Dexametasona será usada no tratamento da COVID-19, afirmam pesquisadores ingleses


Quarta-feira | 17 de junho, 2020 | 15h39


A Universityof Oxford divulgou, nesta terça-feira (16), mais uma boa notícia que traz alento aos pacientes e àqueles que cuidam das pessoas acometidas pelo coronavírus. No dia 4 de junho, a universidade iniciava com sucesso a 3ª fase de uma vacina contra a doença (leia aqui). Agora os ingleses adiantam um novo protocolo de tratamento contra a COVID-19 à base de dexametasona. Se as previsões desses pesquisadores se concretizarem, pode ser o fim do uso da polêmica cloroquina.

 


COMBATE AO COROVANÍRUS

Dexametasona reduz a morte em pacientes hospitalizados com complicações respiratórias graves de COVID-19

Gerson Soares
com as informações da University of Oxford, UK

Em março de 2020, o estudo RECOVERY (Randomized Evaluation of COVid-19 thERapY) foi estabelecido como um ensaio clínico randomizado para testar uma variedade de tratamentos em potencial para o COVID-19, incluindo baixas doses de dexametasona (um tratamento com esteroides). Mais de 11.500 pacientes foram matriculados em mais de 175 hospitais do NHS no Reino Unido.

Em 8 de junho, o recrutamento para a linha de testes com a dexametasona foi interrompido, pois, na visão do Comitê Diretor dos ensaios clínicos haviam sido inscritos pacientes suficientes para estabelecer se o medicamento tinha ou não um benefício significativo.

Um total de 2104 pacientes foram escolhidos para receber dexametasona 6 mg uma vez por dia (por via oral ou por injeção intravenosa) durante dez dias e foram comparados com 4321 pacientes selecionados apenas para os cuidados habituais. Entre os pacientes que receberam os cuidados usuais isoladamente, a mortalidade em 28 dias foi mais alta naqueles que necessitaram de ventilação (41%), intermediária nos pacientes que precisaram apenas de oxigênio (25%) e menor entre aqueles que não necessitaram de intervenção respiratória (13%).

 

Ingleses adiantam um novo protocolo de tratamento contra a COVID-19 à base de dexametasona. Foto: divulgação / University of Oxford

 

A dexametasona reduziu as mortes em um terço nos pacientes ventilados (razão de taxa 0,65 [intervalo de confiança de 95% 0,48 a 0,88]; p = 0,0003) e em um quinto em outros pacientes recebendo apenas oxigênio (0,80 [0,67 a 0,96]; p = 0,0021). Não houve benefício entre os pacientes que não necessitaram de suporte respiratório (1,22 [0,86 a 1,75]; p = 0,14).

Com base nesses resultados, foi evitada 1 morte a cada 8 pacientes ventilados ou em cerca de 25 pacientes que necessitavam apenas de oxigênio.

Dada a importância desses resultados para a saúde pública, os pesquisadores estão trabalhando para publicar todos os detalhes o mais rápido possível.

Peter Horby, professor de doenças infecciosas emergentes do Departamento de Medicina de Nuffield, da Universidade de Oxford, e um dos principais pesquisadores do ensaio clínico, disse: “A dexametasona é a primeira droga a se mostrar eficiente para melhorar a sobrevida na COVID-19. Este é um resultado extremamente bem-vindo. O benefício de sobrevida é claro e grande nos pacientes que estão doentes a ponto de necessitarem de tratamento com oxigênio; portanto, a dexametasona deve agora se tornar padrão de atendimento nesses pacientes. A dexametasona é barata e pode ser usada imediatamente para salvar vidas em todo o mundo”.

Martin Landray, professor de medicina e epidemiologia do Departamento de Saúde da População de Nuffield, da Universidade de Oxford, outro dos principais pesquisadores, disse: “Desde o surgimento da COVID-19, há seis meses, estamos em busca de tratamentos para melhorar a sobrevida, principalmente dos pacientes mais doentes. Esses resultados preliminares do estudo RECOVERY são muito claros – a dexametasona reduz o risco de morte em pacientes com complicações respiratórias graves. A COVID-19 é uma doença global – é fantástico que o primeiro tratamento demonstrado para reduzir a mortalidade esteja disponível instantaneamente e acessível em todo o mundo.”

O principal conselheiro científico do governo do Reino Unido, Sir Patrick Vallance, também se manifestou nesta terça-feira: “Hoje, esta é uma tremenda notícia sobre o estudo Recovery, mostrando que a dexametasona é a primeira droga a reduzir a mortalidade pela COVID-19. Isto é particularmente excitante, por ser um medicamento barato e amplamente disponível. Esta é uma descoberta inovadora em nossa luta contra a doença, e a velocidade com que os pesquisadores progrediram na busca de um tratamento eficaz é realmente notável. Isso mostra a importância de realizar ensaios clínicos de alta qualidade e basear as decisões nos resultados desses estudos”.

Imagem: aloart

Leia mais sobre
CORONAVÍRUS: RESPOSTAS DE VALOR

Leia mais sobre
CORONAVÍRUS

Leia as últimas publicações

Recent Videos

3º Drive Thru Solidário acontece sábado (16) na Rua Emília Marengo
Governador João Doria confirma quarentena até 31 de maio
Pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro sobre saída de Sérgio Moro de seu governo
Coletiva de imprensa convocada por Sérgio Moro
Conferência interministerial do governo Bolsonaro, assista ao vivo
Pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro
Atualizações interministeriais do Governo Federal contra a COVID-19, ao vivo
Governo faz a atualização desta terça-feira, 31 de março – assista ao vivo
  • 3º Drive Thru Solidário acontece sábado (16) na Rua Emília Marengo

  • Governador João Doria confirma quarentena até 31 de maio

  • Pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro sobre saída de Sérgio Moro de seu governo

  • Coletiva de imprensa convocada por Sérgio Moro

  • Conferência interministerial do governo Bolsonaro, assista ao vivo

  • Pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro

  • Atualizações interministeriais do Governo Federal contra a COVID-19, ao vivo

  • Governo faz a atualização desta terça-feira, 31 de março – assista ao vivo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Share This