Ainda hoje os mais pobres repetem as cenas do passado


Domingo | 10 de maio, 2020 | 18h50

 

:: Anjos do passado e do presente


Gerson Soares

Há 100 anos a situação se repete, os mais pobres são atingidos com mais intensidade pelas doenças e calamidades. São eles que multiplicam as filas e os óbitos dos hospitais públicos agora. Está com os menos favorecidos a maior preocupação das autoridades que aparecem para salvaguardá-los somente quando a casa já caiu.

O isolamento das camadas menos abastadas da sociedade paulistana, para citar esta localidade inserida na mais populosa unidade da federação, continua surtindo os efeitos que a levaram para longe das áreas nobres. As periferias contam com menos assistência e visão das autoridades públicas, como há 100 anos. Falta de tudo, inclusive consciência do perigo.

 

Foto: Acervo Museu da Imigração/APESP

 

O número de mortes na atualidade é tão assustador quanto foi há um século, quando a gripe espanhola levou a óbito 12 mil indivíduos em 66 dias e contaminou 350 mil pessoas na cidade de São Paulo – o equivalente a dois terços da população, conforme lido em "Hospedaria em Quarentena - A espanhola malquista". Os números não são exatos devido as dificuldades com as estatísticas e esse é um fato notável, bastante conhecido de quem pesquisa a história paulista, os números que se encontra divergem entre uma instituição e outra, mas de qualquer modo servem como parâmetro.

Atualmente há casos de recuperação, que não são encontrados nos dados oficiais paulistas, apenas mortes e infectados são vistos comumente durante os boletins. A dificuldade em obter informações precisas nos faz ir e voltar no tempo e na história. No entanto, distante de tudo isto, existem os “anjos”. São pessoas que se mobilizam com coragem, trabalham sem temor nas áreas mais suscetíveis de contaminação, como a da saúde. Médicos, enfermeiras e as equipes que acolhem os doentes contrastam com a calamidade promovida pelas autoridades. Anjos incógnitos, já receberam muitas homenagens, mas acabam esquecidos. Seus atos, no entanto, não devem passar despercebidos no céu. Sem pensar, agem pela sua natureza: a de amparar o próximo.

Encerro estas singelas crônicas com o texto grifado abaixo, publicado pela equipe do Museu da Imigração. Estes escritos nos fazem lembrar dos cortiços, da falta de saneamento básico e a pobreza de outrora, situações que ainda persistem nesse sentido, mesmo tendo passado 100 anos. Nas duas pandemias, a solidariedade e a compreensão, ainda fazem a diferença nas vidas daqueles que estão aturdidos com a falta de recursos financeiros, dispensados dos empregos ou que perderam entes queridos para um inimigo invisível, traiçoeiro. Diferente do combatente que levantou a metralha nas grandes guerras do passado ceifando milhões de vidas, o coronavírus age sorrateiro.

“O hospital da Hospedaria de Imigrantes do Brás, segundo Relatório da Secretaria da Agricultura, tratou de 1508 enfermos (entre 18 de outubro e 30 de novembro de 1918) e preparou 14.215 receitas médicas. Os responsáveis por coordenar os atendimentos foram o médico Dr. Mario Graccho e o farmacêutico Augusto Seixas, mas muitas outras pessoas se envolveram diretamente no cuidado com os doentes. Cozinheiros e auxiliares de cozinha prepararam 8.797 litros de leite, 13.123 caldos de galinha e 4.125 canjas de galinha; um grupo de mulheres dirigidas pela superiora do Pensionato das Irmãs da Esperança confeccionou para o hospital 909 lençóis, 40 fronhas, 812 camisolas e 150 peças de vestuário para crianças; os padres Missionários do Coração de Maria e as freiras Irmãs da Esperança ofereceram assistência religiosa aos doentes, e essas últimas também atuaram como enfermeiras.”

O artigo completo publicado pela equipe do Museu da Imigração sobre o hospital da hospedaria,
a gripe espanhola entre os imigrantes e paulistanos pode ser lido no link abaixo.

“Hospedaria em Quarentena: A espanhola malquista”

Leia mais sobre
CORONAVÍRUS

Leia as últimas publicações

Recent Videos

3º Drive Thru Solidário acontece sábado (16) na Rua Emília Marengo
Governador João Doria confirma quarentena até 31 de maio
Pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro sobre saída de Sérgio Moro de seu governo
Coletiva de imprensa convocada por Sérgio Moro
Conferência interministerial do governo Bolsonaro, assista ao vivo
Pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro
Atualizações interministeriais do Governo Federal contra a COVID-19, ao vivo
Governo faz a atualização desta terça-feira, 31 de março – assista ao vivo
  • 3º Drive Thru Solidário acontece sábado (16) na Rua Emília Marengo

  • Governador João Doria confirma quarentena até 31 de maio

  • Pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro sobre saída de Sérgio Moro de seu governo

  • Coletiva de imprensa convocada por Sérgio Moro

  • Conferência interministerial do governo Bolsonaro, assista ao vivo

  • Pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro

  • Atualizações interministeriais do Governo Federal contra a COVID-19, ao vivo

  • Governo faz a atualização desta terça-feira, 31 de março – assista ao vivo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*