Quarta-feira, 9 de julho de 2014 às 16h20 – Atualizado às 21h39


Reportagem especial sobre a Revolução Constitucionalista de 1932

O título “Exemplos para os dias de hoje”, mais acima, foi usado por Ruy Martins Altenfelder Silva, num brilhante artigo para a revista Digesto Econômico, órgão de imprensa da Associação Comercial de São Paulo, em edição comemorativa pelos 70 anos da Revolução Constitucionalista de 1932. Portanto, editada em 2002, de seu conteúdo nada precisa ser reescrito e continua atual. Vamos a ele.


Ruy Martins Altenfelder Silva

Cabe a nós, principalmente os homens e as mulheres da geração de 30 e 40, recordar o 9 de julho e contar a nossos filhos e netos o que foi o movimento de 1932 e seu verdadeiro significado.

Podemos trazê-lo como exemplo para os tempos atuais, como inspiração para desenvolver o sentimento de cidadania e contribuir para o bem de São Paulo e, consequentemente para o desenvolvimento econômico e social do Brasil.

Relendo os discursos de Armando de Sales Oliveira, encontrei dois trechos sobre a Revolução de 1932 que merecem reflexão:

:: À medida que o tempo passa, generaliza-se o julgamento da revolução paulista. Só um pequenino grupo persiste no propósito de denegri-la, de amesquinhá-la e até de ignorá-la. Esses homens, numa empresa impossível, investem contra uma montanha e tentam derrubá-la.

:: Movidos em determinado instante por um só impulso, os paulistas despertaram com súbita energia para uma fulgurante campanha de dignidade e de civismo. Alimentados por uma fé poderosa dissiparam com um largo gesto todas as dissensões, reuniram as forças de sua atividade criadora e de sua inteligência prática e fundiram-se numa perfeita, luminosa unidade. Foram, então, para o combate, sustentados pela febre que lhes batia nos pulsos e nas frontes. Uma a um, os paulistas levaram a sua pedra para montanha imperecível, que cimentaram com o generoso fermento de seu sangue. Quem não teria gravado no mais profundo da memória aquelas dias de transfiguração.

Respondendo a questionamentos injustos sobre o papel da Revolução de 32, Armando de Sales Oliveira, continua:

Ao pé desta montanha radiosa e inacessível irão em pensamento cantar seu hinos, numa constante renovação de amor, de esperança e de patriotismo, as gerações vindouras que ela alimentará com a lembrança de uma página de heroísmo nobilitante não somente para a história paulista, não somente para a história nacional, mas para a história da própria Humanidade.”

 

 

Mais adiante, evocando os heroicos bandeirantes ele afirma:

O bandeirante sabe que serão inócuas as tentativas de adormecer a energia paulista dentro de um horrível imediatismo materialista e que os ideais de São Paulo, postos muito altos como o de todos os grandes povos, só se conquistarão através do esforço ininterrupto de gerações incontáveis. Ele sabe que São Paulo conserva tão íntegro o espírito construtor de seus antepassados e, mesmo quando se levantou numa revolução avassaladora, não fez senão uma revolução iminentemente construtiva e cívica. Ele sabe – o bandeirante – que São Paulo é grande!

Faço questão de citar estes trechos dos discursos de Armando de Sales Oliveira e, ao mesmo tempo, invocar a Revolução de 1932 como exemplo para as novas gerações, porque penso que estamos vivendo uma revolução cívica. Penso que é o momento de cada um assumir uma postura de cidadão nesta verdadeira revolução pela ética na política, pelas profundas reformas estruturais de que o País precisa e que, no entanto, ficam apenas no terreno das boas intenções.

Todos nós, exercendo o legítimo direito – eu diria até a obrigação – de cidadão, devemos pressionar aqueles que têm responsabilidade no Congresso Nacional para que retomem o projeto das reformas estruturais de que o Brasil precisa: a reforma política, a reforma tributária (tão decantada e nunca realizada), a reforma previdenciária, a reforma administrativa, a reforma da arcaica legislação trabalhista, a reforma (iniciada, felizmente) da educação básica e do ensino profissionalizante, a reforma universitária, a reforma da saúde e a reforma da segurança pública – tudo isso desaguando na justiça social. Nós todos temos a responsabilidade de contribuir para que ela se faça o mais rápido possível.

O exemplo de 32 não pode ficar apenas na História. Deve ser sempre recordado, sempre reprisado, para que os paulistas possam, mirando-se no exemplo de 32, realizar, efetivamente, a revolução cívica de que o Brasil precisa para o bem de todos os brasileiros.


Da revista nº 8 da Academia Paulista de História

Crianças do batalhão de voluntários: “Se for preciso, também iremos”. Foto: Lembranças de São Paulo

Durante a revolução, a mulher paulista teve atuação assombrosa e comovedora, nas frentes de combate e na retaguarda. Foto: Álbum de Família 1932

Leia a reportagem especial: Revolução Constitucionalista de 1932

Clique na imagem para visualizar e selecionar todas as matérias ou selecione sua preferência no slider abaixo.

São Paulo contra a ditadura pela Liberdade

Revolução Constitucionalista de 1932, também conhecida como Guerra Paulista. Uma luta por justiça edificada por pessoas que amaram sua terra e o Brasil. Os heróis estão sepultados sob o Obelisco do Ibirapuera em glória eterna. As matérias desta reportagem...

Revolução de 1932: São Paulo lutou pela lei

Conheça algumas histórias sobre a Revolução de 1932 e um relato que ficou esquecido até 2014.

São Paulo de todas as Nações

Da simples cabana de barro e palha ao uso do concreto armado, uma cidade muito além de suas fronteiras. Do progresso notório à pausa para reivindicar a Constituição, uma guerra contra as injustiças. A Revolução de 1932 é um marco na história de São Paulo e...

1932: Um relato inédito

9 de Julho – A mulher na Revolução de 32

Sábado, 9 de julho de 2016, às 06h40 Anos atrás, quando Mario Covas, então Governador de São Paulo, havia decretado feriado o dia 9 de julho, em comemoração da Revolução de 32, fiquei tentando imaginar qual a motivação de tal ato. por Neide Lopes...

Revolução de 1932: Obelisco do Ibirapuera

Reportagem especial sobre a Revolução Constitucionalista de 1932 O Obelisco aos Heróis de 32, também conhecido como Obelisco do Ibirapuera ou Obelisco de São Paulo, é um monumento funerário erguido para homenagear e preservar a memória da Revolução de...

Julho: o mês das revoluções paulistas

Sexta-feira, 8 de julho de 2016, às 19h16 Amanhã, 9 de julho, é feriado em São Paulo. Nessa data são lembrados os acontecimentos que culminaram com a Revolução de 1932, que ficou conhecida como “Guerra Paulista”. O leitor poderá ler esta e várias outras...

A Legião Negra na Revolução Constitucionalista

Por volta desta data, há 84 anos, São Paulo fervia com a opressão do governo Vargas e exigiu uma nova Constituição. Hoje, quando o país inteiro já decorou a palavra e percebeu a importância do “livrinho”, vale recordar um pouco da história do Estado onde a liberdade...

Revolução de 1932: críticas

Reportagem especial sobre a Revolução Constitucionalista de 1932 Gerson Soares Alguns críticos ainda tentam subtrair o valor do intento paulista, mas mesmo derrotado, São Paulo venceu. A despeito das críticas sobre os erros militares que geraram a derrota...

Revolução de 32 — “Exemplos para os dias de hoje”

Quarta-feira, 9 de julho de 2014 às 16h20 – Atualizado às 21h39 Reportagem especial sobre a Revolução Constitucionalista de 1932 O título “Exemplos para os dias de hoje”, mais acima, foi usado por Ruy Martins Altenfelder Silva, num brilhante artigo para a...

Revolução de 32 — Os heróis e o exílio

Quarta-feira, 9 de julho de 2014 às 16h40 – Atualizado às 21h43 Reportagem especial sobre a Revolução Constitucionalista de 1932 Gerson Soares Campanha do Ouro, os heróis, o slogan dos Batalhões Infantis, os capacetes de aço, as indústrias que se...

Revolução de 32 — A História faz parte da Nação

Quarta-feira, 9 de julho de 2014 às 16h45 – Atualizado às 21h44 Reportagem especial sobre a Revolução Constitucionalista de 1932 Célio Debes Trecho do Digesto Econômico da ACSP, escrito em 2002. Essa demonstração de grandeza moral, de amor a terra, às suas...

A mulher na Revolução de 32 – Lucilla Novaes Prado

Reportagem especial sobre a Revolução Constitucionalista de 1932 Gerson Soares | publicado em 8 de julho de 2014 Costurando, alimentando e cuidando dos feridos a mulher paulista marcou sua presença na revolução. Em todo fato grandioso, nos ensina a...

9 de julho é dia de lembrar do Patriotismo

25 de Janeiro de 1932: Liberdade

Nove de Julho de 1932 – Guerra paulista

Paulo Virgínio, herói paulista, exemplo de civismo

Versos da guerra