Neurologia: ABN promove ações em combate à Doença de Parkinson


Quinta-feira, 7 de abril de 2016 às 12h37


Em 11 de abril, celebra-se o Dia Mundial de Combate à Doença de Parkinson, patologia neurodegenerativa prevalente entre a população idosa que, no entanto, também atinge os mais jovens. Aproveitando a data, a Academia Brasileira de Neurologia (ABN) lança campanha para conscientizar a população sobre os principais sintomas e disseminar importantes informações sobre a doença e seus tratamentos.

O mote deste ano é “Doença de Parkinson: caminhando juntos, vivendo melhor”, destacando o fato de que o paciente com DP precisa de total apoio e que não está sozinho na luta contra a doença.

 

Foto: Getty Images

Foto: Getty Images

 

Para dar início às atividades de conscientização, a Academia Brasileira de Neurologia promove coletiva de imprensa online, em 6 de abril, a partir das 14h30, com exposição de dados relevantes sobre o tema e presença de neurologistas renomados.
“Depois de Alzheimer, Parkinson é a segunda doença neurodegenerativa mais frequente na 3ª idade. Portanto, com aumento da expectativa de vida do brasileiro, ela se torna um problema de saúde pública e merece grande atenção”, afirma dr. Delson José da Silva, coordenador do Departamento Científico de Transtornos do Movimento da ABN.

Durante o mês de abril, a ABN realizará uma série de ações em todas as regiões do país para levar informações precisas e contundentes à população geral. Através de palestras e distribuição de materiais informativos, a população leiga terá acesso a conteúdos de qualidade, visando à formação de base sólida de conhecimentos sobre Parkinson.

Essa é uma doença neurodegenerativa progressiva e incapacitante, que ocorre a partir da diminuição intensa da produção de dopamina, indispensável para o funcionamento normal do cérebro. Na falta dessa substância, o indivíduo perde o controle motor e os movimentos voluntários passam a não acontecer mais de forma automática.

“Estudos apontam que múltiplos fatores contribuem para o surgimento da doença. Fatores ambientais como produtos químicos tóxicos advindos do contato de pesticidas, herbicidas e metais; agentes infecciosos ou mesmo partículas orgânicas danosas que atingiriam um individuo genética e constitucionalmente, podem promover alterações celulares que levariam à morte de neurônios produtores de dopamina”, explica.

É importante ressaltar que quanto mais precoce o diagnóstico, o início do tratamento tende a ser mais rápido, o que garante uma melhora significativa na qualidade de vida dos pacientes.

Mulheres de todas as idades terão assuntos de seu interesse de acordo com a pauta da palestra. Foto ilustrativa: Slawa Gu / Stock Photos

Mulheres de todas as idades terão assuntos de seu interesse de acordo com a pauta da palestra neste dia 8 de março. Foto ilustrativa: Slawa Gu / Getty Images

Leia mais sobre
MEDICINA

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Bolsonaro lança partido Aliança pelo Brasil
Nota de repúdio da Associação Nacional dos Procuradores da República, vídeo
Pátria Amada Brasil: 300 dias de Governo
Alexandre Garcia: visão de mais de 50 anos de jornalismo
Plano Safra é lançado com R$ 225,59 bilhões para produtores
Presidente pede confiança para mudar o Brasil, vídeo
Presidente Bolsonaro concede entrevista à Jovem Pan: balanço dos 100 dias de governo
Itália em São Paulo
  • Bolsonaro lança partido Aliança pelo Brasil

  • Nota de repúdio da Associação Nacional dos Procuradores da República, vídeo

  • Pátria Amada Brasil: 300 dias de Governo

  • Alexandre Garcia: visão de mais de 50 anos de jornalismo

  • Plano Safra é lançado com R$ 225,59 bilhões para produtores

  • Presidente pede confiança para mudar o Brasil, vídeo

  • Presidente Bolsonaro concede entrevista à Jovem Pan: balanço dos 100 dias de governo

  • Itália em São Paulo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*