunidade, doenças prévias e maus hábitos são algumas das causas dessa condição que pode atormentar a rotina das mulheres por anos.

 

Conhecimento e prevenção trazem boa saúde para as mulheres e evitam tratamentos mais difíceis ou prolongados. Ilustração: Joycereave

 

A secreção, geralmente branca e um pouco transparente, acompanha a vida da paciente desde a adolescência sem incomodar. Pode aparecer com maior intensidade no período periovulatório, em momentos próximos à menstruação e durante a gravidez, variando de acordo com o ambiente hormonal.

“Já o corrimento é o oposto. Há a mudança do aspecto, do cheiro, da cor e do volume, causando constrangimento. Tudo isso devido à proliferação de outros microrganismos não habituais da vagina, indicando riscos de infecção. Além do desconforto, outros sintomas comuns são coceira, irritação e dor ao urinar ou durante a relação sexual”, explica a dra. Fairbanks.

Entre as infecções que podem provocar o corrimento estão a vaginose bacteriana, a candidíase e a tricominíase. Há também algumas DST’s (doenças sexualmente transmissíveis) que se manifestam especialmente através do corrimento, como clamídia e gonorreia.

As dicas da dra. Fairbanks para evitar o problema em mulheres saudáveis são: evitar a exposição a roupas molhadas por longos períodos, sempre preferir calcinhas de algodão, manter a oxigenação e hidratação local e evitar o uso de absorventes internos por mais de quatro horas.

Já as pacientes que possuem vaginites, além de manter a imunidade em dia, devem usar preservativos durante o período de tratamento, mantendo a higiene logo após as relações sexuais e, se possível, fazendo medidas caseiras de acidificação do meio vaginal através de reguladores do pH. A médica explica: “A alteração desse índice é mais comum nos períodos pós-menstrual e pós relação sexual, justamente pelo ambiente mais alcalino em decorrência, respectivamente, do sangue e do sêmen”.

“As mulheres não podem deixar o corrimento de lado. Toda alteração no organismo tem que ter uma explicação e um diagnóstico, além de múltiplas tentativas de tratamento até que se encontre a melhor para aquela paciente”, pontua dra. Fairbanks, chamando a atenção para o autocuidado feminino.

Leia mais sobre
MEDICINA&SAÚDE

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Pandemia não impede obras de infraestrutura no Brasil, vídeo
3º Drive Thru Solidário acontece sábado (16) na Rua Emília Marengo
Governador João Doria confirma quarentena até 31 de maio
Pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro sobre saída de Sérgio Moro de seu governo
Coletiva de imprensa convocada por Sérgio Moro
Conferência interministerial do governo Bolsonaro, assista ao vivo
Pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro
Atualizações interministeriais do Governo Federal contra a COVID-19, ao vivo
  • Pandemia não impede obras de infraestrutura no Brasil, vídeo

  • 3º Drive Thru Solidário acontece sábado (16) na Rua Emília Marengo

  • Governador João Doria confirma quarentena até 31 de maio

  • Pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro sobre saída de Sérgio Moro de seu governo

  • Coletiva de imprensa convocada por Sérgio Moro

  • Conferência interministerial do governo Bolsonaro, assista ao vivo

  • Pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro

  • Atualizações interministeriais do Governo Federal contra a COVID-19, ao vivo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Share This