Reformas para o Brasil, já!


Sexta-feira | 29 de janeiro, 2021


Com o final do recesso parlamentar, espera-se que os congressistas brasileiros simplesmente trabalhem e discutam as propostas de privatizações e reformas que só dependem deles. Em 2020, os parlamentares custaram ao povo brasileiro – não perca a conta – o equivalente a R$ 10.859.209.416 bilhões de reais.

Gerson Soares

No início de 2020, o Brasil foi acometido pela pandemia de coronavírus e no final do ano por pouco o pleito municipal não foi suspenso devido a isso. Diante de tais fatores, o Congresso Nacional não pautou a maioria das propostas importantes para o país. Tendo como presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado, Rodrigo Maia (DEM) e Davi Alcolumbre (DEM) respectivamente, o que se viu foi mais um ano de pinimbas entre os poderes Legislativo, Judiciário e Executivo.

 

17/12/2019 – Congresso aprova orçamento para 2020: a previsão para a Câmara dos Deputados e Senado foi de R$ 10.859.209.416, quase 11 bilhões de reais. Sem dúvida qualquer empresário consciente notaria o disparate entre a despesa e o retorno. Davi Alcolumbre, à esquerda, cumprimenta o deputado Domingos Neto (PSD-CE), relator, e o senador Marcelo Castro (MDB-PI), presidente da CMO, junto ao secretário da Mesa, Bandeira de Mello. Foto: Roque de Sá/Agência Senado

 

Uma das pautas econômicas mais importantes no que diz respeito às privatizações é a capitalização da Eletrobrás, tida como a joia da coroa entre as estatais que poderão ser privatizadas de acordo com o Ministério da Economia. O presidente Jair Bolsonaro assinou o Projeto de Lei que foi enviado ao Legislativo no dia 5 de novembro de 2020 e até agora nada foi discutido.

Lentidão

Na segunda-feira (25), o presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Júnior, pediu demissão do cargo e tudo leva a crer que o motivo foi a demora para que as discussões sobre o assunto tivessem início no Congresso. O mesmo motivo provocou a saída do ex-secretário de Desestatização, Salim Mattar, da equipe chefiada por Paulo Guedes em agosto do ano passado. Segundo Mattar, no que diz respeito às privatizações, disse em entrevista à Jovem Pan que “as bancadas na Câmara dos Deputados e no Senado agem de acordo com seus interesses e impediam que pautas consideradas importantes por ele fossem votadas”.

Enquanto o assunto permanecia engavetado pelos presidentes da Câmara e do Senado, ambos se concentram em arregimentar apoio para criar precedentes à Constituição no intuito de se manterem nos cargos, sem sucesso. A eleição para os cargos que ocupam e as intrigas palacianas foram os únicos assuntos em pauta desde o final do ano passado e ainda permanecem. Felizmente, no próximo dia 1º de fevereiro haverá eleição no Senado e no dia seguinte a Câmara poderá eleger seu novo presidente.

 

Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre no centro da mesa: tentativas de criar precedentes na Constituição Brasileira para se manterem no poder e com isso deixando de pautar as agendas do Governo Federal, como fizeram ao longo dos seus mandatos, criando impecilhos para o desenvolvimento do Brasil quando isso não lhes interessou ou aos seus demais aliados; piores ainda foram as tentativas de denegrir a imagem do chefe da Nação quando na verdade o que importava eram os seus interesses. Foto: Jonas Pereira/Agência Senado / Legenda do autor.

 

As reformas e Delfim Netto

Em 1997, fui indicado para exercer a função de assessor de imprensa da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) Distrital Tatuapé, durante o biênio 1998/1999 – serviço voluntário, sem remuneração. No dia 14 de setembro de 1998, com a “casa cheia”, recebemos o ex-ministro Delfim Netto para falar sobre o “Plano Real e a Economia brasileira”. Ele começou lembrando seus laços com a ACSP onde foi assessor de 1951 a 1966. Entre os assuntos abordados, o professor de Economia falou sobre reformas, inclusive a necessidade de uma reforma política.

Questionado por mim sobre a reforma tributária e se isso seria uma solução para a estabilização do quadro econômico do país, Delfim Netto disse que “sim, pois o objetivo é eliminar as distorções no sistema de preços, estimular o trabalho, reduzir a tributação sobre o capital e aumentar o consumo”. Estávamos em ano eleitoral e o professor alertou: “Vale insistir, mesmo assim é melhor aguardar a próxima legislatura para que a reforma, mal chegando, não venha a precisar logo de outra”.

O tempo passa e o Brasil patina

Legislaturas e mais legislaturas já passaram durante os 23 anos que vieram depois daquela entrevista e até agora o Congresso Nacional não conseguiu apresentar políticas que estimulem investimentos sólidos no país, ao contrário. Os constantes escândalos de corrupção do passado e aumentos da carga tributária continuam, a fim de sustentar uma máquina caótica, cercada de burocracias, futilidades, interesses pessoais e mordomias que envolve os três poderes.

Uma onda de patriotismo trouxe alento com a eleição de Jair Bolsonaro. O primeiro mês de 2021 está indo embora, mas o Brasil permanece a mercê da pandemia e de uma epidemia antinacionalista que afeta boa parte da classe política. A Covid-19 já tem vacina e há de passar. Todavia, essa doença que atrasa o país em nome dos interesses escusos ainda carece de remédio. O Brasil precisa de reformas, já! Entre elas a política. Erradicando a parte que só pensa em si e nos custa caríssimo, o país poderá finalmente decolar.

O avião com as vacinas da AstraZeneca/Oxford foi recebido na pista por um batismo simbólico. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Leia mais sobre
ALÔ BRASIL

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Presépio e a magia da natividade
Exoesqueleto robótico para reabilitação humana
Covid-19: filme de PVC para alimentos inativa o SARS-CoV-2
Pandemia não impede obras de infraestrutura no Brasil, vídeo
3º Drive Thru Solidário acontece sábado (16) na Rua Emília Marengo
Governador João Doria confirma quarentena até 31 de maio
Pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro sobre saída de Sérgio Moro de seu governo
Coletiva de imprensa convocada por Sérgio Moro
  • Presépio e a magia da natividade

  • Exoesqueleto robótico para reabilitação humana

  • Covid-19: filme de PVC para alimentos inativa o SARS-CoV-2

  • Pandemia não impede obras de infraestrutura no Brasil, vídeo

  • 3º Drive Thru Solidário acontece sábado (16) na Rua Emília Marengo

  • Governador João Doria confirma quarentena até 31 de maio

  • Pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro sobre saída de Sérgio Moro de seu governo

  • Coletiva de imprensa convocada por Sérgio Moro

Categorias

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Share This